Silas Malafaia é criticado por internautas por comparar Aécio a Jesus Cristo

silasmalafaia

Publicado no Extra

Grande opositor do PT, o pastor Silas Mafalaia, líder da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, gerou mais uma polêmica nas redes sociais e despertou a indignação de fieis e internautas, que consideraram que o evangélico comparou Aécio Neves (PSDB) a Jesus Cristo.
Inconformado com a reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT), o pastor fez uma analogia com um texto bíblico citado nos evangelhos, no qual o povo pede que Pilatos liberte o ladrão Barrabás e crucifique Jesus.

silas.aecio

A reação dos internautas onsatisfeitos com o comentário foi imediata. “Não acredito que o senhor está comparando Aécio com Jesus. Me poupe o senhor, que diz ser um homem de Deus. Sinto vergonha de um dia ter admirado a sua pessoa!”, escreveu uma mulher.

Outra internauta considerou que “É até falta bom senso e respeito comparar o Aécio a JESUS CRISTO que é santo e misericordioso! Pegou pesado, hein”.

silas.tuit1

Evangélicos que seguem o pastor pastor no Facebook usaram a própria Bíblia para repelir o comentário de Malafaia. “Toda a autoridade é instituída por Deus, sabia pastor?”, lembrou um internauta, em referência ao versículo de Romanos 13:1.

silas.tuit2

Leia Mais

Cantor baiano cria ‘axé do ebola’ e recebe críticas de internautas em site de vídeos

10614273_506683702767557_6723180598017085156_n

Publicado em O Globo

Em meio a uma epidemia que, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), já fez mais de quatro mil vítimas, desde março, na África, há quem consiga encontrar humor. O cantor Demétrius Sena, postou no YouTube um clipe com uma música de axé que brinca com o surto de ebola. “Ebola, ebola, tentando me matar/ Ebola, ebola, vai te contaminar”, diz um trecho. Postado no último dia 27, o vídeo teve mais de 33 mil visualizações e uma enxurrada de críticas.

Natural de Ilhéus, na Bahia, Sena trabalha com música desde 2009 e atualmente vive na Suíça, onde segue sua carreira musical. Ele conta que a letra, que faz uma ligação entre o ebola e uma menina que “adora ostentar”, propõe, na verdade, uma reflexão sobre a sociedade brasileira.

– Estive no Brasil recentemente de férias e percebi a grande falta de percepção das pessoas em relação à realidade. Fiz essa música em setembro para fechar o meu primeiro CD – conta Sena sobre a motivação por trás do trabalho. – No meu ponto de vista, quem ostenta tem uma mente pequena. Esta década está contaminada e ameaçada pelo vírus ostentação, que é tão desgraçado quanto o vírus ebola. É uma metáfora.

O clipe, que não para de ganhar compartilhamentos nas redes sociais, também vem enfrentando críticas. Para alguns internautas, o ebola é um tema sério demais para este tipo de abordagem. Sena dá de ombros:

– Estou usando a minha música pra fazer uma crítica ao sistema. Quis pisar nesse calo. Não ligo muito para críticas, levo na esportiva.

Perguntado se a música já pode ser considerada candidata a hit do verão, Sena afirma que esta não era a sua intenção. Entretanto, ele não descarta a possibilidade.

– Não fiz essa canção com a pretensão de criar um hit ou muito menos a música do carnaval. Foi apenas um protesto. Mas com a repercussão que está causando e se as pessoas conseguirem captar a minha mensagem, seria facilmente uma boa candidata à música do verão 2015 – vislumbra.

Abaixo, a transcrição da música:

Aqui não tem novinha

Não tem ostentação

Só muita verdade

Pra ganhar seu coração

Não sabe o português

Mas adora ostentar

Tomando Chandon

‘chei’ de conta pra pagar

Vai ver que é doença

Melhor não falar nada

Cabeça pequena

Espírito de privada

A nova geração

Que chegou pra desgraçar

O Brasil como um vírus

Estilo ebola

Ebola, ebola, tentando me matar

Ebola, ebola, vai te contaminar

Ebola, ebola, que miséra é essa

Comendo sua mente

Sai da frente tô com pressa

MAIOR EMERGÊNCIA NOS TEMPOS MODERNOS

A Organização Mundial de Saúde (OMS) informou nesta segunda-feira (13) que a epidemia de ebola é a “emergência de saúde aguda mais grave nos tempos modernos”. Além do aviso alarmante, a organização previu que o número de novos casos pode “aumentar exponencialmente”.

As declarações foram feitas pela diretora-geral da OMS, Margaret Chan. Segundo ela, o surto de ebola mostrou que “o mundo está mal preparado para responder a qualquer emergência de saúde pública grave”. Chan afirmou ainda que nunca tinha visto uma doença com potencial de falência do Estado tão destrutivo.

– Nunca vi um caso de saúde pública ameaçar tanto a própria sobrevivência das sociedades e governos em países já muito pobres – disse a diretora-geral da OMS.

O diretor do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA, Tom Frieden disse também na segunda-feira (13) que o país deve repensar as estratégias para evitar que a epidemia de ebola se alastre em território americano. Em uma coletiva de imprensa, Frieden reconhceu falhas no caso da enfermeira Nina Pham, de 26 anos, infectada enquanto tratava do paciente Thomas Eric Duncan, que morreu em decorrência do vírus na semana passada.

– Temos que repensar a nossa forma de tratar e controlar a epidemia, porque mesmo uma única infecção é inaceitável – disse Frieden.

Leia Mais

Discussão política no Facebook abala relações de internautas com amigos

flavialopes620

Publicado no G1

Discussões sobre política nas redes sociais, especialmente a respeito das eleições, têm causado consequências diretas na vida real de algumas pessoas. Amigos de infância estão brigando, excluindo um ao outro do convívio pela internet e, nos casos mais graves, até da relação pessoal. E não é só entre amigos que a coisa está ficando complicada: o ambiente familiar também está se estremecendo em algumas situações. Segundo o Safernet, em relação ao mesmo período do ano anterior, o número de denúncias sobre crimes de ódio na internet mais que triplicou nos dias próximos da votação.

É o caso da coordenadora de programação Flávia Lopes, 40 anos, que expõe publicamente seu posicionamento político em sua página no Facebook. Ofensas pessoais, posts que vão contra os direitos constitucionais dos brasileiros e xingamentos são motivos suficientes para exclusão. “Eu tento o diálogo, mas acabo excluindo amigos e parentes que têm pensamento considerado mesquinho, tacanho e muito agressivo.”

Para Célia Leão, consultora de etiqueta e marketing pessoal, “o respeito precisa imperar, principalmente entre parentes e amigos. É preciso haver equilíbrio e muito cuidado com o que for escrever nas redes sociais.”

Flávia revelou que, desde o início do processo eleitoral brasileiro, excluiu três parentes, três amigos de infância e mais de 20 conhecidos de sua rede social. “Tirei gente da minha família, como primo e tio. Excluo do Facebook para não ver mais os posts deles e para que eles não vejam mais os meus. Não é só pelo posicionamento político ou partidário. Sou contra recados homofóbicos e cartilhas conservadoras.”

A efervescência da página de Flávia no Facebook é tão grande entre os familiares, que a mãe dela disse que estava preocupada com isso. A declaração foi feita enquanto a reportagem do G1 estava na casa dela, o que gerou risos da filha. “Está vendo? É sério.”

Exclusões e bloqueios

Apesar de parecer radical nas exclusões, Flávia mantém o bom humor mesmo diante dos ataques pela internet. “Em uma ocasião, um amigo postou uma mensagem falsa no Facebook e fui argumentar com ele que aquilo não tinha procedência. Ele me desafiou a provar o que estava dizendo. Comecei a postar tudo detalhadamente. Em determinado momento, um amigo dele, que é policial, começou a me ofender, a me atacar. Tudo bem, deixei de lado, mas um dia esse cara apareceu na minha página e começou a me atacar em outros posts. Ele parou quando se deu conta de que estava em minha página e não na do nosso amigo em comum.”

Célia afirmou que é preciso “respirar antes de dar o ‘enter’ na mensagem e publicar algo numa rede social. Em algumas situações, o silêncio é a resposta mais contundente, é o melhor ataque.”

Flávia lembrou que chegou a ser acusada de receber dinheiro de um partido para fazer os posts que faz. “Nunca recebi dinheiro de partido. Não sou defensora de nenhum partido. Teve até quem falasse da minha vida sexual. Aí eu entrei na brincadeira e comecei a provocar o sujeito que me atacava até ele parar.”

A consultora de etiqueta lembrou que postou em sua página pessoal um texto, com a temática das eleições, afirmando defender a democracia e que as pessoas de seu círculo de convívio deveriam se conter para que seus posts não fossem excluídos. “Fiz um texto enorme falando que a democracia é respeitar o que o outro pensa. Há liberdade de expressão, mas é preciso ter limites. Se você discorda de alguém, vá para sua página e discorde lá, nunca embaixo do post da outra pessoa”, disse Célia.

“Fora do ringue”

amigos

O fotógrafo Alexandre Frata, 40 anos, disse que tem embates ferozes com o amigo e músico Fábio Hoffman quando o tema é política, mas sempre pela internet. “Fui ao aniversário dele, no dia anterior ao da votação, e já falei que não falaríamos sobre política para não ‘sairmos na mão’. Eu sou mais esquentado do que ele, mas nunca chegamos às vias de fato. Nem por política, nem por futebol.”

A professora de etiqueta do Senac, Monayna Pinheiro, disse que é preciso “entender que estamos em uma rede social e é inevitável a crítica às suas opiniões. A discussão é saudável, desde que seja equilibrada, sem palavrões e ofensas.”

Frata lembrou que tocou em uma banda com o amigo “rival” e que duas das músicas próprias, composições de um baixista, abordavam o tema política. “Somos amigos há mais de 20 anos, tivemos banda por 13 anos juntos, eu tocando bateria e ele tocando guitarra. Sempre me dei melhor com ele do que com o baixista, por exemplo. Tinha uma música ‘Quem quer que seja’ que era praticamente um hino ao anarquismo. Faz um tempo que não voto em candidato algum, para cargo algum.”

Hoffman disse que as conversas que costumam ter são saudáveis e baseadas em argumentos que cada um considera correto. “Sempre tivemos desavenças políticas. Tenho um pé mais no conservadorismo do que ele [Alexandre].”
O amigo afirmou que evita ainda mais o tema política com pessoas desconhecidas. “Se não converso sobre política com amigo, que pela amizade a gente acaba tendo mais liberdade para falar alguma coisa mais dura, com alguém desconhecido nem pensar em falar no tema”, explicou Frata.

Dados da Safernet, entidade que recebe denúncias de crimes cibernéticos, indicam que entre 28 de setembro (data do debate na TV em que Levy Fidelix fez declarações consideradas homofóbicas) e 6 de outubro (o dia seguinte ao primeiro turno) houve 3.734 denúncias sobre crimes de ódio na internet. Esse número é mais do que o triplo do acumulado no mesmo período no ano passado – 1.221 denúncias.

Código de etiqueta

Monayna disse que é preciso que as pessoas considerem os efeitos provocados pela velocidade da informação na internet. “Tudo é muito rápido, às vezes as pessoas não têm essa dimensão da velocidade. É preciso mudar o ‘penso, logo posto’ que acontece muito. Se você se expõe numa rede precisa ter maturidade para enfrentar as consequências. Não sabe brincar? Não desce para o playground.”

campanha-mj

Campanha do Ministério da Justiça

No começo de outubro, o Ministério da Justiça soltou uma campanha pelas redes sociais para conscientizar os internautas para que mantenham os direitos individuais e evitem conflitos pessoais. Veja a íntegra do texto:
“Liberdade de expressão é o direito de manifestar livremente opiniões e ideias. Entretanto, o exercício dessa liberdade não deve afrontar o direito alheio, como a honra e a dignidade de uma pessoa ou determinado grupo. O discurso do ódio é uma manifestação preconceituosa contra minorias étnicas, sociais, religiosas e culturais, que gera conflitos com outros valores assegurados pela Constituição, como a dignidade da pessoa humana. O nosso limite é respeitar o direito do outro.”

Leia Mais

Garoto de 11 anos conquista milhões de internautas com mensagem inspiradora

Publicado no Catraca Livre

Sob o codinome de Kid President (ou presidente criança, em português) e de maneira despretensiosa, Robby Novak de 11 anos conquistou milhões de internautas com sua mensagem inspiradora, desafiadora e divertida. A motivação de Kid President para fazer os vídeos é simples: tornar o mundo mais incrível. Quem pode ser contra isto?

A mensagem de Kid President vem por meio das “pep talks”, ou seja, por falas animadoras. Em seus vídeos, o garoto americano pede que crianças e adultos se esforcem para fazer o mundo menos chato. Para fazer isso, o pequeno fenômeno recomenda: “Trate todo mundo como se fosse o seu aniversário”.

O seu vídeo mais famoso, “A Pep Talk from Kid President to You” (Uma animada do Kid President para você), foi visto por quase 34 milhões de pessoas. A provocação vem logo no início: “Chato é fácil. Todo mundo pode ser chato”, e é seguida de um encorajamento: “você é melhor do que isso”.

Impossível resistir ao persistente chamado para mudar a realidade trazido por Kid President, cujo discurso fala do reconhecimento da importância de valorizar a pessoa integralmente e promover encontros pautados pelo respeito à diversidade. “O que você vai fazer para tornar o mundo incrível? Nada se você continuar sentado aí! É por isso que estou falando com você hoje.” O olhar singelo de uma criança se traduz numa fala recorrente em seus vídeos: “é dever de todo mundo dar ao mundo uma razão para dançar”.

Leia Mais

Eleições: Metade da internet não quer entender o que lê. E a outra…

guerra cibernética

Publicado por Leonardo Sakamoto

É fácil escrever o que o senso comum deglute com facilidade e que está guardado nos instintos mais animais que não abandonamos nem com milhares de anos de convivência.

Coisas do tipo: “Mata a vadia, mata!”

Difícil mesmo é redigir algo com a certeza absoluta de que apenas uma minoria vai ler até o final, embutindo uma provocação que gere uma reflexão ao final.

Em um assunto considerado polêmico, boa parte das pessoas passa o olho de forma transversal em um texto, capta algumas palavras como “direitos humanos”/ “traficantes”/ “Estado” / “maioridade penal” / “aborto” / “evangélico” / “casamento gay” / “Palmeiras” e sem nenhuma intenção de expor ideias ou debater, pinça um capítulo de sua Cartilha Pessoal de Asneiras e posta como comentário.

É a vitória da limitada experiência individual sobre a necessidade coletiva, da emoção do momento sobre a racionalização necessária para que não nos devoremos a cada instante.

Não existe observador independente e imparcial. Isso até pode e deve ser almejado, mas não será obtido. Quem te falar o contrário, tá de zoeira.

Você vai influenciar uma realidade e ser influenciado por ela. E vai tomar partido, consciente ou inconscientemente. Se for honesto e/ou corajoso, deixará isso claro ao leitor.

Pois mais vale a transparência de dizer quem você é e o que pensa do que a arrogância de se afirmar acima de qualquer suspeita.

Sei que há colegas de profissão que discordam, que dizem que é necessário garantir a pretensa imparcialidade. É necessário, sim, ouvir todos os lados com honestidade para entender e explicar o assunto, mas a sua tradução já sofrerá influência de quem você é e onde você está – socialmente, profissionalmente, politicamente, culturalmente.

Zerar essa influência só seria possível se nos despíssemos de toda a humanidade. Há quem tente ferozmente e ache bonito. Sinceramente, o resultado fica muito ruim.

Tomar posição se reflete na escolha da pauta que você vai fazer, sob a ótica de quem.

Concordo com Robert Fisk, o lendário correspondente para o Oriente Médio do jornal inglês Independent, que diz que em situações de confronto, de limite, deve-se tomar opção pelos mais fracos, ou seja, os empobrecidos e marginalizados, no que se refere à realidade política, econômica, social, cultural e ambiental.

Tomar partido não significa distorcer os fatos, pelo contrário, é trazer o que historicamente é jogado para baixo do tapete, agindo conscientemente no sentido de contrabalançar, junto à opinião pública, o peso dos lados envolvidos na questão.

Distorcer é má fé, preguiça ou incompetência – coisa que muito jornalista que se diz imparcial faz aos montes, aplaudido por quem manda. Aqui ou lá fora.

Toda a informação é grávida. E informação, ela mesma, é canal de alienação, sim. Depende como é selecionada, empacotada e entregue. Mesmo sob o rótulo de “produto 100% imparcial”.

Mais importante: tomar partido não significa apoiar partido. Mas pedir para alguns leitores entenderem isso é tarefa ingrata e hercúlea em meio às matrizes de interpretação da realidade do tipo “vovó viu a uva” que seguem por aí.

Tem muito jornalista à venda. Mas sabe o que assusta muitos leitores (principalmente os comentaristas de blog na internet)? É que existam aqueles que não estão. Neste mundo louco é difícil explicar que ainda há alguns nortes que valem a pena ser seguidos. Não grandes discursos de Verdade, pois isso não existe. Mas noções éticas básicas que, construídas e compartilhadas, melhoram a nossa existência.

Para quem acredita que a vida não é um grande “cada um por si e Deus por todos”, esse chega-pra-lá no cinismo é quase que condição mínima necessária para levantar da cama de manhã.

Leia Mais