Arquivo da tag: gospel

Dança profética é a do Afroreggae

Sostenes Lima, no blog dele

Há alguns anos começou no Brasil um “movimento profético”. Não sei bem de onde veio. Pra falar a verdade, não estou interessado em saber. Só estou escrevendo sobre esse tal movimento porque não aguento mais ver a palavra profético ser conspurcada pela religião. Já notaram que tudo hoje em dia é profético: da adoração à riqueza? Fiz uma pequena busca no Google e, para minha certeza, encontrei uma lista enorme de práticas religiosas e litúrgicas grosseiramente associadas à palavra que dá nome a um agente social, cuja memória exige respeito: o profeta. Vejam as pérolas que achei:

  • Adoração profética
  • Louvor profético
  • Louvorzão profético
  • Música profética
  • Dança profética
  • Culto profético
  • Bandeira profética
  • Sacerdócio profético
  • Ministração profética
  • Unção profética
  • Campanha profética
  • Transe profético
  • Mover profético
  • Êxtase profético
  • Teatro profético
  • Coral profético
  • Entrega profética
  • Oração profética
  • Jejum profético
  • Línguas proféticas
  • Batismo profético
  • Ceia profética
  • Oferta profética
  • Prosperidade profética
  • Riqueza profética

Obviamente a lista está incompleta. Não dá pra esgotá-la. Esse pessoal da religião é muito criativo e muito esperto.

Esse movimento todo em torno da palavra profético, infelizmente, não tem nada a ver com o resgate de um movimento social que surgiu na sociedade judaica monarquista há aproximadamente 2800 anos atrás. O uso abundante da palavra profético nos nossos dias não passa de uma grande jogada de marketing.

“Novos negócios precisam de novas palavras. E quando o negócio é velho, mais ainda!”, diz pragmaticamente a publicidade.  Não há como continuar explorando indefinidamente um negócio sem renovar sua cara. É por isso que surgiram a “Nova Skin”, o “Novo Civic”, o “New Fiesta” etc. A publicidade tem como objetivo nos convencer de que tudo é novo. Porque, se é novo, precisamos comprar. As coisas que temos são velhas; já não servem mais. Somos enredados pela a ilusão de que é possível refrear o envelhecimento comprando coisas novas.

O que ninguém diz é que o novo é apenas uma maquiagem verbal. A retórica publicitária faz com que coisas velhas sejam instantaneamente transformadas em novas, bastando renovar palavras ou inventar palavras novas. Sem os dotes retóricos, o que vemos é uma realidade bem diferente: tudo envelhece, até mesmo a palavra novo. Fico pensando sobre qual será o recurso publicitário que vai ser usado para vender o “Novo Civic” depois que o novo que há em seu nome envelhecer? Será que haverá um “Novo Novo Civic”? Bom, deixemos isso de lado e concentremos no que é da conta deste artigo.

Resumindo toda essa divagação sobre o discurso publicitário em uma única frase, teremos: não há como fazer um produto explodir no mercado sem colar nele uma buzzword. É preciso associar ao nome do produto uma palavra que vai dar cara ao negócio, que vai vendê-lo, que vai fixá-lo na mente do consumidor, que vai mobilizar revendedores e vendedores, que vai fortalecer as franquias, que vai ser inserida na missão e visão de empresas associadas etc.

Pois é, o mercado gospel, sabendo disso, fez um investimento de peso na palavra profético. E logo percebeu que essa seria uma jogada de muito sucesso. O pessoal do mercado religioso evangélico notou que colar em seus produtos o adjetivo profético agrada o consumidor. Daí a invenção de coisas como “adoração profética”, “ministração profética”, “dança profética”, “louvor profético” e até “riqueza profética”. A palavra tem alcançado uma circulação quase viral no meio gospel brasileiro.

Estudos em análise do discurso nos mostram que a publicidade consegue êxito na tarefa de projetar comercialmente uma palavra através de três estratégias semântico-discursivas. A primeira consiste em inventar tanto a palavra (matéria sonora e gráfica) como o significado desejado. Lança-se então uma nova palavra no mercado linguístico. Podemos dizer, adotando os termos de Saussure, que são criados tanto o significante quanto o significado. A segunda consiste em inventar significados novos para uma palavra velha, mas sem desconstruir ou apagar os significados antigos. Constroem-se, assim, metáforas com a palavra.

A terceira, muito mais audaciosa, consiste em esvaziar todo o significado da palavra, deixando-a completamente líquida e plástica, sob o ponto de vista semântico, para que possa se adaptar a qualquer contexto, tanto textual e quanto discursivo. Essa terceira estratégia é mais ousada porque é muito difícil destituir os significados fundantes de uma palavra; é muito difícil fazer o interlocutor bloquear o histórico semântico de qualquer palavra que seja. Isso é quase uma proeza. Só mesmo a publicidade para conseguir tamanha façanha.

Pois foi essa última estratégia que o mercado gospel usou com a palavra profético. Arrancou dela sua história semântica, deixando-a esvaziada de todos os traços que a inserem no campo da militância social e política. O significado fundante desse vocábulo remete a uma prática sociopolítica desenvolvida em Israel, na época da monarquia.

O profeta era um agente social que denunciava os desmandos praticados pelos poderosos do meio político, jurídico e religioso. Frequentemente reis, juízes e sacerdotes, empunhados da força que o poder lhes garantia, se embrenhavam na corrupção, explorando e oprimindo o povo. Quando a coisa se tornava insuportável, irrompia o profeta com a boca no trombone. Ele denunciava tudo e todos; desmascarava a corrupção e reclamava o direito dos oprimidos.

O discurso profético era um manifesto recoberto de denúncia e exigência de libertação. Não é de surpreender que os profetas fossem alvo de terríveis perseguições.  Naquela época, tudo que era profético era frontalmente oposto à coroa, ao judiciário e à religião. Para ser profeta era necessário haver disposição e coragem para desconstruir o discurso dessas três esferas públicas.

No profetismo de hoje, tudo essa memória sociopolítica, construída um torno da palavra profeta, é esvaziada. Para o mercado gospel, ser profético não significa nada. Não há intensão de manter ou agregar significado algum à palavra profético em si mesmaO que se quer é atribuir ao termo um valor comercial, tornando-o adaptável a qual quer produto religioso, especialmente aqueles já envelhecidos e com pouco apelo de consumo.

Dizer que uma música é profética constitui uma estratégia muito eficiente para convencer o consumidor de que está diante de um produto religioso novíssimo, do qual tem extrema necessidade.Portanto, todo esse frisson em torno da palavra profético nada mais é do que uma jogada retórico-publicitária que visa impulsionar o consumo religioso. Colocar o termo profético ao lado de produtos religiosos como adoração, culto, música, dança, oração, campanha, unção etc. dá-lhes uma roupagem de novo, criando um apelo de consumo quase irresistível.

Não digo que não haja dança profética. Mas se existir não tem nada a ver com essas coreografias de mau gosto que a gente tanto vê nas igrejas evangélicas por aí. Dança profética, para ser profética de verdade, tem de ser uma prática sociopolítica. Nesse sentido, eu estou muito mais disposto a encarar a apresentação de um grupo de jovens ligado ao Afroreggae como um evento de dança profética (em virtude do projeto de transformação sociopolítica aí incorporado), do que a apresentação de um grupo de dança evangélico, que só pensa em liturgia e nada faz por mudança e transformação social.

foto: FlipZona

Por que estudar religião?

Luiz Felipe Pondé, na Folha de S.Paulo

Você estuda religião? Aposto que, se sua resposta for “sim”, a causa é uma das hipóteses abaixo. Somos previsíveis como ratos de laboratórios.

Estudar religião cientificamente seria estudá-la sem fins religiosos, ou seja, “de modo objetivo”: via neurologia, sociologia, antropologia, psicologia, história, filosofia.

Trocando em miúdos, estudar religião cientificamente é estudá-la sem fins “lucrativos” para a própria fé do estudioso. Neste sentido, o melhor seria um ateu estudar Deus ou um cristão estudar budismo, porque assim não “lucrariam” com seus objetos de estudo.

Duvido profundamente deste pressuposto. Não porque seja impossível em si nem porque neutralidade em ciência seja algo absurdo. Trabalhar com ciência não é fruto de amor ao conhecimento, mas sim um modo de ganhar a vida muitas vezes menos competitivo do que o mercado de profissionais autônomos ou das grandes corporações.

Julgo esse problema da neutralidade do conhecimento científico tão improdutivo quanto se perguntar como faziam os últimos medievais, se Deus poderia criar uma pedra que Ele mesmo não poderia carregar -já que Ele seria onipotente e, portanto, poderia criar qualquer coisa. Mas, sendo Ele onipotente, como poderia existir uma pedra que Ele mesmo não poderia carregar?

Como você vê, trata-se de uma pergunta “podre” no sentido de ser simples perda de tempo. Um beco sem saída.

Acho que a chamada “neutralidade” em estudos da religião não passa de um preconceito contra a fé religiosa, porque em ciências humanas a neutralidade não é um pressuposto universalmente cobrado em todos os campos de pesquisa.

Por exemplo, quando mulheres estudam “opressão feminina”, não estariam elas sob suspeita, uma vez que são mulheres e, portanto, suspeitas em “lucrar” com os ganhos do próprio estudo? Ou, quando gays estudam “opressão contra os gays”, não estariam eles também sob suspeita, na medida em que eles, gays, também “lucrariam” com o estudo de seu próprio caso?

Ou mesmo ateus estudando Deus não estariam sob suspeita de quererem desconstruir a fé a fim de desvalorizá-la?

Por isso acho mais interessante ir logo a questões mais pragmáticas e perguntar: “Por que as pessoas querem estudar religião em vez de simplesmente viver suas religiões em seus templos e fé cotidiana?”.

Proponho as seguintes hipóteses.

1. Pessoas buscam a universidade ou instituições afins para estudar religião porque têm inquietações “espirituais”, mas se acham “cultas e bem (in)formadas” e estão um tanto de saco cheio das “igrejas” (no sentido de religiões institucionais) que existem no mercado. Ou mesmo porque sentem vergonha de serem religiosas “oficialmente” e, por isso, preferem estudar religião a praticar religião.

2. Porque odeiam religião por conta de traumas infantis familiares ou escolares ou por algum grande sofrimento que gerou algum tipo de “revolta contra Deus”. Normalmente essas pessoas querem acabar com a religião.

3. Razões ideológicas: religião aliena (marxistas), oprime mulheres e gays, condena o sexo. Ou seja: querem um mundo sem religião ou com religiões simpáticas a suas ideologias.

4. Para abrir uma igreja, ganhar dinheiro ou poder político.

5. Para tornar sua vivência religiosa mais “culta e bem informada” e “modernizar” sua vida religiosa cotidiana, como em questões relacionadas à ciência ou à ética.

6. Por diletantismo sofisticado movido por inquietações existenciais e/ou filosóficas.

7. Porque pertenceram ao clero de alguma religião e só sabem ganhar a vida com temas relacionados à religião.

8. Para usar o conhecimento em recursos humanos nas empresas.

9. Geopolítica internacional: fundamentalismos, multiculturalismos, comércio exterior.

10. Porque é professor e o ensino religioso é um mercado em expansão, além de que, se for egresso de classes sociais inferiores (o que é muito comum), títulos acadêmicos costumam ser uma ferramenta razoável de status e aumento na renda.

Resumo da ópera: dinheiro, status, angústia existencial, fé, política, opção profissional à mão ou simplesmente falta de opção.

O xiita gospel contra o mundo real

Marcos Almeida, no blog Nossa Brasilidade

Toda a produção cultural do nosso povo, dos religiosos aos ateus, nestes 500 anos de história, e não só daqui mas de todo o mundo, tem na seguinte certeza a  sua principal razão de ser:

“Ele fez tudo apropriado a seu tempo. Também pôs no coração do homem o anseio pela eternidade; mesmo assim este não consegue compreender inteiramente o que Deus fez” (Salomão 950 A.C.).

É como se coubesse dentro do nosso coração toda a eternidade, o mundo inteiro morando dentro da gente. Milhares de hóspedes, ideias e  experiências, tudo é enigma e mistério; tudo se esvai e fica, tudo dura e passa apressado, mas nunca  passa sem nos deixar marcados. A eternidade dentro de nós dói à beça. Dói demais!

Está aí o principal motivo para qualquer produção cultural; a fome de céu, ou, o mundo inteiro que mora dentro de nós e que carece de luz pois é só escuridão. Vivemos tateando no escuro, buscando alguma forma de encontrar qualquer janela que ilumine o ambiente misterioso que é o nosso coração. Uma janela apenas já iluminaria tudo.

É por isso que passei a compartilhar aqui no Nossa Brasilidade as implicações culturais dessa nossa estrutura; já que toda cultura é uma forma de se posicionar diante desse mistério absurdo! Agora, passo a transcrever também o nosso repertório  de música popular.  Seguindo a mesma ótica.

Quantos artistas conseguiram olhar para dentro e encontrar a estranha ideia da eternidade, o anseio pelo porvir, a vontade da duração, o susto diante da grandeza das coisas! Todos eles, posso afirmar, não conseguem se livrar desse incômodo!

Alguns xiitas do movimento gospel, aqueles “defensores” de Deus que fizeram a leitura errada desse texto, achando que esse sopro divino estaria circulando apenas no coração do religioso [ou melhor, da sua religião], não admitem que fora das suas cercas existam homens que anseiam pela eternidade. Nenhuma novidade nisso. Vamos pra frente, dando razão ao que é real.

Sem extremismos ou mentiras apologéticas, fiquem agora com Roberto e Erasmo Carlos – a parceria mais bem sucedida da música popular brasileira:

Desde o começo do mundo
Que o homem sonha com a paz
Ela está dentro dele mesmo
Ele tem a paz e não sabe
É só fechar os olhos e olhar pra dentro de si mesmo

Tanta gente se esqueceu
Que a verdade não mudou
Quando a paz foi ensinada
Pouca gente escutou
Meu Amigo volte logo
Venha ensinar meu povo
O amor é importante
Vem dizer tudo de novo

Outro dia, um cabeludo falou:
“Não importam os motivos da guerra
A paz ainda é mais importante que eles.
”Esta frase vive nos cabelos encaracolados
Das cucas maravilhosas
Mas se perdeu no labirinto
Dos pensamentos poluídos pela falta de amor.
Muita gente não ouviu porque não quis ouvir
Eles estão surdos !

Tanta gente se esqueceu
Que o amor só traz o bem
Que a covardia é surda
E só ouve o que convém
Mas meu Amigo volte logo
Vem olhar pelo meu povo
O amor é importante
Vem dizer tudo de novo

Um dia o ar se encheu de amor
E em todo o seu esplendor as vozes cantaram.
Seu canto ecoou pelos campos
Subiu as montanhas e chegou ao universo
E uma estrela brilhou mostrando o caminho
“Glória a Deus nas alturas
E paz na Terra aos homens de boa vontade”

Tanta gente se afastou
Do caminho que é de luz
Pouca gente se lembrou
Da mensagem que há na cruz
Meu Amigo volte logo
Venha ensinar meu povo
Que o amor é importante
Vem dizer tudo de novo

 (Todos estão surdos / Roberto Carlos – Erasmo Carlos)

vídeo: Fernanda Abreu, em Elas cantam Roberto

O Evangelho segundo a web

Beatriz Mendes, na CartaCapital

Não estão na MTV nem nas rádios ou programas de auditórios badalados. Mas nomes como Aline Barros, Regis Danese e Oficina G3 estão movimentando o mercado brasileiro de música gospel – que chega a faturar 1,5 bilhão de reais ao ano. Um mercado quase paralelo, mas que capta a lógica das novidades do mainstream e consolida um público fiel.

Ao contrário da tendência observada há alguns anos pela indústria fonográfica, os consumidores de música gospel não costumam fazer downloads na internet, nem mesmo comprar discos piratas, o que fez com que a produção de CDs e DVDs do gênero se tornasse bastante lucrativa.

De olho nesse nicho, empresas de entretenimento criaram programas e serviços da internet para atender este público religioso e ávido por consumo.

É o caso da LouveTV, que entrou no ar em outubro do ano passado. Idealizada por David Almiron, a página é uma espécie de MTV online, que apresenta conteúdo musical gospel, integrada a uma rede social em que os usuários podem cadastrar um perfil, trocar mensagens e fazer comentários sobre seus clipes favoritos.

A ideia surgiu depois que Almiron e seus sócios Evandro Paiva, Eduardo Rodrigues, Leka Coutinho e Alberto Vilar notaram que, apesar do crescimento do mercado da música gospel, ainda não havia um canal de Tevê que se dedicasse exclusivamente à veiculação desse tipo de conteúdo, o que dificultava o trabalho das gravadoras na divulgação dos artistas.

O site exibe programas gospel o dia todo, comandados por apresentadores jovens.

Para colocar a página no ar, David e seus sócios investiram cerca de um milhão de reais.

Embora o trabalho de divulgação mal tenha começado, a LouveTV já tem cerca de 15 mil usuários cadastrados e já fechou acordo com diversas gravadoras, entre elas a Som Livre e a Sony, principais empresas do segmento.

Mas os sites destinados aos religiosos não se limitam ao mundo da música. Eles também criaram uma lógica específica de relacionamento online entre os cristãos.

Um exemplo é a Amor em Cristo. O Orkut ainda nem tinha estourado no Brasil quando essa rede social nasceu. A página, que foi criada em 2003, já reúne mais de um milhão de brasileiros em busca de um romance – sobretudo se for “aprovado” pelo Senhor.

O esquema é igual ao de uma página de relacionamentos comum: o usuário cadastra um email, monta seu perfil e já pode começar a procurar um parceiro.

O site permite uma busca segmentada por amizades, namoros ou experiências cristãs. Um relacionamento sério, entretanto, é o que mais motiva os usuários a se integrarem à rede. Por dia, ela recebe centenas de novos cristãos, sendo que a maior parte desse grupo é formada por mulheres.

Na página inicial do Amor em Cristo podem-se ler os testemunhos de namoros que deram certo. Alguns acabaram em casamento. De acordo com Carlos Vinicius Buzulin, CEO do site, a equipe recebe cerca de dez louvados depoimentos por mês.

Érica e Moisés foram os primeiros usuários a trocar alianças. Os dois começaram a se falar em março de 2003 e se casaram três anos depois. Em 2009 a primeira filha do casal veio ao mundo. Chama-se Samara, nome que significa “a protegida de Deus”.

Outro romance que teve um final feliz foi o de Leticia e Renato. Ele se conheceram por meio do Amor em Cristo em agosto de 2009. Primeiramente ficaram tensos: ele mineiro, ela baiana, temiam nunca se encontrar pessoalmente por conta da distância. Dois anos depois, em 18 de outubro, estavam casados.
Mas nem só de amor vive o Amor em Cristo. Para acessar a página, os usuários precisam pagar uma taxa mensal de 15,90 reais. O fiel pode se cadastrar gratuitamente, mas, para usar o programa de bate-papo – que facilita a troca de fotos – têm que desembolsar a quantia.

O mesmo grupo que administra a rede social criou também o DescontoGospel.com, um site de compras coletivas, por onde circulam filmes educativos, camisas, Bíblias, pendrives, DVDs e CDs. “Somos Evangélicos e gostamos de trazer inovações e qualidade para o nosso meio”, resume Buzulin, também é o CEO da página, que pretende oferecer descontos de até 50% para os cristãos.