Eles escolheram esperar: jovens optam por não fazer sexo antes do altar

No Distrito Federal, adeptos contam como enfrentam o preconceito, as piadas e porquê decidiram deixar o sexo para depois do casamento

Publicado no Correio Braziliense

Malu Mascarenhas (23) e Eduardo Eira (21), namoram há 1 ano e 2 meses, frequentam o Movimento de Emaús
Malu Mascarenhas (23) e Eduardo Eira (21), namoram há 1 ano e 2 meses, frequentam o Movimento de Emaús

Eles são jovens como muitos outros. Estudam, trabalham, saem para se divertir e enfrentam os problemas típicos da mesma faixa etária. Mas quando o assunto é namoro, as diferenças ganham evidência e os destacam dos demais: eles optaram – e se orgulham disso – por casar virgens.

O que para muitos é motivo de chacota, surpresa ou preconceito, para eles é uma coisa séria, decisão tomada e seguida à risca. “Eu já fui alvo de piada até entre meus próprios amigos!”, conta Martinelly Flores, de 23 anos, que é estudante de publicidade. “O problema é que as pessoas acham que para nós é um sacrifício o modo como escolhemos viver, mas não é, pois nós somos felizes à nossa maneira”, garante.

Sobre os momentos íntimos do casal, Martinelly admite esforço para se afastar das “tentações”. “Como todas pessoas comuns temos desejos, por isso é necessário precauções. Evitamos momentos a sós ou que nos traga pensamentos sexuais. Tudo isso nos ajuda a impedir de avançarmos o ‘sinal vermelho'”, conta.

Já para a estudante Larissa Barbosa, de 17 anos, que mora de Luziânia, no Entorno do Distrito Federal, parte da responsabilidade pela busca do sexo fora do casamento vem da influência gerada por programas de TV e músicas. “Sinceramente não é fácil, pois tudo chama a atenção para o sexo. Quem diz não ao senso comum é considerado ‘fora de moda'”, afirma.

O casal Eduardo Eira, de 21, e Malu Mascarenhas, de 23, estão juntos há 1 ano e 2 meses e escolheram se guardar para o matrimônio. “O casal tem mais tempo de conversar e se conhecer melhor, fortalecendo a relação”, explica Eduardo.

Mas nem sempre o principal inimigo está do lado de fora da relação, acredita a professora Fernanda Salomão, de 25 anos. Ela namora o dentista Antônio Rodrigo, de 25, há cinco anos e conta que foi difícil chegar a um consenso. “A escolha partiu, inicialmente, somente de mim! É necessário muita força de vontade, determinação, conversa e compreensão entre o casal”, assume.

Questionada sobre como se comportar com os desejos mais íntimos, outra jovem que não quis se identificar confessa: “Rezo e peço à Deus para me dar forças e não cometer besteiras. Para ser sincera, algumas vezes eu recorro a masturbação, sei que é errado e vai contra os ensinamentos da minha religião (católica), mas a tentação é grande e isso geralmente acontece quando estou distante de Deus. Sempre que caio na tentação, corro para me confessar”, admite.

De acordo com os ensinamentos da igreja católica, o sexo é: “o instrumento da expressão do amor conjugal e da procriação.

Toda vez que o sexo é usado antes ou fora do casamento, de qualquer forma que seja, peca-se contra a castidade”, conta em uma de seus artigos, Felipe Aquino, apresentador, radialista, professor de História da Igreja no Instituto de Teologia Bento XVI, na Diocese de Lorena, em São Paulo, e escreveu 78 livros, todos baseados na doutrina católica.

Um dos movimentos de maior força no país é o chamado “Eu Escolhi Esperar”, liderado pelo pastor Nelson Neto Júnior. Formado em Teologia pelo Instituto Bíblico das Assembleias de Deus (Ibad), ele trabalha com jovens e adolescentes há pouco mais de 20 anos. A campanha, lançada em abril de 2011, se espalhou pelo Brasil, agregando pessoas de várias religiões. No Twitter, o movimento conta com 367 mil pessoas. No Facebook, a página oficial do movimento pela castidade mobiliza ainda mais jovens e o perfil já tem mais de 2 milhões de curtidas.

Zagueiro da seleção brasileira e um dos nomes mais comentados da Copa do Mundo 2014, o jogador David Luiz, que namora a portuguesa Sara Madeira, também aderiu ao movimento e postou no Instagram e no Twitter a mensagem da campanha: “Fé! escolhiesperar”

Outro craque que ficou famoso por ter aderido à castidade foi o jogador Kaká. Nascido no Gama, ele deu o que falar quando, ao lado da então noiva Caroline, discursou à favor da virgindade. Em entrevista à revista italiana Vanity Fair, o casal assumiu que não tiveram relações sexuais até a noite de núpcias, em dezembro de 2005. “É evidente que não foi fácil chegar ao matrimônio sem ter estado com uma mulher. Eu e Caroline nos beijávamos e é claro que o desejo existia. Mas nós nos contínhamos. Se hoje nossa vida é tão bela, é porque soubemos esperar”, disse à época o jogador do São Paulo.

ee1

dica do Gerson Caceres Martins

Leia Mais

Com canal de TV e movimento civil, ateus tentam ‘sair do armário’ nos EUA

Homem faz protesto por liberdade religiosa. Credito: AFP
Homem pede separação entre Estado e igreja em protesto em frente à Casa Branca

Aleem Maqbool.  na BBC Brasil
“Às vezes, as coisas precisam ser ditas, e as lutas precisam ser lutadas, mesmo que sejam impopulares. Aos ateus enrustidos: você não está sozinho, você merece igualdade.”

Assim terminou o inflamado discurso do presidente do grupo Ateus Americanos, David Silverman, no lançamento da primeira emissora de televisão dos EUA dedicado àqueles que não acreditam em Deus, a TV Ateu.

Depois, foram exibidos testemunhos de ateus proeminentes.

“É uma das melhores decisões que já tomei na minha vida e eu defendo completamente que as pessoas ‘saiam do armário'”, diz Mark Hatcher, do grupo Ateus Negros da América.

“Sair do armário” é como muitos ateus americanos descrevem o que ainda é, para muitos, algo muito difícil de ser admitido publicamente.

Uma recente pesquisa realizada pelo Pew Research Center mostra que americanos preferem, a um ateu, ter um presidente com cerca de 70 anos ou abertamente gay ou que nunca tenham tido qualquer cargo público.

Surpreendentemente, uma pesquisa anterior da Pew sugeriu que os entrevistados nos Estados Unidos consideravam ateus menos confiáveis que estupradores. Um dos novos programas da TV Ateu já sentiu o “gostinho” de como muitos americanos percebem “os não crentes”.

“Então você estava estudando para ser um padre e agora não acredita em Deus? Você é o diabo”, um interlocutor disse ao apresentador. “Você é um marxista, você é um ateu e você é da Rússia”, diz outro.
‘Saindo do armário’

Em um dos maiores encontros de estudantes ateus no país, em Columbus, no estado de Ohio, Jamila Bey, da Aliança Secular de Estudantes, disse que muitos participantes estavam receosos sobre dar entrevistas, o que podia ser visto em seus pescoços.

A student atheism convention took place in Ohio.
Em Ohio, ocorre uma das maiores convenções de ateus do país

“Cordões vermelhos significam ‘Você não pode falar comigo'”, diz Bey. “Muitos alunos não são ‘assumidos’. Seus pais podem não saber que eles são ateus ou que questionam sua religião.”

Ela disse que muitos estavam preocupados com ostracismo ou temiam sofrer violência se revelassem que não acreditavam em Deus.

Lasan Dancay-Bangura, de 22 anos, é o chefe do grupo de estudante ateus de sua universidade. Ele já contou para a mãe sobre seu ateísmo – experiência que relembra com um suspiro profundo -, mas ainda não “saiu do armário” para o pai.

“Fala-se o tempo todo sobre pessoas que estão sendo expulsas e enviadas para campos de Bíblia onde são forçadas a ser religiosas. Eu não quero perder o meu pai para isso.”

Já Katelyn Campbell, de 19 anos, de West Virginia, tem tido problemas com a comunidade. “No colégio, era um silêncio total quando eu andava pelo corredor. Ou alguém cuspia em mim”, diz Katelyn.

Há dois anos, ela protestou contra a inclusão da religião e da abstinência em suas aulas de educação sexual escolar. “As pessoas agora costumam trazer essa discussão, que é de valores que são muito pessoais e muito particulares”, diz ela.
Campanha

No evento de estudantes ateus em Ohio, eles estão tentando mudar as coisas.

Camisetas a venda no evento trazem os dizeres “Godless Goddess (Deusa sem deus)” ou “Um ateu é assim”.

A student atheism convention took place in Ohio
Adesivos distribuídos em convenção defendem ateísmo e liberdade religiosa

Ao lado da tenda está Andrew Seidel, um advogado da Fundação Liberdade da Religião. “Muitos americanos pensam que nunca conheceram um ateu, mas isso é porque muitos têm medo de reconhecer isso publicamente”, diz Andrew.

“A forma como vamos vencer essa luta é pela demografia. Assim como sair do armário foi importante para o movimento LGBT, é importante para nós dizer em alto e bom som e com orgulho: ‘Eu sou um ateu!'”

E os dados demográficos estão realmente mudando, especialmente entre os jovens, onde a proporção daqueles que se identificam como “religiosamente não afiliados” está aumentando.

Mas os Estados Unidos têm uma proporção muito maior de pessoas que dizem que a religião é muito importante para eles em comparação com países europeus.

“A América é uma anomalia, em primeiro lugar, porque foi fundada por puritanos”, diz Bey, da Aliança Secular de Estudantes.

Mais recentemente, em especial para a comunidade afro-americano na luta pelos direitos civis, mas também para muitas outras comunidades minoritárias, a religião tornou-se uma forma de ganhar aceitação, segundo Bey.

“Foi uma maneira de dizer: Eu sou um bom cristão, você deve deixar o meu filho ir para a escola com as criancinhas brancas, Jesus ama a todos nós'”, diz ela.

O novo canal de TV faz parte do movimento dos direitos civis dos grupos ateus.

Mas a aceitação real, particularmente para aqueles que exercem cargos públicos, em um país onde nenhum deputado é abertamente ateu, pode estar ainda um pouco distante.

Leia Mais

Quem são as celebridades que escolheram esperar

Jonas Brothers, Miley Cyrus e o jogador de futebol David Luiz apóiam (ou já apoiaram) o movimento

Os Jonas Brothers não usam mais os anéis que simbolizavam pureza e castidade
Os Jonas Brothers não usam mais os anéis que simbolizavam pureza e castidade

Roberta Salomone, em O Globo

Se por aqui o jogador da seleção brasileira David Luiz virou o garoto-propaganda dos sem-sexo, o que não faltam são representantes famosos pelo mundo. Em 2008, Miley Cyrus usava um anel de castidade e jurava que se guardaria até o casamento. Quatro anos depois, a cantora mudou de ideia: “Sexo é uma coisa linda e mágica’’, disse. A partir daí, a moça cortou e pintou os cabelos, adotou figurinos ousadíssimos e saiu por aí rebolando, e beijando meninos e meninas.

Selena Gomez era outra que usava o tal anel desde a adolescência. Quando começou a namorar Justin Bieber, deixou o acessório de lado e não quis mais falar sobre o assunto. Já Demi Lovato, outra estrela nascida nos filmes da Disney, carregou no pescoço uma gargantilha com a frase “Amor verdadeiro espera”. Meses depois de admitir o uso abusivo de álcool e drogas, vazaram na internet fotos da cantora e atriz de 21 anos nua, abraçada ao então namorado Wilmer Valderrama.

Entre os rapazes, os Jonas Brothers propagavam aos quatro ventos o que achavam sobre virgindade. Dizem que Kevin foi o único que conseguiu se segurar até o casório com Danielle, em 2009. O irmão mais novo, Nick, foi flagrado com um chupão no pescoço e sem o anel no dedo anular esquerdo dois meses antes de completar 19 anos, mas contou que transou pela primeira vez só um ano depois. Joe também perdeu a virgindade aos 20 e confessou recentemente que, entre uma festa e outra, fumou muita maconha com Miley Cyrus e Demi Lovato, suas ex-namoradas ex-virgens já citadas aqui.

Leia Mais

‘Detox digital’ começa a ganhar adeptos no mundo

Viciados em tecnologia procuram programas para se desconectar e desintoxicar

 Larissa, de 23 anos, raramente desgruda os olhos do celular. Ela usa o aplicativo Whatsapp para conversar com amigos, ver vídeos, ler e o utilizou até para dar entrevista (foto:  João Laet / Agência O Dia)

Larissa, de 23 anos, raramente desgruda os olhos do celular. Ela usa o aplicativo Whatsapp para conversar com amigos, ver vídeos, ler e o utilizou até para dar entrevista
(foto: João Laet / Agência O Dia)

Beatriz Salomão, em O Dia

Desintoxicar o organismo é função associada, normalmente, a dietas que pretendem eliminar substâncias nocivas ingeridas. Recentemente, porém, o termo ganhou outra aplicação. Trata-se do ‘detox digital’, programa em que o paciente se desconecta do mundo virtual e abandona qualquer tipo de tecnologia: celular, carregador e até relógio.

Hotéis e campings de países como Estados Unidos, Irlanda e Ilhas Cayman já contam com diárias de desintoxicação digital. No Renaissance de Pittsburgh (Pennsylvania), por exemplo, na hora do check in o ‘hóspede detox’ deixa todos os eletrônicos na recepção, incluindo carregadores. No quarto, não há internet, TV, nem relógio, e o telefone só liga para a recepção.

Também nos Estados Unidos, existem os retiros ‘detox digital’: desconectar para reconectar’, organizados por Levi Felix, inventor do movimento. “Ajudamos pessoas a terem uma relação equilibrada com a tecnologia. Pessoas de oito países além dos americanos participam dos retiros”, conta o americano. No Brasil, serviço semelhante será oferecido no Hotel Le Canton, em Teresópolis, no próximo final de semana. As mulheres serão convidadas a desligar celulares e aparelhos eletrônicos, para que possam relaxar e aproveitar atividades como yoga e curso de maquiagem

A psicóloga Sylvia van Enck, do Instituto de Psiquiatria da Universidade de São Paulo (USP), explica que o excesso de informações e estímulos típico da rede geram estresse, ansiedade, cansaço, além de dificuldade de concentração. “Chega um momento em que a pessoa não assimila, nem memoriza o que está lendo. Acostumadas com coisas instantâneas, as pessoas perdem a capacidade de concentração”.

A estudante Larissa Ferreira, 23 anos, está sempre conectada ao Iphone, especialmente ao Whatsapp — ela fez questão inclusive de dar entrevista ao DIA através do aplicativo. A jovem já cogita baixar um outro aplicativo, do Unicef, que força as pessoas a ficarem longe do celular. A cada dez minutos sem tocar no aparelho, uma empresa doa água a crianças pobres.

“Acho que pode me ajudar a fazer minha monografia. Converso com muitos amigos, vejo vídeos, blogs e às vezes passo da hora de dormir”, conta, acrescemtnando que teria dificuldade em participar de um Detox. Para a psicóloga, o ‘detox digital’ pode ser o primeiro passo para estabelecer uma relação mais saudável com a tecnologia. “É bom para perceber que é possível viver desconectado, mas é preciso dar continuidade depois”.

 Danny: seis meses trancado (foto:  Reprodução)

Danny: seis meses trancado
(foto: Reprodução)

Obssessão pelo selfie perfeito

A busca pelo ‘selfie perfeito’ e o vício em tirar autorretratos quase levaram o jovem Danny Bowman, 19 anos, à morte, em março. Obcecado por postar retratos em rede social, ele chegou a passar mais de dez horas tentando capturar a imagem ideal, fazendo mais de 200 ‘selfies’.

Danny perdeu quase 30 quilos, abandonou a escola e não saiu de casa por seis meses para tentar encontrar a foto perfeita. Frustrado com suas tentativas, o britânico tentou o suicídio, mas foi salvo pela mãe. “Estava constantemente em busca do selfie perfeito. Quando percebi que não podia, queria morrer. Perdi meus amigos, minha educação, minha saúde e quase minha vida”, disse ao jornal ‘Daily Mirror’.

Danny iniciou terapia para controlar o vício em tecnologia e para tratar o Transtorno Dismórfico Corporal, um tipo de ansiedade excessiva com a aparência pessoal. Na Espanha, o problema foi com o Whatsapp. Uma gestante de 34 anos foi a primeira mulher diagnosticada com ‘WhatsAppitis’, lesão no dedão e no punho devido ao uso excessivo do aplicativo.

A mulher passou cerca de seis horas digitando no celular. O tratamento incluiu abstinência do aparelho. No teste do site ( http://bit.ly/QMKiIs ) é possível saber se a pessoa é dependente digital.

Leia Mais

Clipe com “Photoshop” em movimento critica sociedade das aparências

noticia_83910Enquanto cantora executa a música, sua aparência vai sendo alterada por um editor de imagem

Publicado no Administradores

O retoque digital excessivo na imagem das modelos, atrizes e artistas para as capas de revista ou peças de propaganda ajuda a estigmatizar a tão propalada “sociedade das aparências”, citada nos principais debates filosóficos e antropólogicos da humanidade contemporânea. Para os principais críticos desse retoque abusivo, tudo parece perder sua espontaneidade, sua originalidade, gerando um universo imagético quase perfeito, que beira o surreal.

A canção “Nouveau Parfum”, interpretada pela cantora francesa Boglárka “Boggie” Csemer, bate nessa tecla. Não à toa, a letra começa justamente enumerando uma série de marcas famosas e levanta alguns dilemas como “o que eu escolher?”, “por que eu escolho?” e “quem quer que eu escolha?”.

Mas, isso não é tudo. O clipe abaixo usa uma ideia aparentemente simples, mas impressiona pela execução preciosa. Enquanto canta a música, o próprio rosto de “Boggie” vai sofrendo as mutações tecnológicas a partir de um software que lembra as funções do Photoshop, com a diferença que ele realiza as correções com o vídeo em movimento.

O filme, dirigido por Nándor Lorincz e Bálint Nagy, começa exibindo o rosto sem maquiagem da cantora e vai evoluindo com as mudanças de clareamento de pele, simetria do rosto, cor dos olhos e estilo de cabelo, entre outras modificações. A intenção é mandar uma poderosa mensagem para grande parte da sociedade que glorifica a beleza estética em detrimento de outros valores e qualidades.

Confira o filme:

Leia Mais