Alckmin ora com pastores e defende parcerias com entidades religiosas

Geraldo Alckmin durante culto na Igreja El Shaddai, associada ao Ministério Internacional da Restauração (foto: Danilo Verpa/Folhapress)
Geraldo Alckmin durante culto na Igreja El Shaddai, associada ao Ministério Internacional da Restauração (foto: Danilo Verpa/Folhapress)

Gustavo Uribe, na Folha de S.Paulo

Em busca do apoio evangélico na disputa eleitoral deste ano, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), subiu nesta quinta-feira (11) no altar de uma igreja neopentecostal e defendeu a manutenção das parcerias do governo estadual com entidades religiosas para a reabilitação de dependentes químicos.

Em discurso a uma plateia de 400 pastores, no qual pregou os princípios cristãos e o fortalecimento da família, o tucano disse que o consumo de crack no país se tornou uma “epidemia” e defendeu a importância do trabalho social das igrejas evangélicas.

“Eu vim pedir as orações de vocês. Nós somos parceiros e iremos trabalhar juntos no trabalho social das igrejas, procurando apoiar quem mais precisa”, garantiu.

Na disputa estadual deste ano, a ampliação das parcerias com entidades religiosas em programas para dependentes químicos é uma das principais reivindicações de lideranças evangélicas, que dialogam com quase um quarto dos paulistas.

A Secretaria da Justiça de São Paulo possui atualmente convênios com 31 comunidades terapêuticas, com ou sem vínculos religiosos, nas quais oferece 787 vagas. O valor médio pago por mês por vaga ocupada é de R$ 1.350.

No palco da Igreja El Shaddai, associada à denominação Ministério Internacional da Restauração e com 850 templos no Estado, o tucano orou de olhos fechados e recebeu a bênção dos pastores.

“Não há nada mais importante, mais bonito na vida, que evangelizar e levar a palavra de Deus às pessoas”, pregou o governador.

Em discurso de tom religioso, o tucano defendeu a unidade familiar como a “primeira célula da nação” e elogiou a atuação da igreja evangélica em São Paulo.

“Eu vim aqui para agradecer: quanto mais vocês trabalharem e levarem sua mensagem, melhor para São Paulo e para o Brasil”, disse o tucano, sob gritos de “aleluia” dos pastores presentes na plateia.

No final do encontro, o apóstolo Fábio Abbud, presidente da Igreja El Shaddai, pediu o apoio dos pastores presentes ao tucano.

A última pesquisa Datafolha, divulgada nesta quarta-feira (10), mostrou que a expectativa de voto de Alckmin entre os eleitores que se declaram evangélicos pentecostais é de 49%. Em agosto, no entanto, ela chegava a 63%.

CONFIDENCIAL

A participação do tucano na reunião com evangélicos não foi divulgada pela assessoria de imprensa do governo ou da campanha.

Desde o início da disputa estadual, em julho, o governador tem participado de agendas religiosas, em igrejas católicas e evangélicas, que são tratadas por sua equipe como “confidenciais”.

De acordo com tucanos, elas não são informadas para que a presença de jornalistas não atrapalhe os cultos e para que a divulgação da visita não cause atritos com outras igrejas que ainda não foram visitadas pelo tucano.

Leia Mais

Frei Tito, memória subversiva

Ele faria 69 anos no domingo que vem; aos 28, atormentado pelas torturas que sofreu, entregou a alma nos braços de Deus

1100

Frei Betto, em O Globo

No próximo domingo, ele faria 69 anos. Aos 28, no sul da França, subiu em um muro, enlaçou o galho de um álamo, envolveu a corda no pescoço e se jogou nos braços de Deus. Estava livre das torturas que o atormentavam.

Nas palavras do cardeal Arns, em missa solene, ao receber seus restos mortais de volta ao Brasil, em 1983, “Frei Tito não se suicidou. Buscou, do outro lado da vida, a unidade perdida deste lado.”

Seu “crime” foi conseguir o sítio que, em 1968, abrigou em Ibiúna, no estado de São Paulo, o congresso clandestino da UNE. Preso em novembro de 1969, acusado de apoio logístico à ALN comandada por Carlos Marighella, Tito sofreu torturas no DEOPS (choques, pau-de-arara, pancadas), em mãos do delegado Fleury.

Em fevereiro de 1970, preso o dono do sítio de Ibiúna, a repressão descobriu que Tito solicitara o local para o congresso. Embora sob custódia da Justiça Militar, o juiz Nelson Guimarães o entregou aos capitães Maurício Lopes Lima (o mesmo que torturou a presidente Dilma Rousseff) e Benoni Albernaz, do DOI-CODI paulistano.

Durante três dias, equipes de torturadores se revezaram para massacrar frei Tito: cadeira do dragão, choques, cigarros acesos na pele. De paramentos sacerdotais, o torturador gritava: “Abre a boca para receber a hóstia sagrada!” E introduzia os eletrodos.

Queriam obter-lhe a confissão de que os frades dominicanos haviam participado de assaltos a bancos. Acuado pela pressão do exterior, o governo Médici precisava justificar a sanha repressiva sobre os religiosos acusados de “terroristas”. E forçar as autoridades eclesiásticas a expulsá-los da Igreja.

Tito não cedeu. No limite da dor, viu-se obrigado a escolher entre a capitulação e a morte. Abriu com gilete a artéria do braço esquerdo. Os algozes o socorreram a tempo, receosos da repercussão no exterior. O capitão Albernaz predisse: “Você não falou, mas jamais esquecerá o preço de sua valentia.”

Incluído na lista dos presos políticos a serem trocados pelo embaixador suíço, sequestrado em dezembro de 1970, Tito foi banido do Brasil no mês seguinte. Rumou do Chile para a Europa. Nas ruas de Paris, avistava seus torturadores, escutava os gritos de seus pais sob torturas, pressentia o perigo em cada esquina. Fleury lhe era onipresente.

Transferiu-se para o nosso convento rural em L’Arbresle, próximo a Lyon, por recomendação de seu psiquiatra. Empregou-se em uma vinha, como medida laborterápica. A 10 de agosto de 1974, encontraram seu corpo balançando entre o céu e a terra.

Tito inspira obras de arte: de Leneide Duarte-Plon e Clarisse Meireles, a biografia, “Um homem torturado”; de Socorro Acioli, o relato biográfico “Frei Tito”; de Raniero La Valle, “Fora do Campo”.

De Marlene França, o filme “Frei Tito”. Caio Blat o encarnou em “Batismo de sangue”. Adélia Prado dedicou-lhe o poema “Terra de Santa Cruz”; Oriana Fallaci, o livro “Um homem”. Licínio Rios Neto, a peça “Não seria o Arco do Triunfo um Monumento ao Pau-de-Arara?” e, Solange Dias, “Tito”.

Hermilo Borba Filho e Clara de Góes também homenageiam Frei Tito em obras literárias.

Leia Mais

Malafaia rejeita influência e diz que Marina não é candidata evangélica

James Cimino, no UOL

foto: Paula Giolito/Folhapress
foto: Paula Giolito/Folhapress

Apontado como pivô de uma mudança no programa de governo da candidata Marina Silva (PSB), o pastor Silas Malafaia negou sua influência sobre a ex-senadora, que também é evangélica.

Após Marina lançar seu programa de governo com uma ampla plataforma de defesa dos direitos dos LGBT (Lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros), houve uma manifestação de repúdio por parte do pastor no Twitter. A campanha da candidata então suprimiu diversos itens da pauta como o casamento igualitário e o projeto de lei que pune a homofobia.

“Marina não é candidata dos evangélicos. Marina é a candidata do brasileiro que quer mudança no país. Tem evangélico que vai votar em Aécio. Tem evangélico que vai votar na Dilma. Ela é a candidata de todo mundo que está de saco cheio do PT”, disse o pastor em entrevista exclusiva ao UOL.

Na maior parte da entrevista –que durou quase uma hora–, Malafaia parecia estar pregando. Repetia diversas frases de efeito em voz alta e começava a responder às questões antes de a reportagem terminar de formulá-las, sempre com tom de voz elevado. Diz ser defensor do estado democrático de direito, mas quando questionado por que gays e evangélicos não podem coexistir na mesma sociedade tendo os mesmos direitos, ironiza: “Que coexistir?!”

Ao ser questionado em que dar direitos aos LGBT prejudica os evangélicos ou que solução daria à questão caso fosse presidente, negou-se a responder: “Ora, eu não tenho que te convencer de porcaria nenhuma! Eu não sou presidente e não posso responder isso pra você e nunca vou poder responder.”

Menor que Edir Macedo

Embora não seja político nem nunca tenha se candidatado a nenhum cargo, Silas Malafaia se tornou uma figura política ruidosa.

Atualmente, ele tem uma base de cerca de 13 mil fieis na igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo, segundo dados do site da entidade, 784 mil seguidores no Twitter, além de ser vice-presidente do Conselho Interdenominacional de Ministros Evangélicos do Brasil, entidade que agrega mais de 8.500 pastores brasileiros.

Mesmo assim, Malafaia está longe de ser uma unanimidade no meio. A reportagem entrevistou os pastores Ricardo Gondim, da igreja Betesda (5.000 fieis em SP e 50 igrejas pelo Brasil), e o pastor Egon Kopereck, presidente da Igreja Evangélica Luterana do Brasil (240.855 membros e 532 paróquias), que criticaram seus métodos e questionaram sua influência entre cristãos.

Kopereck diz que, embora Malafaia diga aquilo que muitos pastores gostariam de dizer, seu posicionamento é radical e cria uma imagem negativa do evangélico.

“Não é assim que se implanta a fé cristã. Gostaria que o país todo fosse cristão, mas uma coisa é querer. Não posso voltar às Cruzadas e obrigar as pessoas a seguirem uma religião.”

Além disso, diz que, em sua igreja, se um pastor resolve seguir a carreira política, é encorajado a deixar o ministério. “Não apoiamos nenhum pastor que queira exercer a política partidária.”

Já Gondim, autor do artigo “Deus nos Livre de um Brasil Evangélico” e cuja igreja se distancia do “evangélico fundamentalista por questões éticas”, diz que a ideia de democracia propagada pelo pastor tem um viés ditatorial, já que despreza a inclusão das minorias.

Para ele, Malafaia tem bem menos influência que gosta de propagar.

“Ele não tem toda essa força que alardeia. O Edir Macedo tem bem mais cacife político. Já elegeu ministro e agora pode até eleger um governador, o bispo Crivella, no Rio de Janeiro. Além disso, se ele tivesse tanta influência a ponto de mudar as eleições, seu candidato não teria apenas 1% das intenções de voto.”

Durante a entrevista ao UOL, o pastor Silas Malafaia minimizou as críticas dos outros pastores dizendo que eles representam “0,000001% do pensamento evangélico”. “E esses caras aí [os pastores] falam isso de mim porque têm dor de cotovelo e porque tomam o maior sarrafo da minha teoria teológica. Só um idiota babaca pra falar o que essas caras falaram. Nunca falei que sou melhor que os outros. Não me dou essa importância.”

Leia Mais

Nos dai hoje: sujeito se apresenta como bispo da igreja evangélica e oferece a candidatos votos dos fieis em troca de dinheiro

imagem-face-bispo-victor

Lauro Jardim, no Radar on-line

Políticos paulistas vêm sendo procurados por um sujeito que se apresenta como Bispo Victor, da igreja evangélica Apostólica Atos do Espírito Santo.

O que ele oferta: votos de fieis em troca de dinheiro. O pacote inclui visitas a dezoito igrejas, onde o cliente é anunciado candidato oficial da paróquia, e distribuição de santinhos nos templos.

Victor cobra 6 500 reais, mas negocia com o currículo e a influência sobre 7 000 eleitores. Segundo ele, seu séquito já ajudou a eleger um vereador, há dois anos, e deputados, em 2010.

Leia Mais

Delegado que investiga casos de desrespeito a religiões é preso após atirar em fiel de igreja

Caso aconteceu no 5º Juizado Especial Cível, em Copacabana. Confusão começou no fim de audiência

Tupirani da Hora Lores em frente à 12ª DP, onde o caso foi registrado: pastor da igreja Geração Jesus Cristo (foto: Marcelo Carnaval / Agência O Globo)
Tupirani da Hora Lores em frente à 12ª DP, onde o caso foi registrado: pastor da igreja Geração Jesus Cristo (foto: Marcelo Carnaval / Agência O Globo)

Dandara Tinoco (Extra), Gustavo Goulart, Luã Marinatto (Extra) e Marcel Tardin, em O Globo

RIO — Uma longa história de antagonismos entre seguidores da igreja Geração Jesus Cristo e o delegado Henrique Pessoa, encarregado de combater a intolerância religiosa no estado, terminou, nesta quarta-feira, com a prisão em flagrante do policial por tentativa de homicídio, após ele ter baleado um fiel. O incidente aconteceu por volta das 15h30m no 5º Juizado Especial Cível, na Rua Siqueira Campos, em Copacabana, onde o delegado move uma ação contra um integrante da igreja que o perseguia por meio de redes sociais. Em 2008, o delegado colaborou com um inquérito no qual seguidores da Geração Jesus Cristo foram acusados de terem depredado um centro espírita. Ao fim da audiência, houve confusão entre Pessoa e um grupo de 20 fiéis. Cercado, o delegado, que foi agredido por evangélicos, fez o disparo, ferindo na barriga Carlos Gomes, de 29 anos, que está internado no Hospital Miguel Couto e não corre risco de vida.

EM 2008, INVASÃO A CENTRO ESPÍRITA

Há seis anos, três homens e uma mulher integrantes da igreja, que tem sede no Morro do Pinto, no Santo Cristo, foram denunciados pela invasão ao Centro Espírita Cruz de Oxalá, no Catete, onde quebraram imagens de santos e agrediram frequentadores. Em 2009, o pastor da Geração Jesus Cristo, Tupirani da Hora Lores, e o fiel Afonso Henrique Alves Lobato se tornaram as primeiras pessoas presas no país por intolerância religiosa. Lobato havia divulgado um vídeo, com o consentimento do pastor, no qual fazia ofensas a religiões de matriz africana, afirmando, por exemplo, que “todo pai de santo é homossexual” e que “centro espírita é lugar de invocação do diabo”. O fiel foi um dos acusados de depredar o templo no Catete.

Na época, o delegado Henrique Pessoa, representante da Polícia Civil na Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR), disse que imagens e textos postados por fiéis da igreja na internet foram provas importantes no inquérito. Os dois acusados, no entanto, ficaram menos de um mês na prisão. Depois de serem soltos, divulgaram dezenas de vídeos com ofensas ao candomblé e à umbanda, intensificando os atritos com o delegado.

Em 2010, a Polícia Civil criou o Núcleo de Combate à Intolerância Religiosa, comandado por Henrique Pessoa. No mês passado, em entrevista ao GLOBO sobre o assunto, ele chegou a afirmar:

— A internet tem sido usada de forma deliberada. As pessoas acham que a rede é terra de ninguém, então, atualmente, esse é um dos principais meios de disseminação das ofensas.

AÇÃO POR DANOS MORAIS

A vítima baleada nesta quarta-feira não era o alvo da ação judicial movida pelo policial, que, além de atuar no núcleo e na CCIR, trabalha na 79ª DP (Jurujuba). O delegado está processando por danos morais um outro fiel, o cabeleireiro Márcio Pereira Carvalho, de 35 anos, que teria revelado o endereço residencial de Pessoa ao divulgar documentos no Facebook, onde também teria postado um texto com ofensas a ele. O delegado alegou que, depois da audiência de conciliação, na qual não houve acordo, foi cercado por cerca de 20 seguidores da igreja. Pessoa afirmou ainda que foi atacado e que atirou para o chão, para se defender.

— Eles (os fiéis) se organizaram pelo Facebook, e hoje (quarta-feira) havia um grupo de cerca de 20 homens no juizado. Quando fui atacado, tentei me desvencilhar. Acabei puxando a pistola e dando um tiro. Tomei muitos chutes. Estou com a cabeça arrebentada e muito abalado — disse Pessoa, que conversou com o GLOBO pouco antes de ser internado sob custódia da polícia no hospital Copa D’Or.

Filha e advogada do delegado, Luciana Pessoa também afirmou que o policial foi atacado:

— Ele sofreu escoriações na cabeça e chegou a desmaiar durante a confusão. Atirou em legítima defesa.

Leia Mais