Um beijo pode transferir 80 milhões de bactérias, diz estudo

Um beijo pode transferir 80 milhões de bactérias, diz estudo

bjo

Smitha Mundasad, no BBC Brasil

Os pesquisadores, da Organização Holandesa para Pesquisa Científica Aplicada, monitoraram beijos de 21 casais e descobriram que os que se beijavam nove vezes por dia tinham probabilidades maiores de compartilhar bactérias presentes na saliva.

Outras pesquisas sugerem que podem existir mais de 700 tipos diferentes de bactérias na boca. Agora, este novo estudo revela que algumas destas bactérias são compartilhadas mais facilmente que outras.

A pesquisa foi publicada na revista especializada Microbiome.

Questionário

A equipe de pesquisadores holandeses mapeou – através de entrevistas – os hábitos dos 21 casais relativos à troca de beijos.

Os cientistas então colheram amostras de bactérias das línguas e saliva dos voluntários antes e depois de um beijo de dez segundos.

Um membro do casal então bebeu um probiótico, que continha uma mistura de bactérias que poderiam ser facilmente identificadas.

No segundo beijo do casal de voluntários, após o consumo da bebida probiótica, os cientistas conseguiram detectar o volume de bactérias transferidas para o parceiro – cerca de 80 milhões de bactérias.

Os cientistas observaram ainda que a população de bactérias na saliva parecia mudar rapidamente em resposta a um beijo, enquanto que a da língua permanecia mais estável.

“O beijo de língua é um ótimo exemplo de exposição a um número gigantesco de bactérias em um tempo curto”, disse Remco Kort, professor que liderou a pesquisa.

“Mas apenas algumas bactérias transferidas de um beijo parecem se estabelecer na língua. Mais pesquisas devem analisar as propriedades da bactérias e da língua que contribuem para este poder de fixação.”

“Este tipo de investigação pode nos ajudar a criar, no futuro, terapias (para enfrentar as) bactérias e ajudar as pessoas que têm problemas com bactérias”, acrescentou o cientista.

Museu do micróbio

Os cientistas holandeses trabalharam em parceria com o museu Micropia, considerado o primeiro museu sobre micróbios do mundo e com sede em Amsterdã.

Em uma exposição recém-inaugurada, casais são convidados a se beijar e recebem uma análise instantânea das bactérias que compartilharam.

E um número cada vez maior de pesquisadores está analisando o chamado microbioma, um ecossistema de cerca de 100 trilhões de micro-organismos que vivem em nossos corpos.

Os cientistas afirmam que estas populações podem ser essenciais para a saúde e prevenção de doenças.

Leia Mais

Com ‘vergonha moral’ do Brasil, movimento separatista quer plebiscito pela independência do Sul

foto: Fernanda Canofre / Vice Brasil
foto: Fernanda Canofre / Vice Brasil

Fernanda Canofre, no Vice Brasil [via Opera Mundi]

O movimento O Sul é Meu País surgiu em 1992 na cidade de Laguna, Santa Catarina, com a proposta de separar Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul do resto do Brasil. Segundo Celso Deucher, catarinense e atual presidente do movimento, contabilizando os simpatizantes nos três estados, atualmente há 6 milhões de pessoas em torno da ideia. A página oficial no Facebook registra pouco mais de 16 mil curtidas. São mais um, talvez o maior, entre os 53 movimentos separatistas que já apareceram na região. No site oficial, a organização se apresenta como “a consequência, de cujas causas não podemos ser acusados”.

No encontro realizado no dia 20 de setembro em um hotel em Passo Fundo, os separatistas do grupo falaram das óbvias razões que possuem para se separar do Brasil e volta e meia recaíram sobre a crítica à corrupção e à política nacional. Disseram aceitar pessoas de todos os credos, raças e tendências políticas, desde que o indivíduo esteja “imbuído do desejo separatista”. Na fala dos líderes e palestrantes, “tudo que está errado” é traduzido em repulsa ao Bolsa Família, às cotas raciais, ao processo do Mensalão.

“A gente vê o governo abrindo mais vagas no Bolsa Família, mas não vê postos de trabalho”, reclama Deucher. “Nós queremos nos livrar, porque esse Estado, Brasília, não nos representa. Ele não diz nada para nós, o que ele diz é só coisa ruim”, conclui. A rejeição a Brasília é o mote dos panfletos que os membros imprimem com dinheiro do próprio bolso e distribuem em suas cidades. O mais recente lembrava que, em 2013, os três estados do sul arrecadaram 152 bilhões de reais, mas tiveram “retorno” de apenas 29,3 bilhões. Em letras amarelas, o movimento faz a conta: 80% “do total arrecadado não retornou aos estados”.

Eles acreditam que a distribuição das contas desencadeou um processo de “favelamento do sul”. Fundador do movimento separatista paranaense República das Araucárias, Helio Ribas Micheleto chegou a ser demitido do emprego em 1993 por sua ligação com a causa. Nem por isso se afastou do movimento ou deixou de usar na lapela do paletó o broche que carrega o símbolo dos três estados. “Hoje, os dez maiores municípios do Paraná, de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul, municípios com mais de cem mil habitantes, estão cheios de favelas. (…) De onde é que veio isso aí? Gerado pela pobreza, pela falta de investimento federal, deixando os governadores sem dinheiro e, consequentemente, os municípios”, afirma.

Os separatistas também se creem injustiçados na representação parlamentar. Deucher reconhece que algumas das “oligarquias que tomaram conta do Estado nacional” são do Sul. Ainda assim, acredita que o cálculo do quociente eleitoral – que divide o número de eleitores pelo número de cadeiras disponíveis – faz com que o Sul nunca seja ouvido. “Como eu preciso de 17 catarinenses para valer um voto de um cara, sei lá, do Acre? De onde que saiu essa conta tão louca que um tem que ter poder econômico e outro tem que ter poder político? Num tempo em que o voto universal é um voto, como que isso continua acontecendo no Brasil, né? Essa questão aí, ela é seríssima. Por quê? Porque ela tira o valor como cidadãos que nós temos, como brasileiros. Tira a nossa força de lutar por aquilo que nós queremos”, frisa.

Na conferência, as “oportunidades” de expansão do movimento e formas de se espalhar a ideia são discutidas durante uma Oficina de Planejamento Estratégico. Um dos participantes sugere que o movimento utilize a mesma estrutura do marketing multinível – o polêmico esquema de pirâmide – esclarecendo que aqui não entraria dinheiro. Ele explica que uma pessoa seria responsável por integrar outras três à organização; essas três, outras três; e assim por diante. Outro integrante reconheceu na ideia uma estratégia também utilizada por igrejas evangélicas para arrebanhar mais fiéis: “Ah, sim, na igreja chamamos isso de igreja em células. Pode funcionar!”, exclama.

Mas a polêmica maior é o ter ou não ter participação ativa na política brasileira. Um dos participantes, Hermes Aloisio, vice-presidente do movimento em Passo Fundo, foi também candidato a vice-governador do Rio Grande do Sul pelo PRTB, o partido de Levy Fidelix. No programa de governo de sua coligação, o plebiscito pela “autodeterminação política e econômica” é uma promessa. Deucher tenta se afastar disso. Fala que alguns políticos já demonstraram interesse em apoiá-los: “Só que nós não queremos esses apoios, entendes? Porque os caras são sujos, pô”.

Frase indígena "Esta terra tem dono", um dos motes do grupo (foto: Fernanda Canofre / Vice Brasil)
Frase indígena “Esta terra tem dono”, um dos motes do grupo (foto: Fernanda Canofre / Vice Brasil)

(mais…)

Leia Mais

Lava-jato: Delatores vão devolver R$ 423 milhões desviados dos cofres públicos

Somas, já bloqueadas, referem-se a acordos feitos por apenas cinco investigados

charge: Duke
charge: Duke

Jailton de Carvalho, em O Globo

Numa série de acordos e confissões de fraudes sem paralelo em processos judiciais brasileiros, cinco delatores da Operação Lava-Jato já se comprometeram a devolver R$ 423 milhões. As somas já estão bloqueadas em contas no Brasil e no exterior, e a devolução aos cofres públicos depende apenas de decisões judiciais burocráticas. Só o ex-gerente Pedro Barusco, um dos supostos cúmplices do ex-diretor de Serviços Renato Duque, firmou compromisso de devolver aproximadamente US$ 100 milhões, algo em torno de R$ 253 milhões, segundo disse ao GLOBO uma autoridade que acompanha o caso.

O valor é superior ao que a presidente Dilma Rousseff e o senador Aécio Neves (PSDB) teriam gasto, cada um, durante a campanha eleitoral deste ano. Dilma planejou despesas da ordem de R$ 300 milhões. Os gastos de Aécio teriam ficado em torno de R$ 290 milhões. Trata-se também do maior volume de recursos a ser devolvido a partir de acordos de delação premiada no país. Até então, a maior quantia a ser devolvida por um delator era a do ex-secretário de Assuntos Institucionais do Distrito Federal Durval Barbosa, operador do mensalão do DEM. Dinheiro e bens a serem devolvidos por Barbosa giram na casa dos R$ 100 milhões, conforme cálculos do Ministério Público local.

A escalada de delações, associada à confissão de culpa e à devolução de dinheiro desviado, começou com o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa. O ex-diretor entregou a estrutura de corrupção em contratos de empreiteiras com a Petrobras e assumiu por escrito o compromisso de devolver aproximadamente R$ 70 milhões. Desse total, US$ 23 milhões (R$ 58 milhões) estão bloqueados em contas bancárias na Suíça. Com o caminho aberto, o seu ex-cúmplice no esquema, o doleiro Alberto Youssef, também decidiu confessar envolvimento com a corrupção e entregar aproximadamente R$ 50 milhões.

Não demorou, o executivo Júlio Camargo, da Toyo Setal, decidiu fazer o mesmo. O empresário concordou em pagar R$ 40 milhões a título de ressarcimento dos cofres públicos e contar ao Ministério Publico como e para quem pagou propina em troca de contratos com a maior estatal brasileira. Augusto Ribeiro, outro executivo da Toyo Setal, dispôs-se a pagar R$ 10 milhões e também complementar os relatos sobre os subornos de dirigentes da Petrobras e de intermediários das negociatas.

Os procuradores da força-tarefa da Operação Lava-Jato estavam cientes da importância histórica dos valores a serem devolvidos pelos delatores. Numa cartada emblemática, procuradores obtiveram o compromisso de que Barusco devolverá aproximadamente US$ 100 milhões. Parte do dinheiro, US$ 20 milhões, já está bloqueada em contas na Suíça.

Barusco é ligado a Renato Duque, que ocupou a diretoria de Serviços da Petrobras até 2012 por indicação do PT. Barusco dediciu entregar o dinheiro depois de terem sido denunciados por Camargo e Ribeiro.

“DEPOIMENTOS DETALHADOS”

“Com efeito, os depoimentos transcritos são bastante detalhados, revelando pagamentos de propinas em diversas obras da Petrobras, como na Repav, Cabiúnas, Comperj, Repar, Gasoduto Urucu Manaus, Refinaria Paulínea, a Renato Duque e ainda a gerente da Petrobras de nome Pedro Barusco, com detalhes quanto ao modus operandi e as contas no exterior creditadas”, sustenta o juiz Sérgio Moro ao decretar a prisão de Duque e outros 26 investigados na Lava-Jato, na semana passada.

Barusco só não foi preso porque decidiu colaborar com a Justiça e devolver o dinheiro desviado. Os acordos de delação e devolução de expressivas somas em espécie são resultado do trabalho de procuradores da força-tarefa e de Sérgio Moro. Um dos procuradores, Carlos Fernando, e Moro são especialistas na questão.

Paulo Roberto Costa decidiu abrir o jogo ao Ministério Público e à Polícia Federal numa tentativa de evitar as prisões das filhas e dos genros, também acusados de envolvimento com a movimentação de dinheiro de origem ilegal. Segundo um de seus advogados, ele estava deprimido e decidiu contar tudo e devolver o dinheiro como uma forma de libertação.

Alberto Youssef resistiu longamente, mas acabou decidindo colaborar por pressão da mulher e da filha. Elas tinham receio de que o pai tivesse destino parecido com o de Marcos Valério, o operador do mensalão do PT. Valério foi condenado a mais de 40 anos de prisão. Os outros cúmplices foram punidos com penas menores, e muitos deles já estão soltos. Os outros delatores também começaram a contar o que sabem por medo de permanecerem longos anos na cadeia.

Leia Mais

Pai herói se veste de Homem–Aranha para alegrar filho com câncer

Rafael Ciscati, na Épocajayden_com_spidey

Toda criança já sonhou com, um dia, encontrar seu super-herói favorito. A infância não é das fases mais simples da vida e, às vezes, até as crianças precisam ser resgatadas. O pequeno Jayden Wilson é um rapazinho de 5 anos recém completados. Tem um tumor no cérebro e, segundo os médicos, deve viver por mais um ano.

O pai de Jayden, Mike Wilson, decidiu convidar um herói para resgatá-lo no seu quinto aniversário. Vestiu-se de Homem-Aranha, saltou do telhado e deixou o menino quase sem reação diante da surpresa: “Quando eu saltei, Jayden fez a carinha que eu imaginei que faria – surpreso e feliz ao mesmo tempo”, disse Mike ao Buzzfeefd.

O vídeo da surpresa, publicado no domingo (16), já foi visto mais de 900 mil vezes.

Mike é atleta: faz parkour e corre. Em termos acrobáticos, é quase um Homem-Aranha. Para ajudar o filho, criou uma página no Facebook e um fundo para custeio das despesas médicas. Jayden não salta ou corre por aí. Mas ninguém duvida que, a sua maneira, é também um pouquinho heroico.

Jayden vestido de spidey (foto: Reprodução/ Facebook)
Jayden vestido de spidey (foto: Reprodução/ Facebook)

 

Leia Mais

O surdo que escuta o sinal Wi-Fi e “coisas que ninguém mais consegue”

surd
publicado na Galileu

Mesmo perdendo a audição aos 20 anos de idade, Frank Swain escuta “mais” do que qualquer ser humano do planeta. Fazendo uso de uma tecnologia revolucionária há algum tempo, o garoto consegue – por meio de aparelhos auditivos – ter uma vida relativamente normal. Não bastando ser um surdo que escuta, Swain agora também faz parte de um experimento que o permite “ouvir” sinais Wi-Fi.

As funções “básicas” do aparelho de Swain funcionam de forma “incrivelmente difícil”, como explica: “Diferente dos óculos – que simplesmente dão foco ao mundo, os aparelhos auditivos digitais precisam recriar o som. Mais do que isso, eles amplificam os sons ‘úteis’ e suprimem barulho. É uma tecnologia que exige muita programação”.

Para Swain, essa digitalização do som é um mundo de portas abertas, capaz de gerar novas e interessantes experiências: “Na essência, eu escuto a interpretação de um computador. E esse tipo de ‘curadoria digital’ me intriga. Se vou passar o resto da vida ouvindo uma versão interpretada do mundo, quais elementos gostaria de adicionar?”.

E como em um filme de ficção científica, o jovem decidiu entrar em um projeto ousado chamado ‘Nesta’ ao lado do artista sonoro Daniel Jones. Depois de muita pesquisa, os dois conseguiram desenvolver o ‘Phantom Terrains’, um aparelho auditivo digital capaz de captar os sons dos sinais de Wi-Fi.

“Assim como a arquitetura de prédios conta sobre suas origens e propósitos, nós estamos começando a entender o mundo social pela paisagem inserida na rede”, conta Jones. Com esse trabalho, os dois conseguiram traçar endereços de casas comuns por suas transmissões de Wi-Fi. “Descobrimos que as rotas de algumas áreas residenciais estão totalmente inseguras”, afirma Swain.

Para os autores, o “mundo moderno está infundido com dados”. O garoto acredita que o projeto pode se tornar algo ainda maior: “Phantom Terrains abre as portas desse mundo para um pequeno passo da sintonia entre todos esses campos tão distintos”. Ele também completa: “Essa camada extra de som já está inserida no meio das outras; já faz parte da minha paisagem sonora. Então enquanto carregar meu celular comigo, eu sempre serei capaz de escutar o Wi-Fi”.

O artista Jones pensa que o “maior desafio é humano”. “O grande desafio é conseguir criar uma representação sonora do complexo mundo da rede sem obstruir as camadas comuns já acostumadas ao ouvido humano”.

Já Swain acredita “que apenas o tempo irá nos mostrar se a experiência foi bem sucedida; se sim, esse será um importante passo para tirar os computadores das caixas de vidro”. E ansioso, o jovem conclui: “Espero que um dia as pessoas possam ouvir o barulho dos números e suas discordantes melodias. Particularmente, eu almejo adicionar ainda mais informação nessa narrativa, espero escutar coisas no mundo que mais ninguém consegue”.

Leia Mais