Arquivo da tag: mulheres

‘Feminismo não é uma guerra entre homens e mulheres’

Naomi

Nana Queiroz, no BrasilPost

Naomi Wolf é uma das maiores pensadoras vivas da terceira onda do feminismo. No sábado, tive um delicioso (e polêmico) encontro com ela, no qual ela me falou de uma visão de feminismo em que cabem homens e mulheres. Vejam a nossa conversa.

Você acredita que existam roupas vulgares?
Nós vivemos em um mundo mergulhado na pornografia e em que o corpo da mulher está em todo canto. Mas ninguém tolera que as mulheres ganhem o poder sobre o próprio corpo e digam: “Meu corpo não é erótico, ele é o que eu quiser que ele seja!”

Sou uma libertária, cresci em São Francisco! Era muito comum que homens gays andassem com calças de couro e furos atrás que deixavam seus bumbuns totalmente expostos. Não era nenhum fator de desestabilização social, eles não incomodavam ninguém, apenas expressavam sua moda. Ninguém nunca disse que isso era uma desculpa para abusar sexualmente deles. As pessoas deviam ser livres para se vestir como quisessem. Claro, há limites, como não fazer sexo na frente de crianças ou ver pornografia com elas. Mas, com o mínimo de bom-senso, é possível ter uma liberdade imensa ao se vestir.

Você acredita na existência de homens feministas?
Claro, fui criada por um e casei com outro. Como não poderia haver homens feministas? Se acredita no tipo de feminismo em que acredito — que é apenas uma extensão lógica da democracia, ou seja, todos merecem os mesmos direitos –, não é uma coisa de gênero, só inclui prestar atenção à situação especial da mulher e se importar com seu bem-estar e equidade.

Você tem algumas críticas à segunda onda do feminismo…
Primeiro, tenho que celebrá-las. A segunda onda do feminismo foi a que mais trouxe conquistas para as mulheres na história de nossa espécie – e em muito pouco tempo. Só temos mulheres presidentes hoje graças a elas.

Mas já criticou a visão que elas têm dos homens.
Sim. Todo movimento precisa de críticas para crescer, principalmente, porque os tempos mudam. As feministas da segunda onda acreditavam que o feminismo era uma oposição aos homens. Eu rejeito isso. Feminismo é uma questão humana, não é uma guerra entre homens e mulheres. Às vezes, também criam imagens de mulheres como anjos inocentes e homens como bestas predadoras. Essa ideologia foi inventada no século 19 e é muito perigosa. Essa visão vitimiza as mulheres e está afastando os homens; eles sentem que não há um lugar para eles nessa luta.

É possível ser de direita e ser feminista?
Sim. Você pode ser militar e ser feminista, pode ser a favor do livre mercado ou empresária e ser feminista. A mídia quer que acreditemos que o feminismo é uma linda festa de verão em que todas temos que ser grandes amigas. Feminismo não é uma festa. O feminismo também não dita regras sobre suas visões políticas. Temos que amadurecer e entender o que é “afiliação parcial”. Isso é uma estratégia para trabalhar o que o grupo tem em comum e deixar de fora questões que não cabem ao tema. Depois, fora do grupo, podem brigar à vontade sobre as outras questões.

 

Jimmy Carter: ‘Jesus Cristo era o campeão dos direitos das mulheres’

Ex-presidente americano, que acaba de lançar mais um livro, fala de agressão às mulheres, racismo, republicanos e da atração fatal dos EUA pela guerra

título original: Carter abre o jogo

David Daley, no SALON [via Estadão]

'Nossas universidades inibem as estudantes de denunciar estupros' (foto: Navesh Chitrakar/Reuters)

‘Nossas universidades inibem as estudantes de denunciar estupros’ (foto: Navesh Chitrakar/Reuters)

O novo livro de Jimmy Carter, A Call to Action, é uma adição corajosa à biblioteca de aproximadamente duas dezenas de livros que o ex-presidente dos EUA escreveu após seus anos na Casa Branca. O livro tem por subtítulo Women, Religion, Violence and Power, e Carter aborda sem medo os assuntos mais polêmicos: agressão sexual em câmpus universitários e meios militares; líderes religiosos que usam textos sagrados para justificar a opressão; penas de prisão punitivas contra pobres e minorias sociais; guerras com drones e operações militares intermináveis americanas.

Numa conversa breve, mas abrangente, falamos sobre muitos desses tópicos – mas também sobre a guerra republicana contra as mulheres; as críticas do presidente Barack Obama que ecoam críticas de seu próprio governo; e sobre como seu neto, Jason, poderá reverter a evasão de homens sulistas brancos para o Partido Republicano. Perguntado sobre a razão para os homens brancos optarem pelos republicanos, Carter, de 89 anos, foi inequívoco: “É raça”. Sobre outros tópicos, em especial sobre a Fox News e a guerra republicana às mulheres, as repostas de Carter foram igualmente diretas, porém mais surpreendentes. Espere só para ouvir sua resposta sobre slut-shaming (expressão usada com o intuito de intimidar e perseguir mulheres de comportamento ou visual sexualmente desinibido).

O sr. diz no livro que ‘há um abismo inevitável entre os líderes que escrevem e administram as leis criminais e as pessoas que lotam as prisões’. Que papel acha que a raça desempenha na perpetuação desse abismo?

As estatísticas ainda mostram que a raça faz uma grande diferença. Afro-americanos e hispânicos não só são comparativamente mais atingidos pela pobreza como são muito mais passíveis de serem presos do que outras pessoas. Desde que saí da Casa Branca, 800% mais mulheres negras estão encarceradas. A maioria das pessoas que estão na prisão por um longo período de tempo são hispânicos, negros ou mentalmente deficientes. A conclusão é que, considerando as pessoas que escrevem as leis, administram as leis e as aplicam, as demais são excluídas de qualquer tratamento igualitário no sistema de Justiça.

Seu texto também bate duro numa cultura de agressão sexual em câmpus universitários, observando estatísticas de que 95% das estudantes sexualmente agredidas permanecem em silêncio.

É verdade. Elas não denunciam. É algo que me choca muito.

Será pela maneira como a mídia cobre a questão, a forma como o sistema judicial funciona ou o extremismo do debate político em torno do tema?

Não é extremismo. É que as mulheres são desencorajadas de denunciar. E isso é feito por bem intencionados e esclarecidos presidentes de universidades, e reitores de faculdades também. Eles não querem repercussões negativas para seus câmpus ou universidades – veja a Universidade Duke ou a Emory, onde leciono, ou Harvard ou Yale. Eles querem que a universidade tenha um atestado de saúde no que toca à agressão sexual. E advertem as garotas de que, quando a pessoa denuncia o estupro, ela será posta no banco das testemunhas e será obrigada a falar sobre as circunstâncias mais embaraçosas. “Que tipo de calcinha você usava? Você dá beijo de língua? Tem um histórico carregado de encontros com rapazes?” É muito embaraçoso. Aliás, perguntaram a uma guarda-marinha na Academia Naval no banco das testemunhas sobre a largura com que abria a boca enquanto fazia sexo oral nos jogadores de futebol americano que a estupraram. Também convencem a garota de que o rapaz, faça ele o que fizer, provavelmente não será condenado – particularmente se for branco. Ele alegará que a moça estava interessada em sexo consensual, usava roupas provocantes e parecia querer fazer sexo. Ou que estava bebendo.

O sr. é provavelmente o primeiro presidente a mencionar abertamente esse tema num livro. Está familiarizado com a expressão “slut-shaming”, que joga um papel importante na discussão sobre agressão sexual?

Já a ouvi, mas não creio que possa lhe dar uma definição exata, ou usá-la numa sentença (risos).

É um método pelo qual pessoas tentam jogar a culpa de estupro e agressão sexual na vítima. Ou uma maneira de aviltar mulheres como Sandra Fluke, que veio a público para falar em defesa da cobertura contraceptiva e saúde reprodutiva e acabou denunciada como prostituta por Rush Limbaugh no rádio, diante de toda a nação.

É o que acontece. Por isso eu menciono um relatório do Departamento de Justiça americano segundo o qual metade dos estupros em câmpus universitários é perpetrada por estupradores em série. Porque ali eles percebem que podem continuar com isso, e o fazem repetidamente. Por que alguma universidade desejaria manter esse tipo de estudante no câmpus? Eu simplesmente não compreendo. O mesmo acontece no meio militar. Estive na Marinha por muito tempo, em submarinos, por isso eu sei. Oficiais de uma companhia, de um batalhão ou de um navio não querem admitir que esse tipo de coisa ocorra sob o seu comando.

callOuvimos o ex-governador republicano Mike Huckabee falar de como as mulheres não conseguem controlar sua libido, o congressista Todd Akin falando de ‘estupro legítimo’ e o concorrente ao Senado Richard Mourdock defendendo que gravidez resultante de estupro é uma intenção de Deus. Uma posição contra a mulher parece inscrita na plataforma do Partido Republicano, é isso?

Apesar de haver extremistas nos dois lados, eu não gostaria de afirmar que os democratas são pela proteção das mulheres e os republicanos não.

Em geral, não se ouve esse tipo de conversa do lado democrata.

Há maridos democratas que abusam de suas mulheres e há presidentes de empresas democratas que pagam às mulheres 23% menos do que pagam aos homens. De modo que há abusos em ambos os lados.

O sr. claramente condena a rapidez com que os EUA recorrem à ação militar. Escreve que, ‘mais do que qualquer nação no mundo, os EUA estiveram envolvidos em conflitos armados e usaram a guerra como meio para resolver disputas’.

Isso é fato, e eu enumero algumas das guerras. Menciono 10 ou 15, mas poderia citar mais 10 ou 15.

O sr. é especialmente crítico de nossas guerras com drones, e com o fato de pessoas inocentes serem mortas quase como danos colaterais. Será que nós americanos nos vemos como realmente somos? E como o resto do mundo nos percebe?

O restante do mundo, quase unanimemente, vê os EUA como o militarista-mor. Recorremos ao conflito armado num piscar de olhos – e com muita frequência isso não só é desejado pelos líderes de nosso país como também é apoiado pelo povo americano. Também retrocedemos para um grau terrível de punição de nosso povo em vez de trazê-lo de volta à vida. E isso significa que temos 7,5 vezes mais pessoas presas do que quando deixei o governo. Somos o único país entre os membros da Otan que tem a pena de morte; e isso é mais uma mancha sobre nós no que diz respeito à violência injustificável, desnecessária e contraproducente.

John Kerry foi ao programa Meet the Press depois das ações russas na Crimeia e disseque ‘este é o século 21, não se pode mais simplesmente invadir outro país’. Penso que muitos de nós disseram que foi exatamente isso que fizemos no Iraque em pleno século 21…

Correto, Fizemos. Fazemos isso o tempo todo. Isso é Washington. Infelizmente.

Uma das críticas ao presidente Obama é também algo que foi dito com frequência sobre o governo do sr.: que ele não ‘socializa’ o suficiente em Washington, que republicanos não são convidados para coquetéis na Casa Branca, etc. As coisas seriam realmente diferentes para o presidente Obama se ele tivesse republicanos na Casa Branca?

Não creio que alguém tenha colocado mais republicanos na Casa Branca do que eu – talvez não para coquetéis, mas para ajudar a rascunhar leis, preparar ações congressionais úteis e convencê-los a votar em meus projetos de lei. Aliás, tive melhor média de resultados positivos com o Congresso, tanto democrata como republicano, do que qualquer presidente desde a 2ª Guerra, exceto Lyndon Johnson. Foi preciso um esforço heroico de minha parte para conseguir que dois terços do Senado votassem pelo tratado do Canal do Panamá. Foi a votação mais corajosa que o Senado já fez.

O sr. foi eleito governador e presidente como um democrata sulista branco, segmento da população que desertou do Partido Democrata. Em alguns Estados sulistas deve haver atualmente 30% de homens com esse perfil apoiando os democratas. É com isso que seu neto Jason lida agora, ao concorrer para governador da Geórgia. A economia se agrava, a desigualdade só piora e a resposta de homens brancos no Sul é apoiar o ‘partido do 1%’. A questão é raça? Gênero? Medo?

É raça. Raça. Isso vem prevalecendo no Sul, exceto que, quando concorri, eu consegui cada Estado sulista, menos a Virgínia. Desde que Nixon concorreu, os republicanos solidificaram seu domínio ali. E mesmo este ano, como deve saber, os republicanos fizeram uma proposta para instituir uma placa de carro da Geórgia exibindo uma bandeira confederada. É esse tipo de coisa: o apelo para pessoas mais ricas, que são quase sempre brancas, e o aviltamento das pessoas que recebem cupons de alimentação, com muita frequência pessoas pobres. Mais a alegação de que as pessoas que vão para a cadeia são simplesmente culpadas, quando elas são principalmente negras, hispânicas e mentalmente doentes. Esse tipo de coisa só exalta a classe superior, que são os brancos. Eles traçam uma linha divisória racial sutil, porém muito efetiva, por todo o Sul do país.

Que papel acha que a Fox News desempenhou na exacerbação das divisões políticas, em prejuízo de nossa capacidade de chegar a um consenso nessas questões complicadas sobre as quais o senhor falou? A Fox instiga o medo ou a animosidade racial?

A CNN foi fundada quando eu era presidente e achei que ela era a proposta mais satisfatória para o mundo todo. Agora penso que a mídia noticiosa está fragmentada. Acho que a Fox News pende muito para o lado republicano e conservador, e que a MSNBC pende muito para o outro lado – o que está muito bem para mim. Cada um assiste ao que quer. Creio que a CNN tenta ocupar uma posição intermediária e muitas vezes sofre financeiramente por isso. Mas não tenho críticas: a imprensa é livre.

E os líderes religiosos que o sr. discute, de todas as fés, que interpretam textos religiosos de maneira a encorajar a submissão e a opressão das mulheres? Acredita que essa seja uma leitura deliberadamente enganosa dos textos por parte deles ou eles chegam honestamente a essas interpretações?

Eles realmente encontram esses versículos na Bíblia. Como sabe, se percorrer o Novo Testamento, o que faço todos os domingos, posso encontrar versículos escritos por Paulo que dizem às mulheres que não deveriam falar na igreja, não deveriam ir enfeitadas à igreja, e assim por diante. Mas também encontro versículos do mesmo Paulo dizendo que todas as pessoas são iguais aos olhos de Deus. Que homens e mulheres são o mesmo: amos e escravos são o mesmo; e judeus e gentios são o mesmo. Não há diferença entre pessoas aos olhos de Deus. E também sei que Paulo escreveu o 16º capítulo de Romanos para aquela igreja e apontou cerca de 25 pessoas que haviam sido heroicas em cada igreja primitiva – e cerca da metade delas eram mulheres. Portanto, é possível encontrar versículos de vários lados, mas no que trata de Jesus Cristo, ele era unanimemente e sempre o campeão dos direitos das mulheres. Na verdade, ele foi o mais destacado defensor dos direitos humanos que viveu em seu tempo e acho que não houve ninguém mais comprometido com esse ideal do que ele.

Quando olha para o mundo e para a história, para guerras que foram travadas em nome da religião, e da subjugação e violência que continuam hoje, pesando também os heroicos líderes de direitos humanos, muitos deles figuras religiosas transformadoras, a religião tem sido, no conjunto, positiva ou negativa para o mundo?

Acredito que tem sido positiva, porque religiões básicas como islamismo, cristianismo, judaísmo e também budismo e hinduísmo, todas têm uma premissa primordial de paz, justiça, compaixão, amor, etc. Se nos prendermos a esses princípios básicos, penso que a religião é benéfica.

dica da Karen Souza

‘O Deus de Israel não gosta de covardes’

noe-2014título original: Nôach

Luiz Felipe Pondé, na Folha de S.Paulo

O Deus de Israel não gosta de covardes. Homem, mulher, criança, todos são chamados à coragem, à dor e a tomar decisões difíceis.

Noé (Nôach), foi um desses heróis. Erich Auerbach, no seu “Mímesis”, afirma que Deus testa seus heróis e heroínas, levando-os ao limite do insuportável, para que, sobrevivendo ao teste, descubram por que foram eleitos. Deus funda, assim, a ideia de autoconhecimento na literatura ocidental.

“E os que vieram, macho e fêmea, de toda criatura vieram, como Deus lhe havia ordenado; e o Eterno o fechou para protegê-lo. E foi o dilúvio quarenta dias sobre a terra, e multiplicaram-se as águas, e alcançaram a arca, e levantou-se de sobre a terra” (Gênesis, 7; 16-17, edição hebraica).

O filme “Noé”, de Darren Aronofsky, é sobre eleição. “Eleição” é um conceito, muitas vezes, pouco compreendido pelo mundo contemporâneo, maníaco por felicidade “projetos do self” e sucesso.

Os eleitos pelo Deus de Israel só têm problemas; a solidão os assola, o medo e o sofrimento os persegue. Erich Auerbach entende muito mais de “eleição” na literatura israelita do que muito rabino, pastor e padre por aí, obcecados por vender autoajuda espiritual. “Dificilmente, um deles não sofre, como Adão, a mais profunda humilhação…”, afirma Auerbach.

O diretor do filme, faz licenças poéticas, e algumas delas (não tenho como saber o quão consciente ele estava quando as fez) muito sofisticadas, levando em conta a “dramaturgia” do Velho Testamento, como falam os cristãos quando se referem à Bíblia hebraica.

Uma delas, muito pontual, é o uso da pequena tira de couro que o pai de Noé, e depois o próprio, enrola no braço: uma referência direta ao “tefilin” (filactério). A palavra hebraica tem sua raiz em “tefilá”, que significa prece. Hoje, ela “virou” um cordão de couro ligado a duas caixinhas que o judeu amarra daquele jeito e também na cabeça (é bem maior do que mostra o filme).

Uma das preces ali contidas é o famoso “Shemá Israel”, a qual lembra aos judeus que Deus é um só: “Shemá Israel, Adonai eloheinu, Adonai echad” (Ouve Israel, Adonai é nosso D’us, Adonai é Um”), na tradução feita pelo movimento religioso judaico Chabab.

Outra liberdade de roteiro está na longa discussão acerca das mulheres e da infertilidade da personagem que casará com Sem, filho mais velho de Noé. Na narrativa bíblica sobre o dilúvio não existe esta controvérsia que domina o filme. Sem, Cam e Jafé, filhos de Noé, já entram na arca com suas mulheres.

Mas, se para o homem bíblico o drama é o coração reto que serve a Deus, para a mulher, o drama é a fertilidade. Muitos criticam esse enfoque porque entendem que o homem tem um drama moral acerca da liberdade da vontade (tema muito bem trabalhado no filme) e a mulher tem um drama “fisiológico”, portanto, alheio à liberdade.

Mas, ao enfrentar o mal da infertilidade e ao ser objeto de milagre (como no filme e em vários casos na Bíblia), a mulher revela sua vocação de ser a (desesperada) terra (in)fértil onde Deus deixa sua marca.

O medo da infertilidade no mundo semítico antigo acompanha muitas heroínas, como Sara, mulher de Abraão, e Rachel, mulher preferida de Jacó (mais tarde, chamado Israel, pai das 12 tribos).

O profeta Isaías, 54:1-55:5, compara as agonias e posteriores alegrias da mulher infértil (ou desamparada ou solitária) às águas de Noé: “Canta, ó estéril que não deste à luz; rompe em cânticos, e clama com alegria, tu que não tiveste dores de parto; porque mais serão os filhos da mulher solitária do que os da casada, diz o Eterno”.

Adiante, o profeta compara a promessa de Deus a Noé, de que não mais lançará águas sobre a face da terra, com a promessa feita à infeliz de que Ele não terá mais ira contra sua revolta nem a repreenderá.

Sabe-se que Deus escolhe Rachel como a que “amolece” Seu coração, quando Ele fica irritado com o povo israelita. Está aí o mistério da dor feminina que encanta até o Eterno.

Quando você ouvir alguém dizer que a Bíblia é um livro bobo, saiba que você está diante de um ignorante. Boa semana.

12% dos paulistanos concordam com ataque a mulher com roupa sensual

Elvis Pereira e Lívia Sampaio, na Folha de S.Paulo

Doze por cento dos moradores de São Paulo concordam total ou parcialmente com a triste ideia de que mulheres com roupas provocantes devem ser atacadas. O resultado consta de pesquisa do Datafolha, encomendada pela sãopaulo, com a população da capital.

Apesar de bem inferior aos 26% apresentados pelo tão falado levantamento do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), os resultados não podem ser comparados, pois um abrange a cidade de São Paulo e o outro, o país.

A polêmica foi grande porque, ao divulgar os resultados, o Ipea inverteu gráficos e apresentou dados errados. Inicialmente, foi divulgado que 65,1% dos brasileiros concordavam total ou parcialmente com a frase: “Mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas”. Passados oito dias, o instituto anunciou que o número correto era 26%.

No meio tempo, uma jornalista organizou o protesto on-line #nãomereçoserestuprada. A emissora britânica BBC divulgou a discussão e a presidente Dilma Rousseff (PT) saiu em defesa dela, pedindo respeito às mulheres.

Além do número errado, surgiram questionamentos em torno da metodologia adotada pelo Ipea, como o fato de a proporção de mulheres ouvidas (66,5% da amostra) superar a da população do país (51%). O mesmo ocorreu em relação ao número de idosos.

O Ipea afirmou que “todas as pesquisas domiciliares probabilísticas tendem a obter amostras com percentuais de respondentes idosos e mulheres superiores aos da população”. E que todas as metodologias de pesquisa estão sujeitas a possíveis melhoramentos.

MAIORIA

A pesquisa do Datafolha, feita no dia 7 de abril com 798 moradores maiores de 16 anos, revelou outros dados. A margem de erro é de quatro pontos percentuais, para mais ou para menos.

Mais da metade dos moradores, 53% deles, já sofreu algum tipo de assédio sexual —físico, a exemplo de “encoxadadas”, ou verbal, como cantadas. O número é maior entre as mulheres: 63%.

Segundo Mauro Paulino, diretor-geral do Datafolha, é importante relativizar o que as pessoas entendem por assédio. “Pode ser desde uma cantada de rua até agressão física.”

Outro ponto destacado por Paulino é que a discussão da sociedade acerca da pesquisa do Ipea pode ter influenciado as respostas dadas ao Datafolha. “Houve uma grande repercussão tanto antes quanto após a divulgação do erro. Isso, de fato, pode direcionar as respostas.”

Ao serem questionados se os trens deveriam ganhar um vagão exclusivo para mulheres nos horários de pico, 73% dos paulistanos revelaram ser favoráveis à medida. O vagão feminino é adotado, por exemplo, no Rio e no Distrito Federal.

Trens no Rio de Janeiro contam com vagão só para mulheres desde 2006 (foto: Alexandre Campbell/Folhapress)

Trens no Rio de Janeiro contam com vagão só para mulheres desde 2006 (foto: Alexandre Campbell/Folhapress)

As mentiras que eles (e elas) mais contam

Pesquisa mostra quais são as falsidades que costumam embalar os relacionamentos amorosos dos brasileiros

CONQUISTA O dançarino Euler Consolli Gabarita no ranking de mentiras: costuma dizer quase todas

CONQUISTA
O dançarino Euler Consolli Gabarita no ranking de mentiras:
costuma dizer quase todas

Raul Montenegro, na IstoÉ

Numa sexta-feira de 2012, a então universitária Joana Santos, hoje com 23 anos, recebeu do namorado a notícia de que os dois não poderiam se ver naquela noite. “Ele falou que tinha uma coisa séria para resolver. Eu adorei, porque aí poderia cair na balada”, diz a jovem, que trabalha na área de recursos humanos de uma empresa de telefonia. Horas depois, Joana deu de cara com o parceiro na porta de uma festa. “Comecei a brigar e soltei a minha mentira: disse que fui até lá porque me alertaram sobre a escapada dele”, lembra, rindo. Festeira assumida, Joana costuma mentir para os namorados quando quer sair. “Já disse, por exemplo, que ia a um velório. Uma boa opção para justificar a cara de quem passou a noite inteira acordada”, afirma a jovem, sem um pingo de arrependimento.

ESTRATÉGIA Joana Santos nunca diz que mora na periferia, e também já inventou velórios para ir a festas

ESTRATÉGIA
Joana Santos nunca diz que mora na periferia,
e também já inventou velórios para ir a festas

Quem passou por um relacionamento, certamente, já contou e ouviu uma mentira, inocente ou não. Baseado nessa constatação, um dos maiores sites de relacionamentos do País, o Par Perfeito, fez uma pesquisa com milhares de homens e mulheres para descobrir quais as falsidades mais proferidas entre os casais. A partir daí, estabeleceu um ranking com as campeãs de audiência. Entre as mais ditas por elas, a liderança fica com o local de residência. De acordo com o levantamento, 33% delas já enganaram alguém a respeito disso. Joana faz parte dessa estatística. “Sempre minto onde moro. Tenho medo de falar porque homem é meio psicopata. Também sinto vergonha do meu bairro, porque aqui é periferia”, diz ela, que mora no Jardim Ângela, zona sul da capital paulista. Para o psiquiatra especialista em sexualidade Jairo Bouer, essa inverdade serve para as pessoas esconderem quem são e tentarem se preservar fisicamente e emocionalmente. “É uma questão de segurança e também insegurança”, afirma.

FINAL FELIZ Mais novo, engenheiro Raphael Lages mentiu a idade para a companheira - e, graças a isso, se casou com ela

FINAL FELIZ
Mais novo, engenheiro Raphael Lages mentiu a idade
para a companheira – e, graças a isso, se casou com ela

Inventar que não está comprometido é a campeã entre os homens – 24% já usaram esse artifício para se aproximar de uma pretendente. Solteirão convicto, o professor de dança Euler Consoli, 37 anos, de Osasco, na Grande São Paulo, lembra que usou a história cerca de oito vezes em seu último e mais duradouro relacionamento – que acabou há uma década e durou pouco menos de um ano. “Eu não era a pessoa mais fiel do mundo. Mentia que não estava namorando porque é chato dizer a verdade”, diz. Ele prefere não falar em mentiras, mas em “omissões”. Consoli costuma omitir, por exemplo, que fica com amigas em comum, um de seus esportes de conquista prediletos. Mas sua inverdade preferida é sobre o número de aniversários festejados. “A maioria das pessoas diz que eu não aparento a minha idade. Então, sempre pergunto quantos anos a menina acha que eu tenho. A resposta dada sempre será a correta.” Inverdades sobre o tempo de vida ganham a medalha de prata entre mulheres e homens: 30% delas e 23% deles já disseram ser mais novos ou mais velhos do que realmente são.

ment4

O engenheiro Raphael Lages, que trabalha no setor de defesa de uma multinacional brasileira, tinha 21 anos quando conheceu a médica anestesista Alessandra Bittencourt, então com 24. “Não acho uma grande diferença, mas meus amigos começaram a fazer piadas dizendo que eu era muito novo. Por causa desse terrorismo, chegamos à conclusão de que eu teria de mentir minha idade”, afirma Lages. Foram mais de três meses de deboche dos conhecidos. “Eles se divertiam perguntando quantos anos eu tinha na frente dela.” Quando Raphael não aguentou mais esconder e contou, sua então namorada admitiu que o teria dispensado caso soubesse a verdade desde o início. “Graças àquela mentira nós estamos casados, morando na França, e nossa primeira filha, Beatriz, acaba de nascer.”

Segundo estudiosos, inverdades sobre idade e local de moradia são realmente mais fáceis de serem contornadas. Outras, nem tanto. “Se entendemos que aquilo tem mais a ver com as emoções do mentiroso do que conosco, substituímos por pena, compaixão e compreensão. Mas, até passar a raiva, ninguém consegue perdoar”, diz Sergio Senna Pires, doutor em psicologia pela Universidade de Brasília (UnB). Para especialistas, as lorotas acontecem mais no começo dos relacionamentos. “Nessa fase, você quer vender um peixe que não é realmente”, afirma Bouer. Na internet, isso normalmente é potencializado. “Já frequentei muitos sites de namoro na minha adolescência. Lá, eu inventava tudo”, revela Joana. Estudiosos veem a mentira como um lubrificante social, mas alertam para exageros. “Ela entra na nossa vida pela porta dos fundos.”

dica da Karen Souza