Dormir nu pode melhorar o sono, o relacionamento e até a saúde do coração

Um em cada três adultos não usa nada para descansar, diz estudo da Fundação Nacional do Sono dos EUA

Casais que dormem pelados são mais felizes, aponta pesquisa (foto: Freeimages)
Casais que dormem pelados são mais felizes, aponta pesquisa (foto: Freeimages)

Publicado em O Globo

“Sabe, eles te fazem perguntas. Só um exemplo: ‘O que você veste na cama? Você veste blusa de pijama? Veste calça de pijama? Camisola?’. Então eu disse: ‘Chanel No. 5’”, já brincava Marilyn Monroe em um comercial de perfume da década de 1960. E pesquisas recentes mostram que ela estava apenas sendo saudável. Um em cada três adultos dorme nu, de acordo com um estudo internacional feito pela Fundação Nacional do Sono dos Estados Unidos, que demonstrou ainda que o hábito pode trazer todos os tipos de benefícios: melhorar a qualidade de sono, aprimorar o relacionamento e até a saúde do coração.

Peritos concordam que é importante manter a calma durante a noite, já que a temperatura do corpo tem que cair cerca de meio grau para que você caia no sono. O cérebro, impulsionado pelo relógio biológico, envia mensagens para os vasos sanguíneos se abrirem e liberarem calor.

– A temperatura central em geral está no ápice às 23h e tem nível mais baixo às 4h – disse Chris Idzikowski, diretor do Centro de Sono de Edimburgo e autor de “Sound Asleep: The Expert Guide To Sleeping Well”. – Se nada impede o declínio da temperatura, o cérebro vai acordar para ver o que está acontecendo, ou seja, você vai lutar para conseguir dormir ou vai ter um sono perturbado. A vantagem de dormir nu é que é mais fácil para o corpo esfriar e manter a temperatura baixa que o cérebro quer alcançar.

Sono interrompido pelo calor não significa apenas menos sono em geral, mas também menos sono profundo, o tipo mais restaurador. Ele é fundamental para a consolidação da memória e da produção de hormônio do crescimento – importante para a reparação celular e o crescimento.

Embora seja importante não ficar com muito calor durante a noite, certifique-se de que você tem mãos e pés quentes, afirmam estudiosos: para baixar a temperatura, o corpo precisa perder o excesso de calor, e faz isso através do envio de sangue aos vasos próximos à pele – em particular, os das mãos e dos pés.

No entanto, como o professor de neurociência circadiana Russell Foster explica, se as mãos e os pés estão frios, os vasos sanguíneos se contraem ao lado da pele e reduzem o fluxo de sangue em um esforço para manter o calor e parar de deixá-lo escapar. Isto significa que a sua temperatura interna não será capaz de cair facilmente. É por isso que as pessoas com síndrome de Raynaud – um distúrbio caracterizado por mãos e pés extremamente frias são mais propensos a sofrer com insônia.

DIVIDINDO A CAMA

Pijamas acolhedores são tentadores, mas se você divide a cama com um parceiro, dormir nu irá gerar um impulso generoso de oxitocina, um hormônio que tem vários benefícios à saúde.

– Ela é acionada pela proximidade, pelo contato pele a pele – disse Kerstin Uvnas-Moberg, fisiologista da Universidade Sueca de Ciências Agrícolas e especialista em oxitocina. – Os nervos sensoriais na pele enviam impulsos para o cérebro, provocando a liberação do hormônio. Quando um bebê é colocado no peito de sua mãe, o sangue da mãe e do filho começa a pulsar com oxitocina.

A oxitocina tem um efeito protetor sobre o coração: reduz a pressão arterial, estimula o sistema imunológico e reduz a ansiedade.

Além disso, pessoas que dormem como vieram ao mundo tem vidas amorosas mais felizes, de acordo com uma pesquisa deste ano de uma empresa de roupas de cama, feita com mil britãnicos. O estudo revelou que 57% das pessoas que dormiam peladas estavam felizes com seus relacionamentos, em comparação com 48% dos usuários que vestiam pijama para dormir e 43% dos que usavam camisolas. Dormir nu é uma boa estratégia para aqueles com problemas de imagem corporal, afirmou a terapeuta sexual Denise Knowles.

– Você pode deslizar sob os lençóis, e, em seguida, tirar a roupa, e então você pode ser tocado, mesmo se você não quiser ser olhado – concluiu.

Leia Mais

Cão faz sucesso ao acompanhar dono cantando ‘Trololó’

Gravação mostra cachorro uivando enquanto dono canta.
Vídeo alcançou mais de 15 mil visualizações no YouTube.

Maximus fez sucesso ao acompanhar dono cantando 'Trololó' (foto: Reprodução/YouTube/Rumble Viral)
Maximus fez sucesso ao acompanhar dono cantando ‘Trololó’ (foto: Reprodução/YouTube/Rumble Viral)

Publicado no G1

O cão pastor alemão Maximus fez sucesso na internet ao acompanhar seu dono cantando a famosa canção “Trololó”, do russo Eduard Khil. A gravação mostra o cachorro uivando enquanto seu dono canta.

Leia Mais

Vereadora segura calcinha durante discurso contra violência da mulher

Ela disse que comentário de colega incita a violência.
Vereador diz que Lucimara quer aparecer na mídia.

Vereadora do PCdoB usa tribuna para destacar violência contra a mulher (foto: Acrisio Siqueira/CMA)
Vereadora do PCdoB usa tribuna para destacar violência contra a mulher (foto: Acrisio Siqueira/CMA)

Publicado no G1

Em sessão realizada nesta terça-feira (25) na Câmara dos Vereadores de Aracaju, o Dia Internacional de Combate à Violência Contra Mulher, foi destaque no discurso da vereadora Lucimara Passos, (PCdoB).

Com uma calcinha nas mãos, ela falou sobre os dados da Organização das Nações Unidas (ONU), que revelam que uma em cada três mulheres no mundo já sofreu violência física ou sexual, e que cerca de 120 milhões de meninas já foram submetidas a sexo forçado, e 133 milhões de mulheres já sofreram alguma mutilação genital.

Parte da sua fala na tribuna se referiu aos comentários feitos pelo vereador Agamenon Sobra (PP) na semana passada sobre uma mulher cujo casamento foi cancelamento por ela está sem calcinha. Na ocasião, o parlamentar teria dito que mulher merecia ter sido surrada.

“O foco do meu discurso não era exibir uma calcinha. Isso foi feito para chamar à atenção contra as atitudes de preconceito relacionados a mulher. Como a realizada pelo vereador Agamenon. Atitude essa que ajuda a promover o preconceito contras às mulheres que não seguem um determinado padrão de comportamento”.

“Isso vai contra toda uma luta de anos, que travamos para nos libertar da opressão masculina. Não tem como calar diante de uma pessoa que tem acesso a Tribuna da Câmara e a imprensa para fazer esse tipo de comentário”, desabafou.

O vereador falou sobre o pronunciamento de Lucimara Passos através de uma nota enviada a equipe do G1 por sua assessoria. “Apareço na mídia com frequência buscando soluções para os problemas do povo de Aracaju, já a vereadora busca em mim uma maneira de estar na mídia, ela quer Ibope. Para mim esse assunto está encerrado, tenho outros temas mais importantes a discutir”.

Leia Mais

Fotógrafo usa drone e faz vídeo incrível de Chernobyl

Trabalho sensível usa tecnologia para mostrar restos de “cidade fantasma”

Chernobyl vista de cima: fotógrafo usa drone para retratar cidade abandonada (foto: Reprodução/DannyCooke)
Chernobyl vista de cima: fotógrafo usa drone para retratar cidade abandonada (foto: Reprodução/DannyCooke)

Rennan A. Julio, na Galileu

O acidente de Chernobyl em 1986 ficou conhecido como o maior desastre nuclear da história humana. Com mais de 56 mortes diretas e mais de 4000 indiretas – consequências das partículas radioativas espalhadas no ar -, estima-se que o prejuízo financeiro da União Soviética com o evento foi de 18 bilhões de rublos.

Hoje, a região que cerca a usina abandonada de Chernobyl está localizada na região de Pripyat, na Ucrânia. O local é considerado um grande polo de estudo para especialistas que buscam entender a relação entre a natureza e as partículas nucleares.

Além disso, a cidade abandonada se tornou um dos polos fotográficos mais bonitos do planeta. Ensaístas e documentaristas já retrataram a área de diversas formas, mas Danny Cooke decidiu fazer diferente: o diretor usou um drone para voar e documentar os restos de Chernobyl.

O incrível trabalho “Postcards from Pripyat, Chernobyl” pode ser conferido abaixo.

dica do Guilherme Massuia

Leia Mais

A cada R$ 10 desviados e localizados, governo recupera R$ 1

Em quase 5 anos, governo localiza R$ 12,4 bi desviados, mas só recupera 10%

Com o dinheiro recuperado pela AGU (Advocacia-Geral da União) entre 2010 e 2014, seria possível construir 15,7 mil casas populares com valor médio de R$ 76 mil. Desde 2010, a AGU conseguiu recuperar R$ 1,2 bilhão referentes a crimes de corrupção e improbidade administrativa.
Com o dinheiro recuperado pela AGU (Advocacia-Geral da União) entre 2010 e 2014, seria possível construir 15,7 mil casas populares com valor médio de R$ 76 mil. Desde 2010, a AGU conseguiu recuperar R$ 1,2 bilhão referentes a crimes de corrupção e improbidade administrativa.

Leandro Prazeres, no UOL

Desde 2010, o governo federal recuperou R$ 1,2 bilhão em dinheiro desviado em esquemas de corrupção semelhantes aos da operação Lava Jato. Apesar de ser suficiente para construir 15,7 mil casas populares, o montante corresponde a apenas 10% de tudo o que a União tentou reaver no período, cerca de R$ 12,4 bilhões. Isso significa que a cada R$ 10 desviados e localizados, apenas R$ 1 volta aos cofres públicos.

Os dados são da AGU (Advocacia-Geral da União), órgão do governo federal especializado na recuperação de dinheiro desviado em esquemas de corrupção, e correspondem ao período entre 2010 e outubro de 2014. A entidade não tem estimativas de quanto foi desviado e não foi localizado.

Os recursos recuperados pela União são destinados à Conta Única do Tesouro Nacional e não têm um destino específico. Os valores, no entanto, podem ser maiores, pois um dos dois órgãos internos da AGU responsáveis pela recuperação desses recursos só repassou dados referentes ao período de 2010 a 2013, enquanto que o outro tinha valores até o mês passado.

A lentidão da Justiça e a sofisticação usada pelas quadrilhas para ‘lavar’ dinheiro público estão entre as principais dificuldades encontradas pelo governo para reaver os recursos. Os procuradores são responsáveis por recuperar recursos desviados dos 39 ministérios e 159 autarquias e fundações como INSS e Funasa.

Entre os casos recentes mais volumosos estão a recuperação de R$ 183 milhões de um total de R$ 468 milhões desviados pelo Grupo OK, do ex-senador Luiz Estevão, durante a construção da sede do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo.

Outro caso conhecido é o da fraudadora do INSS Jorgina de Freitas. No início da década de 1990, Jorgina foi acusada de participar de um esquema que desviou em torno de R$ 500 milhões. Deste valor, AGU conseguiu recuperar R$ 151 milhões desde 2010.

Segundo a coordenadora-geral de Cobrança e Recuperação de Créditos da PGF (Procuradoria-Geral Federal) – um dos ‘braços’ da AGU – Tarsila Ribeiro Marques Fernandes, um dos dois principais entraves para o aumento no percentual de dinheiro desviado que retorna aos cofres públicos é a demora do processo legal.

Por lei, o dinheiro só pode retornar efetivamente aos cofres da União depois que o caso é transitado em julgado, ou seja, quando não há mais possibilidade de recurso, o que pode levar anos.

“É natural que se dê o direito à ampla defesa, mas o rito é normalmente longo. Passa por vários órgãos até chegar à gente. Mesmo assim, estamos tentando diminuir esse lapso”, disse a coordenadora.

Para que o dinheiro de um desvio de recursos do FNDE (Fundo Nacional para o Desenvolvimento da Educação) retorne aos cofres públicos, por exemplo, ele normalmente passa por pelo menos cinco etapas: apuração interna do órgão, análise do caso pela CGU (Controladoria-Geral da União), julgamento no TCU e julgamentos das ações de recuperação na Justiça comum.

Antes de ser efetivamente recuperado, o dinheiro ou os bens adquiridos com os recursos desviados precisam ser bloqueados judicialmente. O bloqueio, explica Tarsila, evita que os recursos desapareçam durante o decorrer do processo.

Somente depois que os réus são condenados é que os bens bloqueados podem ser recuperados. No caso de bens móveis ou imóveis, a maior parte deles vai a leilão e o dinheiro arrecadado é revertido para o Tesouro Nacional.

A AGU afirma que, desde 2009, conseguiu o bloqueio de R$ 2,2 bilhões em bens e dinheiro oriundos de irregularidades.

Um exemplo de como esse processo pode demorar é a fraude de quase R$ 500 milhões do caso Jorgina de Freitas, do início da década de 90. Somente nos últimos anos é que a Justiça autorizou o leilão de centenas de imóveis adquiridos pela quadrilha.

Lavagem de dinheiro

Outro fator que dificulta a recuperação do dinheiro desviado é a sofisticação dos esquemas de lavagem de dinheiro.

“Não é um procedimento muito simples. Existem técnicas sofisticadas de lavagem de dinheiro, não é uma coisa óbvia, pegar da conta do ‘João’ e transferir para conta da ‘Maria’. Normalmente eles pulverizam esse dinheiro em contas off shore em países que não repassam informações a respeito delas para o Brasil”, explicou Teresa Cristina de Souza, chefe da divisão responsável pela recuperação de recursos da PGF.

Tarsila afirma que a AGU provavelmente não atuará na recuperação do dinheiro supostamente desviado pelo esquema investigado pela Lava Jato. “A Petrobras é uma empresa de economia mista e nós não deveremos ter atuação no caso, mas ainda é cedo para dizer. A princípio, não iremos atuar”, afirmou.

Na última segunda-feira (24), um grupo de procuradores federais viajou para a Suíça para tentar identificar o paradeiro do dinheiro supostamente desviado pelo esquema investigado pela operação Lava Jato.

Leia Mais