A fada madrinha de Marina Silva

Herdeira do Itaú, Maria Alice Setubal capta recursos para o novo partido da ambientalista, em processo de coleta de assinaturas

Maria Alice Setubal. “Marina (Silva) fala que nós duas viramos amigas porque fomos contra os nossos destinos” (foto: Eliária Andrade)
Maria Alice Setubal. “Marina (Silva) fala que nós duas viramos amigas porque fomos contra os nossos destinos” (foto: Eliária Andrade)

Mariana Timóteo da Costa, em O Globo

SÃO PAULO – Reservada, fala pausada, estatura alta (1,76 metro) e elegante, Maria Alice Setubal também é conhecida por Neca, de “boneca”. O apelido foi dado pelo pai, o falecido dono do Banco Itaú, Olavo Setubal, encantado pela única filha mulher, nascida em 1951, a segunda de outros seis, todos homens. Maria Alice não nega suas origens de herdeira — a fortuna da família é avaliada em mais de R$ 5 bilhões —, mas procura ir além disso. Dirige uma fundação, a Tide Setubal, e fundou o Centro de Pesquisa para Educação e Cultura (Cenpec), entidade de referência no setor. Doutora em Psicologia da Educação pela PUC de São Paulo, ela também administra, ao lado do marido, um hotel-fazenda no interior paulista chamado Capoava (diárias a partir de R$ 1 mil). Atualmente, tem se dedicado a ajudar a ex-senadora Marina Silva a construir seu novo partido: a Rede Sustentabilidade.

— A Marina (Silva) fala que nós duas viramos amigas porque fomos contra os nossos destinos. Porque era para a Marina ser uma moça pobre do seringal do Acre e eu, uma moça rica da alta sociedade paulistana. Temos uma amizade muito bonita — diz.

A união improvável gerou frutos políticos: Maria Alice é articuladora essencial — cuida da captação de recursos —, uma espécie de fada madrinha, da Rede Sustentabilidade. O movimento está em processo de recolher as 500 mil assinaturas necessárias para se tornar um partido, o que deve ser concluído na próxima semana. Ela coloca ao dispor da amiga suas condições de intelectual e articuladora de posses e amigos importantes. O objetivo parece claro: lançar a candidatura de Marina à Presidência no ano que vem, investindo nos insatisfeitos com “este atual modelo de país, que bateu num teto”, comenta a empresária.

Garantindo ter doado somente como pessoa física, “nada muito significante”, para a criação da Rede, Maria Alice promove encontros e eventos para Marina. São desde cafés da manhã com empresários e outros interessados, passando pela venda de camisetas e produção de eventos, como um recente show em São Paulo de Adriana Calcanhotto e Nando Reis.

— Depois que o partido se estabelecer, vamos mobilizar doações via internet. A ideia é expandir e elaborar minucioso plano de capacitação de recursos — adianta Maria Alice, que diz acreditar que a coleta de assinaturas seja concluída na próxima semana.

O prazo para o trâmite no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) é setembro. Segundo Maria Alice, as assinaturas ainda precisarão ser validadas e o material, enviado pelos Correios:

— Existe toda uma burocracia a seguir. A política é uma adrenalina, é muito bom de fazer quando você acredita numa pessoa e num projeto.

Maria Alice e Marina se conheceram em 2007, e a amizade cresceu às vésperas da campanha presidencial de 2010, quando o cineasta Fernando Meirelles convidou a empresária para participar de um vídeo em apoio a Marina. Ela acompanhou a então candidata do Partido Verde (PV) em viagens pelo Brasil, fez doações para a campanha, elaborou um plano de governo na área de Educação e disse ter ficado cada vez mais “impressionada com o carisma e o carinho que Marina desperta”. Em abril último, as duas estiveram em Paris. Encontraram-se com intelectuais, empresários e políticos.

Para Maria Alice, a maior parte das lideranças do Brasil e do mundo não enxerga a “horizontalidade da política”.

— A mesma coisa acontece com a Educação. Assim como a construção do conhecimento hoje é colaborativa, na política ela também deve ser. O nosso modelo político é um modelo do século XIX e não se adequa às condições do mundo atual. É corajoso tentar fazer alguma coisa, mesmo sem reforma política nenhuma.

A herdeira do Itaú frisa que “uma coisa é ela com a Rede e com Marina; outra coisa é ela com sua fundação e o Cenpec (referência nacional na produção de material didático, formação de professores e avaliação das escolas); e outra é o banco”.

O Itaú doou, segundo informações da época, R$ 1 milhão para a campanha de Marina em 2010, e a própria Maria Alice já admitiu que o banco pode voltar a participar em 2014, embora ainda seja cedo para qualquer definição.

marina diz que amiga virou militante da rede

Planos para o Brasil são o que aparentemente unem esta integrante da alta sociedade paulistana — mãe de três filhos e avó de dois — e a filha de seringueiros que virou senadora, ex-ministra do Meio Ambiente do governo Lula e presidenciável que obteve 20 milhões de votos na última eleição. Marina retribui os elogios à amiga.

— Somos duas pessoas com trajetórias em contextos diferentes, cujo ponto comum para a aproximação foi a Educação. O que nos levou a uma profunda amizade, compartilhando ideias e projetos, inclusive no espaço da política. Maria Alice agora é militante da Rede Sustentabilidade — afirma Marina Silva.

Maria Alice diz que a amiga “também vê como questões” eventuais restrições a uma candidatura sua, que passam por temas como religião. Será que Marina conseguiria separar o fato de ser evangélica de um Estado laico?

— Ela sempre defendeu o Estado laico. Marina nunca misturou sua fé, algo muito pessoal, com política; ao contrário de muitos outros que estão por aí — responde a empresária, para quem a amiga, se for mesmo candidata em 2014, também precisará “ter em torno dela pessoas que traduzam sua visão de estadista em políticas concretas, em implementação, que ela terá que mostrar”.

dica do Carlos Laurindo

Leia Mais

Malafaia: gays foram violentados quando crianças

Pastor da Associação Vitória em Cristo, Silas Malafaia diz em entrevista exclusiva que todos os gays atendidos em sua igreja passaram por situações de violência. Organizador de protesto em Brasília, ele promete “bater” no CNJ

Eduardo Militão, no Congresso em Foco

Pastor é o organizador de um protesto que pretende reunir 100 mil pessoas em Brasília
Pastor é o organizador de um protesto que pretende reunir 100 mil pessoas em Brasília

Um dia antes de a Comissão de Direitos Humanos (CDH) da Câmara tentar, pela quarta vez, votar o projeto que permite psicólogos trabalharem a “cura” de homossexuais, o pastor da Associação Vitória em Cristo Silas Malafaia defende que, ao contrário de quem nasce negro ou branco, ser homossexual é uma escolha. Além de entender não existir prova genética para relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo, Malafaia relaciona a orientação com abusos sexuais sofridos por homens ou mulheres na infância ou na adolescência.

Em entrevista exclusiva concedida ao Congresso em Foco por telefone, Malafaia diz que em sua igreja todos os homossexuais atendidos sofreram abuso sexual na infância ou na adolescência. Crítico feroz do movimento gay, contabiliza dez pessoas atendidas no ano passado. Este ano, “uns três”.

“É um negócio maluco”, afirmou Malafaia, pastor com formação em psicologia, registro profissional que os militantes gays esperam ver cassado após denúncias de homofobia. Ele é um dos maiores defensores da derrubada da resolução do Conselho Federal de Psicologia (CFP) que proíbe os profissionais a atuarem na “cura” da homossexualidade seguindo normas da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Para escorar seu argumento de que ninguém nasce com atração pelo mesmo sexo, ele cita uma pesquisa norte-americana, segundo a qual 48% dos gays sofreram violência sexual. De acordo com o pastor, o objetivo é dar status de raça a comportamentos. “Ninguém pede para nascer branco ou negro. É. Homossexualismo não. Ninguém nasce homossexual, não existe nenhuma prova na genética, em nenhum lugar”, afirmou.

Amanhã (5), Malafaia organiza um protesto em defesa da família tradicional, da vida, da liberdade de imprensa e das religiões. A expectativa é reunir 100 mil pessoas em plena quarta-feira na frente do Congresso Nacional, em Brasília. “Vamos descer o bambu. O couro vai comer. Vai ser bonito”, anuncia ele, famoso por pregações com provocações, ironias e frases de efeito. O Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que mês passado editou uma resolução proibindo cartórios de recusar o reconhecimento em contrato da relação entre pessoas do mesmo sexo, será um dos alvos do pastor. “Eles vão tomar um pau que não vai ser brincadeira. Vou bater com vontade no CNJ”, disse Malafaia.

O pastor da Associação Vitória em Cristo, que faz parte da Assembleia de Deus, afirma que não há nada que justifique que os homossexuais tenham direito a uma certidão de casamento. “Tudo o que você quer ser tem uma consequência”, disse. Segundo ele, para haver coerência, ao se legalizar a união homoafetiva, seria preciso convalidar também outros tipos de casamento. “Por que não pede para liberar o casamento do cara com quatro mulheres?”.

Destruição

Na entrevista ao site, Malafaia não economiza nas ironias. Diz que a agenda de liberação do casamento gay, do aborto e das drogas é prejudicial ao mundo. “Se a sociedade liberar tudo, ela se destrói. A decadência do ocidente tem a ver com questões morais também. O modelo judaico-cristão está sendo substituído pelo modelo humanista-ateísta”, afirmou Malafaia. “Quanto mais a sociedade quebra limites, ela se afunda na lama.”

Com estilo ferino, critica os que tacham os cristãos evangélicos de retrógrados em oposição a uma visão supostamente mais moderna do mundo. O pastor exemplifica a própria defesa da liberdade de imprensa. “Esses idiotas chamando-nos de fundamentalistas reacionários estão por fora. Queremos uma imprensa terrivelmente livre, que é fundamento para o Estado democrático de direito.”

Unha e bebê

Malafaia é contra o aborto por entender que os óvulos, embriões, fetos e bebês não são prolongamentos dos corpos das mulheres. Por isso, não poderia ser argumentada a autonomia das mulheres sobre seus corpos. “Ela tem poder de decidir sobre cortar o cabelo, aparar a unha. Se não estivesse protegido pela bolsa, o feto era expulso como corpo estranho.”

Apesar de ter apoiado José Serra (PSDB) na campanha presidencial de 2010 e para a prefeitura de São Paulo em 2012, o pastor nega a pecha de “antipetista”. Lembra que apoiou Lula em 2002, participou do seu governo do Conselho de Desenvolvimento Social da Presidência e fez campanha para o ex-líder do PT no Senado Walter Pinheiro (BA), um evangélico.

Agora, Malafaia está do lado de outro petista. Ele apoia a pré-campanha do senador Lindbergh Farias (PT-RJ) para o governo do Rio de Janeiro, contra o indicado do atual governador, Sérgio Cabral (PMDB), Luiz Pezão. O problema, para o pastor, é a falta de tolerância do PT com a diversidade de opiniões. Na “doutrina do PT”, não seria possível “ter ideias”. “Você não pode discordar deles. Estão pensando que sou massa de manobra deles?”

Alternância de poder

Apesar de ter se envolvido ativamente em eleições passadas, o pastor evita comentar apoio à eleição presidencial de 2014, quando Dilma Rousseff tentará ser reeleita. Malafaia diz ser necessário “alternância de poder”. Não revela se apoiará Dilma, Aécio Neves (PSDB), Eduardo Campos (PSB) ou mesmo Marina Silva (ex-PT e ex-PV), evangélica como ele.

Petistas como Domingos Dutra (MA), opositor do pastor, dizem que o protesto de amanhã é um recado para Dilma. A ideia seria mostrar força para ameaçar não apoiar a presidente em 2014 caso os pleitos não sejam atendidos. Malafaia nega. Ele desconversa quando questionado se, mesmo sem intenção, essa possa ser a leitura dentro da Presidência da República. “O governo pode fazer o que quiser.”

Carioca, casado, com três filhos e quatro netos, o pastor Silas Malafaia tem 54 anos e dirige um programa de TV há 30 anos. Segundo sua editora, a Central Gospel, o programa é transmitido em 200 países, e alcança 670 milhões de domicílios. Ele sucedeu José Santos na liderança da Assembleia de Deus Vitória em Cristo há três anos. Nela, congregam 25 mil pessoas. A revista americana Forbes afirmou em fevereiro que ele é o terceiro pastor mais rico do Brasil com patrimônio de R$ 300 milhões. Malafaia prometeu processar a publicação. Em entrevista à jornalista Marília Gabriela, do SBT, ele exibiu declarações de Imposto de Renda que informam bens no valor de R$ 4 milhões, sendo R$ 2 milhões as participações na editora, uma casa e seis apartamentos.

Leia Mais

Inveja – grilhão que arrasta os fracassados

vagalume

Ricardo Gondim

Inveja é tristeza diante do bem, do talento, da idade, do poder ou do sucesso do outro; nasce quando a excelência de uma pessoa arrasa com o valor da outra. A igreja cristã do século IV classificou a inveja como um dos sete pecados capitais. Santo Tomás de Aquino a tratou como pecado mortal (portanto, imperdoável) e responsabilizou a inveja por outros vícios: murmuração, detração, ódio, dissensão, alegria pela derrocada alheia. Na tradição judaica, a inveja motivou o primeiro assassinato. No Gênesis, Caim matou Abel por não tolerar que Deus preferisse a oferta do irmão à dele. Mais tarde, nas tábuas dos dez mandamentos, a inveja foi condenada na proibição de cobiçar qualquer coisa do próximo.

Inveja participa como ingrediente nas tramas da melhor literatura. E ninguém a retratou melhor do que William Shakespeare. Em Otelo, ele descreve os mecanismos que incitam ódio e ciúme a partir da inveja. Otelo é general reconhecido por seus triunfos em batalhas terrestres e marítimas. Ao assumir a posição de chefe de Estado no Chipre, nomeia Cássio como braço direito. Mas suscita a inveja de Iago, que passa a conspirar contra ele. As desavenças que nascem daí – e que caracterizam as tragédias shakespeareanas  – são horrorosas.

Iago destila uma suspeita mortal em Otelo, com o intuito de levá-lo a acreditar que sua mulher, Desdêmona, o trai com o tenente Cássio. O conflito entre o amor, que o general nutre pela mulher e a desconfiança incitada por Iago faz Otelo despencar da posição de herói. Debilitado psicologicamente, mata a amada, sufocando-a com travesseiros. Declarado assassino, Otelo  perde o posto de general e é sentenciado à prisão. Sem saída, acaba por tirar a própria vida com um punhal.

José Ingenieros declara que

a inveja é uma adoração dos homens pelas sombras, do mérito pela mediocridade. É o rubor na face sonoramente esbofeteada pela glória alheia. É o grilhão que arrasta os fracassados. É a amargura que toma conta do paladar dos impotentes. É um venenoso humor que emana das feridas abertas pelo desengano da insignificância própria. Mesmo não querendo, padecem desse mal, cedo ou tarde, aqueles que vivem escravos da vaidade; desfilam pálidos de angústia, torvos, envergonhados de sua própria tristeza, sem suspeitar que seu ladrido envolve uma consagração inequívoca do mérito alheio. A inextinguível hostilidade dos néscios foi sempre o pedestal de um monumento”.

Inveja é pior que ódio. O ódio não se contém e, devido à fúria, sempre faz alguma coisa. A inveja por sua vez, aceita manter-se quieta; covarde, contenta-se com as sombras. Para semear suspeita, a inveja precisa se mover sob o cobertor das trevas, feito ratazana no esgoto. O invejoso deseja que todos os outros desacreditem da grandeza humana. Revolve lama para que as pessoas não notem  seu nanismo interior. Também se esconde em sepulcros caiados para iludir e semear dúvida. Ingeniero afirma que o invejoso sem coragem para ser assassino, resigna-se a ser vil.

No filme Amadeus, Salieri não admite a genialidade de Mozart. Inconformado, precisa demonizar o homem que admira. Ele tenta diminuir o talento extraordinário de Amadeus, procurando convencer as demais pessoas de seu caráter desprezível. Salieri não se inquieta com o jeito debochado de Mozart, ele detesta a capacidade extraordinária que ele tem de compor. E se pergunta porque não consegue transformar o próprio moralismo em genialidade. Depois de tentar estigmatizá-lo como um nada, parte para destruí-lo. Salieri, porém, não reúne coragem sequer de agir como algoz. Como hiena, aguarda que outros predadores abatam a presa para depois festejar em cima da carcaça.

Ingenieros diz que a psicologia da inveja pode vir sintetizada na fábula do sapo, parábola digna de constar nos livros infantis.

Um ventrudo sapo grasnava em seu pântano quando viu resplandecer no mais alto de uma pedra um vaga-lume. Pensou que nenhum ser teria direito de luzir qualidades que ele mesmo não possuiria jamais. Mortificado pela sua própria impotência, saltou em direção a ele e o encobriu com seu ventre gelado. O inocente vaga-lume ousou perguntar ao seu algoz: Por que me tapas? E o sapo, congestionado pela inveja, apenas conseguiu interrogá-lo: Por que brilhas?

Soli Deo Gloria

fonte: site do Ricardo Gondim

Leia Mais

O texto censurado por Átila Brandão

atila

Em texto publicado no site da CartaCapital, Leandro Fortes conta que o bispo Átila Brandão registrou queixa-crime e abriu duas ações judiciais contra o ex-deputado e jornalista Emiliano José.

O motivo da fúria do evangélico – figurinha carimbada durante muito tempo em eventos da Adhonep (Associação dos Homens de Negócio do Evangelho) – é um texto publicado por Emiliano José e reproduzido em vários sites e blogs.

Átila  Brandão pediu uma indenização de 2 milhões de reais e a retirada do artigo do site do ex-deputado, com multa diária de 10 mil reais, no caso de desobediência. Segundo o colunista da CartaCapital, “em 13 de maio, a juíza Marielza Brandão Franco, em decisão liminar, mandou retirar o texto da página de José e reduziu a multa diária a 200 reais”.

Diz-se do homônimo famosão do pastor que “debaixo dos cascos de seu cavalo, nunca mais cresce a grama”. Que o evangélico companheiro de partido de Marco F* releia cada uma das ideias e ideais do Príncipe da Paz (a quem diz servir), para que sob seus pés floresça a verdade e a justiça. Censura (e tortura), nunca mais.

A premonição de Yaiá

Publicado no Bahia Alerta

…Um calafrio, sensação estranha. Tempos dolorosos. Não vivera iguais nos seus quase cinquenta anos. Filhos presos, tantos amigos presos. Theodomiro, Paulo, quem mais? Tantos. Penso na crueldade dessa gente, quanta maldade. A sensação estranha persistia, como um aviso. Seria de Deus? Bons, os meus filhos eram bons. Marquinhos já solto, na minha memória era setembro de 1971.

Renato Afonso, no Quartel dos Dendezeiros, transferido do Rio de Janeiro, onde fora preso em fevereiro e perversamente torturado. O corpo já não estava tão estropiado. Não fosse meu marido Orlando, e não estaria vivo. Conseguiu fazer chegar o pedido a dom Eugênio Sales, que não matassem o filho. Dom Eugênio intercedeu, e o salvou. No Rio, passou por coisas horríveis, tanta tortura que eu nem acreditava que existisse. Tudo me vinha à mente em flashes rápidos, numa velocidade absurda. No meio das lembranças, aquela sensação estranha.

Fui muitas vezes aos Dendezeiros, levava bolo pros meninos, dava um pedaço pro coronel Ghetsemany Galdino, que gostava muito do bolo de chocolate. Comandava o quartel. Eu já me afeiçoara aos outros meninos, Tibério, Roriz, também presos políticos. Nunca gostei de ouvir meus filhos serem chamados de terroristas, nem os amigos deles. Por que tudo aquilo vinha assim, aos borbotões, lembranças de tanta coisa daqueles ásperos tempos? E tudo era acompanhado daquela sensação incômoda, como se algo a chamasse, como se alguma coisa ruim estivesse acontecendo.

E de repente, uma iluminação, e a certeza: Renato sofria, precisava dela. Como se ouvisse a voz enérgica de um anjo: que não perdesse tempo, seu filho corre perigo. Estava longe, morava em Nazaré, na Cidade Alta, longe dos Dendezeiros, Cidade Baixa. Orlando não estava em casa. Peguei um táxi, segui pro quartel. À porta, ninguém me barrou, pois, já era personagem comum. Parecia que o anjo me guiava. Dirigi-me a passos rápidos para uma sala onde tinha certeza que Renato estava. Não sabia como tinha certeza. Tinha.

Um sentinela à porta. Quero ver meu filho, quero ver meu filho, sei que ele está aí. Calma, minha senhora. Calma, nada. Preciso vê-lo. O soldado parecia assustado, olhava pra mim, indeciso. Eu ali segura de meus direitos de mãe. Pediu que eu esperasse, iria entrar, voltaria, me traria uma resposta. O sentinela entrou, voltou, e disse está tudo bem com seu filho, nada de mal vai acontecer com ele. Mas, ele está aí? Está. Então quero vê-lo. Não pode, mas, eu garanto que está tudo bem com ele.

Me acalmei um pouco. O anjo parecia aquiescer, mas me disse não arrede pé.
E eu soube depois: dentro da sala, Renato já havia apanhado bastante, socos, pontapés, perguntas aos gritos. Após o Rio de Janeiro, transferido para a Bahia por interferência de Orlando, não sofrera mais torturas. Mas, naquele dia, um sentinela veio buscá-lo. Renato perguntou por que estava sendo retirado da cela. O soldado não sabia. Levado para uma sala, logo depois viu entrar uma equipe de torturadores chefiada por Átila Brandão, que conhecera como agente infiltrado desde a Faculdade de Direito da Universidade Federal da Bahia, onde estudaram juntos em 1968.

Átila comandou com ferocidade e gosto a pancadaria inicial, que seria sucedida pelo pau de arara e pelo choque elétrico, equipamentos que a equipe trouxera. Queria informações sobre a passagem dele pelo Paraná, onde estivera como dirigente do Partido Comunista Brasileiro Revolucionário (PCBR). Como no Rio, Renato, fiel aos seus amigos, se recusava a dizer qualquer coisa.

Soube que o soldado entrou, cochichou no ouvido de Átila, e ele, irritado, mandou parar tudo, juntar o pau de arara e o resto, e se retirou. Cessou a tortura. Quando Renato saiu da sala, eu o abracei, perguntei-lhe se estava tudo bem, ele disse sim, mas pediu que avisasse o advogado Jaime Guimarães – queriam voltar a torturá-lo. Fiz o que Renato pediu. Não voltou a ser torturado.

Maria Helena Rocha Afonso de Carvalho partiu, Yaiá, e antes de seguir para o infinito me deu esse depoimento. Deixa saudades imensas, e o exemplo de uma vida cheia de espiritualidade, fé e coragem. Viveu mais de 90 anos.

Atualização 13h

Carlos Brickmann escreveu sobre o assunto no Observatório da Imprensa:

Bahia, censura

A juíza da 29ª Vara dos Feitos Cíveis de Salvador, Mariela Brandão, determinou que o jornalista Emiliano José retire de seu portal informativo a matéria “A premonição de Yayá”, publicado originalmente no jornal A Tarde. Trata-se de uma entrevista com Maria Helena Carvalho, dona Yayá, que acusa de torturador o ex-policial, hoje pastor da Igreja Batista Caminho das Árvores, Átila Brandão. Segundo Yayá, Brandão torturou seu filho Renato Afonso Carvalho, em 1971, no Quartel dos Dendezeiros. Renato Afonso, hoje professor, confirmou as denúncias feitas por sua mãe.

Três casos diferentes, três casos iguais: é a censura que, embora proibida pela Constituição, volta a mostrar sua feia face. Junte-se a isso a guerra que alguns setores governistas movem contra a imprensa, chegando a regozijar-se quando algum veículo de comunicação fecha as portas ou demite funcionários, e temos um quadro perigoso. Como dizia Thomas Jefferson, um dos líderes da Revolução americana e terceiro presidente dos Estados Unidos, “Se coubesse a mim decidir entre um governo sem imprensa ou uma imprensa sem governo, eu não hesitaria um momento em escolher a segunda alternativa”.

_________

O jornalista Emiliano José tem recebido apoio de muita gente:

Abaixo-assinado apoia jornalista acusado de difamação · Global Voices em Português

Um abaixo-assinado circula no estado da Bahia, Brasil, em apoio ao jornalista e professor Emiliano José, acusado de calúnia pelo pastor Átila Brandão. José relatou a participação do pastor em torturas contra estudantes na época da ditadura militar no país na imprensa e em site pessoal. A Justiça determinou a retirada do texto do site de José, já reproduzido na internet, e direito de resposta ao pastor.

dica do Tom Fernandes

Leia Mais

Publicidade: viral brasileiro é o mais visto de todos os tempos

Publicado originalmente no Terra

O vídeo da campanha “Dove Beleza Real Sketches” foi o viral (vídeo que se propaga pela internet) mais visto de todos os tempos, com 114 milhões de visualizações no YouTube em 35 dias, de acordo com informações da agência brasileira Ogilvy, responsável pela propaganda.

A campanha, que apresenta duas imagens feitas por um desenhista profissional que faz retratos falados para a polícia americana, mostra que as mulheres em geral se caracterizam de uma forma mais feia do que são vistas por outras pessoas. O vídeo foi visto em 25 idiomas em 33 canais do YouTube.

Segundo informações da assessoria de imprensa da agência, a campanha foi totalmente concebida no Brasil para a Dove global e, por isso, o vídeo original foi feito em inglês. A propaganda foi gravada na cidade americana de São Francisco, com moradores locais.

O anúncio da Dove bateu o anteriormente mais visto – os bebês da Evian, com 111 milhões de visualizações. “No momento em que o vídeo foi enviado para a página do YouTube rapidamente começou a ganhar força em todo o mundo com homens, mulheres, a mídia e até mesmo de outras marcas que compartilham o filme”, disse Fernando Machado, vice-presidente da empresa em comunicado. “A campanha provocou uma reação emocional em milhões de pessoas e os inspirou a compartilhar a mensagem positiva com os outros”, completa.

Leia Mais