Marta Suplicy diz que Vale Cultura será aceito em baile funk

Cleyton Vilarino, no UOL

O cartão vale-cultura
O cartão vale-cultura

A ministra da Cultura, Marta Suplicy, afirmou nesta terça-feira (9) que o vale-cultura, benefício de R$ 50 dado aos trabalhadores que ganham até cinco salários mínimos para ser gasto com produtos culturais, também poderá ser usado em bailes funk.

“O vale-cultura poderá ser usado em bailes funk, desde que haja música ao vivo. As operadoras têm que credenciar os equipamentos culturais. Da nossa parte (o credenciamento de baile funk) não tem problema nenhum. É cultura”, ressaltou a ministra em entrevista à Agência Efe.

Com potencial de investimento de R$ 25 bilhões, o benefício é distribuído atualmente para mais de 223 mil pessoas e tem sido usado principalmente na compra de livros, jornais e revistas.

Por meio deste programa, o Ministério da Cultura também espera fomentar o mercado cultural no país a médio e longo prazo, principalmente entre os setores que hoje sofrem com as distorções da Lei Rouanet.

“Nós achamos que, com o vale, as peças de teatro vão poder ousar mais, já que, até agora, o financiamento que nós tínhamos era via Lei Rouanet”, destaca a ministra ao reconhecer os “desvios” que a lei apresenta atualmente.

“Desta forma, com o vale-cultura, eu acredito que o teatro vai poder inovar, ser mais vanguarda, poder ousar, porque vai ter um público e isso vai ser muito interessante”, ressaltou a ministra da Cultura ao pontuar que se trata de um resultado para apresentar resultados “dentro de alguns anos”.

Críticas 

Criada na década de 90, a lei Rouanet tem sido criticada por favorecer grandes produções devido ao retorno publicitário que as empresas alcançariam ao apoiar artistas já renomados, como a baiana Claudia Leitte, que cantou na abertura da Copa deste ano e já teve um de seus shows apoiados pela lei.

“Quando eu fui olhar os beneficiados pela Lei Rouanet não vi temáticas negras e criadores negros. Então, o nosso primeiro gesto foi criar um edital para criadores negros”, revelou a ministra ao abordar um dos diversos editais criados pelo Governo Federal para fomentar a cultura local e periférica.

Entre eles está o “Conexão Cultura Brasil”, programa de bolsas de intercâmbio que serão distribuídas a artistas e produtores culturais com ou sem formação acadêmica.

“O esforço todo foi na direção de dar oportunidade para aqueles que têm talento e não chegam lá, não só porque não têm recurso para pagar uma universidade, uma passagem e se manter lá fora, mas também porque não tem nenhum diploma”, ressaltou a ministra.

Neste aspecto, Marta Suplicy também falou sobre a importância do Mercosul para o governo e para o Ministério da Cultura, que aposta em uma maior integração cultural com os países do bloco.

“Nós damos um foco grande ao Mercosul porque o Brasil hoje tem uma relevância muito grande e somos muito demandados também. E nós temos tido presença em todos os festivais tidos como os mais importantes” disse Marta à Efe.

Somente neste ano, pelo menos dois grandes festivais de artes cênicas no continente contaram com participantes apoiados pelo Ministério da Cultura: O Festival de Teatro de Bogotá, realizado em abril, e o Festival Internacional de Artes Cênicas de Santiago a Mil, no Chile.

“Nós levamos seis peças de teatro para o festival de Bogotá e traduzimos 14 peças de teatro que foram encenadas lá por atores colombianos”, destaca a ministra, cujo ministério ainda apoiará dois eventos: um de música, em Compostela, e outro de Arte Contemporânea, em Madrid, ambos na Espanha.

A iniciativa faz parte dos dois pilares que têm centrado as iniciativas do Ministério da Cultura: divulgação de aspectos desconhecidos da cultura brasileira em outros países e o fomento a iniciativas culturais populares.

“Quem decide o que as pessoas querem ver não somos nós do ministério e nem o governo, mas nós temos a obrigação de levar (aos outros países) aquilo que nós temos que fazer um esforço para conhecerem”, destacou Marta ao citar o fomento de uma exposição sobre Cândido Portinari no Grand Palais de Paris.

“Isso ninguém iria patrocinar. Nós fomos atrás de abrir espaço no Grand Palais e de levar patrocínios brasileiros para chegarmos lá e mostrar nosso maior pintor. E foi um êxito enorme”, concluiu a ministra.

Leia Mais

O pão

pao com bolor

Ed René Kivitz

Construíram altares para o pão.
Espalharam pelas paredes fotos de pão.
Debateram receitas de pão.
Escreveram poemas exaltando o pão.
Distribuíram amuletos com miniaturas de pão.
Fabricaram réplicas de pão em ouro, prata e bronze.
Editaram manuais para o consumo do pão.
Instituíram sociedades do pão.
Discutiram a importância do pão.
Elaboraram regras para o acesso ao pão.
Formaram padeiros e especialistas em pão.
Edificaram casas do pão.
Criaram rituais para degustação do pão.
Dançaram ao redor do pão.
Assaram o pão.
Publicaram livros a respeito do pão.
Ensinaram as crianças a gostar de pão.
Patentearam o pão.
Elegeram guardiões do pão.
Mataram em nome do pão.
Recusaram o pão a milhares.
Organizaram romarias para ver o pão.
Venderam o pão.
Entoaram canções em louvação ao pão.
Ficaram de joelhos diante do pão.
Mas jamais comeram o pão.

fonte: Facebook

Leia Mais

Polegar diz que não é mais do crime: ‘É um dinheiro que a gente não pode usar’

“Se você não souber ler, você pira. Li muito. A cada quatro dias, lia um livro de 500 páginas”

Polegar, na sede do Afroreggae (foto: Luiz Ackermann / Extra)
Polegar, na sede do Afroreggae (foto: Luiz Ackermann / Extra)

Carolina Heringer, no Extra

O traficante Alexander Mendes da Silva, o Polegar, de 40 anos, disse, em entrevista na sede da ONG Afroreggae, na Lapa, que “não tem mais facção e não pertence mais ao crime”. Polegar foi solto na manhã desta quinta-feira. Preso em 2011, no Paraguai, o ex-chefe do tráfico da Mangueira estava desde janeiro deste ano no Rio, no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, depois de ficar quase três anos anos no presidio federal de segurança máxima de Porto Velho, em Rondônia. Há dois meses, ele estava em Bangu 1.

– Perdi minha juventude preso. Eu sabia que se não deixasse o crime, eu ia morrer ou acabar voltando para a cadeia, não tinha opção. O crime dá um dinheiro que a gente não pode usar. O que adianta eu ter dinheiro para comprar um carro, se não posso sair da favela? Prefiro a liberdade, que é o bem mais precioso que tenho – garantiu.

O traficante, que vai agora trabalhar com a ONG Afroreggae, contou que foi a leitura que o fez aguentar tantos anos na prisão, principalmente na unidade federal.

– Se você não souber ler, você pira. Li muito. A cada quatro dias, lia um livro de 500 páginas. Aquele lugar (presídio federal) é uma clausura. Se não fossem os livros, teria enlouquecido – disse Polegar, citando títulos de Dan Brown, Sidney Sheldon e Kim Collier, além dos livros “Ossos da Colina”, “A chave de Rebecca” e “A Hospedeira”.

Nascido e criado na Mangueira, Polegar disse que entrou no crime aos 17 anos, “porque foi o caminho natural”:

– É muita ostentação. Baile funk, mulher, dinheiro e a gente acaba não indo por outro caminho. Na realidade, é uma grande ilusão. Quem vive ali acha que é o único meio de sobreviver – disse ele, novo funcionário da ONG, que chegou a trocar cartas, da prisão, com José Junior, coordenador do Afroreggae.

Polegar ainda responde a um processo na 4ª Vara Criminal, por constrangimento. Ele é acusado de ter mantido reféns durante uma rebelião, em Bangu 3, em 2003. Outros réus da ação respondem por mortes que aconteceram naquela ocasião dentro da unidade.

Leia Mais

Putin assina lei que proíbe palavrões na Rússia

Conjunto de especialistas vai definir expressões que não são permitidas

O presidente russo Vladimir Putin em uma reunião em Moscou (foto: MIKHAIL KLIMENTYEV / AFP-6-5-2014)
O presidente russo Vladimir Putin em uma reunião em Moscou (foto: MIKHAIL KLIMENTYEV / AFP-6-5-2014)

Publicado em O Globo

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, promulgou na segunda-feira uma lei que proíbe o uso de obscenidades e grosserias em espaços públicos como meios de comunicação, teatro, filmes, peças, livros, concertos e obras de arte.

Quem usar palavrões ou gestos grosseiros a partir da entrada em vigor da lei no próximo dia 1º de junho poderá ser multado em até R$ 156. Funcionários públicos e pessoas jurídicas também podem ser punidos com cifras ainda maiores, de R$ 280 e R$ 3116, respectivamente. A informação é do jornal espanhol “ABC”.

De acordo com o diário, especialistas determinarão o que é ou não um palavrão ou gesto obsceno.

O “ABC” informa que filmes com palavrões não receberão certificados para serem exibidos nos cinemas russos.

Críticos consideram a lei uma artimanha para fazer pressão sobre a classe artística e intelectual do país.

Leia Mais