A multiplicação

multi

Elienai Cabral Jr.

Uma reunião de seguidores nunca é incólume nem vítima, ainda que digna de compaixão.

Uma vez que se preste a legitimar um líder, impõe-se sobre ele. As múltiplas e difusas expectativas obrigam o herói à invisibilidade, a estranha solidão de cercar-se de tantos ao custo de quase não existir; ele que tem que ser tudo, acaba sendo um nada.

A multidão de tantos não se reúne sem a solidão de alguns.

Dias sem nem comer direito, ocupados com as seguidas tarefas, o Mestre e os discípulos viajam para longe de todos e seus problemas e suas demandas e suas expectativas sem fim. Procuram a distância e o descanso. Mas do lado de lá do grande lago, a imagem ainda imprecisa já tumultua o barco e amarga a viagem. É uma multidão. De gente sem graça, sem destino, sem pastor, sussurra Jesus com os olhos marejados. Mas um dia saberá que é também uma multidão sem alma.

Jesus desembarca entusiasmado, cheio de vontade de ajudar e cuidar de todos. Os discípulos? Anestesiados de tão exaustos.

Ele não se dá desprotegido à turba, nem se oferta ingênuo aos famigerados. Não responde às questões, suscita outras dúvidas; não acalma angústias, desperta sensibilidades; não indica caminhos, suscita revoltas; cada história que conta é uma atordoante distração. Jesus dispersa convicções para suscitar novos cenários.

A multidão quer se alimentar de quem esperam que ele signifique, mas sua saciedade não é o que quer o Nazareno. Jesus os quer famintos. Bem-aventurada a fome que a todos libertará.

Um menino brinca entre os cenhos franzidos. Flutua desconexo de todos os interesses e medos. Além dos comentários de incerteza diante de tudo o que o novo profeta dizia, ouve os primeiros murmúrios sobre a tarde que chegara ligeira e o problema novo da comida que todos precisariam, mas ninguém parecia ter. Longe de tudo. Gente demais. Nenhuma organização. Todos tensos, menos a criança. Ela se distrai com as pedrinhas, cantarola histórias. Vez ou outra, ergue a cabeça e percebe a agitação dos adultos.

O menino desliza lépido pelos corredores de gente. Um labirinto de angústias para os famintos, um jogo curioso para a criança. Sua leveza o deixa um pouco de fora, alheio e estranhamente feliz.

Enquanto toca as pessoas aflitas e trata suas dores, Jesus conta histórias e encadeia perguntas intermináveis; para os austeros homens da lei, um labirinto escandaloso, para o Nazareno, pensam alguns, parece um jogo.

Todos se afligem e ele parece se divertir e brincar com comparações e poemas, admite um dos discípulos mais próximos. Razão para acordá-lo do sonho e fazê-lo enxergar a enrascada em que a todos colocou. Hora de mandar embora a multidão para que encontre o que comer pelo caminho. Fome não é brincadeira.

De onde virá a comida?

A pergunta ressoa entre todos. A incerteza do problema enfraquece a obstinação que a todos reuniu ruidosos. E o que antes juntou como que encantados, agora os dispersa silentes e desprotegidos. Gente demais, solução alguma.

Vocês podem resolver o problema. É tudo o que Jesus diz, antes de voltar à parábola que deixou reticente. A ordem também ecoa. Metálica e aflita. O silêncio. Os olhares. O vazio.

O menino que encontrara outras crianças longe dos pais ouviu a pergunta e a resposta. Estranhou o silêncio e não gostou da sensação dos adultos inseguros. Meneou a cabeça, rindo de que quem ninguém soubesse responder. Apenas sua voz era ouvida. Corria e berrava para todos que tinha a comida. Chegou rápido aos pais como se fizesse aquele caminho todos os dias. Agarrou a cesta do jantar trazido pela família, então escondida entre panos. E antes que os pais pudessem impedir, saltou à frente dos discípulos e apresentou sorridente a solução.

O que era silêncio se tornou estridentes risos. Os discípulos boquiabertos sequer tiveram força para receber a oferta. Até que um deles, constrangido, tomou a cesta e conferiu o óbvio. Cinco pães e dois peixes é bastante para o menino e sua família, mas impossível para saciar a multidão.

Ninguém mais ria. Exceto o menino e Jesus, que em um movimento surpreendente e coreográfico, repetiu o gesto infante. Colocando os discípulos em roda, devolveu-lhes a comida. Estes, meio sem graça, enquanto pediam a todos que fizessem o mesmo, reunindo grupos em roda, repetiram o gesto de Jesus. E antes que se pudesse fazer contas, outros pequenos e escondidos cestos, com poucos e inesperados pães e peixes, deslizaram em festa no meio do povo. O menino. Jesus. Os discípulos. As rodas de amigas e amigos.

Jesus e o menino sumiram no meio da algazarra, de tanto que se sentiram em casa. E as fraternas rodas substituíram os labirintos de solitários e insaciáveis crentes.

Depois de muito tempo, contou-se uma história um pouco diferente. De um milagre assombroso de multiplicação de pães. Mas entre os discípulos sempre se soube que antes do pão, o gesto se multiplicou. E que o milagre veio da mão de uma criança.

Leia Mais

Menino pula de alegria por vencer leucemia (vídeo)

 

Publicado no Extra

Avery Harriman é um garoto de sete anos que está vencendo a leucemia pela terceira vez. O vídeo com o anúncio dos médicos que o menino poderia finalmente sair do hospital, após 23 dias de quimioterapia intensa, foi compartilhado na última quarta-feira e já bateu mais de 40 mil acessos no Youtube.

O pai do menino disse que, no entanto, o pequeno Avery não vai ficar muito tempo longe do hospital. Em entrevista para a CBS Sports.com, Chris Harriman, assistente do treinador da equipe de basquete Nebraska Huskers, explicou que na próxima semana Avery fará exames para ver como a doença está de comportando. Se o câncer não estiver mais dando sinais de atividade, o menino poderá passar por um transplante de medula. Se não, ele volta para a quimioterapia.

BuTjkFHCMAATQig

A medula que pode ser recebida pelo menino deve ser doada por Andrew Cussen, um estranho da Califórnia que, tocado pela campanha iniciada pela família, fez em 2013 a primeira doação. Segundo Chris, Andrew está disposto a ajudar Avery mais uma vez, se for necessário.

BvG-lzZCUAIYpbx

Avery está lutando contra a leucemia desde 2008, quando tinha apenas dois anos de idade. O câncer teve uma remissão, mas voltou em outubro de 2012 e, depois, em julho de 2014. A família lançou uma campanha #AveryStrong para sensibilizar as pessoas para a doação de medula óssea e atualizar sobre os progressos do menino.

Leia Mais

Holandês que salvou menino do nazismo devolve prêmio após perder família em Gaza

 

L09EAC14209F242DDBB6539F05A01BF0A

 

Publicado no Estadão

Um advogado holandês de 91 anos premiado em Israel por ter salvado um menino judeu durante a Segunda Guerra Mundial devolveu seu prêmio depois de ter perdido seis parentes em um bombardeio israelense à Faixa de Gaza, no mês passado, segundo o jornal israelense Haaretz.

Henk Zanoli e sua mãe, Johana Zanoli-Smit, receberam o prêmio em 2011 por ter escondido Elhanan Pinto, uma criança de 11 anos, dos nazistas durante a guerra. À época, o pai de Hank já tinha sido enviado ao campo de concentração de Dachau por se opor à ocupação da Holanda pela Alemanha de Hitler.

A sobrinha neta de Zanoli, a diplomata holandesa Angelique Eijpe, é casada com o economista palestino Isma’il Ziadah, nascido no campo de refugiados de al-Bureij, em Gaza. No dia 20 de julho, um bombardeio israelense atingiu a casa da mãe de Ziadah. Ela, três irmãos de Ziadah, uma cunhada e um primo morreram no ataque.

Ao saber da morte da família palestina de sua sobrinha, Zanoli decidiu devolver a medalha e o certificado do prêmio Virtuoso entre as Nações ao governo de Israel. Em carta ao embaixador israelense na Holanda, Haim Davon, Zanoli descreveu os motivos de sua decisão.

” Dado o nosso histórico é particularmente chocante e trágico que, quatro gerações depois, nossa família sofra com o assassinato de nossos parentes em Gaza. Um assassinato conduzido pelo Estado de Israel. Os bisnetos de minha mãe perderam sua avó palestina, três tios, uma tia e um primo pelas mãos do Exército de Israel”, escreveu o holandês.

“Para mim, continuar com essa honra concedida pelo Estado de Israel, nessas circunstâncias, seria um insulto à memória da minha corajosa mãe, que arriscou a vida dela e dos filhos contra a opressão e pela preservação da vida humana. É também um insulto à minha família que, quatro gerações depois, perdeu nada menos que seis membros em Gaza pelas mãos do Estado de Israel”, acrescentou.

O advogado ainda afirmou que a invasão israelense à Faixa de Gaza resultou em graves acusações de crimes contra a humanidade e disse que não estaria surpreso se isso levasse a condenações, caso fossem julgadas por um tribunal isento.
Questionado pelo Haaretz sobre o ataque, o Exército israelense diz que despende grandes esforços para evitar mortes de civis em Gaza e investiga todas as denúncias de incidentes irregulares. Um relatório deve ser publicado ao fim das investigações.

Leia Mais

Menino de 9 anos atende pedido de mortos e se casa com mulher de 62

Saneie Masilela, 9, uniu-se a Helen Shabangu, 62, para deixar parentes mortos felizes
Saneie Masilela, 9, uniu-se a Helen Shabangu, 62, para deixar parentes mortos felizes

Publicado no UOL

Um menino de 9 anos atendeu o pedido de antepassados mortos, casou-se com uma mulher de 62 anos e tornou-se o noivo mais jovem do mundo. Saneie Masilela uniu-se a Helen Shabangu, que já é mãe de cinco filhos, com idades entre 28 e 38 anos. Eles celebraram seus votos na frente de cem convidados em Ximhungwe, na África do Sul.

A cerimônia aconteceu na frente daquele que é marido há mais tempo de Helen: Alfred Shabangu, 66. Ao jornal britânico “Mirror“, Shabangu disse que não vê problema na união, e nem ele nem seus filhos se importam com opiniões contrárias ao relacionamento.

O casamento faz parte de um ritual em que se respeita o desejo de antepassados mortos de Saneie, que lhe pediram que se casasse no ano passado. “Escolhi a Helen porque eu a amo. Apesar de nós não vivermos juntos o tempo todo, nós nos encontramos no lixão onde minha mãe trabalha”, contou o garoto. “Quando eu crescer, casarei com uma mulher da minha idade”. A família do menino –o mais novo entre cinco filhos– pagou 500 euros à noiva e outros 1.000 euros pela cerimônia. O amor é mesmo i-nex-pli-cá-vel!

Helen, que trabalha com reciclagem, diz que o casamento é apenas para agradar os ancestrais. “Sanele vai crescer normalmente e, um dia, terá sua própria família e se casar. Toda essa cerimônia é para deixar os antepassados felizes”.

Para a mãe do menino, de 47 anos, caso ele não tivesse atendido o pedido dos ancestrais, algo ruim poderia ter acontecido à família.

Leia Mais