Não há nada de errado com o rosto de Renée Zellweger, mas algo de errado conosco

zell

Jennifer Gerson Uffalussi, no The Guardian [via F5]

Ser mulher e celebridade é perder sempre. Você ousa envelhecer? Passará vergonha por seu rosto, na melhor das hipóteses; na pior, ficará sem trabalho. A escolha é uma cirurgia plástica perceptível, no rosto, para combater o envelhecimento? Na melhor das hipóteses você será alvo de zombaria pelo narcisismo; na pior, ficará sem trabalho, uma vez mais. A evolução continuada de nossa obsessão por pessoas famosas resultou em um estranho fenômeno: os corpos de completos desconhecidos são considerados propriedade pública coletiva, a ser casualmente avaliada, criticada e… descartada.

Por mais perturbador que possa ser contemplar a eventual transformação de uma figura pública diante de nossos olhos, é ainda mais perturbador perceber nossa pressa em dizer alguma coisa sobre aquela transformação.

“Onde foi parar o rosto de Renée Zellweger?”

Fazer uma pergunta como essa, como tantos de nós fizemos na terça-feira (21), é cortar em todas as direções, fazendo do corpo da mulher mercadoria no momento mesmo em que aparentemente se procura defendê-la.

O que Zellweger fez para merecer essa forma de reação automática? Ela compareceu ao evento “Mulheres em Hollywood”, da revista “Elle”, na noite de segunda-feira (20) —o que seria exatamente a espécie de coisa que deveríamos esperar que uma mulher de Hollywood fizesse, especialmente porque a ocasião marcava seu primeiro trabalho no cinema em cinco anos. Mas ao que parece ninguém ficou feliz por vê-la de novo. Em lugar disso, na manhã de terça-feira, os guardiões dos portais da mídia —entre os quais muitas mulheres— expressaram repulsa diante da aparência do rosto de Zellweger, que parecia acentuadamente diferente desde sua última aparição memorável no tapete vermelho, que aconteceu cinco anos atrás. O burburinho foi ruidoso e universal —o que, exata e infelizmente, é o tipo de coisa que uma mulher de Hollywood aprendeu a esperar a cada vez que altera alguma coisa em sua aparência.

De blogs de moda à CNN, o horror e a repulsa eram palpáveis: que espécie de monstro é esse, o mundo parecia questionar, capaz de trocar de pele com tamanha facilidade, para evitar o envelhecimento ou a morte, ou no mínimo a morte de sua carreira, ao se transformar em pessoa completamente diferente? Os resmungadores oficiais da Internet começaram a lastimar sobre a semelhança entre Zellweger e Jennifer “ninguém deixa nenê de lado” Grey, infame por aparar o nariz e, com isso —como se em uma história de terror— supostamente jamais ter voltado a trabalhar.

Mas um clichê era notável pela ausência, no coro grego de críticas e lamentações sobre a aparência física de Zellweger. Apesar de todas as expressões de pesar e todas as críticas horríveis dirigidas a ela, praticamente ninguém apontou que o público não sente ter direito apenas a comentar livremente sobre os corpos e rostos de celebridades. Não, esse mesmo público que aparentemente acredita que Zellweger tenha feito algo de inominável contra seu principal patrimônio (o talento como atriz, aparentemente, não conta) também está sempre ocupado lançando exclamações ruidosas de pesar quando alguma mulher ousa permitir que uma ruga, um vislumbre de celulite ou músculos abdominais corajosamente não tonificados maculem sua aparência.

(Estranho que ninguém mencione que mesmo a lendária Jennifer Grey só tenha optado por fazer uma plástica depois de chegar aos 30 anos, a mesma idade em que as mulheres de Hollywood que “Elle” estava homenageando na segunda-feira começam a encontrar dificuldade para obter trabalhos expressivos.)

E as mulheres famosas que ousam envelhecer —com muita beleza— são incessantemente glorificadas como possuidoras de um talento tão excepcional —tão perfeito— que lhes permite transcender a decadência de sua forma física.

Costumamos sempre dizer que Meryl Streep continua a trabalhar e a acumular prêmios, sorrindo respeitosamente sempre que uma atriz mais jovem anuncia que seu maior sonho é contracenar com ela. E Jessica Lange, claro, é a nova face da grife Marc Jacobs, proferimos, orgulhosos de nossos padrões de beleza progressistas e subversivos. Permitimo-nos algumas exceções excepcionais —se elas forem bonitas o bastante e se pudermos acreditar que jamais se humilhariam com uma visita a um profissional de medicina.

Esperamos que as celebridades mulheres tenham literalmente tudo: beleza, juventude, talento, humildade e um desdém consciencioso pela influência da aparência sobre sua capacidade de praticar sua arte, a menos, é claro, que essa aparência esteja a serviço da arte. Pobre da mulher ousada a ponto de contrariar essas expectativas ao se deixar ver em público depois de certa idade —com ou sem ajuda da comunidade médica.

Pobrezinha da Renée Zellweger, dizemos, pois ela supostamente deveria saber quando uma mulher famosa já não satisfaz nossos padrões de beleza inatingível e descomplicada. Poupe-nos de ver, nós exigimos, aquilo que nossa hipocrisia causa aos nossos ídolos demasiadamente humanos.

tradução: Paulo Migliacci

Leia Mais

Fotos mostram filmes Antes e Depois dos Efeitos Digitais

CinePop-11-650x400

Publicado no Cine Pop

O ano era 1975, quando Tubarão, de Steven Spielberg se tornou o primeiro blockbuster da história. Coincidentemente, ou não, o filme fazia uso de muitos efeitos técnicos, para criar o visual do vilão mecânico que movia a trama. Em 1977, Star Wars, de George Lucas, chegava para mudar de vez o jogo, nos transportando completamente para uma nova dimensão. Um mundo novo e mágico era criado do zero. No ano seguinte, em 1978, não menos importante para história técnica da sétima arte, o cineasta Richard Donner fazia você acreditar que um homem podia verdadeiramente voar, em Superman – O Filme.

Com a chegada da década de 1980, os blockbusters se consolidaram na indústria do cinema criando o que conhecemos de Hollywood. Daí seguiram verdadeiros clássicos modernos adorados, cujos efeitos especiais eram necessários para a trama. Filmes como Indiana Jones, De Volta para o Futuro, E.T. – O Extraterrestre, Poltergeist, Tron: Uma Odisseia Eletrônica, Os Caça-Fantasmas, O Exterminador do Futuro, Gremlins e tantos outros. Os chamados efeitos práticos (tudo o que é criado fisicamente e usado durante as filmagens) já começavam a dar lugar ao Chroma Key – efeitos colocados durante a pós-produção.

Na realidade, a técnica citada não é nova e era muito utilizada nos filmes de Alfred Hitchcock, por exemplo – no geral apenas sobrepondo imagens, com uma localidade externa. No fim da década de 1980 e início da década de 1990, os efeitos visuais criados por computadores já eram uma realidade. Cenários, objetos, localidades e personagens eram criados artificialmente pelas máquinas e inseridos em cena posteriormente. Assim, dinossauros voltavam à vida, robôs de metal líquido se desfaziam e recompunham-se, e encontros atemporais de personalidades falecidas eram possíveis.

Na década passada, ainda existia certa resistência, no sentido de que os filmes “virtuais” eram a minoria. Jogo que foi mudado com a chegada da nova década, na qual a tecnologia paira em tal patamar onde é difícil encontrar uma superprodução que não faça uso de cenários que não estão verdadeiramente lá. O fundo verde se tornou uma realidade tão presente no cinema atual de Hollywood quanto qualquer outro elemento pertencente a um filme. A praticidade veio junto com a artificialidade, e os profissionais da velha guarda, que valorizam mais os efeitos práticos, são cada vez mais raros. Nos EUA, é difícil encontrar um ator que ainda não tenha atuado com uma tela verde e precisado fingir um encontro com algo ou alguém que não está presente, ou estar em um lugar o qual apenas imagina.

O processo da captura de movimento também é uma realidade moderna e inovadora, na qual o ator é usado apenas como molde para a criação virtual. A atriz Zoe Saldana não aparecia em carne e osso na mega produção Avatar, por exemplo, embora seja a segunda em destaque na trama. O mesmo ocorre com o veterano na técnica, Andy Serkis, muito mais um ator virtual do que real. Há muito se fala em trazer atores de volta à vida para novas produções. A ideia é usada como tema central no importante O Congresso Futurista. Imaginem assistir a um novo filme estrelado por Audrey Hepburn ou Marilyn Monroe. Ou ao menos suas cópias digitais. Enquanto isso não acontece, veja abaixo imagens de produções recentes que usaram a técnica da já essencial tela verde.

CinePop-16
O macaco Caesar do reboot de Planeta dos Macacos é mais um personagem icônico criado por Andy Serkis, e computadores, é claro.
CinePop-14
O exterior da nave é todo criado em computador, na ficção Prometheus, de Ridley Scott.
CinePop-13
Outra cena toda criada apenas no computador, em Os Vingadores.
CinePop-9
Um helicóptero cai, ou será? O efeito foi usado em Duro de Matar: Um Bom Dia para Morrer.
CinePop-7
A captura de movimento cria robôs com movimentos bem reais, realizados por atores, no remake de RoboCop, do diretor brasileiro José Padilha.
CinePop-51
Outro exemplo de filme adulto que utilizou fundo verde foi Caçadores de Obras-primas, filme dirigido por George Clooney.
CinePop-8
Nem só os blockbusters utilizam a técnica. The Homesman, faroeste dirigido por Tommy Lee Jones, criou um cenário diferente para uma cena.
CinePop-10
Nenhum ator foi explodido realmente durante as filmagens de Os Vingadores.
CinePop-6
O astro Hugh Jackman não precisou levar um corte no rosto de verdade, em Wolverine – Imortal.
CinePop-42
Muitos não sabem, mas o tigre Richard Parker é uma criação digital, no filme As Aventuras de Pi.

 

CinePop-22
A eletrizante cena da ponte, no sucesso Godzilla.

Leia Mais

Artista malaio faz incríveis retratos de celebridades à base de rabiscos

retratos_rabiscos_Vince_Low_01

Publicado no Metamorfose Digital

Para o ilustrador mediano, traçar linhas desorientadas não é a melhor maneira de criar retratos realistas. Entretanto Vince Low não é um ilustrador qualquer. O artista baseado em Kuala Lumpur, Malásia, de alguma forma, que a gente não consegue entender, consegue produzir retratos impecáveis de alguns dos maiores atores de Hollywood usando apenas rabiscos infantis.

O principal ilustrador da agência de publicidade malaia, Grey, tem um portfólio impressionante de obras de arte impressionantes, mas sua série de retratos mais recente, chamada Faces, é particularmente atraente. Isso porque as representações impressionantes de estrelas como Jack Nicholson, Morgan Freeman, Will Smith e Leonardo Di Caprio foram todas feitas exclusivamente com rabiscos em telas brancas.

A maioria das pessoas têm dificuldade em captar suas características únicas, utilizando técnicas de desenho clássico, mas ele cria representações faciais altamente precisas apenas utilizando milhares de linhas que se sobrepõem. Simplesmente incrível!

retratos_rabiscos_Vince_Low_02 retratos_rabiscos_Vince_Low_03 retratos_rabiscos_Vince_Low_04
(mais…)

Leia Mais

Capitão Planeta, série de desenho animado dos anos 90, vai virar longa no cinema

13179324

publicado na Folha de S. Paulo

O Capitão Planeta, super-herói ambientalista dos anos 1990, vai virar filme, informa o “The Hollywood Reporter”.

A série de animação “Capitão Planeta e os Planeteiros” foi criada por Ted Turner, fundador da CNN e sócio da Time Warner, no início dos anos 1970.

Vendida para mais de cem países, a série foi exibida no Brasil na Rede Globo, no Cartoon Network , no canal Futura e no Tooncast.

As aventuras são vividas por cinco adolescentes de várias partes do mundo (América do Norte, África, Leste Europeu, Ásia e américa do Sul) que receberam poderes de Gaia, espírito da Terra, para proteger o planeta das ameaças ecológicas.

Em casos mais grave, os cinco unem seus poderes e se transformam no Capitão Planeta.

O filme com o super-herói será realizado pela Sony Pictures, que está finalizando a negociação para adaptar a série para o cinema.

Leia Mais

Dr. Rey filia-se ao partido de Feliciano e pode disputar eleição

O presidente do PSC-SP, Gilberto Nascimento, e o vice-presidente da sigla, Everaldo Pereira, abonam filiação de Dr. Rey
O presidente do PSC-SP, Gilberto Nascimento, e o vice-presidente da sigla, Everaldo Pereira, abonam filiação de Dr. Rey

Publicado originalmente na Folha de S.Paulo

O cirurgião plástico Roberto Miguel Rey, conhecido como Dr. Rey, filiou-se na sexta-feira (19) ao PSC, partido do deputado Marco Feliciano (SP).

Médico de celebridades nos Estados Unidos, Dr. Rey ficou conhecido no Brasil ao apresentar o programa “Dr. Hollywood”, exibido pela RedeTV!.

A filiação aconteceu em um coquetel realizado na Assembleia Legislativa de São Paulo e foi abonada pelo vice-presidente do PSC, Everaldo Pereira, e pelo presidente do diretório paulista, Gilberto Nascimento.

“Procurei esse partido porque, aqui, nós não temos vergonha da palavra de Deus. Entendo que o mundo está entrando no caos porque as pessoas não querem mais ouvir a palavra de Deus”, afirmou o cirurgião, que pode disputar uma cadeira na Câmara dos Deputados no ano que vem.

A filiação de Dr. Rey aconteceu a convite de Nascimento. “Ele é um cara bastante preparado, jovem, mas com uma experiência de vida admirável. Uma pessoa que soube aproveitar todas as oportunidades que a vida lhe ofereceu”, disse Nascimento.

Segundo o dirigente, o cirurgião terá o apoio da sigla para ser candidato. “Os amigos querem que ele seja candidato a deputado federal.”

No ato, Everaldo Pereira comemorou o desempenho de seu partido, que ficou mais conhecido após a indicação de Feliciano para o cargo de presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara.

“Nós estamos em uma marcha de crescimento e, em 2014, lançaremos candidato próprio à Presidência da República”, afirmou o dirigente.

Leia Mais