Feliciano participa de culto e enfrenta protestos em Marília (SP)

Manifestantes saíram às ruas em passeata contra a presença do deputado na cidade Foto: Érica Montilha / Especial para Terra
Manifestantes saíram às ruas em passeata contra a presença do deputado na cidade Foto: Érica Montilha / Especial para Terra

Izabel Dias, no Terra

O deputado federal e pastor Marco Feliciano (PSC-SP) participou na noite deste sábado de um culto evangélico em Marília, interior de São Paulo, e enfrentou protestos de manifestantes que saíram às ruas em passeata contra a presença do deputado na cidade. Feliciano ministrou o culto na Igreja Assembleia de Deus, localizada na rua Nove de Julho, no centro. Um forte esquema de segurança foi montado nas proximidades da igreja para evitar confronto com manifestantes mas não houve incidentes.

Durante o culto ele recebeu título de visitante ilustre concedido pela Câmara de Marília. O requerimento foi iniciativa do vereador José Menezes (PSL), também evangélico. Marco Feliciano é presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados e se tornou alvo de críticas e protestos por suas opiniões sobre negros e homossexuais.

Quando foi anunciada a vinda de Feliciano a Marilia no início da semana, uma moção de repúdio começou a ser organizada através das redes sociais. Hoje cerca de 80 pessoas com faixas e cartazes “Fora Feliciano” se foram para a frente da Câmara da cidade e seguiram em passeata até a igreja onde o pastor estava participando do culto. O grupo não pôde se aproximar da igreja, já que o quarteirão estava interditado e vários policiais faziam a segurança do prédio.

Um forte esquema de segurança foi montado nas proximidades da igreja Foto: Érica Montilha / Especial para Terra
Um forte esquema de segurança foi montado nas proximidades da igreja Foto: Érica Montilha / Especial para Terra

Segundo Edson Duarte, representante do movimento LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgeneros) em Marília, o deputado Marco Feliciano não poderia estar à frente de uma comissão tão importante como a de Direitos Humanos, pois demonstrou ideias totalmente retrógradas em relação às minorias. “É profundamente lamentável que um político como Feliciano possa ainda receber um título de visitante ilustre pela Câmara de Marília, totalmente na contra-mão da luta dos movimentos de minorias no país”, disse.

O deputado Marco Feliciano não atendeu a imprensa antes do início do evento e a assessoria disse que “caso ele concedesse alguma entrevista”, não responderia perguntas sobre política, já que ele estava na cidade para participar de um evento religioso.

O grupo não pôde se aproximar da igreja, já que o quarteirão estava interditado Foto: Érica Montilha / Especial para Terra
O grupo não pôde se aproximar da igreja, já que o quarteirão estava interditado Foto: Érica Montilha / Especial para Terra

Leia Mais

Procurador é ameaçado por cristãos após pedido para retirar expressão “Deus seja louvado” das cédulas

Procurador Jefferson Dias SP revela ameaças de morte após ação que pede o fim da expressão Deus seja louvado nas cédulas de Real. Foto: Talita Zaparolli/Especial para Terra
Procurador Jefferson Dias revela ameaças de morte após ação que pede o fim da expressão “Deus seja louvado” nas cédulas de Real

Talita Zaparolli, no Terra

Procurador da República há 16 anos em Marília, interior de São Paulo, Jefferson Aparecido Dias foi destaque na mídia nacional e internacional após uma ação contra o Banco Central exigindo a retirada da expressão “Deus seja louvado” das cédulas de Real. Ele também é autor de outras ações polêmicas, como uma ajuizada em 2009 que pedia a retirada de símbolos religiosos que estivessem expostos em repartições públicas federais. O argumento proposto era o de que, apesar de ter uma população majoritariamente cristã, o Brasil é um País laico e, por isso, não poderia haver vinculação entre o poder público e qualquer igreja ou crença religiosa.

Em outra ação judicial, desta vez contra a prefeitura de Marília, Dias exigia que a cor da bandeira do município, adotada há quase três décadas, voltasse a ter a cor vermelha. Na época, o então prefeito Mário Bulgarelli, alegou que a mudança ocorreu em razão da cor do uniforme do time de futebol da cidade, o Mac (Marília Atlético Clube) e pelo fato dos prédios públicos municipais ostentarem a cor azul. Para Dias, a mudança lesava o patrimônio cultural da cidade, além do que, a população não havia sido consultada sobre a alteração. O pedido foi aceito pela Justiça e houve a troca do azul pelo vermelho.

O procurador moveu ainda duas ações contra uma das maiores emissora de TV do País. Em uma delas, a exigência era para que a emissora explicasse, durante um reality show, as formas de transmissão do HIV. A medida foi tomada depois que um participante do programa disse que heterossexuais não contraíam aids. Já na outra, Dias ajuizou uma ação civil pública para que cenas que pudessem estar relacionadas a crimes não fossem exibidas. A ação foi motivada depois que a emissora exibiu imagens de um suposto estupro ocorrido no mesmo programa.

Além de ocupar o cargo de procurador da República em Marília, no interior de São Paulo, Jefferson Dias também responde pela Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão (PRDC), com sede na capital. O mandato à frente da PRDC é de dois anos, podendo haver reeleição. Ele encerra quatro anos no comando da procuradoria no início de 2013. A escolha do sucessor será feita mediante eleições internas.

Em entrevista exclusiva ao Terra, ele fala sobre os motivos que o levaram a propor a ação, se diz católico e revela que vem sofrendo ameaças de morte.

Como surgiu essa ação?
Jefferson Dias –
Uma pessoa ateia entrou com uma representação na PRDC questionando a existência do “Deus seja louvado”. Na procuradoria, as queixas são distribuídas e, dependendo da temática, vai para a PRDC. Toda essa temática de liberdade religiosa vai para a PRDC e aí eu passo a investigar. A reclamação era só no aspecto de laicidade do Estado, um estado laico. E aí nós constatamos também que não tem uma lei autorizando, que era um pedido pessoal do ex-presidente da República num primeiro caso e, depois, um pedido pessoal do ministro da Fazenda. Então aí a ação é proposta sob dois aspectos: violação da legalidade e violação do princípio da laicidade do Estado.

A pessoa que entrou com a representação se sentia incomodada com a expressão?
Jefferson Dias –
Ela relata que se sentia afetada na sua liberdade religiosa pelo fato dela não crer em Deus e ter que conviver com a manifestação estatal de predileção por uma religião. Se chegar uma representação pra mim, independente de qual for a temática, eu sou obrigado a investigá-la. É uma obrigação legal minha.

A substituição das cédulas vai gerar despesas ao Banco Central?
Jefferson Dias –
Não vai gerar nenhum gasto. As cédulas vão se danificando e vão sendo substituídas gradativamente. Ela tem um tempo de vida útil e aí ela acaba se deteriorando e sendo substituída. Na ação nós pedimos que, nessa substituição de cédulas, elas sejam trocadas sem a expressão. Nem que demore 10, 15 ou 20 anos. Mas acredito que demore menos.

Um ateu entrou com a representação por se sentir ofendido, mas fato de retirar a expressão “Deus seja louvado” das cédulas não vai ofender uma população 64% católica, além das demais religiões cristãs?
Jefferson Dias –
O Estado não pode manifestar predileção religiosa. O Brasil optou em 1890 por ser um estado laico. O mais grave que um eventual sentimento dos católicos, é o fato de ser ilegal. Por exemplo, eu não gosto de pagar impostos, então não quero pagar impostos, mas é ilegal. Mesmo sendo católico, eu ouso discordar um pouco. Porque, se você for estudar a Bíblia, Jesus nunca teve uma posição materialista. Jesus disse que, quando lhe é perguntado se ele deveria dar dinheiro, pagar imposto a César, ele fala “A César o que é de César, a Cristo o que é de Cristo”. Quando ele encontra vendedores no templo, ele os expulsa de lá dizendo que “A casa do Senhor não é casa de comércio”. Perguntado sobre o rico, ele fala que “seria mais fácil um camelo passar pelo buraco da agulha do que um rico entrar no reino dos céus”. Então, em nenhum momento Jesus deu a atender, para quem é cristão, que o dinheiro deveria trazer o nome dele ou o nome de Deus. Acho que é uma inversão de valores.

Com tantas injustiças e violência, essa não seria uma forma de ressaltar certa religiosidade, pregar o cristianismo?
Jefferson Dias –
Mas essa é uma injustiça e uma violência. Eu estou sendo ameaçado por causa dessa ação, por cristãos. Recebi alguns emails com ameaças, em nome de Deus. (mais…)

Leia Mais

Sarney: ‘Tenho pena do homem que não acredita em Deus’

título original: Sarney diz que o projeto sobre a divisão dos royalties está bom

Marilia Coêlho, no Portal de Notícias do Senado

O presidente José Sarney (PMDB-AP) disse, ao chegar ao Senado nesta terça-feira (13), que o projeto de lei sobre a divisão dos royalties do petróleo está bom e que serviria para apaziguar a questão.

– Foi um projeto negociado não só entre os estados, como também com a Câmara dos Deputados. Agora ele saiu da Câmara dos Deputados votado na sua integridade e eu acredito que a presidente vai cumprir o seu dever de examinar o projeto. Ela pode vetar, mas eu acho que o projeto está bom e ele serviria muito bem para apaziguar essa questão dos royalties – disse o presidente.

Sarney também comentou sobre a ação da Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão de São Paulo que pretende retirar das notas de um real a frase “Deus seja louvado”. O presidente do Senado considerou o ato “uma falta do que fazer”.

– Eu acho que é uma falta do que fazer, porque, na realidade, precisamos cada vez mais ter a consciência da nossa gratidão a Deus por tudo o que ele fez por todos nós humanos e pela criação do universo. Nós não podemos jamais perder o dado espiritual. Eu tenho pena do homem que na face da terra não acredita em Deus – opinou Sarney.

foto: internet

dica do Tércio Ribas Torres

Leia Mais