Arquivo da tag: jogo

Conheça o novo jogo que está virando febre nos smartphones

Publicado no TecMundo

Órfão de Flappy Bird? Então conheça Timberman, um game que explora uma jogabilidade parecida com a do famoso game do pássaro voador e que está fazendo sucesso mundo a fora. De acordo com App Annie, o jogo já é líder na categoria games da AppStore em oito países diferentes, e está entre os cinco mais baixados em 28 nações.

Em Timberman, você deverá encarnar um lenhador daqueles bem icônicos: barbudo, parrudo, de calça jeans e camisa xadrez. Seu objetivo é cortar a árvore com um machado pedaço a pedaço, cuidando para não deixar que os galhos acertem o personagem.

Descendo lenha

Jogar é bem simples: tudo o que você precisa fazer é tocar na tela para que o lenhador corte a árvore. Você pode tocar no canto esquerdo ou direito, fazendo o lenhador mudar de lado, desviando dos galhos que fazem você perder toda a jogada.

À medida que você consegue cortar mais e mais pedaços de lenha, o nível de dificuldade vai subindo e mais galhos vão aparecendo. Seja rápido para evitar que a barra de vida se esvazie completamente. Caso contrário, é game over.

Fórmula viciante

O game é viciante porque faz a contagem de machadadas que você deu na árvore e por não oferecer uma segunda chance para os jogadores. Dessa forma, você poderá comparar os resultados com seus amigos de uma forma simples. Além disso, ele se conecta a Play Games e a Game Center.

O jogo está disponível desde maio na AppStore e na Play Store, mas só agora que ele realmente começou a bombar. O sucesso na loja de aplicativos da Apple se deve ao fato de que o game entrou para o seleto grupo de aplicativos “Escolha do Editor”, sendo baixado mais de um milhão de vezes em apenas três dias.

Timberman é gratuito e pode ser baixado para Android e iPhone. E você? Qual é o seu recorde?

Revoltado, torcedor tatua 7 a 1 da Alemanha no Brasil: ‘marcou muito’

Matheus Ribeiro Simões quis eternizar o momento de decepção da filha.
Decisão de fazer a tatuagem na perna ocorreu logo após o final do jogo.

Publicado no G1

Bia mostra a tatuagem feita pelo pai em Piracicaba (foto: Fernanda Zanetti/G1)

Bia mostra a tatuagem feita pelo pai em
Piracicaba (foto: Fernanda Zanetti/G1)

 

O torneiro mecânico Matheus Ribeiro Simões, de 31 anos, de Piracicaba (SP), tatuou na coxa esquerda as bandeiras da Alemanha e do Brasil e ainda o resultado da partida de 7 x 1. A ação foi por revolta ao ver o sofrimento da filha Beatriz Ribeiro, de oito anos. “Marcou muito vê-la chorar de soluçar, decepcionada com a derrota da seleção.” Quando houve o apito final do juiz, ele já estava decidido a tatuar o placar na pele.

“Eu fiquei revoltado com o sofrimento da Bia. Ela é da geração que nunca viu o Brasil vencer a Copa do Mundo e esperava que o time vencesse também por ela, como era dito nos meios de comunicação. Quando ela começou a chorar, de forma inconsolável com o resultado, fiquei furioso e decidi tatuar. Eu nunca tinha visto ela agir dessa maneira por uma decepção e, por isso, decidi guardar esse momento para sempre.”

Simões relatou ainda que o brasileiro tem a memória curta e muitas vezes esquece momentos marcantes na vida. “Eu não quero esquecer porque foi um momento que marcou a minha vida e a da minha filha. Sem contar que, sempre que ela ou eu olharmos a tatuagem, lembraremos da partida e daquele momento que vivemos.”

Torneiro mostra as tatuagens feitas na perna em homenagem à filha de 8 anos (foto: Fernanda Zanetti/G1)

Torneiro mostra as tatuagens feitas na perna em homenagem à filha de 8 anos (foto: Fernanda Zanetti/G1)

Copa do Mundo
No início da Copa o torneiro mecânico contou que estava sem esperanças com esta equipe do Brasil, mas que foi acreditando na seleção a cada partida. Ele disse ainda que a filha não se interessava por futebol, mas ficou muito contagiada com a Copa do Mundo.

“No jogo contra o Chile vibramos em cada pênalti, gritamos juntos, torcemos e quando o Brasil venceu nós nos abraçamos e choramos muito de emoção com a vitória. A cada partida ela estava mais envolvida. Me pediu para levá-la ao estádio, para comprar os itens para torcer e, de repente, a derrota.”

Simões contou que quando o time passou para as quartas-de-final ficou confiante e tinha até decidido tatuar o brasão do Brasil com seis estrelas caso o país vencesse o jogo.

Torneiro tatuou resultado de jogo na perna em Piracicaba (foto: Andrea Tatto/acervo pessoal)

Torneiro tatuou resultado de jogo na perna em
Piracicaba (foto: Andrea Tatto/acervo pessoal)

Brasil x Alemanha
O torneiro contou que, como em todos os jogos, Bia estava brincando no começo da partida e correu para ver quando o pai gritou que a Alemanha havia feito o primeiro gol. “Ela voltou brincar. Mas quando gritei que a Alemanha tinha feito o segundo gol, a Bia sentou ao meu lado e começou a assistir a partida. Então, ao ver o terceiro gol contra o Brasil, ela cobriu o próprio rosto. Achei que ela estava fazendo gracinhas. Ela ficou com o rosto coberto no quarto e ainda no quinto gol. Então tirei o cobertor e vi ela chorando.”

Simões relatou que a menina não parava de chorar, que soluçava e estava inconsolável com o resultado da partida. Nesse momento ele decidiu tatuar o jogo para nunca mais esquecer do momento vivido com a filha.

Bia disse que gostou da iniciativa do pai e fez questão de se justificar sobre o choro. “Eu só queria que o Brasil não tivesse perdido de tantos gols. Poderia ser uma diferença menor no resultado, por isso fiquei tão triste”, relatou.

Para acabar com o sofrimento da menina, o torneiro mecânico e a esposa, Andrea Tatto, começaram a conversar com a filha.”Nós explicamos que na vida teremos decepções, conversamos bastante e a consolamos até que se acalmasse”, relatou.

A tatuagem
Assim que acabou o jogo, Simões pediu para a mulher, que trabalha como tatuadora, fazer o desenho. “Eu não estava acreditando que ele iria tatuar o placar. Fiquei enrolando dias para fazer a tatuagem nele. Mas como foi um momento marcante para ele, aceitei a decisão”, disse Andrea.

Na quinta-feira (10), o torneiro foi ao estúdio Art’s House Tatto, onde a esposa trabalha, e fez a tatuagem. O desenho foi feito na coxa esquerda próximo a um coração escrito Bia, desenhado pela própria garota em junho de 2013. “Até o local da tatuagem foi pensado. Seria ao lado do desenho dela porque esse jogo representa o sofrimento da nossa filha. E, como eu brinco, a perna esquerda é da Bia”, disse o torneiro mecânico.

Com oito tatuagens pelo corpo, Simões disse que cada uma tem um significado importante na vida dele. “Cada desenho é importante para minha vida. E esse momento da minha filha é um deles.”

Fogo na capela

foto: G1

foto: G1

Antonio Prata, na Folha de S.Paulo

Por uns dias, acreditamos que seria possível vencer sem Neymar, sem Thiago Silva, sem meio de campo, sem time: só no grito, no peito, na raça, no hino, mas a seleção a capela não pegou na banguela e morremos na praia -ainda que em Minas, tão perto do ouro, tão longe do mar.

Um poeta português que muito cantou o mar já disse que “Tudo vale a pena/Se a alma não é pequena”, mas, com 5 a 0 antes dos 30 do primeiro tempo, comecei a duvidar da validade desses versos. Sabia tudo sobre o mar, o poeta, mas, desconfio, nada de futebol.

Desculpa, leitor, se eu fico aqui me escorando em versos, mas algum consolo este devastado cronista precisa buscar -e pega mal tomar cerveja na tribuna de imprensa.

Tá duro assistir ao Mineirão lotado e perplexo. Depois de quatro gols em seis minutos, engolimos a seco o “Eu acredito!” e passamos a desejar secretamente, ardorosamente, que nos fechássemos numa pusilânime retranca para não perder de dez, de 20. Foram sete. Sete! E poderia ter sido mais.

Se para algo servir o massacre, que seja para passarmos a acreditar menos na mágica e mais no trabalho, no treino, no planejamento, enfim, nessa coisa chata chamada realidade. Botar para enfrentar a Alemanha um time que nunca havia jogado, que nunca havia treinado, na fé de que a mística da camisa amarela daria conta do recado?!

Falou-se muito, antes da Copa, sobre o complexo de vira-lata, cunhado por Nelson Rodrigues. Por um momento, pareceu que o havíamos superado. Não, só invertemos o sinal. Crer que sem futebol é possível vencer no futebol apenas porque queremos mais do que os outros é um delírio de grandeza que só pode surgir de nosso imorredouro sentimento de inferioridade. Aliás, crer que nós queremos vencer mais do que os outros já é sinal de que algo não vai bem. Será que só conseguimos oscilar entre o cocô do cavalo do bandido ou super-heróis? Não podemos ser normais?

O futebol é um negócio engraçado. Como escreveu aqui o mestre Tostão, no início da Copa, ele serve para provar todas as teses. Nessa tenebrosa semifinal, queríamos provar que a garra era mais forte que a tática. Que o brado “a capela” batia uma orquestra afinada. Provou-se o contrário, o óbvio mais ululante com que mesmo o burro videoteipe vai concordar e repetir, “per saecula saeculorum“: que, às vezes, o melhor time ganha do pior. E que, quando o melhor time é muito melhor do que o pior, pode fazer sete gols. Sete! E poderia ter sido mais.

No fim, a fratura na vértebra do nosso maior craque parece uma imagem sob medida para essa seleção, uma seleção à qual faltava uma coluna vertebral e que, mesmo assim, acreditamos que seria capaz de levantar e andar, movida pelo exoesqueleto do delírio nacional.

Jogo que satiriza pastores bate recorde de financiamento coletivo

Marcelo Del Debbio, da editora Daemon, criador do "Pequenas igrejas, grande negócios" (foto: Raquel Cunha/Folhapress)

Marcelo Del Debbio, da editora Daemon, criador do “Pequenas igrejas, grande negócios” (foto: Raquel Cunha/Folhapress)

Felipe Maia, na Folha de S.Paulo

O jogo de RPG Pequenas Igrejas, Grandes Negócios, que faz uma forte crítica a pastores evangélicos, bateu o recorde de arrecadação de recursos por “crowdfunding” (“vaquinhas” coletivas pela internet) para um produto em uma plataforma brasileira.

O game, no qual “ganha quem sobreviver com a reputação menos manchada no dia do arrebatamento”, arrecadou R$ 92,7 mil por meio da ferramenta de financiamento Catarse, a maior do país. O produto foi criado pela editora Daemon.

O segundo da lista, com R$ 62,1 mil, é um projeto do coletivo de design Zerezes para criação de óculos produzidos com restos de madeira.

No game, que vai custar cerca de R$ 60 mil para ser fabricado, jogadores assumem o papel de líderes religiosos em uma “disputa para ver quem consegue ficar mais rico e destruir a reputação dos outros pastores mais rápido”.

Para derrotar os rivais, é preciso jogar cartas em que eles são acusados de desvios de dinheiro ou de vender produtos como um óleo que restaura a virgindade.

Segundo Marcelo Del Debbio, 39, diretor da empresa, essas informações foram tiradas de notícias reais.

Ele afirma que o objetivo do jogo não é criticar a religião em si, mas, sim, líderes que usam a fé das pessoas para enriquecer. “No jogo também tem pai de santo picareta e rabino picareta”, diz.

A Daemon foi fundada em 1998 e lançou cerca de 40 jogos –o principal deles é um voltado para crianças, chamado RPG Quest, que pode ser usado para ensino de matemática. Foram vendidas mais de 60 mil unidades.

O empresário diz que o jogo sobre as igrejas não será vendido em bancas e lojas de brinquedos, como acontece com outros produtos da editora, em razão da polêmica. A tiragem, de 2.000 exemplares, será entregue aos apoiadores do projeto no Catarse e vendida também pela web.

Felipe Caruso, coordenador de comunicação da plataforma de financiamento, diz que a empresa não avalia a qualidade artística de um projeto. “A gente analisa se ele faz sentido, se não há algum crime e se o valor proposto é adequado.”

Ele atribui o sucesso da campanha à boa articulação da comunidade de games e à estratégia de divulgação adotada pela Daemon.

Debbio transformou a própria arrecadação em um jogo: ele estabeleceu metas em dinheiro e, à medida que elas eram atingidas, o game ia ganhando mais cartas ou mais recursos –quem apoiou o projeto primeiro incentivava a entrada de novos financiadores para receber mais itens do produto.

Davi Charles Gomes, 37, reverendo da Igreja Presbiteriana e chanceler da Universidade Mackenzie, diz que o jogo “faz pensar” e que sente “uma ponta de vergonha” pelo modo como pastores são retratados no produto.

“Eu não fico acanhado e não me sinto atacado porque não me reconheço nele”, conta. “A verdadeira religião não é isso.”

dica do Sidnei Carvalho de Sousa

Assembleia de MG posta foto de Mick Jagger com camisa do Chile

Texto de post diz que imagem é para ‘dar força’ para a torcida do Brasil.
Rolling stone é famoso pé frio em Copas do Mundo.

Publicado no G1

A Assembleia Legislativa de Minas Gerais publicou na rede social um post bem irreverente na tarde desta sexta-feira (27). A imagem mostra o rolling stone Mick Jagger com uma camisa do Chile. Na fotografia há ainda o dizer “Viva Chile”.

Assembleia de Minas posta foto de Mick Jagger com blusa do Chile "para dar uma força" para a seleção brasileira (Foto: Reprodução/Facebook)Assembleia de Minas posta foto de Mick Jagger com blusa do Chile "para dar uma força" para a seleção brasileira (Foto: Reprodução/Facebook)

Jagger é um famoso pé frio em copas do mundo. Geralmente, a seleção para qual ele torce ou veste a camisa, por tradição acaba sendo derrotada em uma partida ou eliminada da competição.

No texto postado com a foto, a ALMG pede que o músico torça para o Chile e deseja força a Seleção brasileira. “Para dar uma força na nossa torcida para o jogo de amanhã do #Mineirão, mandamos uma camiseta de presente para o nosso Rolling Stone favorito. Contamos com você, Mick!”, diz a mensagem.

Brasil e Chile se enfrentam pelas oitavas de final da Copa do Mundo, neste sábado (28) no Mineirão, em Belo Horizonte. A gerente de comunicação em mídias digitais da ALMG, Fabiola Farage, afirmou que a ideia do post com um tom mais voltado ao humor é buscar a aproximação com os internautas. “No Facebook buscamos ir  mesclando temas mais sérios e de interesses da população com assuntos mais ligados ao humor e ao cotidiano. Coisas mais leves”, disse.