Arquivo da tag: homossexual

Professor universitário americano publica conto de fadas com romance entre dois rapazes

Livro infantil narra a história de dois rapazes, com direito a casamento na igreja. Autor planeja tradução para o português

Livro tem casamento entre dois rapazes em meio a um reino Foto: Divulgação

publicado no O Globo

No reino mágico de Evergreen, a princesa Elena é sequestrada por uma bruxa. Em resposta, seu pai, o Rei Rufus, lança o desafio: quem salvar a beldade terá o direito de se casar com ela. Os jovens Gallant e Earnest resolvem, então, encarar a missão. E aí termina o caráter convencional da trama. Durante a busca, os dois homens se apaixonam e, no fim, acabam se casando com pompa na igreja.

O conto de fadas contemporâneo é narrado no livro infantil “The princes and the treasure” (“Os príncipes e o tesouro”, em tradução literal), de Jeffrey A.Miles. Professor da Escola de Negócios da Universidade do Pacífico, na Califórnia (Estados Unidos), ele teve a ideia há cerca de dois anos, enquanto assistia a uma apresentação com um príncipe e uma princesa num parque de diversões.

- Ao ver os atores cantando e dançando, me perguntei: por que não existe príncipe gay e princesa lésbica? Por que o príncipe não pode se casar com outro belo príncipe? E por que não há uma donzela em apuros sendo resgatada por uma linda princesa? – relembra o professor, que é gay e era um ávido leitor de contos de fadas quando garoto. – Ao voltar para casa, resolvi criar a minha própria história.

SEM BEIJO NO FINAL

Totalmente ilustrado, o livro não tem o tradicional beijo no final. Mas os protagonistas ganham matrimônio celebrado por um vigário numa igreja medieval. O final é feliz. Apesar do ineditismo, o autor diz que o retorno tem sido positivo.

Segundo Jeffrey, casais heterossexuais contaram que a história os ajudou a conversar com os filhos sobre homossexualidade. Já pais gays afirmaram que a obra serviu de apoio para falar com as crianças a respeito de seus próprios companheiros.

- O livro possibilita uma ótima maneira de abordar o assunto. Escrevi a história para ser romântica, e não sexual. Os pais dizem que a narrativa é ideal para as crianças, e o livro está entre os favoritos de várias delas – comemora o autor.

Apesar da aceitação, o trabalho não ficou livre de críticas. Entidades cristãs radicais internet afora acusam o livro de promover “propaganda homossexual”.

Para Jeffrey, sua publicação avança no combate ao preconceito. Ele lembra o caso de um pai que disse ler o livro para seus filhos em meio aos outros contos de fadas, sem distinção.

- Se todo pai fizesse o mesmo, esta geração de crianças seria mais bem educada sobre a diversidade. A homofobia poderia ser extinta – cogita. – As crianças veem que o amor pode acontecer entre duas pessoas, independentemente do gênero. Estou espantado sobre como é fácil para elas compreender isso, ao passo que, para alguns adultos, ainda é tão difícil.

Lançado no primeiro semestre deste ano, o livro está à venda em 137 países. Uma continuação da história já está sendo escrita pelo autor e deve ser publicada em meados do ano que vem. Jeffery também trabalha na tradução da obra para outras línguas, inclusive para o português. No Brasil, por ora, é possível comprar as versões impressa e digital, em inglês, pela internet.

“O silêncio protege o pedófilo”

O empresário Marcelo Ribeiro, 48, autor do livro "Sem Medo de Falar - Relato de uma Vítima de Pedofilia" (foto: Marlene Bergamo/Folhapress)

O empresário Marcelo Ribeiro, 48, autor do livro “Sem Medo de Falar – Relato de uma Vítima de Pedofilia” (foto: Marlene Bergamo/Folhapress)

Eliane Trindade, na Folha de S.Paulo

Há seis anos, Marcelo Ribeiro, 48, revelou à mulher Renata Daud, 36, ter sido abusado sexualmente dos 9 aos 16 anos pelo maestro do coral da Igreja Católica de sua cidade natal, em Minas, e depois no Rio Grande do Sul. Uma crise na relação levou o empresário a relatar pela primeira vez um trauma que escondia há mais de três décadas e que agora conta também no recém-lançado livro “Sem Medo de Falar – Relato de uma Vítima de Pedofilia” (ed. Paralela, 195 págs., R$ 24,90). A seguir, o depoimento em primeira pessoa do autor sobre o abuso e suas consequências:

*

“Quando comecei a ser molestado aos nove anos de idade pelo maestro do coral da Igreja Católica da minha cidade natal, em Minas, eu não tinha noção do que era sexo. O primeiro beijo que ele me deu foi uma coisa maravilhosa. Para mim, não era erótico. Criança é erógena. Sente, mas não sabe lidar com aquilo.

Já ele, o predador sexual, sabia o que estava fazendo. Não fui violentado, mas abusado sexualmente dos 12 aos 16 anos. Uma noite, eu acordei com o maestro na minha cama. Ele se assustou, me mandou fazer silêncio, saiu do quarto e eu fiquei sem compreender nada.

O maestro era respeitado na minha cidade a ponto de ganhar a confiança dos meus pais para que eu fosse morar com ele no Sul, para onde o coral se transferiu.

A primeira vez que me lembro de ter feito sexo com ele foi quando ficamos sozinhos na casa paroquial. A mãe dele tinha viajado e o secretário estava em outro quarto. O maestro foi tirando a minha roupa e eu fui aceitando. Ele já tinha me beijado escondido várias vezes.

BEL-PRAZER

Aprendi que tenho de ser explícito para que as pessoas compreendam o que quer dizer abuso sexual e pedofilia. Ele fez sexo comigo, me acariciou, me tocou, me beijou, me fez praticar sexo oral e me penetrou. Repetidas vezes e a seu bel-prazer. E exigiu que eu o penetrasse.

Não havia o meu desejo. Era obediência mesmo. Como eu era muito criança, parecia que aquilo não me incomodava tanto, porque tinha outras coisas bacanas, como cantar no coral, ser reconhecido. Chegamos a gravar discos, nos apresentávamos em casamentos e saíamos em turnê pelo país.

Os abusos eram um fardinho que eu tinha de carregar. Só fui tomar consciência de ser vítima de pedofilia muito depois. O maestro, que se tornaria padre, dizia que a nossa era uma história de amor. Sempre contava que Mozart tinha um sobrinho que vivia assim com ele. É como se fosse normal, mas era dúbio. Tinha que ser escondido.

Tenho 48 anos e só aos 42 consegui falar sobre o assédio. Contei minha história em um livro por saber que existem tantas outras vítimas que não conseguem denunciar.

ABUSO HOMOSSEXUAL

Sinto que é muito importante um homem falar de abuso. Temos vários depoimentos de mulheres na internet. Muitas falam abertamente. É mais difícil falar de um abuso que é homossexual. Nunca pensei se eu era ou não era gay. Antes de ser molestado, tive uma paixão platônica por uma colega de escola. Quando decidi abandonar o coral e voltar para casa, eu tinha 16 para 17 anos e nenhum traquejo com meninas. Afinal, de alguma forma, já tinha me iniciado sexualmente, mas não com mulher. Então, minha opção foi pelas profissionais, como vários jovens da época, quando era estudante de engenharia em Belo Horizonte.

Vivi uma adolescência tardia. Aos 26 anos, conheci minha mulher. Renata tinha 13. Falei para o amigo que nos apresentou: ‘Como é que você me apresenta uma menina que não tem peitinho ainda?’ Fiz essa grosseria, mas namoramos por dois anos.

Eu era totalmente desregulado. Agia com brutalidade. Meus familiares foram os que mais sofreram com as sequelas do abuso, com o ódio que eu tinha guardado.

Só contei aos meus pais quando o livro estava para sair. Sinto que minha mãe, que é muito católica, carrega uma culpa. Espero que ela passe a culpar a Igreja, afinal, ela autorizou que eu fosse morar com o maestro imaginando que eu estivesse nas mãos seguras de religiosos.

LAVAGEM CEREBRAL

O maestro foi nos afastando da família, dos amigos, do futebol. Era uma lavagem cerebral. Comecei a me rebelar quando fui passar férias em casa e voltei usando jeans. Nós tínhamos que usar calça social, com vinco, e camisa de manga comprida e gola, com o último botão fechado.

Minha mulher diz que existe força no ato de falar o que até então era indizível. Reencontrei Renata adulta e nos apaixonamos novamente. Mas, há seis anos, ela pediu que eu fosse embora da vida dela. Foi o medo de perdê-la que me fez falar pela primeira vez que eu tinha sofrido abuso. Ela foi amorosa e sábia para me ajudar a me libertar daquele trauma.

A vida foi me preparando para este momento. As denúncias de pedofilia na Europa e nos Estados Unidos dão força às vítimas. O silêncio protege o pedófilo. Falar desnuda ele. E a força do denunciar está em reverberar.

É um modo também de incentivar que pais e educadores falem abertamente sobre o assunto. Temos que ter consciência de que esse é um crime muito comum. O pedófilo está próximo: pode ser um padre, um maestro de coral, um professor de educação física. E a gente vai ter que falar para as crianças. Elas vão ter que saber o que é pedofilia, até para estarem mais protegidas.

SEM PRESCRIÇÃO

O livro levanta ainda a questão da prescrição dos crimes de abuso sexual infantil. Meu caso está prescrito há décadas. Antes, o pedófilo não podia mais ser punido após dez anos, a contar da data do abuso. Com a denúncia da nadadora Joana Maranhão, a lei foi alterada e passou a contar dez anos a partir dos 18 anos da vítima.

Defendo que não exista prescrição para esse tipo de crime. Tenho contato com muitas vítimas, e ninguém sabe quando vai se curar do trauma e conseguir falar.

O maestro dirige hoje uma instituição no Sul do país. Ele mudou de ordem. Não é mais católico. No entanto, fiz a denúncia à CNBB por ter sido vítima de abuso sexual dentro da Igreja Católica, numa casa paroquial.

Esperava que a entidade tomasse pelo menos meu depoimento formal. Ninguém me procurou. Cheguei a falar diretamente com o presidente da CNBB na época, dom Geraldo, que era arcebispo de Mariana. Ele disse que eu não precisava me preocupar mais.

Três décadas depois, tomei coragem e telefonei para o mosteiro para falar com o maestro, que continua cercado de jovens. Perguntei: ‘Por que você não se afasta das crianças já que tem essa doença?’. Ele não disse nada. Lembrei do que ele tinha feito a mim e a resposta foi o silêncio. Antes que desligasse, fiz um apelo: ‘Para de fazer o mal’.

Eu não revelo o nome dele no livro. Não se trata de vingança. Se eu contasse todos os detalhes, eu ia reduzir o fato à minha história. É uma forma de não discutir só o meu caso, mas de falar de um problema social. Quis contar o meu caso e não a história do coral, embora saiba que existam outras vítimas.

Espero que o livro ajude a sociedade brasileira no combate à pedofilia. É um documento que pode ajudar outras vítimas, os legisladores e, principalmente, os pais. Eu fui escolhido para ser uma vítima. E tenho certeza de que também fui escolhido para contar a história.”

OUTRO LADO

Procurada pela Folha para falar sobre a denúncia do empresário Marcelo Ribeiro, a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) não respondeu até a conclusão desta edição.

Em carta endereçada a Marcelo Ribeiro, datada de 23 de junho de 2010, a CNBB acusa o recebimento da “denúncia de pedofilia e abuso sexual na Diocese de Novo Hamburgo/RS”.

“Agradeço-lhe a confiança e informo que o assunto foi encaminhado à Assessoria Jurídica da CNBB”, diz o texto assinado por Dom Geraldo Lyrio Rocha, arcebispo de Mariana, e então presidente da entidade.

Desde então, o autor da denúncia tenta obter informações do andamento das investigações. O padre acusado de pedofilia se desligou da Igreja Católica por razões não informadas e hoje está à frente de um mosteiro no Sul. Marcelo não revela a sua identidade nem encaminhou o caso a Justiça, pois seu caso está prescrito há três décadas.

Padre é afastado de igreja após abençoar casal gay em Goiânia

p_cesar2

 

Publicado no G1

Uma bênção concedida a um casal gay motivou o afastamento do padre César Garcia de suas atividades na Paróquia São Leopoldo, em Goiânia. A decisão foi comunicada a ele na terça-feira (10) pelo arcebispo de Goiânia, dom Washington Cruz. O pároco deve permanecer ausente das atividades até que a Igreja Católica conclua um inquérito sobre o caso.

A medida é consequência da presença do religioso em um evento no último dia 20, quando dois arquitetos celebraram a união homoafetiva, que já dura 11 anos. César Garcia foi um dos convidados para a celebração na residência do casal.

Padre César relata que esteve no local como amigo dos arquitetos, e não como representante da Igreja Católica. Ele disse que, inclusive, não utilizava batina e estava vestido como uma pessoa comum.

“Eles não pediram sacramento, não pediram nada disso, pediram uma oração”, afirma. O padre relata ter rezado o Salmo 83 da Bíblia e feito um discurso sobre “a grandeza do amor e o respeito às pessoas”.

Porém, fotos da celebração, que mostravam a presença do padre, foram publicadas em redes sociais e repercutiram entre os membros mais conservadores da Igreja. Um processo canônico no Tribunal Eclesiástico de Goiânia foi aberto para investigar o caso. Antes que a investigação fosse concluída, entretanto, o clero determinou o afastamento do padre por tempo indeterminado.

Surpreso com a repercussão do caso, o arquiteto Leo Romano explicou ao G1 que o objetivo da presença de César Garcia na cerimônia era o de abençoar a residência do casal. “Em momento nenhum se falou essa palavra casamento, não houve aliança, entrada de padrinho. Foi uma celebração de amor”, diz.

Padre César Garcia foi afastado pela Igreja após benção a casal gay, em Goiânia (Foto: Luísa Gomes/G1)

Padre César Garcia foi afastado pela Igreja após benção a casal gay, em Goiânia (Foto: Luísa Gomes/G1)

Por outro lado, para a Igreja, a presença do padre deu margem para interpretações errôneas da intenção dele e do casal. “A presença de uma pessoa, ainda que silenciosa, diz alguma coisa. E nesse sentido, a presença do padre César não é uma presença indiferente, ainda que não tivesse dito nada. E, certamente, dentro dessas circunstâncias, essa presença vai contra as convicções da Igreja Católica”, afirma o padre e professor de teologia moral Luiz Henrique Brandão, representante da Arquidiciose de Goiânia.

“Nesse caso, se houver possibilidade de confusão, é melhor que aquela bênção não fosse feita justamente para se evitar em quem recebe e em quem participa dela, uma confusão”, completa.

Entretanto, padre César defende que a bênção não deveria ser punida. “Nós entendemos que todos somos filhos de Deus e merecemos uma benção. Não se nega benção a ninguém”, diz.

Segundo o padre Luiz, César e testemunhas serão ouvidos pelo caso. Ele afirma que a medida de afastamento não foi uma punição, mas “um ato que quer remediar e favorecer a resolução da situação”. Não há prazo para que o a Igreja conclua a investigação.

 

 

Superando preconceito, pastor evangélico é também drag queen

Ele defende releitura do livro sagrado e prega a liberdade como ‘o maior presente de Cristo’

Superando preconceito, pastor evangélico é também drag queen

Superando preconceito, pastor evangélico é também drag queen

Fabíola Leoni, em O Globo

Numa hora, ele pega a Bíblia na cabeceira para fazer uma pregação. Na outra, pega os cílios postiços para a próxima parada gay. Apesar de soarem antagônicas, as opções fazem parte do cotidiano do líder pastoral Marcos Lord — ou drag queen Luandha Perón, para os íntimos. Professor da rede pública há sete anos, em Duque de Caxias, Marcos é um carioca de sorriso largo, que demonstra sua crença religiosa com uma devoção para fiel fervoroso nenhum botar defeito. Evangélico de berço, ele diz ter sofrido quando se revelou homossexual, há dez anos, aos 26. A saída para não abandonar a fé foi entrar na Igreja da Comunidade Metropolitana (ICM). O ramo evangélico é conhecido por ter a maior parte dos fiéis integrantes da comunidade LGBT, o cenário propício para o nascimento, em 2011, de Luandha — “uma subversão, uma exaltação do feminino”, como define o pastor.

— Quando o Marcos está no trabalho, Luandha fica guardadinha ali no lugarzinho dela, como um gênio na garrafa — afirma o professor do 3º ano do ensino fundamental, que diz que os alunos não sabem da existência da personagem.

A transformação leva 30 minutos. Usando o próprio altar da igreja como mesa de maquiagem, Marcos pinta o rosto, sobe no salto alto e põe uma peruca de cabelos castanho-escuro com mechas californianas.

Perguntado sobre como é feita a pregação de um gay num ambiente com preceitos evangélicos, que levantam a bandeira contra a homossexualidade, o líder pastoral, sem tirar os olhos da Bíblia, defende de forma categórica uma releitura do livro, seu “manual de fé”. A ICM é considerada uma igreja inclusiva, o que, segundo Marcos, é uma expressão redundante — já que, para ele, todas as igrejas deveriam ser inclusivas. O pastor prega a liberdade como “o maior presente de Cristo” e acredita que “o essencial é o amor e a mensagem que a palavra de Deus transmite”. Para ele, a questão está no que ainda pode ser considerado sacrilégio ou não a partir das antigas escrituras.

— Se você for ler a Bíblia ao pé da letra, terá muitos problemas. Ela fala sobre escravidão, que você tem direito a ter um irmão escravo seu por sete anos. Ela diz que você não tem direito de comer carne de porco. Mas quem vai abrir mão de comer o seu presunto e o seu pernil? Se nós mantivéssemos a mesma visão que sempre tivemos da religião evangélica, a mulher estaria até hoje calada — argumenta, seguro. — Eu não posso simplesmente pegar a Carta aos Romanos e lê-la como se ela tivesse sido escrita para os brasileiros do século XXI. A Carta aos Romanos foi escrita para os cristãos de Roma, daquele período histórico, do primeiro século. Então eu não posso achar que ela é válida para hoje. Mas eu posso tentar pegar alguns ensinamentos que estão ali e achar novos significados para os dias de hoje? Posso. Assim como pego os ensinamentos da minha avó e tento trazer para minha vida até hoje. Mas isso não quer dizer que eu não vá pedir manga com leite numa lanchonete porque ela disse uma vez, lá atrás, que faz mal.

Foi nos idos de 1968, nos Estados Unidos, que surgiu a Metropolitan Community Church, liderada pelo pastor Troy Perry, que se revelou homossexual. O estudo da Bíblia feito a partir de um novo viés, com enfoque nos contextos histórico e social, ocorreu de forma concomitante com perseguições e ameaças à igreja, que cresceu desde então. Perguntado se é reconhecida internacionalmente, Marcos diz que ela é chamada de “a igreja dos direitos humanos” e que sua líder mundial, Nancy Wilson, faz parte de um grupo de aconselhamento, com representantes de organizações sem fins lucrativos, religiosas e laicas, que assessora o presidente Barack Obama.

No Brasil, a comunidade existe há cerca de dez anos, segundo o pastor. Há unidades em Fortaleza, Maceió, Teresina, Cuiabá, Maringá (Paraná), Caxias do Sul (Rio Grande do Sul), Belo Horizonte, Vitória, São Paulo e Mariporã (São Paulo). No Rio, há unidades em São João de Meriti e a comunidade Betel, em Irajá, onde Marcos é o líder pastoral. Na unidade, os cultos ocorrem numa pequena sala, onde podem ser vistos banners com dizeres como “O Senhor é meu pastor, e Ele sabe que eu sou gay”. Apesar de ser uma comunidade mundial, a ICM não é ligada a nenhuma convenção nacional de igrejas evangélicas.

A aflita descoberta da homossexualidade

O líder pastoral Marcos Lord vestido como drag queen: Luandha Perón, para os íntimos (foto: Gustavo Miranda / Agência O Globo)

O líder pastoral Marcos Lord vestido como drag queen: Luandha Perón, para os íntimos (foto: Gustavo Miranda / Agência O Globo)

Para quem desde que se entende por gente ouviu que ser gay era pecado e tinha “espíritos malignos”, a descoberta do gosto por uma pessoa do mesmo sexo pareceu um martírio. Marcos disse que teve receio do preconceito e da reação da família — que, inicialmente, foi negativa — e que fez penitências contra si próprio, em prol de sua “libertação”. Numa delas, levantou-se de madrugada durante sete dias. Foi na época em que morava com o irmão, pastor de uma igreja evangélica, em Barra Mansa, no Sul Fluminense.

— Eu me lembro claramente de uma noite. Estava passando por aquele momento de crise existencial e de madrugada fazia poças de lágrimas, ajoelhado no chão, pedindo a Deus que me libertasse. No fim da sétima noite, eu percebi que não ia adiantar, que Deus não tinha que me libertar, que não havia do que ser libertado. E a crise foi tentar encontrar lugar na minha fé para a minha sexualidade, entender que eu poderia ser gay e ser cristão — diz Marcos, que conheceu a ICM por meio de um amigo. — No começo, eu tive muita resistência. Eu não queria uma igreja para gays. Eu queria uma igreja. Eu imaginava que ia ter uma drag queen dublando a Fernanda Brum e a Cassiane, e que na hora da pregação o pastor ia transformar todos os personagens da Bíblia em homossexuais. Mas fui, e eles estavam estudando a Bíblia, como eu estudava nas igrejas de onde vim. Percebi que era uma igreja como qualquer outra. Só que me aceitava como eu sou.

Luandha Perón, segundo Marcos, aparece em eventos — paradas gay e festas da igreja — como forma de militância. O nome tem justificativa: é uma homenagem à África e à paixão pelo Museu Evita, em Buenos Aires, que conheceu em sua primeira viagem internacional, feita há três anos. Já a ideia de virar drag queen teve inspiração política: uma apresentação de integrantes da ICM de São Paulo. Durante a parada gay, fiéis da igreja paulista foram às ruas vestidos de noivas, para criticar o governo brasileiro, que se coloca contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

— Quando você vai para a balada, vira um personagem Não é a mesma pessoa que vai trabalhar de segunda a sexta. E, no meu caso, a drag queen é um personagem político, exaltando a mulher. As pessoas não gostam só porque é gay, e sim também porque é pintosa. As pessoas gostam de falar “Ai, não basta ser gay, ainda tem que dar pinta?” Por que não se pode dar pinta? Por que ser feminino é tão ruim? — pergunta Marcos, já sendo maquiado para se transformar em Luandha. — Quando começa esse processo de maquiagem, o Lord vai para trás das cortinas, e a Luandha vai surgindo. Ela vai começando a criar corpo, forma, a personalidade de Luandha vai surgindo. Ela é diferente de mim. Ela é mais ousada. Eu sou um pouco mais contido. O grande problema de o Lord virar Luandha é a sobrancelha e o chuchu (a barba).

Para Marcos, a inclusão que acontece na ICM é algo radical, já que deve ser aceito tudo aquilo que pode até chocá-lo:

— Imagina uma drag queen no culto? Imagina a primeira vez que a Luandha for pregar? Mas tudo causa. Na primeira vez que uma mulher botou uma calça, as pessoas ficaram assombradas. Como ela tinha a ousadia de fazer aquilo? Então o processo é esse. No começo choca, causa estranhamento, mas as pessoas vão se acostumando. E se ninguém causar esse primeiro impacto, esse primeiro choque, nunca vai passar disso, sempre vai ser um choque.

Maquiador de Luandha, o professor de história Léo Rossetti — também drag queen e membro da ICM Betel — defende que as pessoas usem a maquiagem como forma de transitar entre gêneros e ser o que quiser. Ele afirma que Deus não está preocupado com os corpos e não se define nem como macho, nem como fêmea:

— Se falo que Deus é homem, eu o estou fechando, tornando-o menor. Ele é tudo. Deus está preocupado com outras coisas, com o coração e com a justiça, por exemplo.

Jesus na Lapa

Baseado no slogan da ICM de igreja inclusiva, o pastor Marcos afirma que Jesus Cristo era um ser extremamente inclusivo, que chamava para perto de si os excluídos da sociedade, como cegos e mulheres. E aposta que, se Cristo nascesse nos tempos atuais, isso aconteceria na Lapa, bairro boêmio carioca:

— A gente aqui costuma dizer isso e que ele seria amigo das travestis, dos transexuais, dos malandros da Lapa. Jesus sempre andou com quem estava à margem da sociedade. Nós procuramos fazer isso também, apesar de não ser fácil esse trabalho diário. É chamar quem acha que não tem lugar junto às pessoas.

Segundo Marcos, apesar de os princípios da ICM se chocarem com os de outras igrejas, existe diálogo entre elas.

— Todo ano participamos da caminhada pela liberdade religiosa, contra a intolerância. Falamos com muita tranquilidade com a igreja episcopal anglicana, e temos contato próximo com a igreja presbiteriana da Praia de Botafogo. Mas há uma verdadeira ojeriza por parte das igrejas neopentecostais, principalmente. A gente vê pastores aí que, se pudessem, botavam o porrete na mão do povo para bater, porque eles não batem. Eles não são homofóbicos — ironiza o pastor.

Sobre relacionamentos amorosos, Marcos diz não se sentir à vontade para se envolver com “alguma ovelha” da comunidade, que conta, por exemplo, com mais duas drag queens. Livre e desimpedido, como se intitula atualmente, ele afirma que pensa em ter uma filha, que se chamaria Maria Eduarda. Segundo Marcos, que já foi noivo de uma mulher, se até os 40 anos não achar um companheiro com quem construir uma família, dará entrada mesmo assim no processo de adoção.

O Pai Nosso – em minhas palavras

anel-aco-inox-preto-pai-nosso-giratorio-oraco-frete-gratis-14247-MLB164195823_9117-ORicardo Gondim

Pai nosso e dos exilados, dos deprimidos, das meninas vendidas à prostituição, dos curdos, das aeromoças, dos ianomâmis, dos carvoeiros, das juízas, dos mineradores chineses, dos médicos legistas, dos cabeleireiros, das noviças, dos poetas, das atrizes, dos teólogos, das massagistas, dos meus filhos e netos, dos ateus, das motoristas de ônibus, dos carcereiros.

Que estás no céu, na terra, no vácuo, no hades, no patíbulo, na floresta, na sala de hemodiálise, no cabaré, na UTI, no acampamento dos sem-terra, na catedral, na sala de tortura, no asilo de velhos, no botequim, no matadouro, no quartel, na ambulância, no escafandro, no aeroporto, no palco, na piscina, no hospício.

Santificado seja o teu nome, a ideia que fazemos de ti, o livro que escrevemos sobre ti, a música que cantamos sobre ti, os planos de paz que organizamos pensando em ti, a mulher que tocamos por seguirmos a ti; e o futuro que sonhamos por ousarmos te chamar de Pai.

Venha o teu reino. Sentimos a urgência não de ir até aí, mas de demonstrar aqui neste planeta diminuto a aspiração que está no além. Queremos nos enraizar neste chão para fazer algo novo, algo que se sobreponha ao que já se construiu na história. Acontece que somos inadequados, claudicantes e egoístas. Incentiva-nos a querer mostrar lampejos do que seria a vida se vivêssemos, minimamente, teus valores. Faze-nos subversores do inexorável, sabotadores das sinas, revolucionários do amanhã. Precisamos da esperança que desvela outra realidade, outro mundo, outra forma de viver.

Seja feita a tua vontade na terra como ela é feita no céu. Desde a criação decidiste que homens e mulheres tomariam os rumos da história. Tu assinalaste a eles a responsabilidade de disseminar bondade e não crueldade, equidade e não injustiça, criatividade e não opressão, liberdade e não escravidão. Anima-nos para que possamos incubar vida, parir oportunidade, perenizar o bem e assim estreitar esse abismo que nos separa de tua morada.

O pão nosso de cada dia, nos dai hoje, mas que este pão nos alimente física, emocional e espiritualmente. Não nos deixe satisfeitos com a ração que nos apequena em nossa humanidade. Temos fome de sentido, carecemos de afetos, ansiamos por beleza, desejamos transcendência. Dá-nos gula de palavras; e que as palavras, transformadas em versos, nos saciem de eternidade.  E que as parábolas, temperadas de metáforas, se transformem no banquete que nos salva no dever inclemente de sobreviver, só sobreviver.

Perdoa as nossas dívidas bem como as ofensas grosseiras de quem ataca a adolescente, o homossexual, o pobre, o negro, o cigano, o gari, o porteiro, a babá, o garçom, o pedreiro, o trovador, a enfermeira, a maria-ninguém.  Somos cruéis uns com os outros, lentos em reconhecer a dignidade alheia. Mordazes, desaprendemos a respeitar dores. Inclementes, desonramos sonhos. Insensíveis, não paramos para ouvir queixas. O perdão nos livra dos grilhões que nos aferramos com o endurecimento. Precisamos de misericórdia, antídoto que nos salva do veneno que tentamos inocular nos outros. Falta-nos a percepção que revidar só expõe a soberba de nos achar melhores e mais privilegiados que os demais.

Assim como perdoamos aos nossos devedores, não nos deixa aspirar de ti nada além do que fazemos pelo próximo. Não te sintas obrigado a nos absolver mais do que absolvemos, a nos compreender mais do que compreendemos, a nos proteger mais do que protegemos. A régua que medirmos deve ser a mesma que esperamos ser aferidos. Que nossa balança não se vicie. E que nós nos identifiquemos no próximo, única forma de amá-lo.

Não nos deixe cair em tentação. Livra-nos do mal, que é a desgraça de cobiçar poder, honra e glória. Lembra-nos: cobiçar poder transforma anjo em diabo e homens em demônios. Que não nos iludamos com caminhos largos, com brilho intenso ou com segurança de riqueza sem fim. Desperta-nos para a vida do Nazareno que desprezou valer-se do divino em sua árdua trilha humana. Sem apelar para poderes sobrenaturais, ele se fez gente. Foi grande porque não fugiu da morte estúpida e banal que os opressores lhe impuseram. Dá-nos a serenidade de não nos seduzir pela mentira de que existe outra senda senão a que ele escolheu.

Amém.

Soli Deo Gloria

fonte: site do Ricardo Gondim