Mulher pede divórcio após marido não gostar de ‘Frozen: Uma Aventura Congelante’

frozen_7-650x400

Publicado no Cinepop

Ao que parece, nem todo mundo sonha em construir um boneco de neve falante… Uma mulher no Japão entrou com a papelada do divórcio após seu marido admitir que não gostou da animação ‘Frozen: Uma Aventura Congelante’.

Segundo o site Kikonsha no Hakaba, a mulher de 29 anos foi aos cinemas várias vezes sozinha para assistir a animação e se encantou com a obra da Walt Disney. Ele inicialmente resistiu ao seu pedido, mas percebendo que ela não iria deixá-lo em paz, cedeu e topou assistir ao sucesso de bilheteria.

Quando o marido revelou que não gostou do longa , sua esposa preferiu pedir o divórcio, após seis anos de casamento:

“Se você não é capaz de entender o que faz desse filme algo maravilhoso, há algo muito errado em você como ser humano. Eu quero o divórcio”, afirmou a querente.

Let it go…

Assista ao trailer do filme “separa casais“:

Leia Mais

O que a bola de neve quer esconder

Igreja evangélica da prancha de surfe, frequentada basicamente por jovens, tenta censurar livro que revela o conservadorismo por trás do discurso aparentemente liberal de suas lideranças

bol1Na Bola de Neve do apóstolo Rina, (abaixo) há, segundo o historiador Maranhão Filho (acima), indicações aos fiéis sobre as posições sexuais mais e menos aceitas

bol2Rodrigo Cardoso, na IstoÉ

A Igreja Bola de Neve Church se inseriu no mercado das igrejas evangélicas brasileiras sob a aura de uma instituição religiosa amparada por uma embalagem contemporânea e liberal. É assim desde 1999, quando o surfista Rinaldo Luiz de Seixas, 41 anos, o apóstolo Rina, transformou em púlpito a prancha de surfe e abriu as portas de suas unidades, que hoje somam cerca de 200 e têm 60 mil fiéis. Mas, desde o mês passado, com o lançamento de “A Grande Onda Vai te Pegar – Marketing, Espetáculo e Ciberspaço na Bola de Neve Church” (Fonte Editorial), livro que investiga essa igreja composta majoritariamente por jovens de classe média e alta, em sua maioria internautas e fãs de gêneros musicais como reggae, rock, rap e hip-hop, ganhou evidência a filosofia de conduta conservadora com que a denominação tenta controlar o cotidiano de seus fiéis. Os pastores interferem nas escolhas dos parceiros amorosos e chegam a sugerir uma cartilha ‘informal’ sobre posições sexuais permitidas.

O historiador que assina a obra, Eduardo Meinberg de Albuquerque Maranhão Filho, foi membro da Bola de Neve entre 2005 e 2006, chegou a ser aprovado no curso de líderes de células, mas, por desentendimento com um diácono, não assumiu a função. Desde 2009, ele publica trabalhos sobre a denominação religiosa e até hoje é abastecido com informações por pessoas da igreja. Para ele, o apego a uma leitura descontextualizada da Bíblia e o moralismo em relação a questões sexuais e de gênero são os principais aspectos que evidenciam o tradicionalismo da Bola de Neve. “Para namorar um rapaz – e só pode ser um rapaz –, uma moça tem de ter a concordância do líder de célula, pastor ou apóstolo”, diz Maranhão Filho, que fala, ainda, da existência de uma espécie de guia de conduta não escrito sobre as posições sexuais permitidas. “Neuza Itioka, uma palestrante externa do ministério Ágape e Reconciliação, foi à Bola ministrar um curso de cura e libertação e pregou: ‘A boca serve para comer, mas não para fazer sexo’.”

Especialista em marketing e comunicação social, Maranhão Filho expõe ainda uma estratégia da Bola de Neve conhecida apenas no meio religioso. Em Florianópolis, Santa Catarina, onde ele passou a ter contato com a denominação, líderes da igreja relataram a ele que há um grande esforço para que a evangelização foque com mais empenho na classe universitária. “Querem formar crianças, adolescentes e universitários cristãos”, diz. “O objetivo é mudar para perto das universidades para ter gente deles dentro da academia e falar da igreja dentro e fora da instituição. É proselitismo forte”, afirma o autor, cuja obra é resultado de oito anos de pesquisa, fruto de uma dissertação de mestrado defendida na Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESCC) em 2010.

A dissertação deu origem ao livro e, com isso, veio à tona outro componente conservador da denominação evangélica: a censura religiosa. A Bola de Neve tentou barrar, na Justiça, a publicação da obra. Sem sucesso na esfera legal – a ação e um agravo de instrumento foram indeferidos por um juiz e um desembargador de São Paulo –, a Bola de Neve enviou à Universidade de São Paulo (USP), onde ocorreu o lançamento do livro no dia 30 de outubro, um advogado que, acompanhado de dois rapazes, disse, segundo o autor: “Se você lançar, publicar ou divulgar o livro, vai ter problemas.” A tentativa de censura prévia chocou a comunidade acadêmica. “No mês passado, durante a 17ª Jornada de Estudos da Religião da Associação dos Cientistas Sociais da Religião do Mercosul, foi discutido o risco de um grupo religioso barrar pesquisas acadêmicas e científicas”, afirma o professor de pós-graduação em ciências da religião da Universidade Metodista de São Paulo, Leonildo Silveira Campos. Referência internacional em pesquisas sobre relações entre religiões, marketing e mídia, Campos resume o sentimento com essa manobra da Bola de Neve Church. “Há um medo por parte dos cientistas da religião de que a moda (da censura religiosa) pegue.”

Para Tais Amorim, advogada da igreja, essa ação não se trata de um episódio de intimidação, mas uma tentativa de negociar amigavelmente com Maranhão Filho a não publicação do livro, além de tomar conhecimento dele, adquirindo um exemplar. Ou seja, no mínimo, fica claro que a Bola de Neve entrou na Justiça sem ao menos conhecer o conteúdo completo da obra que repudiou. “A obra trata da entidade como uma agência mercadológica. Essa não é a igreja Bola de Neve. Ela não tem nenhuma estratégia de atuação, de marketing, para crescimento. As estratégias são divinas”, diz ela. Ironia do destino, o autor lançou sua obra em um simpósio internacional da Associação Brasileira de História das Religiões (ABHR), cujo tema era “Diversidades e (in)Tolerâncias Religiosas”.

bol3

Aparentemente resignada com o lançamento do livro, a Bola de Neve diz não ter intenção de continuar sua campanha contrária à publicação. A igreja pedia, além da suspensão do lançamento e do cancelamento do simpósio, que Maranhão Filho retirasse de circulação todos os artigos sobre a instituição, excluísse a fanpage do livro no Facebook e não fizesse mais nenhum tipo de menção a ela em trabalhos futuros. Mais: estipulava uma multa de R$ 50 mil caso o livro fosse lançado e uma multa diária de R$ 10 mil após o lançamento. “Seria o início de uma mordaça cristã em relação a trabalhos sobre evangélicos?”, questiona Maranhão Filho, que, depois de passar a ser vítima de ciberbullying e receber ameaças, procurou um advogado e a polícia para garantir sua integridade.

fotos: Gabriel Chiarastelli; JOSE PATRICIO/AE

Leia Mais

Estado laico: Uzbequistão proíbe Papai Noel e referências ao Natal e Ano Novo na TV


Governo uzbeque considera Papai Noel uma influência negativa para as crianças locais; superexposição do personagem também gera críticas pelo mundo

João Novaes, no Opera Mundi

Para quem não consegue mais caminhar pelas ruas das principais cidades brasileiras enfeitadas com decorações de Natal nem escutar a chuva de fogos de artifício durante o Réveillon, o Uzbequistão, ex-república soviética localizada na Ásia Central, pode se tornar uma alternativa para o fim do ano. Lá, o onipresente Papai Noel e outras referências natalinas não terão espaço nem mesmo na televisão.

O governo local adota há alguns anos uma política de restrição às influências estrangeiras, sendo que alguns de seus alvos são o Natal e o Ano Novo cristão. Em 2005, por exemplo, houve uma proibição semioficial do governo para impedir a celebração do Natal e do Ano Novo nas escolas pelo Ministério da Educação. No início do ano, o governo também proibiu a comemoração do “Dia dos Namorados”.

De acordo com o site Fergana News, reproduzido pelo francês Courrier International, a intenção do governo é “conter a propagação da cultura de massas”. “A tendência é reduzir a amplitude das festividades de fim de ano, através de medidas de iniciativas do poder público tomadas desde 2004”, afirma o site.

Além da proibição de personagens como o Papai Noel (nem mesmo sua versão russa, o “Papai do Gelo”), também não podem aparecer na TV a Dama da Neve (filha da Primavera com o Espírito do Gelo) e a Baba Yaga (personagem do folclore eslavo retratado por uma mulher velha com poderes mágicos que voa em um pilão). Os pinheiros de Natal só podem aparecer em posições periféricas na tela.

As medidas se restringem principalmente aos meios de comunicação, já que é permitido comprar árvores de Natal para festas privadas, por exemplo (o contrário ocorre em locais públicos fechados, por “razões de segurança”). Na capital, Tashkent, foram agendadas diversas celebrações para o último dia do ano nas principais casas de espetáculo da cidade.

No Uzbequistão, o ano novo oficial não é comemorado em 31 de dezembro. O país celebra, por sua vez, o Noruz, festa de novo ano do calendário persa, comemorado por muitos países no dia 21 de março. Além do Irã e do Uzbequistão, também é celebrado em ex-repúblicas soviéticas como o Tadjiquistão, Cazaquistão, Azerbaidjão e Quirguistão, além das comunidades curdas.

O Uzbequistão, país laico de maioria muçulmana, é governado desde 1990 pelo governo autoritário do presidente Islom Karimov, antes mesmo da separação do país da União Soviética.

foto: Agência Efe

Leia Mais

Groenlândia perde 97% da neve e acontecimento é sem precedentes

Não se sabe ainda ao certo até que ponto esse derretimento da Groenlândia vai interferir no clima mundial e no nível do mar.

William Camargo, na Folha Paulistana

Cerca de 97% da neve da Groenlândia derreteu em poucos dias do mês de Julho. O evento pode ser considerado uma catástrofe, pois desde que se observa via satélite, cerca de 30 anos, nunca aconteceu algo de tamanha magnitude.

A foto do satélite mostra o derretimento. Do lado esquerdo vemos que no dia 8 de julho quase toda a área ainda estava coberta de gelo, cerca de 40%, algo normal para a época do ano, pois é verão. Porém, em apenas 4 dias, subitamente a Groenlândia perdeu quase que em toda sua extensão o gelo que havia, cerca de 97% da área, simplesmente derreteu. As observações foram feitas a partir de 3 satélites que monitoram a área. O fato causa espanto na comunidade cientifica e grande repercussão internacional.

Groenlândia perde 97% da neve e acontecimento é sem precedentes – Foto Nasa

Não se sabe ainda ao certo até que ponto esse derretimento da Groenlândia vai interferir no clima mundial e no nível do mar, tendo em vista que quando é verão, já se observa à muitos anos que parte da área realmente sofre esse derretimento, o que era considerado até então natural. Só que nunca, desde que a área é monitorada por satélites sofreu tão grande perda de sua superfice congelada, ficando apenas com 3% de sua área coberta com gelo.

Os Cientistas e a NASA (Agência Espacial Norte Americana), dizem que o aceitável seria que apenas 50% da Groenlândia tivesse o degelo, algo que acontece todos os anos. A explicação ainda não veio, porém os cientistas buscam os motivos que levaram ao derretimento.

Todos os anos, em altitudes elevadas, a maioria do gelo, a água volta a congelar rapidamente, mantendo assim o equilíbrio natural. Já, perto da costa, parte da água é retida pelas camadas de gelo que permanecem e a outra parte segue rumo ao oceano. O grau de derretimento em 2012 praticamente aumentou em quase 100%. A estranheza se dá por conta de que foram poucos dias, neste caso, só 4, e a Groenlândia praticamente descongelou num todo.

Inclusive na visão de leigos no assunto, questionam até que ponto isso pode acarretar algum tipo de desequilíbrio da vida naquela região, e inclusive já há questionamentos sendo feitos nas redes sociais, quanto ao que acontecerá com esse enorme volume de água despejado no Oceano. Os pesquisadores, perplexos com tal evento e sua magnitude não chegaram a nenhuma conclusão até o momento, para que seja explicado este fenômeno natural. Também, não podem afirmar ainda, quanto isso vai contribuir para a elevação do nível do mar.

Segundo Tom Wagner, que é gerente de programa da NASA: “o gelo da Groenlândia é uma vasta área com uma história variada de mudanças. Este evento, juntamente com outros fenômenos naturais, mas incomum, como o evento na semana passada em Petermann Glacier, são parte de uma história complexa”. As observações de satélite estão nos ajudando a entender estes eventos e se podem relacionar-se entre si, bem como para o sistema climático mais mundial.”

Nghiem, em Pasadena, Califórnia, disse que este era um evento tão extraordinário que no começo se questionou sobre os dados se eram reais ou se havia algum tipo de erro com o equipamento. Depois ele obteve a confirmação dos dados que foram lhe apresentados e apontaram para um real fenômeno de magnitude nunca vistos antes. Para isso foi usado o Moderate-Resolution Imaging Spectroradiometer (MODIS) da NASA e dos satélites Aqua. Para seu espanto houve então a confirmação do MODIS, que, mostraram temperaturas excepcionalmente altas e que o degelo era real e em uma extensa área, cerca de 97% da Groenlândia.

Para o climatologista Thomas Mote, da Universidade da Georgia, e Marco Tedesco da CityUniversity de Nova York,  em seus estudos das imagens de satélite, foram confirmados o derretimento capturado em duas imagens com apenas 4 dias de diferença, vistos pelo Oceansat-2 e MODIS com dados via satélite a partir do Imager Especial Sensor Microwave/Sounder na Força Aérea dos EUA e pelo satélite meteorológico.

A fusão se espalhou rapidamente. Os mapas gerados a partir dos três satélites mostraram que em 8 de julho, cerca de 40% da superfície da camada de gelo havia derretido. Já em 12 de julho, 4 dias depois, 97% haviam derretido sobre a superfície da Groenlândia.

Também, mesmo a área ao redor do cume que fica bem no centro da Groenlândia, e está a cerca de 2 quilômetros acima do nível do mar, o ponto mais alto com gelo, mostrou sinais de derretimento.

Para Lora Koenig, uma glaciologista, o derretimento aconteceu na hora certa, visto que a história conta que a cada 150 anos esse degelo ocorre de forma natural, porém nunca havia sido visualizado do espaço com tanta nitidez e dados tão precisos. A última vez, segundo contam os livros de história, foi no ano de 1889. No entanto, este tipo de derretimento pode trazer grande preocupação à população mundial, bem como à toda comunidade científica caso nos próximos anos ou meses, eventos como esses aconteçam com maior frequência. Nós estamos em um pico de elevação da temperatura na Terra, por causa do efeito estufa e foram anos de despejo em nossa atmosfera de produtos químicos que influenciaram e influenciam diretamente para que esse aquecimento global continue, sendo que inclusive perdemos parte de nossa camada protetora de ozônio.

Leia Mais