Como você seria se tivesse um rosto simétrico?

Publicado originalmente em Hypeness

Existe uma lenda, e até estudos científicos, que sugerem que pessoas que têm rostos mais simétricos são considerados mais atraentes. Motivado por esse conceito, o fotógrafo Julian Wolkenstein decidiu fazer uma experiência interessante com fotos de retratos.

Para cada foto que tirou de modelos, ele produziu duas imagens diferentes, cada uma espelhando um dos lados do rosto, gerando duas versões simétricas. As duas fotos nos revelam rostos surpreendentemente diferentes. Infelizmente o fotógrafo não disponibilizou as fotos originais das pessoas para uma melhor comparação, mas ainda sim a série é muito interessante:

Leia Mais

A celebridade – Fernando Pessoa

Publicado originalmente no site do Ricardo Gondim 

Às vezes, quando penso nos homens célebres, sinto por eles toda a tristeza da celebridade.

A celebridade é um plebeísmo. Por isso deve ferir uma alma delicada. É um plebeísmo porque estar em evidência, ser olhado por todos inflige a uma criatura delicada uma sensação de parentesco exterior com as criaturas que armam escândalo nas ruas, que gesticulam e falam alto nas praças.

O homem que se torna célebre fica sem vida íntima: tornam-se de vidro as paredes de sua vida doméstica; é sempre como se fosse excessivo o seu traje; e aquelas suas mínimas ações – ridiculamente humana às vezes – e que ele quereria invisíveis, coa-as a lente da celebridade para espetaculosas pequenezes, com cuja evidência a sua alma se estraga ou se enfastia. É preciso ser muito grosseiro para poder ser célebre à vontade.

Depois, além dum plebeísmo, a celebridade é uma contradição. Parecendo que dá valor e força às criaturas, apenas as desvaloriza e as enfraquece. Um homem de gênio desconhecido pode gozar a volúpia suave do contraste entre a sua obscuridade e o seu gênio; e pode, pensando que seria célebre se quisesse, medir o seu valor com a sua melhor medida, que é ele próprio. Mas, uma vez conhecido, não está mais na sua mão reverter à obscuridade. A celebridade é irreparável. Dela como do tempo, ninguém torna atrás ou se desdiz.

E é por isto que a celebridade é uma fraqueza também. Todo o homem que merece ser célebre sabe que não vale a penas sê-lo. Deixar-se ser célebre é uma fraqueza, uma concessão ao baixo instinto… de dar nas vistas e nos ouvidos.

Penso às vezes nisto coloridamente. E aquela frase de que “homem de gênio desconhecido” é o mais belo de todos os destinos, torna-se-me inegável; parece-me que esse é não o mais belo, o maior dos destinos…

Vão-se-me os olhos da alma nessas figuras supostas – e quem sabe a que ponto reais? – que, verdadeiramente, realizam o supremo destino do homem: o máximo do poder no mínimo da exibição; o mínimo da exibição por certo, por terem o máximo do poder…

Leia Mais

Novo produto da Igreja Mundial Tabajara: colher de pedreiro ungida


x
Depois da fronha milagrosa (R$ 91), meias ungidas (R$ 153) e da toalhinha “sê tu uma bênção”, a empresa da fé Igreja Mundial agora vai comercializar  a “colher de pedreiro ungida”.

Por apenas R$ 153 os otários fiéis receberão “unção” para concluir projetos, em especial os megalômanos da cria de Edir Macedo.

dica do Elieser Santos

Leia Mais