Humanos têm mais empatia por cães maltratados do que por outros humanos

filhotes-cachorros-fofinhos-Not1

Publicado por EFE [via UOL]

As pessoas têm mais empatia pelos cães maltratados do que pelos humanos adultos, essa é uma das conclusões de um estudo divulgado neste sábado (10) na Reunião Anual da Associação Sociológica Americana.

“Ao contrário do que se imagina, não é que necessariamente o sofrimento animal nos comova mais que o humano”, explicou Jack Levin, professor de sociologia e criminologia da Universidade Northeastern e autor do estudo.

“Nossos resultados indicam uma situação muito mais complexa a respeito da idade e da espécie das vítimas, sendo a idade o componente mais importante”, acrescentou.

“O fato é que as vítimas de crimes que são humanos adultos recebem menos empatia do que as crianças, os filhotes e os cães adultos que são vítimas de abuso ou crimes. Isso indica que os cachorros adultos são vistos como dependentes e vulneráveis, tais como seus filhotes e como as crianças”, explicou Levin.

Em seu estudo, Levin e o coautor Arnold Arluke, outro professor da Universidade de Northeastern, consideraram as opiniões de 240 homens e mulheres, com idades entre 18 e 25 anos.

Na elaboração da pesquisa, os participantes receberam, ao acaso, quatro artigos fictícios sobre abusos de criança de um ano de idade, um adulto de 30 anos, um filhote e um cachorro de seis anos de idade.

As histórias eram idênticas, exceto pela identificação da vítima. Depois que os participantes leram o artigo, os pesquisadores pediram que os mesmos qualificassem seu grau de empatia em relação à vítima.

“Nos surpreendeu a interação de idade e espécie”, indicou Levin em sua apresentação. “A idade parece ser mais relevante que a espécie quando se trata de obter empatia. Aparentemente, se considera que os humanos adultos são capazes de se proteger, enquanto os cachorros adultos são vistos como filhotes maiores”.

A diferença entre a empatia despertada pelas crianças e pelos filhotes de cachorro foi insignificante estatisticamente.

Apesar do estudo ter se baseado na relação entre humanos e cachorros, Levin acredita que as conclusões seriam similares no caso de gatos.

“Cachorros e gatos são animais de estimação e costumam fazem parte da família. São animais aos quais muitas pessoas atribuem características humanas”, concluiu

Leia Mais

Província indonésia proíbe contratação de secretárias bonitas

foto: dreamstime.com
foto: dreamstime.com

Paula Regueira Leal, na EFE [via UOL]

Jacarta, 9 ago (EFE).- Os altos cargos públicos da província indonésia de Gorontalo não vão poder contratar mulheres jovens ou atraentes como secretárias para evitar o adultério no ambiente de trabalho, de acordo com uma legislação aprovada recentemente pelas autoridades da província.

O governador de Gorontalo, Rusli Habibie, declarou que a iniciativa pretende fazer com que os funcionários em cargos de direção se centrem em suas funções e assim diminua o grande número de infidelidades que acontecem durante o expediente.

Em Gorontalo, uma província na ilha de Célebes que conta com mais de um milhão de habitantes, o governador constatou que os chefes “compram presentes e lembranças em suas viagens oficiais para elas (suas secretárias), mas não trazem nada para suas mulheres”.

“Recebi relatórios sobre chefes de departamento flertando com suas secretárias”, denunciou o governador, e lamentou que os adúlteros se comportem com elas “melhor que com suas próprias esposas ou com seus filhos”. “Por isto, ordenei que substituíssem as secretárias femininas por homens ou por mulheres mais velhas que já não sejam atraentes”, disse o dirigente.

Habibie solicitou à administração provincial que confeccione uma lista de secretárias que trabalhavam ali até agora, já que só as chefes de departamento poderão contratar assistentes do mesmo sexo.

O líder também se dirigiu às secretárias, e reivindicou que se centrem em seus trabalhos e resistam às insinuações de seus superiores, sob ameaça de consequências para aquelas que violarem a nova lei. Habibie acredita que esta “sanção moral” tenha sucesso e seja respeitada por todos os funcionários, embora a medida não conte com o consenso popular.

“A nova regulação culpa basicamente as assistentes mais jovens, que têm menos experiência e, normalmente, não contam com possibilidades de se defender”, explicou à Agência Efe Ribka Triwayuning, uma secretária de Jacarta. Triwayuning disse que, sob seu ponto de vista, “deveriam ser punidos os ocupantes dos altos cargos que se aproveitam da posição de poder para se comportar de modo inapropriado, e não as mulheres que estão trabalhando”.

O governador de Gorontalo promulgou no ano passado uma iniciativa orientada também à fidelidade matrimonial, ao exigir que os 3.200 funcionários homens de sua administração transferissem integralmente seus salários às contas correntes de suas respectivas esposas.

Habibie explicou então que a medida tinha o objetivo de “limitar o número de adultérios”, porque com a nova legislação os maridos não poderiam gastar seu salário escondido de suas mulheres.

O projeto para substituir as secretárias jovens e atraentes coincide com a celebração do Ramadã, o mês sagrado de jejum muçulmano, dedicado tradicionalmente à purificação do corpo ao evitar comer, beber, fumar e manter relações sexuais entre o amanhecer e o pôr do sol.

Oitenta e cinco por cento dos 240 milhões de habitantes da Indonésia professa o Islã, a maioria de modo moderado, embora nos últimos anos alguns setores proponham uma influência mais direta da religião na sociedade.

Assim, por exemplo, se esboçou um novo Código Penal, que ainda depende de aprovação, que castigaria com penas de prisão o adultério e as relações extraconjugais.

Algumas regiões, como a província de Aceh, proibiram as mulheres de andar de motocicleta e a cavalo, ou dançar em público, medidas que não convencem a todos os indonésios.

“Para progredir verdadeiramente, são necessárias mudanças legais que protejam as mulheres”, segundo Lakshmi Puri, diretora-executiva interina da ONU Mulheres, em recentes declarações aos meios de comunicação indonésios sobre os problemas de gênero no país asiático.

“É preciso terminar com a violência e a discriminação, ampliar o horizonte potencial das mulheres e assegurar que lhes seja dado voz e liderança”, afirmou Lakshmi.

Leia Mais

Artista “recria” carro da Fiat usando modelos nuas; assista aos bastidores

Publicado no Bhaz

O artista plástico Craig Tracy, de Nova Orleans, nos Estado Unidos, recriou o Fiat 500 Abarth Cabrio com modelos nuas. Ele pintou cada detalhe do carro nas mulheres para completar sua obra e criar uma ilusão de ótica surpreendente.

Craig se dedica inteiramente às pinturas corporais e abriu a primeira galeria de arte do mundo especializada no gênero. O vídeo com os bastidores da criação do artista foi divulgado pela Fiat norte-americana em seu canal no YouTube no dia 8 de julho. Desde então, a gravação já superou a marca de 750 mil visualizações. Confira:
x

Leia Mais

Twitter reforça ferramentas de denúncias após ameaças contra mulheres

Botão será inserido na versão web e em plataformas móveis

twitter_2094423b

Publicado no O Globo

O Twitter anunciou neste sábado mudanças nas ferramentas de denúncias contra posts ofensivos. O botão para sinalizar conteúdo inadequado, já presente no aplicativo para iPhone, será levado para a versão web e outras plataformas móveis. A medida foi tomada após a empresa ser pressionada por causa de ameaças de morte e estupro contra mulheres publicadas no microblog.

“Eu peço desculpas pessoalmente para as mulheres que sofreram abusos no Twitter”, escreveu Tony Wang, diretor geral do Twitter no Reino Unido, em sua página pessoal na rede. “O abuso que eleas sofreram é inaceitável. Não é aceitável no mundo real, e não é aceitável no Twitter”.

Além da inserção do botão, a filial da empresa no Reino Unido vai ampliar o número de funcionários destacados para a função de avaliar as denúncias.

A onda de mensagens misóginas começou após a ativista Caroline Criado-Perez encerrar com sucesso campanha para levar um rosto feminino para as notas de libra. No dia 24 de julho, o Banco da Inglaterra anunciou que Jane Austen vai substituir Charles Darwin na nota de dez libras.

Caroline começou a ser alvo de diversas ameaças de morte e estupro pela rede social. Dois homens foram detidos acusados de participação no caso, sendo que um deles também é suspeito de ameaçar a congressista Stella Creasy.

Após o anúncio do Twitter, Caroline comemorou as mudanças.

— O processo atual é longo, complicado e impossível de usar se você está sob ataque permanente como eu estive — afirmou.

Leia Mais

Estudo diz que ‘Adão e Eva genéticos’ viveram em épocas próximas

Cientistas rastrearam antepassados comuns aos homens e às mulheres.
Conclusão é de que eles viveram entre 99 mil e 156 mil anos atrás.

Quadro 'Adão e Eva', pintado em 1538 pelo alemão Lucas Cranach l'Ancien. Ancestrais genéticos comuns do homem e das mulheres têm apelido bíblico (foto: Leemage/AFP)
Quadro ‘Adão e Eva’, pintado em 1538 pelo alemão
Lucas Cranach l’Ancien. Ancestrais genéticos
comuns do homem e das mulheres têm apelido
bíblico (foto: Leemage/AFP)

Publicado originalmente no G1

Os ancestrais comuns mais recentes a todos os homens e todas as mulheres modernos viveram quase na mesma época, segundo um novo estudo feito pela Universidade Stanford, nos EUA. Os chamados “Eva mitocondrial” e “Adão cromossomial-Y”, dos quais alguns genes podem ser encontrados em toda a humanidade atual, não são as figuras descritas na Bíblia e nem chegaram a se conhecer.

Apesar disso, novas pesquisas indicam que essa mulher viveu entre 99 mil e 148 mil anos atrás, enquanto o precursor do homem habitou a Terra entre 120 mil e 156 mil anos atrás. Os resultados foram publicados na edição de sexta-feira (2) da revista “Science”.

Segundo o autor sênior Carlos Bustamante, professor de genética em Stanford, trabalhos anteriores indicavam que esse antepassado do homem havia vivido bem antes da mulher, entre 50 mil e 115 mil anos atrás, o que agora foi revisto.

De acordo com a ciência, esse homem e essa mulher não foram um casal, mas tiveram a sorte de passar com sucesso, através dos milênios, partes específicas de seus DNAs, como o cromossomo Y (que determina o sexo masculino, passado de pai para filho) e o genoma mitocondrial (presente nas mitocôndrias, as usinas de energia das células, e transmitido de mãe para filho ou filha).

sso significa que outros ancestrais humanos não tiveram essa sorte, e seus genes acabaram desaparecendo por causa da seleção natural e de um processo aleatório conhecido como deriva genética, que provoca mudanças no DNA de populações ao longo do tempo.

Na opinião do principal autor do estudo, David Poznik, muitos antepassados podem ter morrido por um evento ainda não identificado. “É possível que haja elementos na história demográfica humana que predispuseram essas linhagens a fundir-se em determinados momentos”, explica.

69 homens analisados
Para chegar a essas conclusões, os pesquisadores compararam sequências do cromossomo Y entre 69 homens de nove regiões do planeta, como Namíbia, República Democrática do Congo, Gabão, Argélia, Paquistão, Camboja, Sibéria e México.

Novas tecnologias de sequenciamento genético permitiram que os cientistas identificassem cerca de 11 mil diferenças entre as sequências estudadas. A partir daí, foi possível construir uma “árvore genealógica” mais completa para o cromossomo Y.

Os resultados obtidos apontaram uma taxa anual de mutação do cromossomo Y, após serem ajustados com um evento bem conhecido pela ciência: a ocupação humana das Américas, há 15 mil anos. Isso porque mutações genéticas compartilhadas atualmente por todos os nativos americanos provavelmente existiam desde antes do povoamento das Américas. Paralelamente, eles fizeram uma análise parecida com o DNA mitocondrial, e viram que as duas árvores coincidiam em sua origem.

Segundo os autores, a nova árvore do cromossomo Y também esclareceu algumas relações populacionais, até então desconhecidas, que ocorreram quando os seres humanos migraram para fora da África, Europa e Ásia. Além disso, a árvore é um exemplo da profundidade da diversidade genética presente entre os africanos modernos, destaca a pesquisa.

Leia Mais