Jornalista renomada da Austrália revela que mantém dupla jornada se prostituindo à noite

amanda_boff

 

Publicado no Portal Imprensa

A renomada jornalista Amanda Goff, 40 anos, deixou os australianos surpresos ao revelar que se prostitui. Em entrevista ao jornal espanhol El Mundo, ela disse que à noite usa o pseudônimo “Samantha” e cobra cinco mil dólares pelos serviços sexuais.

Segundo El Nuevo Diario Web, a profissional conta que começou na área trabalhando no bordel “mais seleto” de Sydney, na Austrália. O local seria frequentado por executivos, atletas, empresários e personalidades. Ali, atuam tanto mulheres australianas, quanto de regiões como França ou Espanha. “Trabalham vários meses e voltam para casa com um bom maço de dinheiro”, disse.

Mãe de dois filhos, de sete e cinco anos, Goff afirma ter iniciado a carreira cobrando 450 dólares, mas depois de um ano e meio decidiu se tornar independente. “Deixei o bordel para trabalhar como senhora de empresa privada. Assim, teria que ver menos homens e os cobrava muito mais”, comenta.

No final, a taxa pelo seu serviço rondava na faixa de 800 dólares a hora e cinco mil toda a noite. A confissão da jornalista gerou diversos comentários de toda parte. O ex-marido e os pais da jornalista não reagiram bem à notícia sobre seu segundo trabalho.

“Eu não estou infringindo nenhuma lei, não estou machucando ninguém. Acredito que causava mais danos quando trabalhava como jornalista de tabloides em Londres”, disse, em referência à suas passagens como repórter no Mirror e Sunday People .

Leia Mais

Menor casa do mundo tem 17m² e custa R$ 1 milhão


60a73b718ae3ae1450b8b07bd58f1dee

publicado no Yahoo!

O que você faria se tivesse R$ 1 milhão para investir em um imóvel? Uma das possibilidades é comprar a casa que leva o título de menor mundo, com apenas 17 m². Segundo o jornal britânico The Guardian, a casa fica na disputada Richmond Avenue, em Islington, região norte de Londres.

Para dormir, o proprietário da casa precisará usar a escada em cima da pia (você leu certo) para chegar ao quarto, localizado no mezanino do imóvel. Na sala, apenas algumas almofadas fazem as vezes de sofá. No banheiro, mais aperto: o vaso sanitário fica embaixo do chuveiro. Ou seja, a perda de espaço é a menor possível.

Segundo os corretores imobiliários, imóveis do tipo fazem parte de um conceito chamado hutch living (hutch, em inglês, é poleiro). O preço é justificado pela procura na região; os imóveis mais baratos no bairro custam acima de R$ 3 milhões, por conta dos bares e da vida noturna local. Você viveria numa casa assim para estar perto da badalação?

eded2ca0-392e-11e4-85de-2ba3c4255b37_casa_londres

Leia Mais

Volta ao mundo virtual: os 80 lugares mais incríveis da Terra em apenas 2 minutos

Publicado no Catraca Livre

O Shutterstock reuniu num pequeno vídeo de 2 minutos algumas das muitas maravilhas da Terra. Durante 120 segundos, desfilam pela tela cenas de lugares diversos, exóticos, inusitados, belos e icônicos.

O Rio Amazonas, a ponte Golden Gate, as pirâmides do Egito, a aurora boreal, praias, montanhas, cidades e monumentos são as estrelas desse curta. Dá vontade de arrumar as malas e sair por aí.

Intitulado de “Around the World in 80 Clips” (A Volta ao Mundo em 80 Clips), a montagem é uma verdadeira volta ao mundo virtual, que leva apenas 2 minutinhos para ser completada.

Around the World in 80 Clips from Shutterstock on Vimeo.

Leia Mais

Uma pessoa no mundo comete suicídio a cada 40 segundos, diz relatório inédito da OMS

Brasil é o 8º país com maior número de casos, mas taxa por 100 mil habitantes está abaixo da média mundial

sociedade-suicidios-1

Publicado em O Globo

A cada 40 segundos, uma pessoa comete suicídio em alguma parte do planeta. Cerca de 804 mil se mataram em 2012. Trata-se de uma proporção de 11,4 mortes por 100 mil pessoas (15 entre homens e 8 entre mulheres). O problema é muito mais grave nos países pobres e representa a segunda maior causa de morte entre pessoas de 15 a 29 anos. As informações constam de um relatório inédito sobre suicídio divulgado nesta quinta-feira pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

O relatório “Prevenindo suicídios – um imperativo global” faz parte de uma campanha mundial da OMS para frear o problema. A entidade pretende reduzir as taxas de suicídio em 10% até 2020. Nos países ricos, três vezes mais homens se matam do que mulheres. Nos mais pobres, a proporção cai bastante. Uma mulher morre para cada 1,5 homem. Suicídios são 50% das mortes violentas de homens e 71% entre as mulheres.

75% DAS MORTES EM PAÍSES POBRES

O Brasil é o oitavo país com maior número de casos em números absolutos. Na taxa por 100 mil habitantes, o país é o 113º no ranking com uma taxa de 5,8 por 100 mil habitantes – menos da metade da média mundial, de 11,4. Em 2012, foram registradas 11.821 mortes no país, sendo 9.198 homens e 2.623 mulheres. Entre 2000 e 2012, houve um aumento de 10,4% na quantidade de mortes – alta de 17,8% entre mulheres e 8,2% entre os homens. O país com mais mortes é a Índia (258 mil óbitos), seguido de China (120,7 mil), EUA (43 mil), Rússia (31 mil), Japão (29 mil), Coreia do Sul (17 mil) e Paquistão (13 mil).

A agência de saúde da ONU afirma que 75% dos suicídios acontecem nos países mais pobres ou de renda média, e pede que sejam tomadas providências para reduzir o acesso aos meios mais comuns. Envenenamento por pesticidas, enforcamento e armas de fogo estão entre as principais formas de suicídio, e evidências de Austrália, Canadá, Japão, Nova Zelândia, EUA e Europa mostram que restringir o acesso a estes meios pode ajudar a impedir os suicídios.

O documento constata que os suicídios acontecem no mundo inteiro e em todas as idades. Globalmente, os índices de suicídio são maiores entre pessoas de 70 anos ou mais, mas em alguns países, este índice é maior entre os mais novos. No grupo de 15 a 29 anos, o suicídio é a segunda causa de morte do mundo.

DESCONSTRUÇÃO DE UM TABU

A diretora geral da OMS, Margaret Chan, disse que o relatório foi “um pedido de ação para um grande problema de saúde pública que tem sido encarado com tabu por muito tempo”.

Os governos deveriam fazer planos preventivos, aponta o relatório, que observa que esta medida já foi tomada por 28 países. Em geral, homens se matam mais que mulheres. Em países ricos, numa razão de três para um, com homens de mais de 50 anos sendo os mais vulneráveis.

Em países pobres e de renda média, pessoas jovens e mulheres mais velhas são os mais afetados. E mulheres de mais de 70 anos são mais de duas vezes mais vulneráveis a cometer suicídio que mulheres entre 15 e 29 anos.

Leia Mais

Catadora de antigo lixão de São Gonçalo (RJ) vira modelo internacional e ajuda 15 irmãos

Sandra Passos posa no antigo lixão da Praia da Luz (foto: Fabiano Rocha)
Sandra Passos posa no antigo lixão da Praia da Luz (foto: Fabiano Rocha)

Ricardo Rigel, no Extra

Sabe aquelas histórias de vida que poderiam facilmente se transformar num incrível roteiro de cinema? Daquelas para qualquer espectador se derreter de tanto chorar e ficar de queixo caído pela trama? Assim é a vida da gonçalense Sandra Passos, de 25 anos, modelo internacional, que já desfilou em passarelas importantes do mundo e tornou-se referência de beleza e estilo na China.

Antes de tudo isso acontecer, porém, a menina precisou encontrar seu jantar no lixo. A busca pelo sustento também era a procura por um teto: aos 10 anos, Sandra já havia morado em mais de oito lugares, incluindo o Lixão da Praia da Luz, no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo.

Sandra Passos posa no antigo lixão da Praia da Luz (foto: Fabiano Rocha)
Sandra Passos posa no antigo lixão da Praia da Luz (foto: Fabiano Rocha)

Filha de uma garçonete e de um criador de porcos, a menina simples e de fala doce poderia ter absorvido negativamente o sofrimento que passou na infância, ao lado de 15 irmãos. Mas é com um belo sorriso no rosto que Sandra fala sobre tudo o viveu até conquistar uma posição de destaque no concorrido mundo da moda.

— Costumo dizer que minha vida tinha tudo para dar errado, mas eu consegui reescrever o meu destino. E posso afirmar com todas as letras que só cheguei onde estou hoje porque enfrentei grandes dificuldades, sem me fazer de vítima — ensina a modelo.

Sandra treina os passos de modelo (foto: Fabiano Rocha)
Sandra treina os passos de modelo (foto: Fabiano Rocha)

A transformação começou aos 13 anos, quando Sandra participou de um concurso de beleza promovido por uma loja no Rodo Shopping, no Centro de São Gonçalo:

— Eu era uma garotinha muito magricela, mas a minha mãe sempre sonhou ter uma filha modelo. Como era a mais nova dos filhos, acabei sendo a escolhida para tentar esse caminho. Lembro que um dos jurados era Moisés Karam (descobridor de talentos na moda). Ele me deu nota zero como miss, mas dez como modelo. E prometeu para minha mãe que me transformaria em uma top.

E não é que as palavras de Moisés Karam se concretizaram? Depois de passar por alguns treinamentos, a jovem foi convidada para disputar um concurso de miss na China. E acabou virando a queridinha do mundo fashion oriental.

Sandra Passos posa no antigo lixão da Praia da Luz (foto: Fabiano Rocha)
Sandra Passos posa no antigo lixão da Praia da Luz (foto: Fabiano Rocha)

Mundo de fantasia

Moradora da cidade de Guanhzhou, Sandra conta que nem tudo foi um conto de fadas em sua aventura pela China. A caminho do outro lado do mundo, tinha sonhos e pouco mais de 20 dólares.

— Quando viajei, minha mãe conseguiu esse dinheiro. Mas, assim que cheguei ao Galeão, lembrei que precisava comprar um despertador. O voo teve escala em São Paulo e, depois de um dia inteiro esperando, estava faminta. Comprei um misto quente e fiquei com menos dinheiro ainda… — conta ela, sem demonstrar qualquer tipo de abalo: — Quando vi, estava indo para o outro lado do mundo com uma migalha. Tudo bem que tinha comida no hotel, mas foi um aperto. Depois de um dia inteiro de trabalho na rua, virei para o meu tradutor e perguntei: “Será que com esse dinheiro dá para comprar um biscoito? Porque é tudo o que tenho aqui”. E ele começou a chorar.

Nesta primeira experiência, a bela ficou um ano e meio no exterior. Depois, Sandra foi e voltou mais uma vez. Agora, é contratada de uma agência chinesa e prepara as malas para voltar.

— Aprendi a criar um mundo de fantasia e glamour quando estou na China. Lá eles nem imaginam a história que mora por trás do meu sorriso — diz Sandra: — Mas posso dizer que contei a parte boa, porque a ruim eu me recuso a lembrar que vivi.

Sandra Passos posa no antigo lixão da Praia da Luz (foto: Fabiano Rocha)
Sandra Passos posa no antigo lixão da Praia da Luz (foto: Fabiano Rocha)

Leia Mais