Conteúdo marcado como pavablog

“Tinha que ser preto mesmo!” e a nossa ignorância diária

Leonardo Sakamoto, no Blog do Sakamoto Tinha que ser preto mesmo! Preto quando não faz na entrada faz na saída. Sabe quando preto toma laranjada? Quando rola briga na feira. Amor, fecha rápido o vidro que tá vindo um escurinho mal encarado. Olha, meu filho, não sou preconceituoso, não. Até tenho amigos negros. Ouviu aquele batuque? É um terreiro de macumba. Logo aqui na nossa rua! Mas o João Vítor […]

Na limousine com o Thalles é fácil. Quero ver louvar com a galera no fundo da Fiorino.

Na limousine com o Thalles é fácil. Quero ver louvar com a galera no fundo da Fiorino.
x Depois de “o burrinho era o BMW da época de Jesus“, uma promoção gospel que vai impactar a sua vida. “Motor 1.6, bebendo igual um pagodinho.” dica do Ruben Mukama Atualização (21/11) Nesta manhã o cantor esclareceu em seu site que não existe a tal promoção. Logo após a divulgação do comunicado, o site Nossa Limousine  saiu do ar. Thalles  afirmou ainda: “Eu não sou artista, sou pastor. As […]

30% dos profissionais seguiram carreira que sonhavam na infância

Publicado originalmente no G1 Pesquisa do LinkedIn mostrou quais eram as profissões dos sonhos de infância dos usuários da rede. De acordo com o levantamento, 30,3% dos mais de 8 mil profissionais pesquisados, em 17 países, seguiu a carreira que sonhava na infância. É um sinal de que a maioria das crianças não confirma, quando adulto, o que responderam quando pequenos à famosa pergunta: “O que você quer ser quando […]

Mais que humanos: os animais de Tim Flach

Mais que humanos: os animais de Tim Flach
Audrey, no Bistrô Cultural O trabalho do fotógrafo londrino Tim Flach é carregado de delicadeza e sentimento. Em suas imagens, ele explora os gestos e as formas corporais de animais que acabam revelando características humanas. As  fotografias, resultado de 7 anos de pesquisa e observação, foram reunidas no livro More than Human.

Os limites da pregação religiosa

Os limites da pregação religiosa
Aline Viana, no iG A situação é difícil: um colega de trabalho descobre uma doença grave ou perde um ente querido. A intenção é boa: o primeiro consolo que lhe vem à cabeça é de cunho religioso. Mas pode ser ofensivo “evangelizar” alguém neste contexto. E em outros contextos também. Quem nunca ouviu que religião, política e futebol não se discutem? “Na verdade, esses assuntos não se condenam. Não tenho […]