A bondade de um deus que infantiliza

Imagem: Google
Imagem: Google

José Maria Mardones[1], no blog Sóstenes Lima

O deus que faz milagres, que responde à necessidade humana corrigindo sua criação, tem, além disso, outro inconveniente: é um deus de menores de idade; esse deus infantiliza. Esse deus é o oposto daquele que dizíamos que se retira de cena para deixar que o mundo e o ser humano adquiram sua autonomia e possam sustentar-se sobre si mesmos. Em vez de querer filhos adultos, esse deus os quer bebês. A presumida bondade desse deus não se compadece com o ser humano livre, responsável, dotado de capacidades para enfrentar os problemas, as dificuldade, os desafios. Em vez de pedir que deus nos acompanhe para que a dor ou o problema não nos desumanize, pedimos-lhe que nos substitua e resolva nossos problemas. O resultado é a menoridade. Contra esse deus há um refrão popular mexicano que vem bem a propósito: “Deus não cumpre caprichos nem endireita encurvados”. Como dizia com humor um amigo: “Deus dá a água, porém não a canaliza”.

Eu não resisto à tentação de transcrever um parágrafo de um bom teólogo espanhol, J. I. González Faus, sobre o tema:

A pergunta é se Deus é pai somente de crianças pequenas, filhos menores de idade ou de adultos e livres. Para a criança, seus pais são a solução, a lei, a fonte de castigos e prêmios, e, com tudo isso, também uma dificuldade para sua liberdade. Para um filho adulto, quando a relação filial foi positiva (situação bem rara hoje), os pais são ponto de referência decisiva, e a vida do filho é fonte de interesse para os pais; a decisão, porém, sobre ela está em suas próprias mãos e não nas mãos dos pais.

O teólogo Dietrich Bonhoeffer, executado por participar em um complô contra Hitler, já dizia que o homem atual não tolera um deus tapa-buracos. A idade adulta de um homem atual não aceita um deus panaceia. E como, além disso, cada vez mais esse homem tem a possibilidade de solucionar por si mesmo inúmeros problemas funcionais, esse deus vai tendo cada vez menos espaço. O deus tampão é um deus que, a cada dia, ocupa menor espaço nesse mundo.

***

[1]Texto extraído de: Mardones, José María. Matar nossos deuses: em que deus acreditar? São Paulo: Ave-Maria, 2009. p. 70-71.

Leia Mais

“Jesus não me representa”, explica a igreja evangélica em Rede Nacional

nao-me-representa

 

Publicado por Paulo Brabo

BRASÍLIA, DF. Em pronunciamento realizado em Rede Nacional a igreja evangélica desmentiu as recentes acusações de afiliação ao Jesus dos evangelhos. “Devo muito ao meu Salvador pessoal, mas infelizmente suas ações podem ser mal interpretadas e não tenho como apoiá-las”, explicou uma igreja contrita a uma assembleia de repórteres e adoradores.

O pronunciamento surgiu em meio a uma onda de acusações de falsidade ideológica promovida pelas redes sociais. “Fiquei tão chocada quanto qualquer um quando foi tuítado que Jesus teria sido visto na companhia de pecadores. Quando vi o filme no Netflix não tive escolha se não desligar-me ideologicamente das propostas dele. Jesus não me representa, como já coloquei no meu Facebook”.

Posando para os fotógrafos ao lado da igreja católica e usando uma camiseta com os dizeres “O Antigo Testamento me representa”, a igreja evangélica forneceu esclarecimentos adicionais.

“É uma confusão comum essa, achar que só porque Jesus é o Salvador do Mundo todo mundo deve viver como ele vivia. Só falando já fica claro o absurdo, né? Ele é Jesus, gente, veio para salvar, não para ser imitado. Para nortear a conduta temos o Velho Testamento e as cartas de Paulo, como sabe todo cristão.”

Quando perguntadas se estavam dispostas a devolver os valores que tinham angariado em nome de Jesus, as duas igrejas negaram-se a comentar.

Leia Mais

Jesus Cristo vira hipster em anúncios de diocese norte-americana

jesus

publicado no Adnews

A Diocese Católica do Brooklyn resolveu inovar na maneira de se comunicar. A entidade decidiu criar anúncios que exibem os pés de Jesus Cristo calçados com Converse’s All Stars, seguidos da frase “O Hipster Original”.

Segundo a própria diocese, os anúncios fazem uma referência a uma piada de Seth Meyers. Ele disse, durante o programa Saturday Night Live, que os tênis da marca “Converse” (Uma das traduções para “Conversão” em inglês) são responsáveis por muitos católicos estarem retornando à Igreja Católica.

No mesmo comunicado, a diocese diz que os anúncios mostram um lado mais “legal” e receptivo da Igreja Católica.

“A vida é muito mais fácil quando você tem senso de humor. Claro que estamos zombando de nós mesmos, mas também estamos deixando claro que nas Igrejas Católicas do Brooklyn e Queens, todos são bem-vindos”, diz monsenhor Kieran Harrington, porta-voz da diocese.

À CNN, ele explicou que um Hipster, na sua visão, nada mais é que alguém que vai contra a cultura vigente, o mainstream. Segundo Herrington, Jesus se posicionava contra a cultura da maioria em sua época.

Confira o anúncio:

hipster1n

Leia Mais

Nós, incompletos

Desde quando ficou feio precisar do carinho e da atenção do outro?

foto: Internet
foto: Internet

Ivan Martins, na Época

Gente perfeita não precisa dos outros. São tipos como você e eu que necessitam das qualidades dos parceiros. Eles nos emprestam organização, paciência e disciplina, em troca de humor, espontaneidade e imaginação. Eles nos dão coragem quando somos covardes, nos acalmam se estamos em fúria e elucidam, com a sua inteligência, tramas que nós seriamos incapazes de enxergar. Eles não são melhores do que nós, mas são diferentes – e isso, boa parte das vezes, é essencial.

Enfatizo tamanha obviedade porque estamos sufocados pela ideia de perfeição. Para garantir a nossa posição no relacionamento (e no mundo) temos de ser bonitos, inteligentes e bem-sucedidos. Além de totalmente independentes, claro: estou com você porque eu quero, não porque preciso, entendeu? Precisar do amor e da atenção do outro é feio.

Tenho um amigo que há pouco menos de um mês quebrou o braço direito. Nas primeiras semanas depois da queda – e da cirurgia que se seguiu – ele virou um dependente físico. Precisava da namorada para amarrar o seu sapato, ajudá-lo a tomar banho, vestir a camiseta e cortar o bife. Vendo os dois naquela cena de enfermagem, num almoço de domingo, me ocorreu que, sem ela, ele estaria frito. Iria se virar de algum jeito, claro, mas sem a sensação gostosa de ser cuidado e querido, que deve ter feito diferença enorme durante a chatice da recuperação.

Acho que esse caso encerra uma metáfora sobre os nossos relacionamentos.

Nós todos nascemos com algo quebrado dentro de nós. Essa fratura primordial impede a auto-suficiência e exige a presença do outro. Uma pessoa amada, querida ou apenas desejada mitiga a nossa dor original e provê, com a sua presença, algumas sensações essenciais. Ela nos dá o prazer do contato corporal, ela garante a segurança de não estarmos sós, ela oferece, com seus olhares e seus gestos, a admiração e o carinho sem o qual a nossa personalidade murcha.

Todos precisam de atenção, mas nem todos são capazes de aceitá-la calmamente. Ao sentir-se dependente – isto é, ligado ao outro – muita gente pira. Arruma razões fúteis para brigar, enlouquece de ciúme, sente-se sufocar pela presença do outro. Ao final, dá um jeito de chutar o pau da barraca e acabar com aquilo, para enlouquecer de dor logo em seguida. É um paradoxo triste e comum. As pessoas sofrem sozinhas, mas não conseguem permitir que alguém chegue tão perto a ponto de comovê-las – e ameaçá-las com a possibilidade de uma dor ainda maior.

Isso tem a ver também com o espírito do tempo que vivemos.

As pessoas tornaram-se vigorosamente individualistas. As virtudes do século XXI são aquelas do sujeito solitário e decidido que se impõe a um mundo amorfo. Pense nos heróis da nossa época: Steve Jobs, Neymar e até a presidente Dilma. Eles fazem tudo sozinhos, não fazem? O resto da empresa, do time, do governo, existe apenas para executar sua vontade onisciente ou para permitir que ele ou ela exerça o seu gênio autoritário.

Esse mito – da pessoa que não precisa de ninguém – é uma falsidade que invadiu o nosso modo de pensar. E até a nossa intimidade. Agora, todos seremos gênios solitários. Ou pelo menos burros independentes. Bonito é não precisar emocionalmente de ninguém.

Acho isso tudo uma babaquice, claro. Nós precisamos dos outros. Sempre. Do cara que nos vende o bilhete de metrô à mulher que nos abraça no meio da noite, somos profundamente dependentes das pessoas que nos cercam. Sem as ideias e os sentimentos alheios o nosso próprio mundo não avança – e não há nada de errado em admitir isso.

Se for o caso, claro, a gente se aguenta sozinho. Todos já passamos por isso e é bom saber que resistimos. Estar só, afinal, pode ser inevitável – mas não precisamos fingir que é a melhor maneira de viver. Na qualidade de pessoas imperfeitas e dependentes, florescemos na presença de outros como nós, para quem a nossa presença também é essencial. Entender isso ajuda a ter paciência com quem está ao lado. E a desfrutar melhor da sua presença. A nossa humanidade requer o outro. Sejamos humildes. Sejamos modestos. Quanto mais desarmados estivermos na presença do outro, melhor.

Leia Mais