Quase quatro em cada dez assassinatos a mulheres são cometidos pelo marido

Dado faz parte de levantamento feito pela OMS, que considera violência às mulheres um problema de saúde pública com proporções epidêmicas

violencia-contra-mulher

Publicado originalmente na Veja

Quase quatro em cada dez (38,6%) mulheres assassinadas no mundo foram mortas por seus maridos ou namorados, revelou um novo estudo da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre violência contra pessoas do sexo feminino. Por outro lado, esposas e namoradas são responsáveis por “somente” 6,3% dos assassinatos a homens.

A taxa de homicídios de mulheres cometidos por seus parceiros varia de acordo com o país. A taxa mais elevada é observada em países asiáticos, onde quase 60% dos assassinatos a mulheres são cometidos pelos maridos ou namorados. A região com a menor porcentagem é da mediterrânea (14,4%).

O trabalho da OMS também mostrou que mais de um terço de todas as mulheres do mundo é vítima de violência física ou sexual, e na maioria das vezes o abuso acontece por parte de seu marido ou namorado.

Diante desses números, a organização afirmou que o quadro representa um problema de saúde global com proporções epidêmicas. De acordo com a OMS, problemas de saúde comuns decorrentes desses abusos incluem ossos quebrados, contusões, complicações na gravidez, depressão e outros transtornos mentais.

Estatística — A pesquisa da OMS, divulgada nesta quinta-feira, foi feita em parceria com a Faculdade de Higiene e Medicina Tropical de Londres e com o Conselho Sul-africano de Pesquisa Médica. Os autores do estudo procuraram por todos os estudos sobre o assunto publicados nos últimos 20 anos e analisaram dados estatísticos de 169 países. Para chegar aos resultados finais, a equipe considerou 118 pesquisas que envolveram, ao todo, quase 500.000 pessoas.

“Nossos resultados sublinham que as mulheres são desproporcionalmente mais vulneráveis do que os homens a sofrerem violência e assassinato cometidos pelo próprio parceiro, e suas necessidades foram negligenciadas por muito tempo”, diz Heidi Stöckl, pesquisadora da Faculdade de Higiene e Medicina Tropical de Londres.

Em um comentário anexado ao estudo, Rosana Norman, pesquisadora do Instituto Infantil de Pesquisa Médica Queensland, Austrália, disse que esses resultados “têm implicações importantes para esforços em prevenir homicídios cometidos por parceiros íntimos e a necessidade de futuras pesquisas.”

Leia Mais

Em 1ª audiência na Justiça, pastor preso por estupros no Rio nega crimes

O pastor Marcos Pereira da Silva participa de culto da igreja evangélica Assembléia de Deus dos Últimos Dias, em São João de Meriti (foto: Uanderson Fernandes/Agência O Dia/Estadão Conteúdo)
O pastor Marcos Pereira da Silva participa de culto da igreja evangélica Assembléia de Deus dos Últimos Dias, em São João de Meriti (foto: Uanderson Fernandes/Agência O Dia/Estadão Conteúdo)

Publicado originalmente no UOL

O pastor Marcos Pereira, da Assembleia de Deus dos Últimos Dias, preso desde o dia 8 de maio, acusado de estupro, foi ouvido em juízo pela primeira vez na segunda-feira (17), na 1ª Vara Criminal de São João de Meriti, na Baixada Fluminense. No depoimento, o pastor negou o estupro e acusou pessoas ligadas à ONG Afroreggae de convencer a suposta vítima e outras que foram ouvidas a fazerem as acusações.

Segundo informações do TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio), quatro testemunhas de acusação foram ouvidas na audiência e confirmaram terem sido vítimas de abusos sexuais por parte do pastor, sendo que duas delas eram menores de idade na época.

As testemunhas relataram que viam o pastor como um “homem de Deus” e se sentiam obrigadas a obedecê-lo, deixando, inclusive, de visitar suas famílias e participando de orgias organizadas por ele. De acordo com o TJ-RJ, no entanto, nenhuma delas conseguiu confirmar os fatos narrados na denúncia do processo.

A primeira e a segunda testemunhas de defesa foram a mulher do acusado e outra suposta vítima que estavam arroladas como testemunhas de acusação, mas voltaram atrás nas denúncias de estupro e acabaram depondo como testemunhas da defesa. A mulher do pastor chegou inclusive a ser indiciada por denunciação caluniosa no último dia 12.

Apesar de a vítima do processo ter se retratado, ele continuará a correr devido a uma súmula do STF (Supremo Tribunal Federal) que diz que quando o estupro é cometido com violência real, a ação penal passa a ter como autor o Ministério Público, independentemente da vontade da vítima.

Foram ouvidas, ainda, mais três testemunhas de defesa, que afirmaram serem falsas as acusações contra o pastor. No final da audiência, a defesa pediu o relaxamento da prisão de Marcos Pereira, o que foi negado pelo juiz.

Em entrevista ao UOL, por intermédio de seu advogado Marcelo Patrício, Pereira já havia negado as acusações de estupro, homicídio, associação ao tráfico e lavagem de dinheiro.

O pastor começou a ser investigado há pouco mais de um ano, a partir de acusações que o coordenador da ONG AfroReggae, José Júnior, fez sobre o suposto envolvimento de Marcos Pereira com tráfico de drogas e lavagem de dinheiro.

Ao longo das investigações, a polícia descobriu que o pastor teria estuprado algumas fiéis. Ele é investigado ainda por supostas participações em homicídios e por organizar orgias com menores de idade em um apartamento em Copacabana, avaliado em R$ 8 milhões e registrado em nome da igreja.

Leia Mais

Mulher do pastor Marcos Pereira é indiciada pela polícia por denúncia falsa

Ana Madureira, esposa do pastor Marcos Pereira (Foto: Reprodução / Youtube)
Ana Madureira, esposa do pastor Marcos Pereira (Foto: Reprodução / Youtube)

Rafael Soares, no Extra

Ana Madureira, esposa do pastor Marcos Pereira, foi indiciada por denunciação caluniosa, nesta quarta-feira, pelo delegado-titular da Delegacia de Combate às Drogas (Dcod), Márcio Mendonça. Isso porque, em depoimento, Ana acusou o marido de ter abusado dela. Mas, depois, voltou atrás e negou a violência em duas oportunidades: em cartório e num vídeo veiculado na internet pelo canal da Assembleia de Deus dos Últimos Dias, igreja fundada por Marcos.

O indiciamento ocorreu depois de Ana faltar ao depoimento marcado para esta quarta, na Dcod. Segundo Márcio Mendonça, os agentes ainda tentaram localizá-la em casa, na igreja e pelo telefone, sem conseguir.

– A depoente afirmou, na delegacia, que havia sofrido uma série de violências por parte de seu marido. Após prisão do pastor, ela passou a negar todas as acusações no vídeo. Ela deveria ter buscado a delegacia e explicado o que aconteceu. Como não o fez e se recusa a atender os agentes, optamos pelo indiciamento – disse o delegado.

O inquérito aberto para investigar a conduta de Ana Madureira deve ser enviado ao Ministério Público até sexta-feira. Se condenada, a mulher pode pegar de dois a oito anos de prisão.

Veja abaixo o vídeo, publicado em maio, em que Ana Madureira nega as denúncias ao pastor Marcos Pereira.

Prisão

O pastor Marcos Pereira foi preso no dia 7 de maio, por policiais da Decod, acusado de estuprar integrantes de sua igreja. Ele negou os crimes, mas foi incidiado e depois denunciado pelo Ministério Público por dois estupros. Ele também responde por coação de testemunha e é investigado pela Dcod por associação para o tráfico, lavagem de dinheiro e quatro homicídios. O religioso está preso no Complexo de Gericinó.

Leia Mais

Parentes de autoridades, empresários e até mortos recebem Bolsa Família, aponta CGU

Um boato de suspensão do Bolsa Família levou milhares de pessoas do município de Campos (RJ) às agências da Caixa Econômica Federal. (foto: Mauro de Souza / Agência Ururau / Agência O Globo)
Um boato de suspensão do Bolsa Família levou milhares de pessoas do município de Campos (RJ) às agências da Caixa Econômica Federal. (foto: Mauro de Souza / Agência Ururau / Agência O Globo)

Carlos Madeiro, no UOL

Servidores, empresários, produtores rurais, alunos de escolas particulares, familiares de autoridades e até pessoas falecidas constam na lista de beneficiários do Bolsa Família, segundo relatórios de fiscalização produzidos pela CGU (Controladora Geral da União) no início de 2013.

Na última etapa do programa de fiscalização por sorteio, segundo apurou o UOL, todos os 58 relatórios de municípios divulgados no site da CGU apresentam indícios de irregularidades no maior programa social do mundo, que atende a 13 milhões de famílias no país. A fiscalização foi feita no final de 2012, com relatórios divulgados no início deste ano.

Nesses municípios, a CGU encontrou mais de 5.000 benefícios pagos a pessoas que supostamente teriam renda per capita familiar superior ao limite estabelecido pelo programa. O UOL entrou em contato com o Ministério de Desenvolvimento Social, para obter ter detalhes de como é feita a fiscalização aos cadastros e aos municípios, mas não obteve retorno até a publicação dessa reportagem.

Somente em Belford Roxo (RJ), o relatório da CGU informou haver “1.512 famílias beneficiárias que constam na folha de pagamento de Julho/2012 na situação de benefício ‘liberado’ e que apresentam renda mensal per capita superior a meio salário mínimo”.

Além de irregularidades no pagamento, os relatórios apontaram para uma série de problemas, como falta de controle da frequência escolar e do cartão de vacinação das crianças, inexistência de comissão gestora do programa e até desvios de recursos enviados para atividades complementares.

Pagamentos irregulares

O principal problema apontado pelos técnicos da CGU é a inclusão de pessoas com renda superior ao máximo permitido. Em alguns casos, há também servidores e familiares de autoridades inclusas na lista.

Em São Francisco de Assis (PI), a mulher de um vereador estava inclusa na lista do Bolsa Família. Outra beneficiária era a filha da coordenadora de Apoio ao Idoso, da Secretaria Municipal de Assistência Social –que é responsável pelo cadastro dos beneficiários. Além disso, ela e o marido são donos de uma panificadora e uma pousada.

Muitos servidores com salários acima do máximo estabelecido pelo programa também são beneficiários. Em Olindina (BA), cinco servidores públicos, entre eles dois estaduais da Secretaria da Educação e da Assembleia Legislativa da Bahia, estavam na lista.

Em Vazante (MG), vários servidores com renda superior a R$ 1.000 mensais recebiam o benefício. Um deles ganhava R$ 134 de Bolsa Família, mesmo com salário de R$ 2.279,05.

Mortos sim, vivos não

Em Xexéu (PE), a CGU encontrou pessoas mortas em 2011 na lista paga até o final do ano passado. Segundo a inspeção, o problema foi causado pela deficiência no controle do cadastro.

Enquanto mortos “recebem” o Bolsa Família, há pessoas vivas, enquadradas no perfil do programa, que ainda lutam para receber o benefício. Em Lagoa Alegre (PI), uma beneficiária do programa constava na folha de pagamento, mas afirmou que nunca havia recebido o cartão. Por mês, R$ 102 ficam na mão de alguém não identificado.

Enquanto isso, pessoas ricas recebem o benefício, como em São José do Sul (RS), onde uma produtora rural com faturamento anual, em 2011, de R$ 955 mil era beneficiária do programa. Em Barra do Ribeiro (RS), uma mulher era beneficiária, mesmo sendo dona de uma empresa e possuindo, junto com o marido, cinco carros.

Outros casos de empresários também foram encontrados em Jaguaribara (CE), onde uma dona de churrascaria recebia o benefício.  Em São Domingos (SE), havia um dono de mercearia na lista.

Sem controle e desvios

Além dos problemas no pagamento, a CGU também encontrou outros problemas organizacionais e desvios de verbas pelos municípios.

Em Aliança (PE), a CGU verificou a suspeita de fraude nos recursos enviados ao programa, com a não comprovações de despesas no valor de R$ 90 mil. O dinheiro deveria ter sido usado para  contratação de empresa para promoção de cursos de qualificação profissional.

Em Populina (SP), a Coordenação Municipal do Programa não havia sido instituída formalmente, como prevê o programa. O município também não havia constituído outra exigência: a instância de controle social do Bolsa Família.

A falta de controle da frequência de alunos é outro problema presente em boa parte dos municípios. Em Jaguaribara (CE), alguns filhos de aluno não eram sequer matriculados em escolas.

CGU explica

Em nota encaminhada ao UOL, a CGU informou que os cadastros dos beneficiários do Bolsa Família devem ser fiscalizados por amostragem pelos municípios, uma vez que as informações lá contidas são autodeclaratórias e passíveis de fraudes.

Segundo a CGU, as pessoas que solicitam o benefício assinam um termo de confirmação das informações prestadas, mas não têm obrigação de apresentar documentos que comprovem os dados.

“Os municípios têm a obrigação de verificar as informações coletadas de pelo menos 20% das famílias cadastradas por meio de visita domiciliar, a fim de avaliar a fidedignidade dos dados coletados nos postos de atendimento”, informou.

A CGU lembrou que a gestão do programa, porém, é descentralizada e deve ser compartilhada entre a União, estados, Distrito Federal e municípios. “Os entes federados devem trabalhar em conjunto para aperfeiçoar, ampliar e fiscalizar a execução do Programa”.

Falhas

A CGU informou que, para sanar as falhas constatadas, são formuladas recomendações ao Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, “o qual atua junto aos municípios quando necessário.” Muitas das recomendações foram publicadas em relatório no ano passado.

Sobre o controle e fiscalização dos municípios, a CGU ressalta que “a principal forma de controle sobre a gestão municipal, estabelecida pela legislação do Programa, é a atuação das Instâncias de Controle Social, responsáveis pela fiscalização e acompanhamento local”. Muitos dos municípios investigados não tinham essas instâncias.

Sobre o controle da frequência escolar e do cumprimento da condicionalidade da saúde, a CGU disse que ela é responsabilidade dos municípios.

Leia Mais

Casais que se conhecem pela internet se divorciam menos

Segundo estudo, pessoas que procuram um parceiro em sites de relacionamento estão mais dispostas a assumir um compromisso. Isso pode ajudar a explicar a diferença

Pesquisa: enquanto 8% das pessoas que conheceram o companheiro off-line se separaram, esse número foi de 6% para quem conheceu o cônjuge online (Thinkstock)
Pesquisa: enquanto 8% das pessoas que conheceram o companheiro off-line se separaram, esse número foi de 6% para quem conheceu o cônjuge online (Thinkstock)

Publicado na Veja on-line

Conhecer o marido ou a mulher pela internet é algo cada vez mais comum. Nos Estados Unidos, um estudo recente sobre o assunto mostrou que mais de um terço dos casamentos começa na internet. E, segundo a pesquisa, esses relacionamentos têm vantagens: são mais satisfatórios e terminam menos em divórcio do que os outros.

O trabalho, publicado nesta semana no PNAS, periódico da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos, foi financiado pelo eHarmony, um dos sites de relacionamento mais famosos do país. Os autores — que são especialistas das universidades americanas de Chicago e Harvard — afirmam, no entanto, que foi feito um acordo prévio com a empresa, que não poderia interferir nos resultados, e os dados foram verificados por pesquisadores independentes.

Participaram do estudo 19.131 pessoas que se casaram entre 2005 e 2012. Os resultados mostraram que os casamentos que começaram online tinham uma chance um pouco menor de acabar em divórcio: enquanto 8% das pessoas que conheceram o companheiro off-line se separaram, esse número foi de 6% para quem conheceu o cônjuge online. De acordo com os autores, essa diferença é “pequena, mas significativa”. O estudo também mostrou um pequeno aumento na satisfação com o casamento para quem se conheceu pela internet.

Circunstâncias – A pesquisa analisou as diferentes formas pelas quais as pessoas se conhecem fora do mundo virtual. Parceiros que se conheceram na escola ou cresceram juntos apresentaram os maiores níveis de satisfação conjugal. Já os locais associados aos piores níveis de satisfação foram bares e baladas, o trabalho e “encontros às cegas”.

No mundo virtual, conhecer o parceiro por meio de sites de relacionamento traria maior satisfação, enquanto comunidades e salas de bate-papo apresentaram resultados piores.

Segundo os autores, o fato de casamentos online serem bem-sucedidos pode estar relacionado à personalidade de quem busca sites de relacionamento – essas pessoas podem, por exemplo, estar mais decididas a assumir um compromisso. Outra explicação possível seria o fato de que pessoas que procuram parceiros online estão expostas a uma gama maior de opções, podendo assim ser mais seletivas.

“O futuro de um casamento é influenciado por diversos fatores. O local onde uma pessoa conhece seu parceiro é apenas um desses fatores, e seus efeitos são considerados pequenos e não valem para todos”, escrevem os autores. Para eles, os resultados do estudo são encorajadores, levando-se em conta as mudanças que estão acontecendo na maneira como as pessoas conhecem seus parceiros.

Leia Mais