Conseguiram quebrar a tela inquebrável do iPhone 6

Possível novo iPhone 6

publicado na INFO

Uma das grandes novidades sobre o iPhone 6 é a sua tela. Ela será feita usando cristal de safira. O nível de dureza do material é tão alto, que é quase comparável ao do diamante.

Até agora, a tela parecia inquebrável. Ela poderia ser torcida, dobrada, pisada e nada aconteceria. Nós escrevemos sobre isso e até postamos alguns vídeos sobre o assunto.

Mas um novo vídeo publicado no YouTube mostra que, sim, é possível quebrar a tela do iPhone 6. Todo em chinês, o vídeo mostra até alguém martelando um parafuso sobre a superfície do vidro.

Não foi isso, no entanto, que foi capaz de destruir. O teste final foi feito colocando o vidro no chão e passando com um carro sobre ele. Infelizmente, ele não é à prova de carros.

Veracidade

Neil Alford, um especialista em materiais da Imperial College, uma universidade em Londres, conversou com o The Guardian sobre o assunto. Ele afirmou ter sido consultado pela Apple sobre o assunto.

“Eu me lembro de pessoas da Apple vindo falar comigo há 18 meses sobre telas de safira. Eles obviamente estiveram bem ocupados desde então”, disse Alford.

De acordo com o olhar do especialista, os vídeos mostram mesmo uma tela feita com o material. “Em minha opinião, a tela mostrada nos vídeos pode muito bem ser de safira. Se você faz a safira fina o suficiente e sem imperfeições, você pode curvá-la consideravelmente, já que ela tem um nível de dureza muito alto”, afirmou ele ao Guardian.

Mesmo assim, ela não parece ser completamente inquebrável, como mostra o vídeo (em chinês) abaixo:

Leia Mais

Ex-Apollo 11 volta a contar como encontrou ovni em missão

publicado no Terra

O segundo homem da história a pousar na Lua, o ex-astrônomo Buzz Aldrin, revelou como foi seu encontro com um suposto óvni, 45 anos após a missão Apollo 11. A informação é do Huffington Post.

No relato, cheio de detalhes, Aldrim diz que quando estava no espaço, durante a missão, ele viu uma luz fora da janela que parecia estar se movendo ao lado da nave americana.

“Havia várias explicações para o que poderia ser, como o foguete do qual havíamos nos separado, ou os quatro painéis que se moveram quando retiramos a sonda espacial do veículo. Eu estou absolutamente convencido de que era um objeto não identificado”, contou.

Aldrin contou essa história pela primeira vez em 2005 e, na ápoca, os entusiastas que acreditam em objetos voadores não identificados ficaram chateados porque o ex-astronauta não havia compartilhado essa informação antes.

Hoje, quase dez anos depois, Aldrin falou também sobre sua esperança de que os humanos possam viajar para Marte em um futuro próximo. “Não tenho dúvidas de que a próxima conquista da humanidade será Marte”.

Segundo ele, um grupo com as ‘melhores pessoas do mundo’ deveria pousar em Marte para estabelecer um assentamento permanente, ao contrário de mandar representantes de empresas privadas interessados no turismo espacial.

Leia Mais

7 fatos que provam que você e o cosmos estão intimamente conectados

Foto em longa exposição mostra a trajetória de estrelas durante a noite (Foto: flickr/creative commons/ ben a. king)

publicado na Galileu

que antes pertencia ao domínio da religião e do mito está, cada vez mais, tornando-se consenso na ciência: todas as coisas do Universo estão profundamente relacionadas umas com as outras.

Acredite: conforme os cientistas vão escavando os mistérios da realidade, fica cada vez mais evidente que parece haver uma profunda interdependência entre as coisas. Esta convicção, que já foi muitas vezes trazida à tona pela intuição humana, tem ganhado cada vez mais espaço na comunidade científica.

Existem certos fatos, já familiares à ciência, que podem dar origem a uma espécie de espiritualidade, similar àquela proporcionada pela religião. São descobertas grandiosas que nos recordam que fazemos parte de um grande todo, do qual somos inseparáveis. Elas reforçam a ideia de que a velha distinção homem versus natureza não faz sentido algum.

Separamos sete destes fatos, que têm grande impacto filosófico e podem te fazer olhar de outra forma para a realidade ao seu redor. Confira:

1 – Somos todos poeira das estrelas

A frase, tornada famosa pelo astrônomo Carl Sagan, significa basicamente que todos os elementos que formam os seres humanos, os vegetais, as rochas e tudo o mais que existe no planeta foram formados há bilhões de anos, durante a explosão de estrelas a anos luz de distância daqui. É isso mesmo: elementos pesados como o ferro que corre no nosso sangue, ou o ouro que compõe as nossas jóias, só podem ser sintetizados na natureza em condições extremas de temperatura e pressão – ou seja, quando uma estrela morre e explode violentamente, virando uma supernova. O material formado, então, se espalha pelo espaço interestelar, podendo dar origem a novas estrelas e planetas.

2 – Os átomos do seu corpo já pertenceram a outros seres vivos

A Terra é praticamente um sistema fechado – a matéria que existe aqui não escapa naturalmente para o espaço sideral. Logo, podemos concluir que todos os átomos existentes no planeta estiveram aqui desde o início, e circularam ao longo das eras por incontáveis ciclos químicos e biológicos. Isto quer dizer que os elementos que hoje compõem nossos corpos podem, perfeitamente, ter feito parte de um tiranossauro rex no passado, ou de uma árvore, uma pedra, ou até mesmo de outros seres humanos.

3 – Toda a vida na Terra tem um grau de parentesco

Quando olhamos para a exuberante biosfera que  existe em nosso planeta, é difícil acreditar que, nos primórdios da vida, o único ser se resumia a um organismo unicelular. Ao longo de bilhões de anos de evolução, as espécies foram se diferenciando e se adaptando a diferentes ambientes. Mas, por mais distintas que pareçam, todas têm um grau de parentesco umas com as outras, sem exceção. Todas tiveram um ancestral comum em algum momento.

4 – Quimicamente, animais e plantas se complementam

As árvores são nossas “primas”, e podem ser compreendidas como complexas fábricas naturais que sintetizam o gás carbônico, eliminando o oxigênio. No nosso caso, o processo é reverso – nós respiramos o oxigênio e expelimos gás carbônico. Podemos dizer então que os vegetais e os animais são, evolutivamente falando, perfeitos uns para os outros, e mantém uma relação de interdependência.

5 – Seu corpo é perfeitamente adaptado para viver na Terra

Não apenas o corpo humano, mas todos os seres vivos do planeta, são minuciosamente moldados para sobreviver no ambiente terráqueo. Se vivêssemos em um lugar com maior gravidade, por exemplo, nossos músculos e estrutura óssea teriam de ser bem mais resistentes para aguentar a pressão. O implacável processo de seleção natural se encarrega de escolher as espécies mais aptas à sobrevivência. De certa forma, toda a vida que conhecemos tem a cara da Terra, porque é perfeita para ela.

6 – No nível quântico, não existem objetos sólidos

Quando tocamos em qualquer objeto, sentimos claramente que se trata de algo sólido, palpável. No entanto, a sensação não passa de um engano de nossos sentidos: são apenas as nuvens de elétrons dos átomos de nossa pele interagindo com as nuvens eletrônicas do objeto. O que se pode chamar de sólido é o núcleo dos átomos, mas eles jamais se tocam. Os átomos são compostos quase que inteiramente de vazio.

7 – Partículas subatômicas podem estar conectadas mesmo a milhões de anos luz uma da outra

Não importa que uma das partículas esteja na Via Láctea e a outra na vizinha Andrômeda – se houver entre elas o chamado entrelaçamento quântico, uma é parte indissociável da outra. Elas se influenciam instantaneamente, superando até mesmo a velocidade da luz. Isto é possível pois o princípio sugere que a matéria universal esteja interligada por uma rede de “forças”, sobre a qual pouco conhecemos, que transcende até mesmo nossa concepção de tempo e espaço.

 

Leia Mais

Garota de 17 anos com 2,13 m de altura é a adolescente mais alta do mundo

publicado no Jornal Ciência

Rumeysa Gelgi que tem uma altura total de 213,6 centímetros, recebeu o prêmio Guinness World Record em uma apresentação especial em sua cidade natal de Safranbolu, Karabük.

Rumeysa é uma estudante do ensino médio do 11º ano e vive em casa com seus pais e irmãos mais velhos, que são todos de altura “normal”. Sua altura é causada por uma doença chamada Síndrome de Weaver – um problema genética raro que causa um rápido crescimento.

Além de sua altura, as mãos de Rumeysa cresceram em um tamanho total 24,5 centímetros e pés 30,5 centímetros – o equivalente a um número maior que a média que homens usam.

Seu tamanho dá a ela uma série de problemas e, alguns deles, é a mobilidade, já que ela necessidade andar boa parte do tempo em cadeira de rodas.

Os sapatos de Rumeysa são feitos nos Estados Unidos porque não existem números compatíveis com o dela em sapatos femininos na Turquia. Ela disse que, apesar de ter sido alvo de provocações cruéis sobre sua aparência no passado, a negatividade das pessoas já não a perturba, e ela não se importa com pessoas ignorantes.

Ela disse que em vez disso, ela se concentra nos aspectos positivos de ser alta: “Eu gosto de ser diferente de todos os outros. É interessante e me faz sentir especial. A altura também me proporciona fácil acesso a lugares altos, e olhar para as pessoas de cima não é uma coisa ruim”.

O Dr. Ömer Hakan Yavaşoğlu foi o responsável por realizar as medições oficiais de Rumeysa. De acordo com as diretrizes do Guinness World Records, elas foram realizadas em três momentos diferentes no mesmo dia. A representante oficial do Guinness declarou: “Guinness World Records celebra a diversidade e reconhece pessoas extraordinárias em todo o mundo. A Rumeysa Gelgi tem mostrado grande coragem na maneira como lida com sua condição e é hora de conhecê-la e premiá-la com o título de mais alta adolescente do mundo”.

Os médicos disseram que Rumeysa não deve crescer mais, ou seja, ela dificilmente baterá o recorde de pessoa mais alta do mundo, superando seu compatriota, Sultan Kösen, que mede 251 centímetros e tem o título de homem vivo mais alto.

A mais alta adolescente feminina do mundo foi a canadense Anna Haining Swan, que nasceu em 06 de agosto de 1846 e morreu em 5 de agosto de 1888, alcançando a incrível marca de 241,3 centímetros.

O homem mais alto já registrado é o americano Robert Wadlow que mediu 272 centímetros em 1940. O recorde de Rumeysa será apresentado em 2015, mas esse livro já estará disponível nas lojas a partir de setembro deste ano.

Leia Mais