Conteúdo marcado como pastor ricardo gondim

Sobre sombras e luzes

Sobre sombras e luzes
Ricardo Gondim Dizem que Oscar Niemeyer projetou a Catedral de Brasília como metáfora em cimento, ferro e areia do Salmo 23. Ao contrário de outras igrejas, a entrada desce, escura. É vale de sombra e de morte. A vereda, entretanto, chega ao amplo e luminoso espaço, onde se encontra Deus. Salmo e catedral descrevem a vida de muitos, que declina e escurece. Sempre existe alguém que sente o caminho, já […]

Sermão do Monte – o cristianismo heróico

O cristianismo não deve ser apresentado como uma consolação vulgar, mas como uma promoção do homem… É vocação para viver como filho de Deus, na condição humana plenamente aceita, por conseguinte, para remodelar continuamente o mundo, todas as formas sociais, todas as instituições, de modo que deem uma imagem menos imperfeita do que deve ser uma comunidade de filhos de Deus… O cristianismo é um chamado ao heroísmo… Não há […]

O que entendo por verdade

Ricardo Gondim Entre os diversos constrangimentos que passei nos últimos anos, o mais aborrecido aconteceu em um restaurante. Fui a um almoço achando que era um encontro de amigos. Na verdade, não passou de pretexto para uma sabatina. “Você acredita que existe a verdade?”. A pergunta, feita entre uma conversa trivial, pretendia ser um xeque mate. Se respondesse sem gaguejar, passaria no teste. Se hesitasse, seria escanteado. Não sei o […]

Só a poesia pode salvar o mundo

Ricardo Gondim Tem dias que acordo com a beleza tentando escapulir de dentro do meu peito. Não encontro meios de permitir que ela vaze. Um universo de boas palavras se revolve nas minhas entranhas. Tento poetar me fazendo amigo dos sonetos. Sei que a cadência das frases feitas em verso pode me socorrer. A beleza da poesia alivia como uma aragem fresca. A asfixia convulsiva da angústia não resiste a […]

Angústia é ganho

Angústia é ganho
Ricardo Gondim Nascemos entre a bigorna e o martelo. A noção de perigo nos acompanha pela vida e não demoramos perceber: somos mortais. De repente, damos conta: o oceano onde nadamos não tem porto. Sabedores do fim, cansados de nadar contra a maré, provamos um fel chamado angústia. Não há como fugir, é o medo existencial que faz nascer a angústia. Dela vem o choro que nunca desengasga. A angústia é […]