Relação estressante com outras pessoas encurta a vida

Nova pesquisa descobriu que pessoas que brigam frequentemente com seus parceiros, filhos e até vizinhos têm maior risco de morte

Brigas: Conflitos frequentes com o parceiro pode triplicar risco de morrer, diz estudo (foto: Thinkstock)
Brigas: Conflitos frequentes com o parceiro pode triplicar risco de morrer, diz estudo (foto: Thinkstock)

Publicado na Veja on-line

Manter relações estressantes e desgastantes com outras pessoas – sejam elas amigas, familiares ou vizinhas – eleva o risco de morte prematura. Essa é a conclusão de um novo estudo feito na Universidade de Copenhague, Dinamarca. Segundo a pesquisa, tais conflitos afetam mais a saúde dos homens do que das mulheres, e mais intensamente indivíduos que estão desempregados.

De acordo os autores do trabalho, os médicos reconhecem que manter relações estreitas com familiares e amigos tem um efeito protetor sobre a saúde das pessoas. Porém, pouco se sabe sobre os efeitos do stress provocado por relações sociais conflitantes.

A pesquisa se baseou em um levantamento nacional feito na Dinamarca com 9 870 pessoas entre 30 e 60 anos. Elas foram acompanhadas entre 2000 e 2011. Durante esse tempo, os participantes responderam a questionários que incluíam perguntas sobre suas relações com parceiros, filhos, familiares, amigos e vizinhos. Esses indivíduos também relataram se sofriam algum sintoma depressivo.

Análise — Ao longo do estudo, 4% das mulheres e 6% dos homens morreram. Quase metade das mortes foi provocada por câncer – as outras causas incluíram doenças cardiovasculares e hepáticas, acidentes e suicídio.

Segundo os resultados, a chance de morrer durante a pesquisa foi duas vezes maior entre pessoas que brigavam frequentemente com seus parceiros ou amigos em comparação com quem não enfrentava esse problema. Esse risco foi três vezes mais elevado se os conflitos aconteciam com os vizinhos do indivíduo — e 4,5 maior caso ele estivesse desempregado.

Além disso, as pessoas cuja relação com o parceiro era desgastante ou causava preocupação com frequência (mas sem necessariamente envolver brigas) tiveram o dobro do risco de morrer durante o estudo do que aquelas que raramente sofriam com esse tipo de problema. No caso de esses problemas acontecerem nas relações com seus filhos, a chance de morrer foi 50% mais elevada.

Os resultados foram publicados na edição deste mês do periódico Journal of Epidemiology & Community Health.

Leia Mais

Laicos, graças a Deus

João Pereira Coutinho, na Folha de S.Paulo

Leio nas notícias que um tribunal do Sudão condenou uma mulher à morte. Mas, na hora da sentença, os juízes confrontaram-se com um pormenor: a referida mulher está grávida de oito meses. O tribunal foi salomônico: a mulher pode dar à luz primeiro e só depois ser enforcada. Justíssimo.

Mas qual foi o crime hediondo de Meriam Yehya Ibrahim? Eis a história, contada pelo “Daily Telegraph”: filha de pai muçulmano, Meriam foi criada como cristã pela mãe. E, na idade adulta, casou com um homem da mesma fé.

O tribunal não se comoveu. Para começar, casar com um homem cristão constitui crime de adultério. Meriam, antes da forca, terá direito a cem chibatas pela ousadia.

E, finalmente, quem tem pai muçulmano não pode cometer crime de apostasia, ou seja, de renúncia à fé islâmica. Meriam defendeu-se da acusação, jurando que sempre foi cristã e que não renunciou a fé nenhuma. O tribunal sudanês discorda. A morte é o único corretivo para semelhante traição.

O caso está a horrorizar vários países ocidentais, que exigem ao governo de Cartum respeito pela liberdade de religião, incluindo o direito de mudarmos as nossas crenças mais profundas.

Como é evidente, os países ocidentais estão a exigir uma proeza tipicamente ocidental que o radicalismo islamita não é capaz de entender.

E não é capaz de entender porque, ao contrário do que sucedeu no Ocidente, não houve a grande separação entre o temporal e o espiritual que permitiu a emergência do Estado liberal moderno.

Qualquer aluno de ciência política conhece essa história: depois de lutas fratricidas entre o papa e o imperador, e depois de lutas igualmente sangrentas entre católicos e protestantes na Europa pós-Reforma, os primeiros filósofos liberais entenderam que a melhor maneira de garantir a paz e a ordem implicava remeter as crenças religiosas para a esfera privada.

Como afirmava John Locke, um desses liberais, não é função do governo cuidar da alma dos homens. Porque ninguém tem o direito de invadir a consciência do outro, obrigando-o a acreditar (ou a não acreditar) num credo particular.

Para Locke, o valor da tolerância significava que o Estado deveria tolerar diferentes concepções do bem, desde que tais concepções não tentassem tiranizar o espaço público.

pereiralivroÉ precisamente essa história que é revisitada em “Inventing the Individual: The Origins of Western Liberalism” (inventando o indivíduo: as origens do liberalismo ocidental), um dos grandes livros de filosofia política que li recentemente.

O autor, Larry Siedentop, dispensa apresentações: com uma carreira emérita no Reino Unido, o professor Siedentop mostra como na origem do liberalismo está uma particular concepção de “indivíduo”: um ser dotado de certos direitos inalienáveis, a começar pelo direito de acreditar no credo que entende.

Só que a originalidade de Siedentop está na sua tese aparentemente paradoxal: esse “individualismo” só foi possível por influência do próprio cristianismo.

Quando os liberais clássicos usam certos conceitos nos séculos 17 e 18 —a “dignidade da pessoa humana”, a “fundamental igualdade moral de todos os seres” etc.—, esses autores estão a beber diretamente na fonte religiosa medieval.

E sobre a grande separação que permitiu conceder a Deus o que é de Deus e a César o que é de César (um preceito obviamente bíblico), essa separação começou por ser reclamada pela própria igreja, muito antes de Locke escrever os seus ensaios: a Reforma Gregoriana do século 11 foi o exemplo supremo de como o papado procurou estabelecer limites ao poder do imperador em matérias da exclusiva autoridade da igreja.

Quando, séculos depois, John Locke se insurge contra o alegado “direito divino dos reis”, o ilustre filósofo está apenas a repetir a velha luta antiabsolutista de Gregório 7º.

O livro de Siedentop não deve apenas ser lido pela sua magistral lição de filosofia política. Ele também relembra, a crentes e a não crentes, que os Estados laicos que hoje existem no Ocidente não seriam possíveis sem a herança de uma tradição religiosa específica.

A infeliz Meriam Yehya Ibrahim, condenada à forca pelo governo sudanês, faz parte dessa tradição. Infelizmente, teve o azar de nascer e crescer na tradição errada.

Leia Mais

Homens irritados estão três vezes mais propensos à morte prematura

Estudo dinamarquês aponta que pessoas com grandes preocupações e relações sociais estressantes expõem a saúde a riscos

Cientistas estudaram os dados de 9.875 homens e mulheres entre 36 e 52 anos (foto: StockPhoto)
Cientistas estudaram os dados de 9.875 homens e mulheres entre 36 e 52 anos (foto: StockPhoto)

Publicado em O Globo

COPENHAGUE (DINAMARCA) – Um estudo publicado hoje na revista científica “Journal of Epidemiology and Community Health”, relacionou aspectos do comportamento humano à morte prematura. Realizado por pesquisadores da Universidade de Copenhague, na Dinamarca, o trabalho estabelece que homens que estão frequentemente irritados – e que costumam participar de discussões com frequência – são mais propensos a morrer durante a meia idade.

O estudo aponta que os indivíduos que sofrem regularmente de estresse em suas relações com os seus parceiros, filhos, família, amigos ou vizinhos, estão de duas a três vezes mais aptos à morrer prematuramente. Ainda segundo a pesquisa, homens sofrem grandes riscos pois são afetados de forma mais significativa, já que tendem a não dividir seus problemas e contam com “redes de apoio” mais fracas do que as mulheres.

Os cientistas estudaram os dados de 9.875 homens e mulheres entre 36 e 52. Eles foram orientados a responder perguntas sobre seus relacionamentos sociais cotidianos. Onze anos depois, 196 mulheres (4%) e 226 homens (6%) haviam morrido. Quase metade das mortes foi causada por câncer. Doenças cardíacas, hepáticas, acidentes e suicídios também contribuíram.

Os pesquisadores analisaram a ligação entre as principais preocupações e causas de irritação e a mortalidade. A idade de uma pessoa, gênero, condições de vida e situação de emprego também foram levados em conta.

Verificou-se que as pessoas que relataram preocupações com demandas de algum parceiro tiveram um aumento do risco de mortalidade de 50 a 100%, enquanto aquelas que experimentaram conflitos regulares dentro de qualquer tipo de relação obtiveram um aumento das chances de morte de duas a três vezes .

– Ter uma discussão de vez em quando é bom. Mas quando ocorre sempre, parece perigoso – avaliou o pesquisador Rikke Lund, um professor associado de sociologia médica da Universidade de Copenhague.

Cerca de um em cada 10 participantes do estudo disseram que seus parceiros ou filhos eram uma fonte frequente de preocupação ou irritação. Seis por cento disseram os principais problemas vinham de outros parentes; e 2% definiram os amigos como fontes de estresse.

Leia Mais

Pesquisa mostra que mulheres com menos maquiagem são mais atraentes

Heloisa Negrão, na Folha de S.Paulo

Pesquisadores da universidade Bangor descobriram que as mulheres superestimam o poder da maquiagem como arma para atrair homens (e também outras mulheres). Também chegaram à conclusão que a nossa percepção do que o outro acha atraente também está errada.

Para chegar nesse resultado um trio de psicólogos ingleses reuniu 44 mulheres e ofereceu batom, base, rímel e blush. Eles pediram para que elas se maquiassem para balada.

As 44 modelos foram fotografadas de cara lavada e então com a maquiagem finalizada. A partir dessas duas fotos, eles criaram digitalmente uma escala (ex: 0% maquiada, 50% maquiada e 100% maquiada) com 21 imagens da mesma modelo. Para chegar nessa “régua”, o rosto maquiado foi sendo “limpo” digitalmente até chegar ao natural.

Reprodução/The Quarterly Journal of Experimental Psychology
Modelo 0% (à esq.) e 100% maquiada

Eles então reuniram essas centenas de fotos e as apresentaram para 44 estudantes da universidade (homens e mulheres). Os “observadores” deveriam selecionar três fotos de cada modelo e separar em três grupos: “ela está a mais atraente para mim”, “ela está mais atraente para homens” e “ela está mais atraente para mulheres”.

As fotos das modelos foram mostradas ao acaso. Embaixo de cada foto, uma régua vermelha permitia ao “observador” aumentar ou diminuir a quantidade de maquiagem usada e a partir daí mandá-la para um dos três grupos. Sem mostrar aos observadores, os pesquisadores mediam a porcentagem da maquiagem nas fotos escolhidas.

Para a maioria dos observadores (homens e mulheres), os homens gostam mais das moças com bastante maquiagem. Ou seja, as fotos nas quais as modelos estão mais maquiadas foram para o grupo “ela está mais atraente para homens”.

Segundo os pesquisadores (Alex L. Jones, Robin S.S. Kramer e Robert Ward), esse julgamento sobre a preferência masculina está errado. Ao comparar o que homens e mulheres colocaram no grupo “ela está a mais atraente para mim”, viu-se que são as mulheres que acham mais bonitas as modelos usando um pouco mais de maquiagem.

Reprodução/The Quarterly Journal of Experimental Psychology
Sequência de fotos mostra a modelo sem maquiagem, 50% pintada e totalmente maquiada (à dir.)

A pesquisa mostra que é ainda mais gritante a diferença entre aquilo que a gente gosta (pessoalmente), daquilo que achamos que os outros vão gostar. “Observadores dos dois sexos acreditam que as outras pessoas preferem as modelos com níveis maiores de maquiagem do que eles mesmos”, diz o texto.

De acordo com o resultado da pesquisa, homens e mulheres têm o gosto parecido para maquiagem. Em média, ambos preferem as moças 50% maquiada e nunca 100%. Os resultados sugerem que as mulheres estão usando mais maquiagem para pareceram mais atraente para outras pessoas, mas há uma percepção equivocada do gosto alheio.

Para os pesquisadores, existe o consenso de que os homens gostam mais das moças com a maquiagem mais carregada. Porém, na esfera individual, “os homens podem achar que essas alterações são enganosas e escondem pontos importantes na hora de escolher alguém”.

Leia Mais

Eles também mentem: um em cada quatro homens esconde da mulher informações sobre seu dinheiro

Pesquisa mostra que mulheres escondem detalhes financeiros para fazer alguma compra

Negócios à parte: casais discordam em relação ao que fazer com seu dinheiro (foto: Brent Lewin/Bloomberg News)
Negócios à parte: casais discordam em relação ao que fazer com seu dinheiro (foto: Brent Lewin/Bloomberg News)

João Sorima Neto. em O Globo

Homens e mulheres tendem a esconder de seus cônjuges informações sobre seu dinheiro. Entre os homens, 24% mentem ou escondem informações, já entre as mulheres esse índice chega a 32%, com maior probabilidade de terem mentido propositalmente para fazer alguma compra. Embora os casais afirmem que compartilham as decisões financeiras, um levantamento feito pelo banco suíço UBS com 2.596 entrevistados, entre março e abril deste ano, mostrou que na realidade as coisas não são bem assim.

Os casais discordam em relação ao que fazer com seu dinheiro, com as mulheres dando prioridade a poupar e pagar dívidas e os homens olhando para investimentos com maior risco. Quando perguntados como se comportam em relação a dez decisões financeiras, como despesas do dia a dia, pagamento de contas, grandes compras, investimento, planejamento de longo prazo, seguros, imobiliário, planejamento imobiliário, financiamento da faculdade e doações para caridade, as mulheres estão mais envolvidas com temas como a poupança da faculdade, o planejamento para compra da casa própria e doações de caridade.

A pesquisa mostrou que 50% dos casais têm diferenças em relação à tolerância ao risco, com as mulheres sendo mais conservadoras e também guardando mais dinheiro, enquanto os homens tentam buscar um retorno mais generoso em suas aplicações financeiras, acima da média do mercado. Nesse quesito, as mulheres preferem receber um retorno mais baixo, mas garantido.

O levantamento mostrou ainda que entre os casais homossexuais, existem algumas diferenças na forma de lidar com o dinheiro. Esses casais são mais propensos a separar seus investimentos por causa das divergências em relação ao risco. Eles também são mais otimistas em relação às suas finanças, bem como em relação à capacidade de atingir metas financeiras. Casais homossexuais estão mais envolvidos com investimento e toleram um pouco mais de risco em seus investimentos, mostrou a pesquisa. Pelo menos 3% dos entrevistados declararam ser homossexuais.

Veja algumas conclusões da pesquisa:

- As mulheres são mais propensas a gerenciar despesas do dia a dia (31%) e a fazer doações para caridade (25%)

- O pagamento de contas é feito por homens e mulheres quase na mesma proporção (40% homens e 36% mulheres)

- As decisões são compartilhadas pelo casal quando o assunto é o setor imobiliário (74%), grandes compras (73%), planejamento para comprar uma propriedade (63%) e financiamento da faculdade (51%)

- A mulher mantém mais dinheiro guardado: 44% são conservadoras em comparação a 36 % dos homens

- 51% dos homens tentam acompanhar ou bater o mercado em seus investimentos, em comparação a 39% das mulheres

- As mulheres ficam felizes com uma taxa de retorno menor, mas garantida (32% das mulheres contra 28% dos homens )

- Os homens são mais propensos a investir imediatamente , as mulheres mais propensas a poupar e pagar dívidas

- Apenas um em cada quatro casais compartilha verdadeiramente suas decisões financeiras

- Casais homossexuais são investidores mais agressivos, otimistas e envolvidos

- Quando os casais homossexuais discordam sobre a tolerância ao risco, eles são mais propensos do que heterossexuais a separar suas contas de modo cada um invista de acordo com sua tolerância ao risco

- Casais homossexuais são mais otimistas e confiantes financeiramente do que casais heterossexuais

Leia Mais