Menino pula de alegria por vencer leucemia (vídeo)

 

Publicado no Extra

Avery Harriman é um garoto de sete anos que está vencendo a leucemia pela terceira vez. O vídeo com o anúncio dos médicos que o menino poderia finalmente sair do hospital, após 23 dias de quimioterapia intensa, foi compartilhado na última quarta-feira e já bateu mais de 40 mil acessos no Youtube.

O pai do menino disse que, no entanto, o pequeno Avery não vai ficar muito tempo longe do hospital. Em entrevista para a CBS Sports.com, Chris Harriman, assistente do treinador da equipe de basquete Nebraska Huskers, explicou que na próxima semana Avery fará exames para ver como a doença está de comportando. Se o câncer não estiver mais dando sinais de atividade, o menino poderá passar por um transplante de medula. Se não, ele volta para a quimioterapia.

BuTjkFHCMAATQig

A medula que pode ser recebida pelo menino deve ser doada por Andrew Cussen, um estranho da Califórnia que, tocado pela campanha iniciada pela família, fez em 2013 a primeira doação. Segundo Chris, Andrew está disposto a ajudar Avery mais uma vez, se for necessário.

BvG-lzZCUAIYpbx

Avery está lutando contra a leucemia desde 2008, quando tinha apenas dois anos de idade. O câncer teve uma remissão, mas voltou em outubro de 2012 e, depois, em julho de 2014. A família lançou uma campanha #AveryStrong para sensibilizar as pessoas para a doação de medula óssea e atualizar sobre os progressos do menino.

Leia Mais

Holandês que salvou menino do nazismo devolve prêmio após perder família em Gaza

 

L09EAC14209F242DDBB6539F05A01BF0A

 

Publicado no Estadão

Um advogado holandês de 91 anos premiado em Israel por ter salvado um menino judeu durante a Segunda Guerra Mundial devolveu seu prêmio depois de ter perdido seis parentes em um bombardeio israelense à Faixa de Gaza, no mês passado, segundo o jornal israelense Haaretz.

Henk Zanoli e sua mãe, Johana Zanoli-Smit, receberam o prêmio em 2011 por ter escondido Elhanan Pinto, uma criança de 11 anos, dos nazistas durante a guerra. À época, o pai de Hank já tinha sido enviado ao campo de concentração de Dachau por se opor à ocupação da Holanda pela Alemanha de Hitler.

A sobrinha neta de Zanoli, a diplomata holandesa Angelique Eijpe, é casada com o economista palestino Isma’il Ziadah, nascido no campo de refugiados de al-Bureij, em Gaza. No dia 20 de julho, um bombardeio israelense atingiu a casa da mãe de Ziadah. Ela, três irmãos de Ziadah, uma cunhada e um primo morreram no ataque.

Ao saber da morte da família palestina de sua sobrinha, Zanoli decidiu devolver a medalha e o certificado do prêmio Virtuoso entre as Nações ao governo de Israel. Em carta ao embaixador israelense na Holanda, Haim Davon, Zanoli descreveu os motivos de sua decisão.

” Dado o nosso histórico é particularmente chocante e trágico que, quatro gerações depois, nossa família sofra com o assassinato de nossos parentes em Gaza. Um assassinato conduzido pelo Estado de Israel. Os bisnetos de minha mãe perderam sua avó palestina, três tios, uma tia e um primo pelas mãos do Exército de Israel”, escreveu o holandês.

“Para mim, continuar com essa honra concedida pelo Estado de Israel, nessas circunstâncias, seria um insulto à memória da minha corajosa mãe, que arriscou a vida dela e dos filhos contra a opressão e pela preservação da vida humana. É também um insulto à minha família que, quatro gerações depois, perdeu nada menos que seis membros em Gaza pelas mãos do Estado de Israel”, acrescentou.

O advogado ainda afirmou que a invasão israelense à Faixa de Gaza resultou em graves acusações de crimes contra a humanidade e disse que não estaria surpreso se isso levasse a condenações, caso fossem julgadas por um tribunal isento.
Questionado pelo Haaretz sobre o ataque, o Exército israelense diz que despende grandes esforços para evitar mortes de civis em Gaza e investiga todas as denúncias de incidentes irregulares. Um relatório deve ser publicado ao fim das investigações.

Leia Mais

Menino de 9 anos atende pedido de mortos e se casa com mulher de 62

Saneie Masilela, 9, uniu-se a Helen Shabangu, 62, para deixar parentes mortos felizes
Saneie Masilela, 9, uniu-se a Helen Shabangu, 62, para deixar parentes mortos felizes

Publicado no UOL

Um menino de 9 anos atendeu o pedido de antepassados mortos, casou-se com uma mulher de 62 anos e tornou-se o noivo mais jovem do mundo. Saneie Masilela uniu-se a Helen Shabangu, que já é mãe de cinco filhos, com idades entre 28 e 38 anos. Eles celebraram seus votos na frente de cem convidados em Ximhungwe, na África do Sul.

A cerimônia aconteceu na frente daquele que é marido há mais tempo de Helen: Alfred Shabangu, 66. Ao jornal britânico “Mirror“, Shabangu disse que não vê problema na união, e nem ele nem seus filhos se importam com opiniões contrárias ao relacionamento.

O casamento faz parte de um ritual em que se respeita o desejo de antepassados mortos de Saneie, que lhe pediram que se casasse no ano passado. “Escolhi a Helen porque eu a amo. Apesar de nós não vivermos juntos o tempo todo, nós nos encontramos no lixão onde minha mãe trabalha”, contou o garoto. “Quando eu crescer, casarei com uma mulher da minha idade”. A família do menino –o mais novo entre cinco filhos– pagou 500 euros à noiva e outros 1.000 euros pela cerimônia. O amor é mesmo i-nex-pli-cá-vel!

Helen, que trabalha com reciclagem, diz que o casamento é apenas para agradar os ancestrais. “Sanele vai crescer normalmente e, um dia, terá sua própria família e se casar. Toda essa cerimônia é para deixar os antepassados felizes”.

Para a mãe do menino, de 47 anos, caso ele não tivesse atendido o pedido dos ancestrais, algo ruim poderia ter acontecido à família.

Leia Mais

Garota de 17 anos com 2,13 m de altura é a adolescente mais alta do mundo

publicado no Jornal Ciência

Rumeysa Gelgi que tem uma altura total de 213,6 centímetros, recebeu o prêmio Guinness World Record em uma apresentação especial em sua cidade natal de Safranbolu, Karabük.

Rumeysa é uma estudante do ensino médio do 11º ano e vive em casa com seus pais e irmãos mais velhos, que são todos de altura “normal”. Sua altura é causada por uma doença chamada Síndrome de Weaver – um problema genética raro que causa um rápido crescimento.

Além de sua altura, as mãos de Rumeysa cresceram em um tamanho total 24,5 centímetros e pés 30,5 centímetros – o equivalente a um número maior que a média que homens usam.

Seu tamanho dá a ela uma série de problemas e, alguns deles, é a mobilidade, já que ela necessidade andar boa parte do tempo em cadeira de rodas.

Os sapatos de Rumeysa são feitos nos Estados Unidos porque não existem números compatíveis com o dela em sapatos femininos na Turquia. Ela disse que, apesar de ter sido alvo de provocações cruéis sobre sua aparência no passado, a negatividade das pessoas já não a perturba, e ela não se importa com pessoas ignorantes.

Ela disse que em vez disso, ela se concentra nos aspectos positivos de ser alta: “Eu gosto de ser diferente de todos os outros. É interessante e me faz sentir especial. A altura também me proporciona fácil acesso a lugares altos, e olhar para as pessoas de cima não é uma coisa ruim”.

O Dr. Ömer Hakan Yavaşoğlu foi o responsável por realizar as medições oficiais de Rumeysa. De acordo com as diretrizes do Guinness World Records, elas foram realizadas em três momentos diferentes no mesmo dia. A representante oficial do Guinness declarou: “Guinness World Records celebra a diversidade e reconhece pessoas extraordinárias em todo o mundo. A Rumeysa Gelgi tem mostrado grande coragem na maneira como lida com sua condição e é hora de conhecê-la e premiá-la com o título de mais alta adolescente do mundo”.

Os médicos disseram que Rumeysa não deve crescer mais, ou seja, ela dificilmente baterá o recorde de pessoa mais alta do mundo, superando seu compatriota, Sultan Kösen, que mede 251 centímetros e tem o título de homem vivo mais alto.

A mais alta adolescente feminina do mundo foi a canadense Anna Haining Swan, que nasceu em 06 de agosto de 1846 e morreu em 5 de agosto de 1888, alcançando a incrível marca de 241,3 centímetros.

O homem mais alto já registrado é o americano Robert Wadlow que mediu 272 centímetros em 1940. O recorde de Rumeysa será apresentado em 2015, mas esse livro já estará disponível nas lojas a partir de setembro deste ano.

Leia Mais