Revoltado, torcedor tatua 7 a 1 da Alemanha no Brasil: ‘marcou muito’

Matheus Ribeiro Simões quis eternizar o momento de decepção da filha.
Decisão de fazer a tatuagem na perna ocorreu logo após o final do jogo.

Publicado no G1

Bia mostra a tatuagem feita pelo pai em Piracicaba (foto: Fernanda Zanetti/G1)
Bia mostra a tatuagem feita pelo pai em
Piracicaba (foto: Fernanda Zanetti/G1)

 

O torneiro mecânico Matheus Ribeiro Simões, de 31 anos, de Piracicaba (SP), tatuou na coxa esquerda as bandeiras da Alemanha e do Brasil e ainda o resultado da partida de 7 x 1. A ação foi por revolta ao ver o sofrimento da filha Beatriz Ribeiro, de oito anos. “Marcou muito vê-la chorar de soluçar, decepcionada com a derrota da seleção.” Quando houve o apito final do juiz, ele já estava decidido a tatuar o placar na pele.

“Eu fiquei revoltado com o sofrimento da Bia. Ela é da geração que nunca viu o Brasil vencer a Copa do Mundo e esperava que o time vencesse também por ela, como era dito nos meios de comunicação. Quando ela começou a chorar, de forma inconsolável com o resultado, fiquei furioso e decidi tatuar. Eu nunca tinha visto ela agir dessa maneira por uma decepção e, por isso, decidi guardar esse momento para sempre.”

Simões relatou ainda que o brasileiro tem a memória curta e muitas vezes esquece momentos marcantes na vida. “Eu não quero esquecer porque foi um momento que marcou a minha vida e a da minha filha. Sem contar que, sempre que ela ou eu olharmos a tatuagem, lembraremos da partida e daquele momento que vivemos.”

Torneiro mostra as tatuagens feitas na perna em homenagem à filha de 8 anos (foto: Fernanda Zanetti/G1)
Torneiro mostra as tatuagens feitas na perna em homenagem à filha de 8 anos (foto: Fernanda Zanetti/G1)

Copa do Mundo
No início da Copa o torneiro mecânico contou que estava sem esperanças com esta equipe do Brasil, mas que foi acreditando na seleção a cada partida. Ele disse ainda que a filha não se interessava por futebol, mas ficou muito contagiada com a Copa do Mundo.

“No jogo contra o Chile vibramos em cada pênalti, gritamos juntos, torcemos e quando o Brasil venceu nós nos abraçamos e choramos muito de emoção com a vitória. A cada partida ela estava mais envolvida. Me pediu para levá-la ao estádio, para comprar os itens para torcer e, de repente, a derrota.”

Simões contou que quando o time passou para as quartas-de-final ficou confiante e tinha até decidido tatuar o brasão do Brasil com seis estrelas caso o país vencesse o jogo.

Torneiro tatuou resultado de jogo na perna em Piracicaba (foto: Andrea Tatto/acervo pessoal)
Torneiro tatuou resultado de jogo na perna em
Piracicaba (foto: Andrea Tatto/acervo pessoal)

Brasil x Alemanha
O torneiro contou que, como em todos os jogos, Bia estava brincando no começo da partida e correu para ver quando o pai gritou que a Alemanha havia feito o primeiro gol. “Ela voltou brincar. Mas quando gritei que a Alemanha tinha feito o segundo gol, a Bia sentou ao meu lado e começou a assistir a partida. Então, ao ver o terceiro gol contra o Brasil, ela cobriu o próprio rosto. Achei que ela estava fazendo gracinhas. Ela ficou com o rosto coberto no quarto e ainda no quinto gol. Então tirei o cobertor e vi ela chorando.”

Simões relatou que a menina não parava de chorar, que soluçava e estava inconsolável com o resultado da partida. Nesse momento ele decidiu tatuar o jogo para nunca mais esquecer do momento vivido com a filha.

Bia disse que gostou da iniciativa do pai e fez questão de se justificar sobre o choro. “Eu só queria que o Brasil não tivesse perdido de tantos gols. Poderia ser uma diferença menor no resultado, por isso fiquei tão triste”, relatou.

Para acabar com o sofrimento da menina, o torneiro mecânico e a esposa, Andrea Tatto, começaram a conversar com a filha.”Nós explicamos que na vida teremos decepções, conversamos bastante e a consolamos até que se acalmasse”, relatou.

A tatuagem
Assim que acabou o jogo, Simões pediu para a mulher, que trabalha como tatuadora, fazer o desenho. “Eu não estava acreditando que ele iria tatuar o placar. Fiquei enrolando dias para fazer a tatuagem nele. Mas como foi um momento marcante para ele, aceitei a decisão”, disse Andrea.

Na quinta-feira (10), o torneiro foi ao estúdio Art’s House Tatto, onde a esposa trabalha, e fez a tatuagem. O desenho foi feito na coxa esquerda próximo a um coração escrito Bia, desenhado pela própria garota em junho de 2013. “Até o local da tatuagem foi pensado. Seria ao lado do desenho dela porque esse jogo representa o sofrimento da nossa filha. E, como eu brinco, a perna esquerda é da Bia”, disse o torneiro mecânico.

Com oito tatuagens pelo corpo, Simões disse que cada uma tem um significado importante na vida dele. “Cada desenho é importante para minha vida. E esse momento da minha filha é um deles.”

Leia Mais

Fogo na capela

foto: G1
foto: G1

Antonio Prata, na Folha de S.Paulo

Por uns dias, acreditamos que seria possível vencer sem Neymar, sem Thiago Silva, sem meio de campo, sem time: só no grito, no peito, na raça, no hino, mas a seleção a capela não pegou na banguela e morremos na praia -ainda que em Minas, tão perto do ouro, tão longe do mar.

Um poeta português que muito cantou o mar já disse que “Tudo vale a pena/Se a alma não é pequena”, mas, com 5 a 0 antes dos 30 do primeiro tempo, comecei a duvidar da validade desses versos. Sabia tudo sobre o mar, o poeta, mas, desconfio, nada de futebol.

Desculpa, leitor, se eu fico aqui me escorando em versos, mas algum consolo este devastado cronista precisa buscar -e pega mal tomar cerveja na tribuna de imprensa.

Tá duro assistir ao Mineirão lotado e perplexo. Depois de quatro gols em seis minutos, engolimos a seco o “Eu acredito!” e passamos a desejar secretamente, ardorosamente, que nos fechássemos numa pusilânime retranca para não perder de dez, de 20. Foram sete. Sete! E poderia ter sido mais.

Se para algo servir o massacre, que seja para passarmos a acreditar menos na mágica e mais no trabalho, no treino, no planejamento, enfim, nessa coisa chata chamada realidade. Botar para enfrentar a Alemanha um time que nunca havia jogado, que nunca havia treinado, na fé de que a mística da camisa amarela daria conta do recado?!

Falou-se muito, antes da Copa, sobre o complexo de vira-lata, cunhado por Nelson Rodrigues. Por um momento, pareceu que o havíamos superado. Não, só invertemos o sinal. Crer que sem futebol é possível vencer no futebol apenas porque queremos mais do que os outros é um delírio de grandeza que só pode surgir de nosso imorredouro sentimento de inferioridade. Aliás, crer que nós queremos vencer mais do que os outros já é sinal de que algo não vai bem. Será que só conseguimos oscilar entre o cocô do cavalo do bandido ou super-heróis? Não podemos ser normais?

O futebol é um negócio engraçado. Como escreveu aqui o mestre Tostão, no início da Copa, ele serve para provar todas as teses. Nessa tenebrosa semifinal, queríamos provar que a garra era mais forte que a tática. Que o brado “a capela” batia uma orquestra afinada. Provou-se o contrário, o óbvio mais ululante com que mesmo o burro videoteipe vai concordar e repetir, “per saecula saeculorum“: que, às vezes, o melhor time ganha do pior. E que, quando o melhor time é muito melhor do que o pior, pode fazer sete gols. Sete! E poderia ter sido mais.

No fim, a fratura na vértebra do nosso maior craque parece uma imagem sob medida para essa seleção, uma seleção à qual faltava uma coluna vertebral e que, mesmo assim, acreditamos que seria capaz de levantar e andar, movida pelo exoesqueleto do delírio nacional.

Leia Mais

Jogo que satiriza pastores bate recorde de financiamento coletivo

Marcelo Del Debbio, da editora Daemon, criador do "Pequenas igrejas, grande negócios" (foto: Raquel Cunha/Folhapress)
Marcelo Del Debbio, da editora Daemon, criador do “Pequenas igrejas, grande negócios” (foto: Raquel Cunha/Folhapress)

Felipe Maia, na Folha de S.Paulo

O jogo de RPG Pequenas Igrejas, Grandes Negócios, que faz uma forte crítica a pastores evangélicos, bateu o recorde de arrecadação de recursos por “crowdfunding” (“vaquinhas” coletivas pela internet) para um produto em uma plataforma brasileira.

O game, no qual “ganha quem sobreviver com a reputação menos manchada no dia do arrebatamento”, arrecadou R$ 92,7 mil por meio da ferramenta de financiamento Catarse, a maior do país. O produto foi criado pela editora Daemon.

O segundo da lista, com R$ 62,1 mil, é um projeto do coletivo de design Zerezes para criação de óculos produzidos com restos de madeira.

No game, que vai custar cerca de R$ 60 mil para ser fabricado, jogadores assumem o papel de líderes religiosos em uma “disputa para ver quem consegue ficar mais rico e destruir a reputação dos outros pastores mais rápido”.

Para derrotar os rivais, é preciso jogar cartas em que eles são acusados de desvios de dinheiro ou de vender produtos como um óleo que restaura a virgindade.

Segundo Marcelo Del Debbio, 39, diretor da empresa, essas informações foram tiradas de notícias reais.

Ele afirma que o objetivo do jogo não é criticar a religião em si, mas, sim, líderes que usam a fé das pessoas para enriquecer. “No jogo também tem pai de santo picareta e rabino picareta”, diz.

A Daemon foi fundada em 1998 e lançou cerca de 40 jogos –o principal deles é um voltado para crianças, chamado RPG Quest, que pode ser usado para ensino de matemática. Foram vendidas mais de 60 mil unidades.

O empresário diz que o jogo sobre as igrejas não será vendido em bancas e lojas de brinquedos, como acontece com outros produtos da editora, em razão da polêmica. A tiragem, de 2.000 exemplares, será entregue aos apoiadores do projeto no Catarse e vendida também pela web.

Felipe Caruso, coordenador de comunicação da plataforma de financiamento, diz que a empresa não avalia a qualidade artística de um projeto. “A gente analisa se ele faz sentido, se não há algum crime e se o valor proposto é adequado.”

Ele atribui o sucesso da campanha à boa articulação da comunidade de games e à estratégia de divulgação adotada pela Daemon.

Debbio transformou a própria arrecadação em um jogo: ele estabeleceu metas em dinheiro e, à medida que elas eram atingidas, o game ia ganhando mais cartas ou mais recursos –quem apoiou o projeto primeiro incentivava a entrada de novos financiadores para receber mais itens do produto.

Davi Charles Gomes, 37, reverendo da Igreja Presbiteriana e chanceler da Universidade Mackenzie, diz que o jogo “faz pensar” e que sente “uma ponta de vergonha” pelo modo como pastores são retratados no produto.

“Eu não fico acanhado e não me sinto atacado porque não me reconheço nele”, conta. “A verdadeira religião não é isso.”

dica do Sidnei Carvalho de Sousa

Leia Mais

Assembleia de MG posta foto de Mick Jagger com camisa do Chile

Texto de post diz que imagem é para ‘dar força’ para a torcida do Brasil.
Rolling stone é famoso pé frio em Copas do Mundo.

Publicado no G1

A Assembleia Legislativa de Minas Gerais publicou na rede social um post bem irreverente na tarde desta sexta-feira (27). A imagem mostra o rolling stone Mick Jagger com uma camisa do Chile. Na fotografia há ainda o dizer “Viva Chile”.

Assembleia de Minas posta foto de Mick Jagger com blusa do Chile "para dar uma força" para a seleção brasileira (Foto: Reprodução/Facebook)Assembleia de Minas posta foto de Mick Jagger com blusa do Chile "para dar uma força" para a seleção brasileira (Foto: Reprodução/Facebook)

Jagger é um famoso pé frio em copas do mundo. Geralmente, a seleção para qual ele torce ou veste a camisa, por tradição acaba sendo derrotada em uma partida ou eliminada da competição.

No texto postado com a foto, a ALMG pede que o músico torça para o Chile e deseja força a Seleção brasileira. “Para dar uma força na nossa torcida para o jogo de amanhã do #Mineirão, mandamos uma camiseta de presente para o nosso Rolling Stone favorito. Contamos com você, Mick!”, diz a mensagem.

Brasil e Chile se enfrentam pelas oitavas de final da Copa do Mundo, neste sábado (28) no Mineirão, em Belo Horizonte. A gerente de comunicação em mídias digitais da ALMG, Fabiola Farage, afirmou que a ideia do post com um tom mais voltado ao humor é buscar a aproximação com os internautas. “No Facebook buscamos ir  mesclando temas mais sérios e de interesses da população com assuntos mais ligados ao humor e ao cotidiano. Coisas mais leves”, disse.

Leia Mais

Atirador pediu aval para ‘abater’ suspeito durante abertura da Copa

Publicado na Folha de S. Paulo

Uma falha no esquema de segurança quase terminou em morte dentro do estádio do Itaquerão, em São Paulo, durante o jogo de abertura da Copa entre Brasil e Croácia, no último dia 12, visto por mais de 3 bilhões de pessoas em todo o mundo.

Com a bola rolando, um atirador de elite avistou um homem armado próximo à tribuna onde estavam a presidente Dilma Rousseff, chefes de Estado e autoridades da Fifa, e chegou a pedir a autorização de seus superiores para abater o suspeito.

O disparo foi evitado após o homem ter sido reconhecido como um policial, mas o episódio abriu uma crise entre as polícias Civil e Militar, que apresentaram versões diferentes para explicar a presença do agente no local.

141771017

Confirmado à Folha pela Secretaria da Segurança Pública paulista, o caso é investigado e resultou num reforço dos protocolos de segurança para os jogos seguintes.

A suspeita foi levantada por um sniper (atirador) do GER (Grupo Especial de Resgate) da Polícia Civil. Ele avistou um homem com um uniforme do Gate (Grupo de Ações Táticas), da Polícia Militar, numa área de acesso proibido.

Além de Dilma Rousseff, estavam lá o vice-presidente, Michel Temer, o presidente da Fifa, Joseph Blatter, e o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, entre outras autoridades.

TENSÃO

Via rádio, o sniper avisou a seus superiores sobre o suposto intruso. A informação chegou à sala de comando, montada dentro do estádio, de onde veio a resposta de que não havia nenhum PM do Gate na área restrita.

Diante da suspeita de que se tratasse de um criminoso disfarçado de policial, o sniper pediu autorização para fazer o disparo fatal. Temendo causar pânico e tumulto entre torcedores e autoridades, a ordem foi para que o atirador esperasse mais um pouco.

A tensão tomou conta da sala de monitoramento, onde estavam policiais civis, militares e integrantes do Exército, responsável pelo comando das operações no estádio.

Alguns minutos depois, um policial, cuja identidade não foi revelada, analisou as imagens na sala de monitoramento e reconheceu o suspeito como sendo, de fato, um policial do Gate.

O PM que era tratado como suspeito retirou-se do local, provavelmente após receber uma ordem.

EXPLICAÇÕES

O caso fez o secretário da Segurança, Fernando Grella Vieira, pedir relatórios ao comando das duas polícias.

Segundo a Folha apurou, a Polícia Civil diz que o policial do Gate invadiu uma área restrita sem autorização. Já a PM alegou que ele tinha autorização de seus superiores, pois apurava uma suspeita de bomba, que acabou não se confirmando.

Em nota, a Secretaria da Segurança Pública reconheceu que houve um “erro”, mas sem gravidade: “A Secretaria da Segurança Pública esclarece que, no episódio em questão, houve um erro de comunicação que foi rapidamente sanado, sem maiores consequências.”

A pasta não informou se a razão da presença do policial militar no local proibido já foi esclarecida nem confirmou se havia uma suspeita de bomba na área sendo investigada naquele momento. Procurado, o Exército não se pronunciou até a conclusão desta edição.


A SEQUÊNCIA

Preparar – Sniper (atirador de elite) do GER (Grupo Especial de Resgate) da Polícia Civil se posiciona na área destinada aos agentes que protegem as autoridades, separada por um muro
Avistar – Atirador avista suposto intruso na área restrita, vestido como um PM do Gate (Grupo de Ações Táticas); pelo rádio, avisa a seus superiores sobre a presença do suspeito
Apontar – Comando diz não ser possível haver um PM no local; clima fica tenso, e atirador pede autorização para “abater” o suspeito, que poderia ser um criminoso disfarçado
Abortar – Comando pede mais tempo antes de autorizar o disparo; pelas imagens de monitoramento, um policial reconhece o intruso e ele deixa o local, provavelmente após ser contatado
Crise – Secretário pede relatório às polícias. Protocolos de segurança são reforçados para os demais jogos e governo admite falha

PERGUNTAS SEM RESPOSTA

O PM do Gate tinha autorização do superior imediato para estar na área restrita? Por que estava ali?
Se havia autorização do superior, a presença dele no local foi informada à central de monitoramento?
Se a central foi avisada, por que passou informação errada ao atirador de elite?

Leia Mais