Garotinha de apenas 2 anos faz sucesso no Instagram ao mostrar sua vida luxuosa

ABRE19

publicado na Veja São Paulo

Suri Cruise? Rafa Justus? Que nada! A musa suprema do Instagram é a garotinha Pixie Curtis, de apenas 2 anos. De cabelos ruivos e uma carinha que dá vontade de apertar, a menina, que é filha da relações publicas Roxy Jacenko e do banqueiro Oliver Curtis, adora postar fotos de suas viagens exóticas, de seus jatos particulares e de suas roupas sob medida.

O estilo de vida luxuoso rendeu a pequena Pixie mais de 60 mil seguidores no Instagram — todos, óbvio, interessados em suas extravagâncias e no seu estilo de vida chique. “Para uma criança de dois anos, tudo é emocionante. Tudo é uma nova experiência. E esse é o meu objetivo: dar-lhe o máximo de conhecimento que puder”, disse a mamãe ao jornal Mirror.

Ainda de acordo com a publicação inglesa, a menina ainda tem sua própria linha de tiaras. Todo o dinheiro arrecadado com as vendas são enviados para um fundo de investimentos que ela poderá ter acesso quando alcançar a maioridade. Confira 15 momentos de fofura (e luxo) do Instagram de Pixie:

 

Leia Mais

Dia da Mulher: 10 nomes femininos que fizeram história no rock

Laiza Kertscher, no CifraClubNews

O Dia da Mulher, comemorado a cada ano no dia 8 de março, é uma celebração ao grito de liberdade das mulheres, que lutam por iguais direitos em espaços dominados predominantemente pelos homens. Portanto, nada mais apropriado do que aproveitar esta data para relembrar e louvar os nomes que levaram feminilidade ao bom e velho rock and roll. Selecionamos algumas das mais emblemáticas roqueiras que ajudaram a firmar o espaço da mulher no mundo do rock.

Janis-Joplin

Relembrar as mulheres que se desprenderam dos padrões para seguir a estrada do rock and roll e não citar Janis Joplin seria o mesmo que um sacrilégio. Pioneira por quebrar as barreiras do preconceito no início dos anos 60, Janis é a representação perfeita do espírito transgressor da época. Com uma inconfundível voz e sabendo mesclar o rock, o blues, o jazz e o soul, a roqueira foi um ícone da quebra de paradigmas e busca pela liberdade.

Joan-Baez1

Colega de geração de Joplin, Joan Baez usou sua encantadora voz soprano e seu violão afiado para clamar pela justiça social, pelos direitos civis e pelo pacifismo em um período turbulento da história norte-americana. Cantora, compositora e ativista, a musa do folk rock também ajudou a impulsionar a carreira de Bob Dylan, nos anos 60, com quem se relacionou na época.

The-Runaways

Surgida em meados dos anos 70, o The Runaways foi a primeira banda exclusivamente formada por garotas a conquistar famamundial. Com o fim do quinteto, algumas integrantes conseguiram firmar seu nome na história do rock. A fundadora Joan Jett é hoje considerada uma das melhores guitarristas do mundo e ficou famosa com sua versão de “I Love Rock N’ Roll“, gravada originalmente pelo The Arrows. A outra guitarrista do grupo, Lita Ford, se enveredou pelo hard rock e construiu uma sólida carreira, sendo aclamada como a rainha do gênero.

Rita-Lee

A rainha do rock brasileiro, Rita Lee, tem atitude rock and roll para dar e vender. Sem papas na língua e com muita irreverência, a relevância de Lee no rock nacional vem desde os tempos que integrava Os Mutantes, no final dos anos 60 e início dos anos 70. Seja com o grupo ou em carreira solo, Rita Lee influenciou e influência músicos brasileiros, com seu humor ácido e, até hoje, se reinventa e prova que sua excelência não sai de moda.

Debbie-Harry

A vocalista do Blondie é considerada uma das principais e mais emblemáticas musas do rock. A influência que a cantora exerce não se limita a música, pois, ela se tornou um ícone da moda ao mesmo tempo que popularizava o new wave, na década de 70. A cor dos cabelos de Harry serviram de inspiração para o nome do grupo. Já o visual e o som da musa, se tornaram referência para várias gerações.

Chrissie-Hynde

A vocalista Chrissie Hynde fundou o Pretenders, no final da década de 70, e até hoje se mantem na liderança da banda. Ela é a única integrante original a permanecer firme e forte no grupo. Com sua atitude marcante e irreverente, a cantora e compositora abriu espaço e serve de inspiração para gerações de mulheres no rock. Hynde também dedica seu tempo ao ativismo em defesa dos direitos dos animais.

Nancy-e-Ann-Wilson

Ainda jovens, as irmãs Ann e Nancy Wilson assistiram e ficaram impressionadas com a apresentação de estreia dos Beatles na televisão. Mas diferente da maioria das garotas da época, que deste então gostariam de ser as namoradas do quarteto de Liverpool, Ann e Nancy se deram conta de que gostariam de ser como os Beatles. No início dos anos 70, as irmãs tomaram a frente da banda Heart (com Ann nos vocais e Nancy na guitarra), influenciadas pelo hard rock e folk da época, e hoje são duas das figuras femininas mais marcantes e expressivas do rock.

Apelido de “Bon Jovi feminino”, o grupo Vixen começou sua carreira no início dos anos 80, apenas com mulheres em sua formação. Liderada pela guitarrista Jan Kuehnemund e com os vocais de Janet Gardner, a banda participou das turnês de artistas como Scorpions, KISS e Ozzy Osbourne. Com canções como “Edge Of A Broken Heart” e “Love Is A Killer“, foram uma das poucas representantes do sexo feminino a conquistar sucesso no auge do hard rock oitentista.

A voz principal da dupla sueca Roxette, Marie Fredriksson é dona de uma das mais belas vozes femininas do pop rock. Em quase 30 anos de carreira, Marie ajuda a manter intacto o som que popularizou o Roxette nos anos 80 e 90. Em 2002, a vocalista foi diagnosticada com um câncer no cérebro e, logo após o tratamento e uma cirurgia, Marie voltou aos palcos, já recuperada, com uma inspiradora e motivadora paixão pela música.

Hoje em carreira solo, a finlandesa Tarja Turunen ficou famosa como vocalista da banda Nightwish. Ainda na adolescência, Tarja estudou Canto Lírico e hoje é citada como uma das principais e mais reconhecidas vozes femininas do metal sinfônico. Ela permaneceu no posto de vocal do Nightwish. A compositora e pianista é também a mais famosa cantora de seu país, tendo sido nomeada como a ‘voz da Finlândia’ pela primeira representante feminina na presidência do país.

Ouça a playlist do Letras.mus.br e relembre outros nomes femininos que fizeram e fazem história no mundo da música:

Leia Mais

‘The voice’: Ellen Oléria vence o programa e os preconceitos

Ellen Olério foi a grande vencedora do “The voice Brasil”
Ellen Oléria foi a grande vencedora do “The voice Brasil” Foto: Roberto Moreyra

Sara Paixão, no Extra

A mais nova voz do Brasil é de uma negra homossexual gordinha. A brasiliense Ellen Oléria, de 29 anos, eleita a vencedora do “The voice Brasil” com 39% dos dez milhões de votos da final, conquistou o coração dos brasileiros com seu vozeirão. E, após ter anunciada a presença de sua namorada Poliana Martins, de 26, nos créditos da TV Globo, a cantora também virou musa da torcida arco-íris nas redes sociais.

— Demoramos muito tempo para evoluirmos em nossa sociedade. Estou fazendo a minha parte, como muita gente que se deu a oportunidade de viver seus amores e seus desejos. Não foi minha intenção levantar qualquer bandeira, eu apenas sou. A casa (TV Globo) fez justiça ao mostrar o nome da minha convidada como sempre escrevi — explicou ela, que namora Poliana há dez meses: — Ela é vegetariana vegana e sempre prepara surpresas para mim.

‘A ficha ainda não caiu!’

Com uma vigorosa interpretação de “Anunciação”, de Alceu Valença, Ellen levantou o público logo na sua primeira apresentação. Na última etapa, enfrentou Liah Soares, Maria Christina e Ju Moraes. E, ao cantar “Taj Mahal”, de Jorge Ben Jor, ela já podia correr pro abraço. Acompanhada pelo Monobloco, seu canto deu início a uma espécie de carnaval.

Mas a vitória de Ellen foi construída ao longo do programa. A escolha por um repertório brasileiro foi fundamental para isso. Atriz, formada pela Universidade de Brasília, ela faturou R$ 500 mil, um contrato com a Universal Music, um Citroën, e ainda vai cantar num dos palcos montados na Praia de Copacabana, no réveillon.

— A ficha ainda não caiu! Mas vai ser lindo cantar para aquele povarel, mandando energia boa. Se eu puder levar minha banda, Pret.utu, cariocas, preparem-se pra dançar! — prometeu ela, que já sabe o que fazer com o prêmio em dinheiro: — Vou gastar!

Foto: Blog do Mauricio Stycer
Foto: Blog do Mauricio Stycer

Leia Mais

Musa tcheca do heptatlo é flagrada tirando a calcinha em pleno estádio olímpico


Foto: Johannes Eisele/AFP

Publicado originalmente no UOL Esporte

Enquanto a britânica Jessica Ennis se consagrava com o ouro no heptatlo diante da sua torcida, sua adversária Eliska Klucinova ficava famosa por outro motivo.

A heptatleta de 24 anos precisou trocar de roupa entre as competições, e tirou a calcinha ali mesmo, em pleno estádio olímpico, com a ajuda de uma toalha para se cobrir.


Foto: Reprodução de vídeo

Flagrada por uma câmera, Klucinova percebeu que estava sendo filmada e reagiu com um sorriso amarelo, enquanto mostrava destreza para arrancar a calcinha e vestir sua calça justa.

Após ficar pronta para competir, a bela tcheca não mostrou a mesma destreza nas pistas e acabou apenas com a 18ª colocação geral no heptatlo.

Leia Mais