Arquivo da tag: negro

Garoto negro mostra racismo na rede social Vine

Rashid Polo

publicado na INFO

Rashid Polo geralmente usa os sete segundos de vídeo no Vine para trivialidades. Ora reclama de professores, ora comenta como se sente ao ver a ex com outra pessoa, ora encena um suicídio no caso de ter de ouvir Happy, de Pharrel Williams, mais uma vez.

Mas também gosta de flagrar (e comentar) o racismo velado com o qual atendentes de lojas tratam rapazes negros como ele, de acordo com uma postagem do BuzzFeed. Basta entrar em um mercado ou uma loja de conveniência e lá está o funcionário, rondando-o para ver se o rapaz não furta algo.

“Ela está me seguindo pela loja o tempo to… Olha lá! Ela pensa que eu estou roubando!”

“Ela pensa que eu estou roubando! Ela pensa que eu estou roubando! Reparem.”

A culpa por ser pobre e não ter estudado é totalmente sua

Publicado por Leonardo Sakamoto

A culpa por você ser pobre é totalmente sua.

A frase acima raramente traduz a verdade. Mas é o que muita gente quer que você acredite.

Aí a gente liga a TV de manhã para acompanhar os telejornais por conta do ofício e já se depara com histórias inspiradoras de pessoas que não ficaram esperando o Maná cair do céu e foram à luta. Pois a educação é a saída, o que concordo. E está ao alcance de todos – o que é uma besteira. E as cotas por cor de pele, que foram fundamentais para o personagem retratado na reportagem alcançar seu espaço e mudar sua história, nem bem são citadas.

Pra quê? No Brasil, não temos racismo, não é mesmo? Até porque o negro não existe. É uma construção social…

Quando resgato a história do Joãozinho, os meus leitores doutrinados para acreditar em tudo o que vêem na TV ficam loucos. Joãozinho, aquele self-made man, que é o exemplo de que professores e alunos podem vencer e, com esforço individual, apesar de toda adversidade, “ser alguém na vida”.

(Sobe música triste ao fundo ao som de violinos.)

Joãozinho comia biscoitos de lama com insetos, tomava banho em rios fétidos e vendia ossos de zebu para sobreviver. Quando pequeno, brincava de esconde-esconde nas carcaças de zebus mortos por falta de brinquedos. Mas não ficou esperando o Estado, nem seus professores lhe ajudarem e, por conta, própria, lutou, lutou, lutou (contando com a ajuda de um mecenas da iniciativa privada, que lhe ensinou a fazer lápis a partir de carvão das árvores queimadas da Amazônia), andando 73,5 quilômetros todos os dias para pegar o ônibus da escola e usando folhas de bananeira como caderno. Hoje é presidente de uma multinacional.

(Violinos são substituídos por orquestra em êxtase.)

Ao ouvir um caso assim, não dá vontade de cantar: Sou brasileiro, com muito orgulho, com muito amoooooooor?

Já participei de comissões julgadoras de prêmios de jornalismo e posso dizer que esse tipo de história faz a alegria de muitos jurados. Afinal, esse é o brasileiro que muitos querem. Ou, melhor: é como muitos querem que seja o brasileiro.

Enfim, a moral da história é:

“Se não consegue ser como Joãozinho e vencer por conta própria sem depender de uma escola de qualidade, com professores bem capacitados, remunerados e respeitados, e de um contexto social e econômico que te dê tranquilidade para estudar, você é um verme nojento que merece nosso desprezo. A propósito, morra!”

Uma vez, recebi reclamações da turma ligada a ações como “Amigos do Joãozinho”. Sabe, o pessoal cheio de boa vontade genuína e sincera, mas que acredita que o problema da escola é que falta gente para pintar as paredes. Um deles me disse que acreditava na “força interior” de cada um para superar as suas adversidades. E que histórias de superação são exemplos a serem seguidos.

Críticas anotadas e encaminhadas ao bispo, que me lembrou de que eu iria para o inferno – se o inferno existisse, é claro.

O Brasil está conseguindo universalizar o seu ensino fundamental, mas isso não está vindo acompanhado de um aumento rápido na qualidade da educação. Mesmo que os dados para a evolução dos primeiros anos de estudo estejam além do que o governo esperava no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), grande parte dos jovens de escolas públicas têm entrado no ensino médio sabendo apenas ordenar e reconhecer letras, mas não redigir e interpretar textos.

Enquanto isso, o magistério no Brasil continua sendo tratado como profissão de segunda categoria. Todo mundo adora arrotar que professor precisa ser reconhecido, mas adora chamar de vagabundo quando eles entram em greve para garantir esse direito.

Ai, como eu detesto aquele papinho-aranha de que é possível uma boa educação com poucos recursos, usando apenas a imaginação. Aulas tipo MacGyver, sabe? “Agora eu pego essa ripa de madeira de demolição, junto com esses potinhos de Yakult usados, coloco esses dois pregadores de roupa, mais essa corda de sisal… Pronto! Eis um laboratório para o ensino de química para o ensino médio!”

É possível ter boas aula sem estrutura? Claro. Há professores que viajam o mundo com seus alunos embaixo da copa de uma mangueira, com uma lousa e pouco giz. Por vezes, isso faz parte do processo pedagógico. Em outras, contudo, é o que foi possível. Nesse caso, transformar o jeitinho provisório em padrão consolidado é o ó do borogodó.

Pois, como sempre é bom lembrar, quem gosta da estética da miséria é intelectual, porque são preferíveis escolas que contem com um mínimo de estrutura. Para conectar o aluno ao conhecimento. Para guiá-lo além dos limites de sua comunidade.

“Ah, mas Sakamoto, seu chato! Eu achei linda a história da Ritinha, do Povoado To Decastigo, que passa a madrugada encadernando sacos de papel de pão e apontando lascas de carvão, que servirão de lápis, para seus alunos da manhã seguinte. Ela sozinha dá aula para 176 pessoas de uma vez só, do primeiro ao nono ano, e perdeu peso porque passa seu almoço para o Joãozinho, um dos alunos mais necessitados. Ritinha, deu um depoimento emocionante ao Globo Repórter, dia desses, dizendo que, apesar da parca luz de candeeiro de óleo de rato estar acabando com sua visão, ela romperá quantas madrugadas for necessário porque acredita que cada um deve fazer sua parte.”

Ritinha simboliza a construção de um discurso que joga nas costas do professor a responsabilidade pelo sucesso ou o fracasso das políticas públicas de educação. Esqueçam o desvio do orçamento da educação para pagamento de juros da dívida, esqueçam a incapacidade administrativa e gerencial, o sucateamento e a falta de formação dos profissionais, os salários vergonhosamente pequenos e planos de carreira risíveis, a ausência de infraestrutura, de material didático, de merenda decente, de segurança para se trabalhar. Esqueçam o fato de que 10% do PIB para a educação está longe de sair do papel.

Joãozinho e Ritinha são alfa e ômega, os responsáveis por tudo. Pois, como todos sabemos, o Estado não deveria ter responsabilidade pela qualidade de vida dos cidadãos.

Vocês acham sinceramente que “a pessoa é pobre porque não estudou ou trabalhou”?

Acreditam que basta trabalhar e estudar para ter uma boa vida e que um emprego decente e uma educação de qualidade é alcançável a todos e todas desde o berço?

E que todas as pessoas ricas e de posses conquistaram o que têm de forma honesta?

Acham que todas as leis foram criadas para garantir Justiça e que só temos um problema de aplicação?

Não se perguntam quem fez as leis, o porquê de terem sido feitas ou questiona quem as aplica?

Sabem de naaaaada, inocentes!

Como já disse aqui, uma das principais funções da escola deveria ser produzir pessoas pensantes e contestadoras que possam colocar em risco a própria estrutura política e econômica montada para que tudo funcione do jeito em que está. Educar pode significar libertar ou enquadrar – inclusive libertar para subverter.

Que tipo de educação estamos oferecendo?

Que tipo de educação precisamos ter?

Uma educação de baixa qualidade, insuficiente às características de cada lugar, que passa longe das demandas profissionalizantes e com professores mal tratados pode mudar a vida de um povo?

O Joãozinho e a Ritinha acham que sim. Mas eu duvido.

Foto escancara situação degradante de homens-placa

Clique realizado na tarde de sábado, mostra jovem escondido atrás de uma propaganda de um empreendimento imobiliário

Garoto placa

Palmos Rodrigues, na Carta Capital

Na tarde de sábado 17, na região do Brooklin, em São Paulo, o jornalista César Hernandes registrou uma cena que circulou bastante nas redes sociais durante o final da semana. Na imagem, um jovem segura a propaganda de um empreendimento imobiliário. A cena chamou a atenção pela aparência jovem do garoto: um menino negro de expressão acuada segura o cartaz de um jovem branco e de olhos claros.

“Me chamou atenção a situação degradante dessas pessoas, excluídas de cidadania. Ali ele estava exposto ao sol, a chuva e até mesmo ao trânsito”, afirma o autor da foto. O clique foi feito na esquina das avenidas Engenheiro Luiz Carlos Berrini e Padre Antonio José dos Santos. O imóvel divulgado na propaganda fica na Rua Pensilvânia, também no Brooklin. Na descrição divulgada pela construtora “o apartamento que reúne serviços, lazer e praticidade em alto padrão”.

Segundo o jornalista, que trabalha na Câmara Municipal de São Paulo junto ao vereador Ricardo Yung (PPS-SP), chamava a atenção a idade e a condição do garoto. “Diferentemente das outras placas, essa o escondia atrás da propaganda. Além disso, eu acredito que ele não tenha nem 18 anos”, afirma.

Procurada pela reportagem, a construtora Plano & Plano enviou a seguinte nota (na íntegra abaixo):

Ref. Solicitação de esclarecimentos

Em resposta às questões encaminhadas por este órgão de imprensa, a Plano&Plano esclarece que contratou a empresa SSP Mídia Exterior, responsável pela contratação e gestão dos profissionais para realizar o trabalho.

Vale considerar que a veiculação, objeto deste questionamento, aconteceu em período pré-determinado e não está mais no ar.

Colocamo-nos à disposição para quaisquer outros esclarecimentos.

Atenciosamente,

Plano&Plano

Irmãos unidos pela dor

florhRicardo Gondim

Carrego uma sucessão de “cs” e com eles, uma miríade de preconceitos: cearense, canhoto, corintiano e careca. A ordem dos “cs” obedece uma importante cronologia. Na infância, notei que outros canhotos iguais a mim também eram tratados como portadores de deficiência. Depois, anos mais tarde, me mudei para São Paulo e descobri que muitos sulistas têm reservas contra nordestino. Mesmo em tom de brincadeira, ouvi expressões baixas para descrevê-los. Baiano é preguiçoso. Paraibano é burro. Nem preciso falar dos corintianos: gambá, maloqueiro, bandido. A inferência não repousa na provocação entre torcedores, mas na necessidade de tornar o pobre malcheiroso ou igualar o maloqueiro a bandido. Por último, crescentemente careca, amargo comentários jocosos – e bobos – sobre calvos.

Desde cedo, ouvi pessoas da família dizerem que eu era menino desastrado. Coincidentemente, além de sinistro, não tinha boa coordenação motora. Para piorar, sem relação alguma com o fato de ter que escrever com a mão torta, nunca alcancei excelência escolar. Minhas notas sempre foram medianas. Jamais ganhei um campeonato de matemática. Nenhum professor tratou minha redação como modelo. Entrei para a universidade pública em penúltimo lugar. Não recordo quase nada do que me ensinaram de estatística, macro-economia ou direito.

Nas relações sociais, nem que tente, consigo ser a alegria da festa. Prefiro ambientes intimistas. Não sei dançar. Canto pior que as gralhas. Sou introvertido em pequenos grupos.

Tenho raríssimos prodígios para relatar como líder de uma comunidade evangélica. As igrejas que pastoreei são frequentadas por pessoas comuns que lutam, diariamente, contra as circunstâncias cruéis do Brasil da periferia. Vivemos apertados. Nunca sobra dinheiro na tesouraria. Preparo sermões na base do suor, estudo e, vez por outra, lágrimas. Não tenho boa memória, por isso estudo feito um condenado.

Não pretendo polemizar com os inteligentíssimos mestres da teologia fundamentalista. Eles me dariam um banho de lógica. Nem entendo porque faço inimigos. (Não anseio começar um novo movimento ou escola de pensamento). Só escrevo e tensiono as ideias por não querer me acomodar às limitações que trago desde o berço. Se acabei antipatizado por gente que não conheço, foi sem intenção.

Há poucos dias conversei com um jovem também cearense. Sua história me comoveu. Ele também tinha uma lista, sem os “cs“, mas bem mais sofrida que a minha: Ricardo, você não imagina a carga de preconceito que rapazes iguais a mim sofrem: nordestino, negro, pobre e homossexual, morando na periferia de São Paulo. Depois que ouvi a história do meu conterrâneo, desejei sair da posição de conselheiro e ser, simplesmente, seu amigo.

Imaginei o Everest de problemas que ele enfrentava, bem mais altos e íngremes que os meus. Passei a dividir com ele um pedaço da minha história. Enquanto repartíamos nossas inquietações, sonhamos com um mundo em que ninguém seria discriminado devido a gênero, cor da pele, status social ou orientação sexual. (Lembrei da criança que foi espancada até a morte pelo pai por ter trejeitos femininos).

Quem sabe, jogamos algumas sementes no chão árido em que pisamos juntos. Resta esperar que elas se tornem árvores frondosas, onde a próxima geração buscará sombra. Ali em meu escritório, sem estardalhaço, sem messianismo e sem oportunismo, éramos parceiros. Nossas dores nos uniam e a esperança nos fazia irmãos.

Soli Deo Gloria

fonte: site do Ricardo Gondim

Justiça de SP condena shopping a indenizar músico negro barrado

Músico cubano afirma que foi levado a local remoto e interrogado.
Shopping Cidade Jardim ainda não se manifestou.

Publicado no G1

pedrobandera300x225

Pedro Bandera (Foto: Arquivo pessoal)

A Justiça de São Paulo condenou o Shopping Cidade Jardim, localizado na Zona Oeste, a pagar indenização de R$ 6,7 mil ao músico cubano Pedro Damian Bandera Izquierdo como indenização por danos morais.  Bandera diz ter sido vítima de racismo ao ser abordado por seguranças do shopping em agosto de 2010, no momento em que entrava no centro de compras para fazer um show. Procurada pelo G1 neste sábado, a assessoria do  shopping não atendeu aos telefonemas e nem retornou e-mail.

“Gostei muito da decisão. A gente vê situações de discriminação o tempo inteiro e muitas vezes as pessoas terminam não fazendo nada. Acho que o fato de que existe essa discriminação é um alerta”, afirmou. “Sou músico, preparado intelectual e fisicamente. O dinheiro é totalmente simbólico. O que vale é a condenação”, afirmou.

Bandera diz que entrava no shopping pelo mesmo lugar que outros músicos da banda, brancos, também entraram, mas só ele, negro, foi abordado, levado para uma área remota e submetido a uma bateria de perguntas antes da chegada da polícia.

“Alegaram que era por causa dos instrumentos, mas eu estava sem instrumentos. Senti hostilidade mesmo. Não foi como ‘por favor, nos acompanhe’. Me senti atropelado, violentado, foi por causa da minha cor”, afirmou.

Ele conta que enquanto respondia aos questionamentos, cercado por seguranças, ele ouviu um dos seguranças dizer no rádio: “Estão suspeitando do indivíduo porque ele alega que vem fazer um show, está sem instrumentos e de táxi.” Mais do que as palavras, o que incomodou o músico foi o gestual, a postura do segurança.

Bandera disse que no dia seguinte entrou em contato com o Serviço de Atendimento ao Cliente (SAC) so shopping, que não tomou providências. “Não tive outra opção a não ser recorrer à Justiça”, afirmou. O processo criminal foi arquivado diante da dificuldade de localizar o segurança envolvido no episódio. Além do processo cível que o músico venceu em primeira instância, há outro processo administrativo na Secretaria Estadual de Justiça que prevê multa e até lacração do estebelecimento.

dica do Sidnei Carvalho de Souza