Arquivo da tag: marcha para jesus

Em Manaus, artistas revoltam-se contra lei para eventos evangélicos

Emenda LDO é de autoria do vereador Carlos Alberto, do PTB.
Para cineasta Keila Serruya, lei “desrespeita Estado Laico”.

Show de Kleber Lucas, durante a Marcha para Jesus deste ano, lotou Sambódromo (foto: Marcos Dantas/G1 AM)

Show de Kleber Lucas, durante a Marcha para Jesus deste ano, lotou Sambódromo (foto: Marcos Dantas/G1 AM)

Camila Henriques, no G1

A classe artística de Manaus criticou a proposta do vereador Carlos Alberto (PTB), que pediu a inclusão de eventos culturais evangélicos no calendário da Prefeitura de Manaus e o repasse de recursos da Fundação Municipal de Artes e Cultura (Manauscult) para a realização dos mesmos. A emenda à lei aprovada na Câmara Municipal de Manaus (CMM) foi sancionada pelo prefeito Artur Neto (PSDB) na edição de dia 17 de julho do Diário Oficial do Município. No documento, o vereador afirma que “o objetivo da lei é proporcionar à grande nação evangélica de Manaus a possibilidade de desenvolver eventos culturais na cidade”.

Keila Serruya faz parte de grupo de artistas que não concorda com emenda (foto: Christian Braga/Arquivo Pessoal)

Keila Serruya faz parte de grupo de artistas que não
concorda com emenda
(foto: Christian Braga/Arquivo Pessoal)

Para a cineasta Keila Serruya, a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de autoria de Carlos Alberto  “é um desrespeito ao Estado Laico”. Procurada pelo G1, ela comentou a reação da comunidade artística na cidade. “O vereador pontua a religiosidade, mas a proposta dele está pautada apenas na religião evangélica”, afirmou.

Junto a outros artistas, ela deve participar de uma reunião no Estação Arte e Fato, nesta terça-feira (23), para discutir os impactos dessa emenda em Manaus. “Vamos nos reunir para afinar o discurso e decidir o direcionamento que iremos tomar. É importante dizer que a Manauscult provavelmente já tinha conhecimento disso e não informou ninguém. Descobrimos por conta própria”, acrescentou.

Assim como Keila, o cineasta Zeudi Souza também mostrou preocupação com a proposta do vereador. “Ele é eleito para representar o povo, que são todos aqueles que vivem na cidade e não um nicho religioso que o colocou no poder”, declarou. Na opinião de Zeudi, essa emenda representa uma ameaça aos “princípios morais e éticos dos artistas que nunca tiveram privilégios por serem evangélicos, afros, umbandistas etc”. “Conhecemos bem a história e a intromissão dos evangélicos nas instituições culturais. Há uma dificuldade de esse vereador entender o que é cultura, arte e religião”, completou.

Zeudi definiu ainda a lei como “horrenda”. “Se eu quiser fazer um longa com R$ 1 milhão, terei que passar por um edital. Se os evangélicos quiserem um festival de música com o mesmo valor, irão receber a verba direta”, exemplificou o cineasta.

Integrante do Conselho Municipal de Cultura, o diretor teatral Douglas Rodrigues foi quem descobriu a existência do documento. “Isso vai contra toda a produção e a cadeia produtiva de cultura. Ele retira direitos do segmento que está lutando por melhores condições de trabalho”, defendeu. “Todos os artistas estão na causa. Terça, nós faremos uma consulta a eles e, a partir daí, pretendemos encontrar com o presidente da Câmara Municipal ou até com o prefeito Artur Neto”, concluiu.

Prefeitura de Manaus se manifestou por meio de nota (foto: Reprodução/Facebook)

Prefeitura de Manaus se manifestou por meio de
nota (foto: Reprodução/Facebook)

Ao G1, a Manauscult informou que a Secretaria Municipal de Comunicação (Semcom) responderá a quaisquer questionamentos a respeito da Lei. Em nota, a Semcom esclareceu que “a Lei número 1.70 trata das disposições sobre as diretrizes para elaboração e execução da Lei Orçamentária do próximo ano”.

Ainda de acordo com a pasta, o artigo 64 do capítulo 7 da Lei, que pede a realização de dois eventos evangélicos, “alia-se a outros como o artigo 55 – que trata da inclusão de Bandas e Fanfarras em todas as escolas municipais – e os artigos 62 e 63 – que indicam a previsão da criação da Rua dos Artistas e da Praça do Rock, respectivamente. Há indicações para outras áreas, como a implementação de uma clínica veterinária pública e uma clínica para cuidar de idosos”.

Durante discurso no plenário da CMM na terça-feira, o vereador Carlos Alberto defendeu a proposta. ““Apresentei a emenda com o propósito de ajudar e contribuir com a grande nação evangélica. Me orgulho de poder ajudar essa grande nação, que foi capaz de colocar nas ruas, na ‘Marcha para Jesus’, praticamente 1 milhão de pessoas. E por que não fazer uma emenda para beneficiar eventos que atraem milhares de pessoas, que pregam a palavra de Deus, que cura, liberta e abençoa. A minha emenda veio com o propósito de beneficiar e não prejudicar. A proposta é justa, não tem nada de errado e por isso foi aprovada, está dentro da lei, do direito que temos de assim fazer e executar”, afirma.

dica da Patricia Crepaldi

Marcha para Jesus ‘encolhe’ 40% em SP

Flávio Ferreira, na Folha de S.Paulo

O número de participantes da 21ª Marcha para Jesus, megaevento evangélico em São Paulo, caiu 40% em relação à edição do ano passado, segundo o Datafolha.

O público calculado pelo instituto de pesquisa anteontem foi de aproximadamente 200 mil pessoas.

Em 2012, na primeira vez em que fez esse levantamento, o Datafolha apontou um total de 335 mil pessoas.

O resultado difere do número estimado pela Polícia Militar, que indicou um público de 500 mil pessoas ao longo do evento, que teve início às 10h e se estendeu até por volta das 23h.

Procurado pela reportagem anteontem, Estevam Hernandes, líder da igreja Renascer em Cristo, organizadora da marcha, afirmou que não iria fazer uma avaliação sobre o total de participantes.

“O Datafolha, né…”, disse Hernandes ao ser indagado sobre o tema.

Em 2012, Hernandes estimou que o número de participantes da passeata havia passado de 5 milhões, número que não se confirmou pela medição do Datafolha.

PARADA GAY

No começo de junho, o instituto também calculou o público da Parada Gay, que foi de 220 mil pessoas.

O evento também teve uma diminuição no número de participantes em relação a 2012. A comparação dos dados do Datafolha apontou uma redução de 18,5% no total de pessoas presentes.

A maior concentração de fiéis na Marcha para Jesus, a exemplo do verificado em 2012, ocorreu às 13h, quando o total era de cerca de 161 mil pessoas.

A partir desse horário, parte do público que acompanhava os trios elétricos no trajeto de 2,85 quilômetros desde a estação Luz (centro) começou a deixar a marcha.

A dispersão ocorreu principalmente na praça Campo de Bagatelle (zona norte). A partir desse ponto, o evento continuou na praça Heróis da FEB, em um palco montado para a realização de shows de música gospel.

As igrejas mais frequentadas pelos participantes da marcha, segundo a pesquisa, são as evangélicas Renascer em Cristo (31%), Assembleia de Deus (19%), Batista (6%) e Quadrangular (5%).

A idade média dos que compareceram ao evento é de 31 anos, segundo o Datafolha.

Em relação à escolaridade, a pesquisa apontou a maioria dos participantes nas faixas do ensino médio (56%) e superior (34%).

O instituto indagou os presentes à marcha sobre a contribuição mensal para as igrejas, e o valor médio apontado foi de R$ 220.

marcha

Projeto de “cura gay” já está morto, diz Feliciano durante a Marcha para Jesus

Deputado Marco Feliciano (PSC), pastor e presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara veste camiseta com a frase: "Eu represento vocês!", na 21ª edição da Marcha para Jesus, que acontece hoje na zona norte de São Paulo (foto: Avener Prado/Folhapress)

Deputado Marco Feliciano (PSC), pastor e presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara veste camiseta com a frase: “Eu represento vocês!”, na 21ª edição da Marcha para Jesus, que acontece hoje na zona norte de São Paulo (foto: Avener Prado/Folhapress)

Publicado originalmente no UOL

Durante o evento religioso Marcha para Jesus, realizado neste sábado (29) em São Paulo, o pastor e deputado federal Marco Feliciano (PSC – SP) afirmou que “homossexualidade não é doença, é comportamento”. “E comportamento pode ser reorientado. E quem pode fazer isso é um psicólogo”, disse à reportagem do SBT. “O projeto [de cura gay] já está morto. É uma crueldade”, acrescentou.

Feliciano não quis falar em público, mas a roupa que estava usando já dava o tom de sua participação. “Eu represento vocês”, dizia a camiseta do atual presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados.

Em outro momento, Feliciano declarou a um grupo de jornalistas que não vai renunciar ao cargo e que apoiou o projeto da “cura gay” – expressão que ele diz não gostar – apenas como demarcação política. “Eu sabia que não ia passar”, afirmou.

Malafaia compara Marcha aos protestos pelo Brasil

Antes do início dos shows de música gospel no palco montado na praça Heróis da FEB, em São Paulo, diversos pastores ligados à organização da Marcha para Jesus fizeram pregações e orações às milhares de pessoas presentes. Coube à Silas Malafaia o papel de fazer um discurso político. Malafaia comparou a marcha aos protestos que estão sendo organizados em todo o país.

“Não estamos preocupados com reforma política. Queremos apenas menos roubalheira e mais governo”, afirmou Malafaia para os fieis que, em coro, gritavam “Jesus”.

Em seu discurso, Malafaia disse que os evangélicos estavam dando exemplo de manifestação pacífica.

“Aqui não tem palavrão, não tem quebra-quebra”, afirmou. “Nós somos o povo evangélico, cidadãos dessa pátria. Nós vamos influenciar todo esse país. O Estado é laico, mas não é ateu”, completou.

Não faltaram críticas ao movimento LGBT, chamado no evento de “ativismo gay”. Para Malafaia, o famigerado projeto da chamada “cura gay” foi algo plantado na imprensa pelos homossexuais.

“Sou psicólogo. Não conheço na psicologia a palavra cura. Desafio o presidente do Conselho Federal de Psicologia para um debate”, disse. (Com Thiago Varella)

foto: Facebook

foto: Facebook

A Igreja está sendo perseguida

Por que tantas piadas? Por que tanto repúdio? Porque o Brasil esperava mais de nós, evangélicos.

charge do Benett

charge do Benett

Marlos Ferreira, no Underdot

Cresci num tempo onde ser evangélico (ou ser crente, como era dito) tinha algumas características bem diferentes de hoje em dia, ou pelo a maneira como éramos vistos era muito diferente. O crente era visto como tão honesto a ponto de ser ingênuo, era meio ignorante (no sentido de mal informado), se vestia de maneira antiquada, alguns não tinham televisão, alguns não podiam jogar futebol, não existia esse lance de música Gospel e mais uma série de coisas eram atribuídas aos evangélicos.

Em um tempo onde o politicamente correto não era como hoje e o bullying nem tinha esse nome, havia também perseguição e preconceito de maneira muito mais clara do que atualmente.

O tempo foi passando e a situação foi mudando em relação a imagem dos evangélicos, a nossa música se desenvolveu e ganhou visibilidade, até ser copiada pelos católicos, muitos evangélicos prosperaram e passaram a exibir adesivos em seus carros 0km, apareceram os Atletas de Cristo, as reuniões de jovens evangélicos eram animadas, sempre com muita música, muita comida e nenhuma bebida, para alegria dos pais que ficavam aliviados em saber  que seus filhos preferiam  ficar na igreja do que passar as noitadas “no mundão”.  Uma moça católica com um namorado evangélico já não era mais problema (pelo menos não da parte católica, pois da parte evangélica a tolerância nunca foi uma virtude…), pelo contrário, era até bem visto por muitas famílias.

Tudo ia muito bem enquanto o foco era o povo evangélico, quando aparecíamos na mídia era em matérias mostrando empresários dizendo que tinham preferência em contratar evangélicos, pois eles eram mais tranquilos, mais disciplinados e mais confiáveis. A Marcha para Jesus era um evento legal, não travava a cidade inteira, não era movida por interesses políticos e mostrava que éramos um povo alegre e ordeiro.

Os problemas começaram quando a atenção saiu do povo evangélico e passou para sua liderança, daí pra frente o angu desandou, mas como foi que chegamos ao nível de provocação, rejeição e repercussão do caso Marco Feliciano?

Quando os líderes evangélicos começaram a ganhar (ou comprar) espaço na mídia, justamente as maçãs podres é que tiveram mais destaque, seja chutando imagens sagradas para outras religiões, seja carregando sacos de dinheiro arrecadados em eventos entre outros tantos fatos que colaboraram para denegrir a imagem do evangélico.

Porém ao mesmo tempo em que a parte mais “visível” da liderança evangélica se esforçava em sua busca por poder e influência, manipulando votos para seus candidatos e investindo pesado em canais de comunicação, e os escândalos não paravam de aparecer, o povo evangélico também mudava seu comportamento.

Querendo mostrar-se próspero, culto, não alienado e formador de opinião (não que estes aspectos sejam negativos), o evangélico “saiu do gueto” invadindo programas de auditório com suas músicas, semeando rádios Gospel, participando de reality shows, virando personagem de novelas e filmes, colocando sua literatura em evidência, ganhando força como mercado consumidor e etc, o problema é que o evangélico fez tudo isso partindo de princípios duvidosos, estabelecidos por sua liderança. O evangélico quis expor seus argumentos, suas músicas e seus livros quase sempre de maneira superior, intolerante e fechada ao diálogo, do jeito que aprendeu com seus líderes.

Outra questão que também tem certa relevância é a onda de “conversões relâmpago” que ainda está em evidência, de uma hora para outra, todo mundo virou crente.  Artistas em fase decadente, subcelebridades, presidiários, ex-traficantes, enfim, sem duvidar da transformação que o verdadeiro é capaz de fazer, o tema virou piada, o conhecido sincretismo religioso brasileiro chegou ao evangélico ao ponto de surgir o antes inimaginável “evangélico não praticante”.

Considerando o crescimento no número de evangélicos, considerando seu ativismo (alicerçado em seus representantes políticos) em questões como legalização do aborto, descriminalização do uso de drogas, direitos civis de homossexuais e pesquisas com células-tronco, considerando sua presença massiva nos meios de comunicação, considerando seus métodos – muitas vezes inescrupulosos – de arrecadação de dinheiro entre outros fatores, o evangélico tornou-se onipresente na sociedade brasileira. E a sociedade reagiu.

A cada semana temos um fato em evidência, seja a lista de pastores milionários da Forbes, seja a entrevista polêmica de Silas Malafaia, seja a eleição de Marco Feliciano para a Comissão de Direitos Humanos, seja a negociação milionária envolvendo R.R. Soares, Valdemiro Santiago e a Rede Bandeirantes pelo horário nobre da programação de TV, isso apenas para citar o último mês, tudo o que envolve os evangélicos está ganhando repercussão desproporcional. Não que eu defenda qualquer um dos casos acima, pelo contrário, mas em um país onde não faltam negociações nebulosas, escândalos de corrupção e cargos públicos ocupados por pessoas longe do perfil ideal, porque os fatos envolvendo os evangélicos estão ganhando tanto destaque? Por que gera tantas piadas? Por que gera tanto repúdio?

Porque o Brasil esperava mais de nós.

E não adianta olhar para estes pastores e dizer: “esses caras não me presentam”, sinto muito, representam sim. Mesmo eu, que não frequento igreja alguma há quase três anos, sou representado de certa forma pelos Felicianos, Malafaias e Macedos da vida, pois não sou eu quem decide isso, enquanto qualquer pessoa pensar em “evangélico” e lembrar-se de uma dessas figuras, eu sou representado querendo ou não.

A Igreja Evangélica está sendo perseguida, graças a Deus por isso. Está sendo perseguida porque ainda é um referencial, ainda pode fazer diferença, ainda pode olhar e acolher aqueles que ninguém mais olha, ainda pode estabelecer padrões éticos que fujam do “jeitinho brasileiro” e da “Lei de Gérson”.  Está sendo perseguida por uma sociedade carente.

A Igreja Evangélica tem uma grande chance de responder a esta perseguição, mas vai responder agora? E mais importante, vai responder como? Vai se fechar, usando todo o poder e influência que já tem para se “blindar”, ou vai descer do muro oferecendo a outra face?

Fiquem na paz.