Arquivo da tag: nova zelândia

Homem tem água encanada trocada por cerveja em pegadinha

Com o apoio de uma marca de cerveja da Nova Zelândia, grupo ligou o encanamento da casa do amigo em diversos barris. Cerveja gelada saía das torneiras da cozinha e banheiros

canoPublicado originalmente no iG

Você já imaginou chegar em casa e ter cerveja gelada à sua espera nas torneiras da cozinha, banheiros e lavanderia? Foi exatamente isso que aconteceu com Russ, um morador de Auckland, na Nova Zelândia.

A pegadinha foi uma colaboração dos amigos de Russ com a Tui, marca de cervejas local. Ao site ninemsn, um porta-voz da empresa afirmou que a ideia partiu da cervejaria, mas todos os sujeitos que aparecem são amigos da vítima, e que eles já fazem brincadeiras do tipo uns com os outros.

No vídeo, os amigos de Russ, com ajuda de um encanador profissional, trocam as tubulações da residência, ligando-as em barris de cerveja embaixo da casa. Em seguida eles instalam 14 câmeras escondidas para captar as reações do morador.

Perplexo com o fato de ter cerveja – gelada – saindo da torneira da cozinha, Russ começa a filmar o incidente, o que passa a impressão de que ele realmente não sabe o que está acontecendo. Próximo dali, em um lugar que parece uma garagem, os amigos acompanham e se divertem com o amigo.

Russ parte então para checar as instalações da casa, e é quando ele se depara com os barris de cerveja. Ao sair de lá ele se depara com os amigos, entendendo que foi vítima de uma brincadeira. O vídeo completo  (clique para assistir) com mais de sete minutos também foi disponibilizado.

dica do Jarbas Aragão

Alemanha cria ‘terceiro gênero’ para registro de recém-nascidos

Além de masculino e feminino, crianças hermafroditas podem ser declaradas ‘indefinidas’.

foto: BBC

foto: BBC

Publicado no G1

A partir de 1º de novembro, a Alemanha oferecerá aos pais três opções para registrar seus filhos: “masculino”, “feminino” e “indefinido”.

A nova lei foi aprovada em maio, mas seu teor só foi divulgado agora. Com isso, a Alemanha passa a ser o primeiro país europeu a oficializar o terceiro gênero.

Essa mudança é uma opção para pais de bebês hermafroditas, que nascem fisicamente com ambos os sexos.

A nova legislação abre a possibilidade de a criança, ao se tornar adulta, escolher posteriormente se prefere ser definida como homem ou mulher. Ou mesmo seguir com o sexo indefinido pelo resto da vida.

Questões indefinidas 

Na Alemanha, alguns jornais disseram que a mudança é uma “revolução legal”. No entanto, a lei não prevê como a escolha do sexo indefinido é refletida em documentos como o passaporte, onde existe apenas escolha entre “M” e “F”. A revista alemã de direito familiar FamRZ sugere que a opção de sexo indefinido seja marcada com a letra “X”.

A nova lei é amparada em uma decisão do tribunal constitucional alemão que estabeleceu que pessoas que se sentem profundamente identificadas com um determinado gênero têm o direito de escolher seu sexo legalmente.

Outro assunto ainda a ser definido é matrimônio. A lei alemã só permite atualmente casamentos entre homens e mulheres, o que não contempla pessoas de gêneros indefinidos.

Poucos países no mundo possuem legislações sobre terceiro sexo. A Austrália aprovou uma lei há seis semanas, mas desde 2011 os australianos já têm o direito de identificar-se com o sexo “X” no passaporte. Na Nova Zelândia, isso é possível desde 2012.

O correspondente da BBC na Alemanha, Demian McGuiness, afirma que ainda há outros pontos em aberto. No caso de uma pessoa de sexo indefinido ser presa, em qual presídio ela seria detida?

O grupo de direitos de pessoas transgêneros Trangender Europe vê avanços na legislação alemã, mas reivindica mais mudanças.

“É [uma mudança] lógica, mas não é uma lei tão progressista como gostaríamos que fosse”, disse Richad Köhler, do Transgender Europe. Ele diz que a lei só contempla bebês que tiveram diagnóstico médico de hermafroditismo.

A entidade quer que as pessoas possam ter o direito de deixar a opção de gênero em branco, sem precisar se quer se declarar ‘indefinido’.

Dica do Eliel Batista

Idosos dançam em grupo de hip-hop na Nova Zelândia

Publicado na BBC Brasil

São 37 dançarinos, todos vizinhos e moradores de Waiheke, uma pequena ilha na costa leste da Nova Zelândia.

O nome do grupo é Hip Op-eration, um trocadilho entre hip hop e as palavras em inglês para operação no quadril.

Billie Jordan, a criadora do Hip-operation, disse que o grupo começou com uma iniciativa de tirar os idosos de casa na forma de umflashmob (evento espontâneo em que diversas pessoas se reúnem) de dança para maiores de 65 anos.

Grupo se reúne como um flashmob de dança para idosos

Grupo se reúne como um flashmob de dança para idosos

Entre os participantes estão seis pessoas que precisam de bengalas e andadores, muitos que são surdos e um membro cego. Mas isto não impediu que o grupo fosse convidado a se apresentar no Campeonato Mundial de Hip-Hop que ocorreu neste mês em Las Vegas.

O objetivo é mudar a atitude da sociedade em relação aos idosos.

dica da Ana Cristina

São Paulo é a cidade com mais problemas mentais no mundo

Foto: Yasuyoshi Chiba/AFP

Foto: Yasuyoshi Chiba/AFP

Charles Nisz, no Vi na Internet

Segundo um estudo da Organização Mundial de Saúde (OMS), a região metropolitana de São Paulo tem a maior ocorrência de problemas mentais em todo o mundo, com cerca de 30% da população. Para fazer o levantamento, a OMS pesquisou 24 cidades em diferentes países.

A pesquisa São Paulo Megacity Mental Health Survey apurou uma incidência de problemas mentais em 29,6% da população ao redor de São Paulo. Entre os problemas mais comuns estão a ansiedade, mudanças comportamentais e abuso de substâncias químicas, nos 12 meses anteriores à entrevista.

De acordo com os pesquisadores, a alta incidência de problemas mentais é causada pela alta urbanização juntamente com privações sociais. A ansiedade é o problema mais comum, afetando 19,9% dos 5037 entrevistados pela pesquisa. Os mais afetados são homens migrantes e mulheres em regiões de instabilidade social.

Em São Paulo também há a maior ocorrência de casos graves, com 10%, à frente dos Estados Unidos, com 5,7%, de da Nova Zelândia, com 4,7%. Depois de São Paulo, representante brasileira no ranking da OMS, Saúde (OMS), aparece a cidade norte-americana, com pouco menos de 25% de incidência de perturbações mentais. (vi no Jornal de Notícias)

Menino de 11 anos engravida mulher de 36 na Nova Zelândia, diz jornal

Mulher era mãe de colega de menino, segundo jornal.
No país, mulheres não podem ser acusadas de estupro.

Publicado originalmente no G1

Um menino de 11 anos da Nova Zelândia engravidou uma mulher de 36 anos, mãe de um amigo seu da escola, segundo informou o jornal local “New Zealand Herald”. O caso levantou questões sobre por que as mulheres no país não podem ser acusadas de estupro. Conselheiros que trabalham na área do abuso sexual disseram que o caso destaca a falta de atenção às mulheres como potenciais criminosas, de acordo com o jornal.

Após a descoberta do caso, uma revisão da lei foi solicitada para que o crime de estupro não se aplique apenas aos homens. A ministra da Justiça do país, Judith Collins, disse que iria investigar o caso, segundo o “New Zealand Herald”. “Este caso levanta um ponto importante. Vou procurar aconselhamento de funcionários sobre se uma mudança na lei é ou não necessária”, disse Collins.

A mulher e o menino, cujos nomes não foram divulgados, vivem no distrito principal de North Island, em Auckland. O diretor da escola do menino disse ao “New Zealand Herald” que ficou chocado quando a criança lhe disse o que estava acontecendo. “Você não vai ficar muito feliz comigo”, lembrou o diretor das palavras do menino no ano passado. Ele disse que tinha tido relações sexuais com a mãe do seu amigo e que “isso precisava parar”.

A organização “Male Survivors of Sexual Abuse” (sobreviventes masculinos de abusos sexuais, na tradução) disse que se o caso for provado, a mulher deve ser responsabilizada. Sob a lei da Nova Zelândia, o crime de estupro só se aplica a homens e tem como pena máxima 20 anos de prisão. Mulheres que forçam um homem a ter relações sexuais enfrentam a acusação de violação sexual, com pena máxima de 14 anos.

De acordo com o jornal, funcionários do governo, que tomaram conta do bebê há cerca de dois meses, confirmaram que eles estavam lidando com um caso na escola do menino e que isso estava nos tribunais, mas se recusaram a comentar o caso. A polícia também se recusou a comentar. O “Herald” informou que o menino, que já fez 12 anos, também está sob os cuidados do governo.

dica da Magnólia De Lucca Paes