Arquivo da tag: marido

Marido frustrado cria tabela com desculpas da mulher ao negar sexo

Documento que continha frases como “Estou muito cansada”, “Preciso de um banho” ou “Amanhã levanto muito cedo” foi compartilhado milhares de vezes em rede social

16720584Publicado no Zero Hora

Um marido frustrado com a frequência sexual que mantinha com a mulher resolveu elaborar uma planilha na qual listou as desculpas diárias utilizadas pela companheira para “negar fogo”. Irritada com a iniciativa, ela compartilhou o documento no Reddit, fórum online, o que gerou uma grande repercussão, com milhares de mensagens e manifestações de apoio para ambos os lados, informou o The Telegraph. Segundo a lista do homem, que já foi apagada, em 30 dias, o casal transou apenas três vezes.

“Estou cansada”, “Estou tentando assistir ao filme” (dormiu menos de 15 minutos depois), “Preciso de um banho”, “Comi demais”, “Acho que estou ficando doente”, “Ainda não me sinto bem”. Essas são algumas das respostas dadas por uma mulher, que não teve a identidade e nem a nacionalidade reveladas, para negar sexo ao marido durante 30 dias, entre os meses de junho e julho.

Insatisfeito, o homem listou todas elas e resolveu mandar para a mulher por e-mail enquanto ela se dirigia ao aeroporto para uma viagem a trabalho de 10 dias.

Irritada depois de não ter suas diversas ligações atendidas, a mulher resolveu compartilhar o documento no Reddit com um texto no qual dizia, segundo o Daily Mail, que os dois estão juntos há cinco anos, mas casados há dois. Sem filhos, eles compraram uma casa há cinco meses.

“Ele nunca fez isso, nós sempre nos comunicamos pessoalmente ou por texto. Eu abri isso agora e percebi que essa tabela é um levantamento sarcástico no qual ele deixa claro que não sentirá a minha falta pelos próximos dez dias (…) Nossas vidas têm sido uma loucura de tão ocupadas. Passamos toda a primavera renovando a nossa nova casa. No meu trabalho, me deram quase o dobro da minha carga de tarefas habitual depois de alguns dos meus colegas terem sido demitidos. Ganhei algum peso no inverno e estou me arrebentando na academia para me livrar dele”, disse.

Antes de ser deletado, o documento foi compartilhado milhares de vezes, recebendo inúmeras mensagens de apoio para ambos os lados. A maioria das pessoas criticou a “imaturidade” do marido e disse que ele deveria ter lidado com o problema de uma forma diferente.

Hoje não vai dar
No Brasil, um perfil de Twitter chama a atenção também ao listar desculpas, mas para recusar o convite para sair. O @hojenaovaidar – Melhores desculpas para não sair com você – cita diariamente desculpas engraçadas e pouco convincentes que poderiam ser substituídas simplesmente por um não. Confira algumas abaixo:

Hoje não vai dar, não quero estragar a nossa amizade.
Hoje não vai dar, mas me encontra lá no Tinder
Hoje não vai dar, ainda tô com ressaca da Copa
Hoje não vai dar, quebrou meu forninho
Hoje não vai dar, tenho chá de fralda da minha prima

dica do Gerson Caceres Martins

Sudanesa cristã condenada à morte é presa novamente após soltura

Ela e marido foram detidos em aeroporto ao sair do país, segundo a CNN.
Meriam Ibrahim havia sido solta nesta segunda.

Meriam Yahia Ibrahim Ishag com seu filho, nascido em prisão sudanesa no dia 28 de maio (foto: AFP)

Meriam Yahia Ibrahim Ishag com seu filho, nascido
em prisão sudanesa no dia 28 de maio (foto: AFP)

Publicado no G1

A sudanesa Meriam Ibrahim, solta nesta segunda-feira (23) após ser condenada à morte por abandonar o Islã no Sudão, foi presa novamente nesta terça-feira (24), informaram seus advogados à emissora “CNN”.

Além de Meriam, de 27 anos, seu marido, Daniel Wani, também foi preso. Eles foram detidos em um aeroporto da capital do Sudão quando tentavam deixar o país.

Não foram divulgados mais detalhes sobre a prisão.

A condenação à forca de Meriam Yahia Ibrahim Ishag no dia 15 de maio provocou fortes críticas de vários governos ocidentais e grupos de direitos humanos.

Filha de muçulmano, a mulher foi condenada pela lei islâmica, que proíbe conversões, depois de ter se casado com um cristão, com quem já tinha um filho de 1 ano e 8 meses.

Ela também foi condenada a 100 chicotadas por adultério, já que, segundo a interpretação sudanesa da sharia (a lei islâmica), as uniões entre uma muçulmana e um não muçulmano são consideradas traição conjugal.

Quando foi condenada, a mulher estava grávida e deu à luz uma menina 12 dias depois do veredicto.

Após o parto, foi levada da cela que dividia com seu primeiro filho e outras mulheres para o hospital da prisão.

dica da Tati Bitencourt

Mulher pede divórcio após marido não gostar de ‘Frozen: Uma Aventura Congelante’

frozen_7-650x400

Publicado no Cinepop

Ao que parece, nem todo mundo sonha em construir um boneco de neve falante… Uma mulher no Japão entrou com a papelada do divórcio após seu marido admitir que não gostou da animação ‘Frozen: Uma Aventura Congelante’.

Segundo o site Kikonsha no Hakaba, a mulher de 29 anos foi aos cinemas várias vezes sozinha para assistir a animação e se encantou com a obra da Walt Disney. Ele inicialmente resistiu ao seu pedido, mas percebendo que ela não iria deixá-lo em paz, cedeu e topou assistir ao sucesso de bilheteria.

Quando o marido revelou que não gostou do longa , sua esposa preferiu pedir o divórcio, após seis anos de casamento:

“Se você não é capaz de entender o que faz desse filme algo maravilhoso, há algo muito errado em você como ser humano. Eu quero o divórcio”, afirmou a querente.

Let it go…

Assista ao trailer do filme “separa casais“:

Após 70 anos casados, homem e mulher morrem com 15 horas de diferença

Helen e Kenneth Felumlee, que foram casados por 70 anos (Foto Reprodução)

Helen e Kenneth Felumlee, que foram casados por 70 anos (Foto Reprodução)

Publicado na Folha de S.Paulo

Partiu junto um casal que, segundo conhecidos, tomava café da manhã de mãos dadas pelos 70 anos que durou seu casamento.

Helen Felumlee tinha 92 anos quando partiu, na noite de sexta, 11 de abril. Seu marido, Kenneth Felumlee, deu o último suspiro na manhã de sábado, 12.

Os oitos filhos do casal disseram à imprensa americana que seus pais eram inseparáveis.

“Não se desgrudaram desde que se conheceram, ainda adolescentes. Eles até preferiram dividir a parte de baixo de um beliche, uma vez que foram viajar e os colocaram em cabines separadas do navio”, conta a filha Susan Felumlee.

“Nós sabíamos que, quando um fosse, o outro iria junto”, disse outra filha, Linda. Ela conta que, assim que os médicos contaram que Helen havia morrido, Kenneth falou para os filhos: “A mamãe morreu.” Ele se prostrou na cama e, dizem os filhos, começou a ir embora aos poucos.

“Ele estava pronto”, diz um deles, Cody. “Ele só não queria deixá-la aqui sozinha.”

“Éramos 24 das pessoas que mais o amavam ao redor do seu leito, lendo suas escrituras prediletas e cantando hinos religiosos”, diz Susan.

O casal se conheceu na cidade americana de Newport, em 1944. Kenneth, que estava a quatro dias de completar 21 anos, ainda não podia se casar pelas leis de então do Estado. “Mas ele não podia esperar”, conta o filho Jim. Então os dois pegaram um trem e foram para um Estado vizinho, onde a idade legal era de 19 anos e puderam dizer sim.

O hábito de viajar nunca desacelerou: depois que todos os filhos estavam criados, o casal Felumlee conheceu todos os 50 Estados americanos de ônibus (menos o Alasca e o Havaí, para os quais tiveram de tomar um avião).

“Ele não gostava de voar porque dizia que do avião você não vê a terra passando, então não tinha a sensação de jornada”, explica o filho Jim.

E o filho termina: “Foi por isso que ele esperou minha mãe ir, porque queria ver a jornada antes de ir ao encontro dela”.

Projeto no Iraque reduz idade para mulher casar a 9 anos

Os opositores ao projeto afirmam que a decisão representa um retrocesso e que pode agravar as tensões no Iraque

foto: Ahmad Al-Rubaye / AFP

foto: Ahmad Al-Rubaye / AFP

Publicado em O Dia Online

Um projeto de lei que, segundo seus opositores, legaliza o casamento das meninas e o estupro conjugal provocou uma polêmica no Iraque, semanas antes de eleições previstas para o fim de abril.

Os opositores ao projeto – que, segundo analistas, tem poucas chances de ser adotado – afirmam que representa um retrocesso em matéria de direitos da mulher e que pode agravar as tensões entre diferentes confissões do país.

Seus opositores ressaltam que um de seus artigos permite que as crianças se divorciem a partir dos nove anos, o que significa que podem se casar antes desta idade, e que outro prevê que uma mulher seja obrigada a ter relações sexuais com seu marido quando ele pedir.

Segundo um estudo de 2013 do grupo de pesquisa americano Population Reference Bureau (PRB), um quarto das mulheres no Iraque se casam com menos de 18 anos.

— Este projeto de lei é um crime humanitário e uma violação dos direitos das crianças — declarou Hanaa Edwar, que dirige a associação Al-Amal (“esperança”, em árabe).

Os partidários do projeto de lei afirmam que o texto apenas regula práticas que já existem.

— A ideia da lei é que cada religião regule e organize a condição jurídica pessoal em função de suas crenças — estimou Ammar Toma, um parlamentar xiita do partido Fadhila.

No entanto, analistas consideram muito improvável que o parlamento iraquiano vote este projeto e afirmam que se trata de uma manobra política.

Assim, o primeiro-ministro xiita Nuri al-Maliki pode estar tentando deixar aberta a possibilidade de uma aliança com Fadhila após as eleições, que, acredita-se, não fornecerão maioria parlamentar absoluta a nenhum partido.

Fonte: Zero Hora