Um tributo à vida

pet-kid15Ricardo Gondim

Estou vivo. Penduro bandeirolas virtuais para alegrar o meu dia. Estou vivo. Revisto-me de poeta. Quero compor um hino. Estou vivo. Faço um banquete da mesa posta. Quero festejar cada um dos próximos 365 dias com se fossem, todos, o dia do meu aniversário. Quero ter o poder de, soberanamente, decretar feriado qualquer dia. Estou vivo.

O que amo na vida? O imponderável. Para mim, viver é dançar na beira de abismos. Adoro desafiar despenhadeiros. O futuro, feito corda bamba, me excita. Choro ao esperar o tiro na largada da maratona – como fascina não saber se vou terminá-la. Fico deliciosamente nervoso de saber que nunca me antecipo às notícias que o telefone traz quando se intromete no meu sono. Como descrever o medinho infundado que antecede os exames laboratoriais?  Não há como. Ele provoca outro frio na barriga: pensar que este medinho um dia vai se transformar no grande pavor. Creio que lutarei com bravura quando tiver de enfrentar a dama da foice, que se esforçará para me sequestrar rumo ao improvável horizonte. Como é bom dizer que cada dia é suficiente em seu próprio mal. Não pretendo fugir de mim mesmo ou dos becos em que me meti. No cenário mais cruel ainda posso renascer das cinzas.

O que amo na vida? Gente. Gosto da diversidade humana. A sempre inédita íris dos olhos é mágica. No olhar se escondem encantos e degradações. Em cada um de nós vivem os diferentes personagens que povoam a terra. Somos possuídos por depravados e santos. Nossa complexidade preencheria páginas, capítulos, tomos inteiros. As muitas versões que nos habitam conhecem os segredos de Pandora e simpatizam com a sordidez de Lúcifer. Todos são essenciais e todos participam do teatro existencial. Não fossem os porões macabros da ambiguidade de homens e de mulheres não haveria enredo para Shakespeare, Dante, Eça de Queiroz ou Machado de Assis.

Para escrever, eu igualmente preciso deles. Mas, minhas pupilas também são policromáticas. Meus olhos multicoloridos captam as réstias da luz divina que sobram em meio à sordidez humana. Gosto de ler biografias. Com elas vejo a complexidade da alma e construo um panteão de princesas e príncipes. O encanto existe. Me familiarizo com suas histórias e me curvo: o legado que deixaram me ajuda a reconhecer a insignificância dos castelos de areia que moldei na maré baixa. Desaprendo a vaidade e murcho meu ego depois de caminhar ao lado de gente como Priscila e Áquila, Francisco de Assis, Mahatma Ghandi, Nelson Mandela, Martin Luther King e Madre Tereza de Calcutá. Estes nunca se contentaram com as cercas altas ou com os apertados quintais onde nasceram.

O que amo na vida? A singeleza das crianças que beijam roçando o nariz duas vezes; o altruísmo de quem abriga a prostituta doente; o empenho do enfermeiro no plantão gratuito ao lado de um moribundo; a resiliência da mulher lavando o marido com Alzheimer; a doçura da filha empurrando a cadeira de rodas da mãe enquanto passeiam pelo parque.

O que amo na vida? Sua formosura sutil. Gosto de meditar. Mirar peixes coloridos no baile em câmara lenta do ribeiro. Ler. Ouvir o tamborilar preguiçoso da chuva fina. Pensar em Deus. O momento breve em que a noite engole o sol e some com o dia. Me sentir acorrentado na frente de um Van Gogh. Recitar Vinicius. Fechar os olhos e deixar que Bach me possua por inteiro. Textos pungentes. A melancolia da bossa nova do Jobim. A nostalgia do fado português. Estradas bucólicas.

Estou vivo! Ainda hoje brindarei a vida com um cálice de Merlot chileno. Degustarei D. H. Lawrence. Quero dormir abraçado com a amada de minha mocidade. Não esquecerei de cochichar para Deus: Muito Obrigado.

Soli Deo Gloria

fonte: site do Ricardo Gondim

Leia Mais

‘A intenção era chocar’, diz mulher ao tatuar olhos de preto como o marido

Body piercing de São Carlos aplicou método conhecido como ‘eyeball tattoo’.
Procedimento invasivo pode causar inflamação interna, dizem especialistas.

Leticia decidiu pintar os olhos de preto assim como fez o marido há seis meses (Foto: Fabio Rodrigues/G1)
Leticia decidiu pintar os olhos de preto assim como fez o marido há seis meses (Foto: Fabio Rodrigues/G1)

Fabio Rodrigues, no G1

Seis meses após o marido inovar e pintar os olhos de preto, a moradora de São Carlos (SP) Letícia Dias de Carvalho, de 35 anos, resolveu fazer o mesmo. Na última segunda-feira (2), ela se submeteu ao procedimento conhecido como “eyeball tattoo”, que consiste em injetar tinta na camada de proteção dos olhos. O sonho era pintar de vermelho, mas uma alergia ao mercúrio a fez mudar de opinião. “Achei que iria ficar mais assustador, a minha intenção era chocar, mas fiquei com medo de dar problemas”, disse a body piercing que também optou pela cor preta. Para a Sociedade Brasileira de Oftalmologia, o procedimento invasivo é desaconselhável e pode causar inflamação interna, levando à perda da visão.

Mesmo sabendo dos riscos, Leticia decidiu ‘pagar para ver’ e investiu R$ 1 mil para escurecer o branco dos olhos. O procedimento difundido nos Estados Unidos foi realizado em Jundiaí (SP) pelo tatuador Rafael Leão Dias. Foi ele quem também fez a transformação no marido dela, Rodrigo Fernando dos Santos, conhecido em São Carlos como Musquito, que chorou tinta por dois dias.

O profissional explicou que a tinta usada para esse tipo de arte é importada e não é a mesma das tatuagens convencionais. Há também uma agulha especial utilizada como se fosse uma seringa. Para colorir os olhos, são necessárias três aplicações em cada um. Segundo ele, não há perfuração. A aplicação é feita entre a camada conjuntiva e a esclera, que protege o olho.

“Antes eu estava tranquila, mas na hora do procedimento não, porque é meio tenso. Dependia muito de mim, não pode mexer o olho de jeito nenhum porque se não pode rasgar, já que a agulha está lá dentro. É preciso ter muita confiança no profissional”, relatou Leticia, que disse ser a sexta mulher no Estado de São Paulo a passar pelo processo irreversível.

Leticia relatou que o procedimento durou uma hora e que se sentiu um pouco incomodada. “A hora que injeta a tinta fica tudo preto. Como foi sem anestesia, dá para sentir a agulha entrando e saindo. É uma dor esquisita, diferente de todas as outras, mas é suportável. Acho que é pior para quem está vendo, dá aflição”, contou.

Leticia investiu R$ 1 mil para realizar procedimento irreversível nos olhos (Foto: Fabio Rodrigues/G1)
Leticia investiu R$ 1 mil para realizar procedimento irreversível nos olhos (Foto: Fabio Rodrigues/G1)

Perigo
O oftalmologista Antonio Carlos Baldin não recomenda o procedimento e alerta para os riscos que podem surgir a médio e longo prazo. “Quem se candidata a isso está correndo o risco de uma reação contra a substância que é infundida, porque a gente não tem a menor ideia do que uma tinta como essa pode provocar no olho”, falou

“Ali há células responsáveis pela substituição de células mortas na superfície do olho e também por parte da produção lacrimal. Também nessa região tem uma rica quantidade incontável de vasos sanguíneos e toda a musculatura que rege a movimentação do olho”, completou Baldin.

Para o especialista João Alberto Holanda de Freitas, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Oftalmologia, o método é inteiramente nocivo e não adequado. “Isso pode dar alguma complicação, como uma uveíte (inflamação interna) e a pessoa perder a visão. A recomendação é não fazer. O consenso da oftalmologia brasileira é para que não se faça isso”, ressaltou o médico.

Leticia antes e após realizar o procedimento para mudar a cor dos olhos (Foto: Fabio Rodrigues/G1)
Leticia antes e após realizar o procedimento para mudar a cor dos olhos (Foto: Fabio Rodrigues/G1)

Família
Leticia, que trabalha com body piercing há seis anos, é mãe de três filhos (Évora, de 2 anos, Lucas, de 8, e Maria Eduarda, de 11). Questionada sobre o impacto que a mudança visual tanto dela quanto do marido causa nas crianças, ela disse acreditar que está formando pessoas menos preconceituosas. Segundo Leticia, os filhos acharam normal, bem como a avó.

“Fiz como uma modificação corporal. Não vendi minha alma, não sou demoníaca, não sou satânica”, explicou ela que, assim como o marido, adora tatuagens e fez a primeira aos 22 anos. O desenho de um sol nas costas deu lugar seis anos depois a um dragão. Depois ela pintou as mãos, os braços e as pernas. A meta, disse, é cobrir 90% do corpo.

“Daqui a alguns anos, imagine dois velhinhos com olho preto e todo tatuado. Quero ficar velha logo só para ver como vai ser, acho que vai chocar mais. Já pensou na fila do banco esperando para receber a aposentadoria?”, brincou Leticia, que é seguidora da filosofia budista, mas afirmou não acreditar nem em Deus, nem no diabo.

dica do Rodrigo Cavalcanti

Leia Mais

A bifurcação

bifurcação

Ricardo Gondim

Uma vida que se constrói de cima para baixo cria homúnculos; gente que vive a reivindicar direitos. Pessoas menores do que se imaginam – liliputianos – só conjugam verbos na primeira pessoa do singular. Nanicos se gastam em alardear o potencial que deliram possuir. Promotores de si abraçam a filosofia pernóstica do se eu não me valorizar, ninguém me perceberá. Apesar de pintores de rodapé, eles amam as vitrines, adoram as luzes da ribalta e, constantemente, reclamam louvores.

Uma vida consumida em amargura deixa a alma absinta – eternamente a lamentar de tudo e de todos. Deus, a genética, o sistema, o governo, o patrão, qualquer um serve como espantalho onde se projetam as responsabilidades pela má sorte que ele se diz vítima. Sem qualquer apego à justiça, o hipocondríaco espiritual reclama até de não desfrutar os processos que premiam o ímpio.

Uma vida orientada por suspeita contamina as relações, nivelando o outro por suas deficiências, nunca por suas virtudes. Ele acha  que cavilação, falcatrua e logro constituem a natureza básica de todos. Para o duvidoso, todos são ambíguos: o gênio plagia, o próspero rouba, o afamado dissimula. Os pecados que mancham eles próprios são, contudo, meras imaturidades. Especialista em remover argueiros dos olhos alheios,  tal clínico lida muito bem com suas traves. Ensimesmado, ele não quer proximidade com ninguém – expor os pés de barro é risco medonho.

Os sacerdotes da taciturnidade não cantam, não riem, não brincam. Também são donos de lágrimas postiças. Astros cênicos, controlam bem as emoções. Todavia, quando alguém brinca, eles se inquietam com tamanha superficialidade. Se há lamento, eles se enojam por terem de aturar melindres tão à flor da pele. A estabilidade emocional desse povo que sabe controlar inclusive o ritmo cardíaco, amedronta. Eles seriam capazes de testemunhar atrocidades sem mexerem um músculo, ou de verem corpos pulverizados com cal em uma vala sem qualquer indignação.

Só existe vida no vórtice das emoções, na fronteira da loucura ou no horizonte improvável da fé. Os verdadeiramente vivos ardem na fogueira da paixão – eles não têm a vida por preciosa. A bifurcação que separa medíocres e nobres não fica muito longe na estrada da vida. No caminho da existência, as decisões chegam de instante em instante e nesse átimo, os destinos vão se desenhando.

Soli Deo Gloria

fonte: site do Ricardo Gondim

Leia Mais

Josias de Souza: Quando a opinião pública já se orgulhava, veio o “Bolsa FAB”

Josias de Souza, no UOLrenanRezaSLim

Quando Renan Calheiros informou no plenário, diante dos olhos da TV Senado, que havia montado uma agenda positiva porque estava preocupado com a Opinião Pública, a própria Opinião Pública estranhou: “Preocupado com o quê?!?”

Impressionado com o ronco do asfalto, Renan reunira os líderes. Formara-se entre eles um consenso de que era preciso corresponder aos anseios da Opinião Pública. E a Opinião Pública: “Os seios de quem?!?”

É compreensível que a Opinião Pública tenha reagido mal. Ela jamais suspeitou que tivesse tanto prestígio no Senado. A Opinião Pública se perguntava, atônita: “Que mumunhas os senadores deixaram de fazer por que estavam preocupados com meus seios, digo, anseios?”

Ainda outro dia a Opinião Pública enviara ao Senado 1,6 milhões de assinaturas contra a volta de Renan à presidência da Casa. Mas Ela não estranhou quando os senadores deram de ombros para sua iniciativa. Estranho mesmo era esse prestígio tardio!

Meio sem jeito, com um pé atrás, a Opinião Pública começou a observar os senadores. Esqueceram as festas juninas. Trabalharam no dia do jogo da seleção brasileira. Tornaram a corrupção crime hediondo. Destinaram a grana dos royalties para educação e saúde, engatilharam o fim do voto secreto… E a Câmara dançava no mesmo ritmo. Hummm!!! Será?!?

Quando a Opinião Pública começava a se orgulhar da sua nova importância, sobrevieram as notícias sobre o programa Bolsa FAB. O presidente da Câmara viajando com a família para ver a final da Copa das Confederações, no Rio. O do Senado voando com a mulher para o casamento da filha de um colega, na Bahia.

Henrique Eduardo Alves ainda esboçou um gesto de contrição. Pagou preço de voo de carreira por serviço de táxi aéreo. Mas Renan não se arrepente de nada. Fará tudo de novo. Disse ter ido ao casamento como presidente do Senado. E o presidente do Senado, a Opinião Pública deveria saber, tem direito “a transporte de representação”. Que diabos, “é um chefe de Poder.”

A Opinião Pública murchou na poltrona. Ela começava a desconfiar que sua nova importância tomava o caminho do beleléu. Teve certeza quando ouviu Renan sustentar que a FAB  não pode dizer isso ou aquilo. ”Nós é que temos o que dizer para a FAB. O transporte é em função da chefia do poder, da representação. A lei não diz que [o compromisso] tem que estar na agenda, não. Isso não é pré-condição para estar dentro da lei.”

A Opinião Pública, que estava muito preocupada, resolveu relaxar. No final de semana, vai ligar o computador na tomada e conectar-se ao Facebook. Começou a planejar a próxima passeata. Já idealizou uma faixa. Nada de ‘Fora Renan.’ Inspirada no Bolsa FAB, a Opinião Pública pensou numa coisa mais elaborada. Algo assim: “Me bate, me joga contra a parede, me arranca tudo à força, e depois me chama de contribuinte!” Não fez bem à Opinião Pública saber que o Renan anda reparando nos seus “anseios”.

Leia Mais

Abaixo a repressão

imagem-protesto-covardia-polícia

Por Rosana Hermann, no Querido Leitor

Em todas as homepages, todas as capas dos principais jornais do país, vemos imagens do que está acontecendo em grandes capitais como São Paulo e Rio. Falarei sobre São Paulo, cidade onde vivo. E tentarei ser o mais justa e clara que conseguir. Porque se tem uma coisa que não podemos mais tolerar no Brasil (e no mundo) é a falta de clareza e a falta de justiça.

Estudei na USP nos anos 70. Vivi uma parte da repressão. Fui na missa do Herzog, vivi uma pequena parte do grande absursdo que foi a Ditadura Militar, participei de manifestações, fugi de polícia.

Vivi também a sensação de, ao mesmo tempo que condenava a ditadura assassina, sentir lampejos de ser filha de militar da aeronáutica, que nada tinha a ver com o exército ou os abusos, mas usava farda e representava o poder, ainda que involuntariamente e, por isso, era vista eventualmente com maus olhos. Mas não estou aqui falando de meus problemas, estou falando do Brasil.

O confronto com a polícia, a ideia de enfrentar o abuso do autoritarismo sempre existiu. Porque a polícia é sinônimo de ‘autoridade’ e toda autoridade quer impor seu poder pela força. Está errado, não faz sentido, não podemos admitir mas, infelizmente, é o que vem acontecendo há muito, muito tempo.

A polícia, aliás, é um assunto contraditório na vida de todos nós. Porque precisamos dela para manter a segurança pública e nos defender dos crimes, porque pagamos para que ela nos defenda e, quando vamos nos manifestar ela se volta contra nós, seus patrões. Ter uma polícia mal-paga, corrompida, com elementos despreparados, cruéis, guiados por ordens estúpidas, é como nascer num lar onde os mesmos pais que deveriam proteger acabam abusando dos filhos. Isso não só é inaceitável como é uma covardia. Não que a população seja criança, nada disso, mas a ‘autoridade’ despreparada acaba fazendo isso: reprime.

O que vimos ontem aqui em São Paulo, documentado em fotos, textos e vídeos, foi chocante. A manifestação poderia ter sido linda, porque há muitos anos não vemos a população com coragem para sair às ruas e se manifestar, não só um direito da democracia mas quase um dever do cidadão de não ser um zumbi calado, ainda mais em tempos de redes sociais sempre acusadas de promover a revolução inanimada de sofá. Pois milhares de pessoas de todas as vertentes ideológicas e por diferentes motivos, aglutinadas pelo gatilho do aumento da passagem, resolveram botar pra fora toda a indignação com o acúmulo de erros que nos destroem dia a dia. O transporte público indecente, que coloca todo mundo em situação indigna, a falta de segurança que nos rouba, corta, estupra e mata. O sistema de saúde que trata médicos e pacientes como chorume, que deixa gente morrer na fila, com filas de espera que subtraem chance de vida de tantos brasileiros.

A manifestação não é por nada, é por tudo. Os vinte centavos já se tornaram simbólicos, como as árvores do parque Gezi em Istambul. Já não queremos mais uma tarifa menor ou árvores preservadas, nós, enquanto humanos, estamos de saco cheio de ver a beleza do progresso, da tecnologia, que nunca chega até o sistema de gestão do governo. Por que não podemos ter política moderna, gente moderna, pensamento aberto, governo humanizado e competente?

Nas imagens que vimos e vivemos ontem vimos um grupo de policiais bem armados e mal comandados, em número grande e preparo pequeno, atirando em homens, mulheres, jornalistas, estudantes. A Global Voice condenou, a população condenou, a parte sã da mídia condenou e até o prefeito Haddad parece ter condenado a ação da polícia. Dá pra saber agora quem foi que mandou a policia agir assim ou vamos continuar com a farsa eterna reproduzida recentemente no caso do assassinato de 111 presos no Carandiru, quando ninguém deu a ordem de atirar e os culpados acabam sendo ‘o sistema’ e os mortos?

Sim, senhores e senhoras, queridos leitores, há policiais feridos também e eles também são pais, maridos, irmãos, vizinhos e amigos de muita gente que estava na rua. Como eu, há filhos e parentes de policiais. Os filhos também querem que seus pais que são policiais voltem pra casa. E é confuso ver um mesmo policial que um dia nos salva e no outro nos ataca. Grande parte da população está confusa, assustada e quase não sabe nem de que lado ficar, de tão perdida. Porque entre os manifestantes também há quem esteja lá para destruir e depredar.

O que sobre hoje é uma visão do inferno, campo de guerra, de lixeiras destruidas, lixo no chão, depredação e isso parece contar contra a população que foi reprimida. Mas olhar o lixo, como vi ontem e ver ‘vandalismo’ é fechar os olhos e a mente para compreender que uma lixeira pode ter sido o escudo que salvou alguém de ficar cego com um tiro de borracha.

Quando o cidadão tem que usar lixo como trincheira para não ser atacado porque está exercendo seu direito de manifestação, tem algo muito errado e não é com a COMLURB.

Lutamos muito, lutamos sempre e chegou a hora de olhar para tudo, sem medo, com justiça e clareza e ver o que está acontecendo com todos os envolvidos. E descobrir de onde emanam as ordens. E a quem interessa o caos. E como se cobrem os eventos. VAmos discutir tudo, mídia, poder, governo, leis, direitos e nossa ação cidadã.

Amigos, a luta nunca parou.
A luta sempre continua.
Abaixo a repressão.

Leia Mais