Arquivo da tag: grammy

Famosos revelam empregos bizarros que tiveram antes da fama

Jamie McCarthy/WireImage.com

Jamie McCarthy/WireImage.com

Francis Whittaker, no MSN

Nicolas Cage

Nicolas Cage teve que traçar o próprio caminho para chegar ao topo de Hollywood. Seu primeiro emprego na indústria de filmes não foi nem um pouco glamuroso. Ele costumava vender pipocas nos cinemas.

Steve Granitz/Wireimage.com

Steve Granitz/Wireimage.com

Naya Rivera

Naya brilha nas cenas em que é líder de torcida, cantando e dançando no seriado Glee. Mas foi um tipo diferente de uniforme que ela usava no começo da carreira; ela era garçonete do famoso restaurante norte-americano chamado Hooters.

John Shearer/Wireimage.com

John Shearer/Wireimage.com

Rod Stewart

Rod Stewart passou a sua carreira injetando vida nas pistas de dança. O que pouca gente sabe é que ele foi coveiro por vários anos no Cemitério de Londres.

Steve Granitz/Wireimage.com

Steve Granitz/Wireimage.com

Cyndi Lauper

Uma das estrelas mais famosas da década de 1980, Cyndi Lauper construiu seu nome cantando músicas que dizem que as garotas só querem se divertir. Mas ela não se divertia tanto assim em seu primeiro emprego: dar banho em cachorros.

Steve Granitz/Wireimage.com

Steve Granitz/Wireimage.com

Warren Beatty

Warren Beatyy, a lenda do cinema (muito feliz casado com a atriz Annette Bening), teve um começo de carreira cheio de rumores de que ele seria um ‘rato’ em matéria de relacionamentos amorosos. Isso é muito irônico, pois seu primeiro emprego era como exterminador de ratos.

Kevin Mazur/Wireimage.com

Kevin Mazur/Wireimage.com

Whoopi Goldberg

Antes do sucesso estrondoso de filmes como ‘Ghost’ e de ter ganhado prêmios importantes como Emmy, Grammy, Oscar e Tony, Whoopi Goldberg era pedreira. Continue lendo

Ciência diz por que músicas como “Someone Like You” de Adele fazem chorar

Publicado originalmente no UOL

A ganhadora de seis Grammy’s Adele é famosa por sucessos que fazem todo mundo chorar, como “Someone Like You” e “Rolling in the Deep”. E a ciência tem uma explicação para o fenômeno. É o que conta Michaeleen Doucleff, em sua coluna no The Wall Street Journal.

Apesar de a experiência pessoal e a cultura pesarem, pesquisadores descobriram que certas características musicais mexem com as emoções. A melodia correta, combinada com letras de rompimento amoroso e a voz potente de Adele enviam ao cérebro sinais de recompensa.

Há 20 anos, o  psicólogo britânico John Sloboda conduziu um experimento que identificou a “appoggiatura”, um tipo de nota musical constante em músicas que emocionam. Esta nota se choca com a melodia e cria um som dissonante, isto cria tensão ao ouvinte, contou Martin Guhn, psicólogo da Universidade de Columbia, que co-escreveu um estudo em 2007 sobre o assunto. “Quando as notas retornam à melodia anterior, a tensão é resolvida, e é bom”.

“Someone Like You” está cheia de ornamentos semelhantes às “appoggiaturas”. Além disso, no refrão, Adele ligeiramente modula seu tom no final de notas longas, momentos antes de o acompanhamento ir para uma nova harmonia, criando uma mini-montanha-russa de tensão e resolução, diz Guhn.

Em seu estudo, o psicólogo descobriu que as músicas que fazem chorar compartilham pelo menos quatro características: elas começam suavemente e depois se tornam altas; incluem a entrada abrupta de uma nova “voz”, seja um instrumento ou harmonia; elas expandem a frequência tocada e têm desvios inesperados na melodia e harmonia.

“A música começa com um padrão suave e repetitivo”, diz Guhn sobre “Someone Like You”. Quando começa o refrão, a voz de Adele salta uma oitava, e ela canta as notas em um volume crescente. A harmonia muda enquanto a letra se torna mais e mais melancólica.

Doucleff diz no texto que quando a música de repente quebra seu padrão esperado, nosso sistema nervoso simpático entra em alerta máximo, nosso coração acelera e começamos a suar. Dependendo do contexto, interpretamos este estado de excitação como positivo ou negativo, feliz ou triste.

Um estudo no ano passado de Robert Zatorre e sua equipe de neurocientistas da Universidade McGill relatou que musicas emocionalmente intensas liberam dopamina nos centros de prazer e recompensa do cérebro, semelhante aos efeitos da comida, sexo e drogas. Isso nos faz sentir bem e nos motiva a repetir o comportamento.

Para medir as respostas dos ouvintes, a equipe descobriu que o número de arrepios estava correlacionado com a quantidade de dopamina liberada, mesmo quando a música era muito triste.

dica do Carlos Eduardo Pereira

Whitney Houston: ‘I love the Lord’


Whitney Houston, CeCe Winans e Shirley Caesar cantam um medley de canções gospel

Publicado originalmente no UOL

A cantora Mariah Carey lamentou a morte de Whitney Houston, ocorrida neste sábado (11). Em seu perfil do Twitter, ela postou a seguinte mensagem: “Estou arrasada e chorando a morte chocante de minha amiga, a incomparável Whitney Houston. Ofereço minhas condolências à família de Whitney e aos milhões de fãs dela pelo mundo. Ela nunca será esquecida como uma das grandes vozes que já estiveram na Terra”. Mariah também colocou uma foto sua com a cantora.

“Não consigo falar sobre isso agora. É tão terrível e inacreditável. Não conseguia acreditar no que eu estava lendo na tela da TV”, disse Aretha Franlkin, madrinha da cantora, em um comunicado.

O Reverendo Al Sharpton, ativista dos direitos civis e radialista, disse pediu que todos rezassem pela cantora, e disse que faria uma oração na Segunda Igreja Batista de Los Angeles neste domingo (12). “Na manhã do Grammy, o mundo deve parar e rezar pela memória de nossa Rouxinol”, falou, em nota enviada à imprensa.

O presidente da Academia de Música dos Estados Unidos, Neil Portnow, disse que Houston foi “uma das maiores cantoras pop de todos os tempos, que deixa uma robusta trilha sonora ao longo de três décadas”. “Sua voz poderosa fez canções premiadas e memoráveis. Uma luz foi apagada na música hoje, e mandamos nossas mais profundas condolências aos familiares, amigos, fãs e a todos que já foram tocados por sua linda voz”.

Jennifer Lopez também usou o Twitter para falar sobre Whitney: “Que perda grande. Uma das maiores vozes do nosso tempo. Mando minhas orações para a família… #R.I.P Whitney”, postou J.Lo no Twitter.

Christina Aguillera, uma das cantoras que receberam bastante influência do estilo de cantar de Whitney, também comentou a morte no Twitter. “Perdemos outra lenda. Mando amor e orações para a família de Whitney. Ela fará falta”.

Katy Perry também homenageou cantora no Twitter. “É tão devastador. Sempre te amaremos Whitney, R.I.P”, disse Perry, em referência à música “I will Always Love You”, um dos grandes sucessos de Whitney. Veja mais mensagens de cantoras no Twitter:

Rihanna: “Estou sem palavras! Só lágrimas #DearWhitney”.

Toni Braxton: “Meu coração está chorando… Que descanse em paz nossa lendária diva e ícone Whitney Houston!!!!! Ela foi uma grande influência na música!”

Nicki Minaj: “Jesus Cristo, não Whitney Houston. Uma das maiores de todos os tempos”.

A cantora e atriz norte-americana Whitney Houston morreu neste sábado (11), aos 48 anos. De acordo com a polícia local, Houston foi encontrada morta em seu quarto, no quarto andar de um hotel de Beverly Hills. Não havia sinais aparentes de crime ou violência, declarou um porta-voz da polícia a jornalistas diante do hotel. Segundo Kirsten Foster, assessor da estrela, a causa da morte permanece desconhecida e está sendo investigada.


Whitney Houston canta os hinos I love the Lord e Joy to the world