Arquivo da tag: Identificada

Novos Comportamentos: geração de minorias

tumblr_mlxpf4bOph1qan0mao1_r1_500

A rebeldia ganha uma bandeira para lutar… do nosso jeito

Rafael Bittencourt, no TrendCoffe

Por anos Os Sonhadores foi (e ainda é) um dos meus filmes preferidos e, por isso, um dos que eu mais vi. Lembro que a primeira vez que assisti, foi meio por acaso, quando estava passando num canal a cabo de madrugada e eu zapeava procurando por alguma coisa minimamente interessante quando me lembrei que queria ver aquele filme.

Quando acabou fui preenchido por aquele sentimento de “Nossa! Agora eu entendi tudo!”. Era mais uma epifania cinematográfica que ia me acompanhar diariamente e que me levaria a rever a aplaudida obra de Bertolucci diversas vezes, em busca do mesmo sentimento de compreensão universal, identificação e de pertencimento a algo maior que a cidadezinha provinciana onde morava e, claro, detestava.

tumblr_mlxq49IiHG1qan0mao1_500

A verdade é que eu não entendi exatamente o motivo real de tanto encantamento, a não ser pela beleza óbvia e a magia de um filme que se passava na Primavera de 68. Algum tempo depois eu estava falando sobre o filme e todo o movimento cultural da época sob uma perspectiva psicanalítica, quando me dei conta de que, na verdade, o filme ilustrava muita coisa que eu pensava sobre o mundo.

Algumas vezes discuti, quase que com ar de militante, com pessoas mais velhas que eu sobre o olhar nostálgico delas sobre a juventude. Aquele papo de “mas na nossa época era melhor”, ou “vocês são uns acomodados por não lutarem pelos direitos de vocês” não me descia – hoje eu só desdenho. Quando a conversa chegava no ponto de “a maconha fumada naquela época não é a maconha de hoje em dia, pois representava indignação e protesto”, eu geralmente me levantava da mesa.

tumblr_mlxq49IiHG1qan0mao2_1280

Só existe protesto se há indignação contra alguma coisa nomeada, identificada, caso contrário, seria uma rebeldia sem causa e, logo, sem futuro. Os jovens de 2013 não tinham, até então, sequer um motivo real de indignação, visto que a corrupção sempre existiu e, infelizmente, sempre existirá. Mas a corrupção nunca ofendeu diretamente a ninguém. Nunca disse que seu ídolo foi assassinado em nome de Deus, que os negros são amaldiçoados e igualou homossexuais aos piores assassinos. A indignação de hoje passou a ter nome, cargo político, endereço e diversos videos no YouTube, infinitamente compartilhados pelas minorias. O compartilhamento é uma grande arma de uma geração criada na internet. Geração esta, composta majoritariamente por diferentes tipos de minorias. E o melhor: minorias influentes.

tumblr_mlxq49IiHG1qan0mao3_1280

Continue lendo

Guru diz que indiana que sofreu estupro coletivo foi ‘culpada’

Fernando Moreira, no Page not Found

Um guru espiritual provocou revolta na Índia por um causa de um comentário bizarro: segundo Asaram Bapu, a estudante de 23 anos que sofreu estupro coletivo em um ônibus e depois morreu em um hospital foi tão culpada pelo crime quanto os seus agressores.

“Apenas cinco ou seis pessoas não são réus. A vítima é tão culpada quanto os seus estupradores. Ela deveria ter chamado os agressores de irmãos e ter implorado para que eles parassem. Isto teria salvado a sua dignidade e a sua vida. Uma mão pode aplaudir? Acho que não”, disse Bapu, de acordo com a imprensa indiana.

Mais: o guru afirmou que a estudante, identificada como Jyoti Singh Pandey, deveria ter sido mais gentil com os seus algozes se quisesse prevervar a sua vida!

Políticos e internautas reagiram com fúria após as declarações de Bapu.

“Comentários como esses deveriam ser condenados o quanto antes”, disse Sandeep Dikshit, parlamentar do partido governista.

“Querido Asaram Bapu, uma mão não pode aplaudir, mas um dedo pode facilmente mostrar o que penso de você”, escreveu no Twitter um internauta furioso.

A estudante violentada por mais de 20 minutos chegou a ser levada para um hospital em Cingapura, mas não resistiu. O caso provocou uma comoção na Índia.

Blogs ganham até R$ 80 mil por elogios

Maurício Cid, criador do blog de humor "Não Salvo", tido como um dos mais rentáveis no uso de posts patrocinados
Maurício Cid, criador do blog de humor “Não Salvo”, tido como um dos mais rentáveis no uso de posts patrocinados

Juliana Cunha, na Folha de S.Paulo

Ganhar brindes de marcas, ser convidado para participar de eventos e receber entre R$ 500 e R$ 15 mil por uma opinião favorável a um produto estão entre as regalias de ser um blogueiro famoso.

Segundo levantamento feito pela Folha com 12 agências de publicidade que trabalham com marketing digital, um blogueiro cujo site tenha a partir de 40 mil acessos diários ganha entre R$ 15 mil e R$ 80 mil por mês fazendo publieditoriais.

Também conhecidos como publiposts, post pagos e jabás, são textos financiados por marcas e veiculados em blogs. A maioria aparece com uma discreta identificação de que se trata de publicidade -apenas uma “tag” no pé do texto, com a palavra “publipost”. Outros nem isso mostram. É comum que esses avisos apareçam só no fim do texto, em tamanho pequeno.

Publipost é todo material pago veiculado em blogs como se fosse um post normal. De certo modo, corresponde aos chamados “informes publicitários”, textos com aparência jornalística feitos por empresas e publicados em jornais e revistas com identificação para que o leitor não o confunda com reportagem.

Por causa do post pago, é possível ver blogueiros elogiando marcas de absorvente, roupas, celulares, restaurantes e até dermatologistas.

A propaganda, que não tem cara de publicidade, nem sempre aparece identificada como tal. Escrita em primeira pessoa, assemelha-se a uma dica de amigo.

“O grande problema é a falta de regulamentação. Cada blogueiro identifica as propagandas como quer. Alguns com uma ‘tag’ minúscula no fim do post, outros com selos”, diz o blogueiro e publicitário Alexandre Inagaki.

Para Inagaki, o correto seria identificar como propaganda logo no título.

Neste ano, o Conar (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária) investigou um caso de propaganda disfarçada em blogs pela primeira vez: três blogueiras publicaram textos idênticos elogiando produtos da loja de maquiagens Sephora.

Ao final, o conselho recomendou que elas evitassem gerar desconfianças nos consumidores.

Segundo as agências de publicidade, os melhores blogs para anunciar são os de humor e os de moda, que já ganharam até uma rede para organizar os publiposts, chamada F.Hits.

A plataforma criada pela empresária Alice Ferraz reúne 24 blogs de moda e chegou a receber o título de oitava companhia mais inovadora do Brasil no ranking da americana Fast Company.
Um dos blogs de humor mais rentáveis é o “Não Salvo”, feito por Maurício Cid. Ele afirma identificar suas publicidades por meio de ‘tags’.

“O que o blogueiro tem de mais importante é a sua credibilidade. Além disso, meus leitores acham justo que eu ganhe dinheiro com o blog.”

AGÊNCIAS

O procedimento padrão do publipost é feito por uma agência de publicidade ou setor de marketing de uma empresa. A agência entra em contato com blogueiros cujos sites tenham a ver com o produto. São acertados valores e a exposição do texto.

Há quem peça, por exemplo, que o texto fique na página principal do blog por um número determinado de dias.

O blogueiro costuma escrever o texto para que o material não seja muito diferente dos textos normais do site.

Há, porém, redatores publicitários especializados em imitar o estilo dos blogueiros. A marca aprova o material antes de ele ser publicado.

Outras ações publicitárias como vídeos, mudança do “layout” do blog e participação dos blogueiros em eventos costumam ser mais caras.

Para Daniel Oliveira, do blog “Não Intendo”, não há como blogs grandes se sustentarem sem publicidade. Ele a identifica com uma tag.

“Publico uma média de 25 textos toda semana, apenas 2 ou 3 são publicidade. Um site com muitos acessos como o meu precisa de um servidor elástico, o que pode custar US$ 2.000 por mês.”

Entre seus clientes, Oliveira já teve marcas de bebida, carros e lojas de roupa.

Para Ian Black, da agência New Vegas, o mercado está inflacionado: “A demanda de marcas que se interessam por esses serviços cresceu e surgiram agenciadores que sabem cobrar como agência”.

foto: Zé Carlos Barretta/Folhapress

Editoria de Arte/Editoria de Arte/Folhapress