Genes influenciam propensão à infidelidade, diz estudo

Publicado em O Globo

O desejo de trair pode ser hereditário, segundo indica um estudo de pesquisadores da Universidade de Queensland, na Austrália.

Os pesquisadores concluíram que variações genéticas podem fazer com que tanto homens quanto mulheres tenham maior propensão a cometer adultério.

O estudo, publicado na revista científica “Evolution & Human Behaviour”, analisou o comportamento de mais de 7.000 pares de gêmeos na Finlândia, com idades de 18 a 49 anos, todos em relacionamentos estáveis.

Os pesquisadores compararam as diferenças de comportamento entre casais de gêmeos: os idênticos, que compartilham todos os genes, e os fraternos, que apresentam diferenças.

Cerca de 10% dos homens e 6,4% das mulheres tinham pulado a cerca no ano anterior.

Os resultados sugerem que 63% do comportamento infiel nos homens e 40% nas mulheres podem ser atribuídos à herança genética.

No caso das mulheres, os cientistas detectaram que variações em um gene chamado AVPRIA estava associado ao comportamento infiel.

Pesquisadores australianos acreditam que características genéticas deixam homens e mulheres mais propensos a pular a cerca
Pesquisadores australianos acreditam que características genéticas deixam homens e mulheres mais propensos a pular a cerca

Este gene é associado à produção da arginina vasopressina, um hormônio envolvido na regulação do comportamento social e que mostrou ter influência em testes com roedores.

“Nossa pesquisa mostra que a genética influencia a possibilidade de pessoas fazerem sexo com parceiros fora de seu relacionamento”, explica Brendan Zietsch, coordenador do estudo.

ORIGENS DA INFIDELIDADE

A infidelidade é um assunto que provoca mistério na comunidade científica, que tradicionalmente busca explicações na biologia evolucionária. Para homens, a poligamia seria explicada pela necessidade da preservação da espécie: mais sexo resultaria em mais filhos.

No caso das mulheres, porém, há divergências. Trair costuma ser visto como um tipo de “efeito colateral” provocado pelo comportamento masculino; ou então como resultado de uma ação mais instintiva: em tempos mais primitivos, ter filhos com vários parceiros reduziria a possibilidade de infanticídio.

Este debate fez com que os pesquisadores de Queensland examinassem também o comportamento de gêmeos de sexo diferentes. Pelo menos na amostra estudada, eles não identificaram nenhuma correlação significativa de promiscuidade de influência social.

Leia Mais

Samsung lança mouse comandado pelos olhos

size_810_16_9_olho

Publicado na Exame

Nesta terça-feira (25), a Samsung apresentou um aparelho que rastreia o movimento dos olhos. A ideia é permitir que o movimento ocular seja usado para controlar as ações de um computador e executar tarefas como mover o cursor e rolar páginas, entre outras possibilidades.

O aparelho se chama Eyecan+ e fisicamente tem mais ou menos o tamanho de receptores de sinal de TV paga. Acoplada debaixo de monitores, a tecnologia transforma a atividade dos olhos em ações práticas reproduzidas no computador. O principal objetivo é ajudar pessoas incapazes de se mover em virtude de alguma deficiência motora.

A comercialização dos produtos, pelo menos por enquanto, não está nos planos da Samsung, que pretende doar os aparelhos para instituições de caridade. Tanto o software quanto o hardware terão suas configurações e arquitetura abertas em breve, segundo a empresa sul-coreana.

Não é a primeira vez que a marca desenvolve tal tecnologia. O primeiro “mouse ocular” foi lançado em 2012. O novo produto, entretanto, teve melhorias na calibragem e na interação com os usuários.

Leia Mais

Cidade polonesa veta Ursinho Pooh por “sexualidade duvidosa”

“O problema com esse urso é que ele não tem um guarda-roupa completo”, disse o prefeito da cidade de Tuszyn

poloniaurso-poohgettymichael-buckner

Publicado no Terra

As autoridades da cidade polonesa de Tuszyn, no centro da Polônia, vetaram o Ursinho Pooh, popular personagem infantil de Walt Disney, porque tem uma “sexualidade duvidosa”, “não se veste adequadamente” e “é interssexual”.

A polêmica surgiu recentemente quando um membro da prefeitura propôs dar o nome de Pooh a uma área de lazer para crianças, algo que bateu de frente com a oposição de vários vereadores e do próprio prefeito da cidade.

“O problema com esse urso é que ele não tem um guarda-roupa completo”, disse então o prefeito de Tuszyn, Ryszard Cichy, de 46 anos, em uma conversa que foi gravada por um dos vereadores, que depois a passou para a imprensa local.

“Essa nudez parcial é totalmente inapropriada para crianças”, acrescentou o prefeito desta pequena cidade de pouco mais de sete mil habitantes.

Cichy propôs outro urso, também popular nos contos infantis poloneses, “um urso polonês que esteja vestido dos pés à cabeça, e não só com uma camiseta (como o Ursinho Pooh)”, detalhou.

Mas o debate não parou aí, uma vez que, como mostra a gravação, um dos funcionários uniu-se à discussão assegurando que Pooh “não usa cuecas porque não tem sexo, possivelmente é interssexual”.

Outra das vereadoras presentes, Hanna Jachimska, também questionou a conveniência de dar o nome do popular personagem infantil à área de lazer, e foi além ao criticar seu criador, o britânico Alan Milne.

“Eu acredito que o autor tinha um problema com sua identidade sexual”, disse a vereadora entre risos.

O intenso debate não decidiu o nome da área de lazer de Tuszyn, embora pareça pouco provável que o Ursinho Pooh siga sendo um candidato em uma cidade onde sua sexualidade suscitou um debate desse nível.

O caso de Tuszyn lembra ao que também aconteceu na Polônia em 2007, quando a então defensora de menores, Ewa Sowinska, pediu a um grupo de psicólogos que analisasse se os Teletubbies, também personagens populares de uma série infantil, apresentavam algum indício de homossexualidade.

Sowinska estava preocupada se a série escondia algum tipo de “propaganda” que pudesse afetar crianças, e considerava que esse tipo de programação não podia ser transmitida na televisão pública.

Quem levantou as suspeitas da funcionária foi o personagem Tinky Winky, o boneco de cor roxa, que motivou um estudo completo sobre o comportamento dos Teletubbies.

“Me dei conta que Tinky Winky carregava uma bolsa, mas não sabia que era um menino”, declarou então Sowinska à revista Wprost”, onde mostrou seu temor a que estes personagens infantis escondessem “um nexo homossexual oculto”.

Embora a Polônia seja um país que mudou muito desde sua entrada na União Europeia em 2004, ainda existe uma ampla porcentagem da população com uma moral ultraconservadora, muito influenciada por um catolicismo radical.

Esse setor da população teme que os novos ares europeus acabem com as tradições polonesas e tragam muita tolerância em relação a comportamentos considerados reprováveis por eles, como a homossexualidade.

Leia Mais

Casar com a pessoa errada é um dos maiores arrependimentos entre idosos

Não conseguir guardar dinheiro para aposentadoria e não conhecer o mundo também aparecem no estudo

No filme Simplesmente Complicada, a personagem de Meryl Streep se separa de Steve Martin para começar um novo romance com o personagem de Alec Baldwin - Divulgação
No filme Simplesmente Complicada, a personagem de Meryl Streep se separa de Steve Martin para começar um novo romance com o personagem de Alec Baldwin – Divulgação

Publicado em O Globo

A idade avança e os arrependimentos, principalmente os amorosos, também. Esta é a conclusão de um levantamento feito entre as pessoas de meia-idade para identificar suas principais angústias. A maioria das lamentações eram ligadas a questões mais mundanas como não ter conseguido ver todo o mundo, com 23% dos entrevistados, e não ter arrecadado dinheiro o suficiente para a aposentadoria, para 19%. Já as outras respostas demonstraram mágoa.

O arrependimento por ter casado com a pessoa errada foi a principal resposta para 18% dos entrevistados mas o questionários não perguntou se o casamento terminou ou não. Outros 10% falaram que gostariam de se apaixonar novamente antes de morrerem.

A pesquisa também apontou que 17% dos entrevistados nunca disse aos seus pais o quanto eles significavam para eles, enquanto 15% se arrependeu por não terem pedido aos seus avós para contarem mais sobre suas vidas.

O remorso por priorizar o trabalho sobre a vida familiar e o tempo livre também apareceu na votação. A reclamação das longas horas de trabalho foi feita por 16% dos entrevistados, enquanto 15% lamentaram não terem passado tempo suficiente com seus filhos. Nunca ter aprendido um instrumento foi a lamentação para 15% das pessoas ouvidas.

O número de pessoas com mais de 50 anos divorciadas subiu um terço nos últimos dez anos. Para Martin Lock, chefe executivo de um site de estilo de vida para aqueles com mais de 50 anos, ouvido pelo The Independent, este comportamento pode ser novo mas não é totalmente inesperado.

– Foi um pouco estranho ver tantas pessoas falando que tinham escolhido seu parceiro errado, mas com o elevado nível das taxas globais de divórcio, isso talvez não seja tão anormal – afirmou Martin.

Leia Mais

Ex-líder de grupo que defende a “cura gay” se casa com um homem

O americano John Smid, que liderou durante 18 anos o grupo que se dizia capaz de impedir a atração de pessoas do mesmo sexo, acaba de oficializar a união com seu parceiro Larry McQueen

JOHN SMID ENQUANTO ERA DIRETOR-EXECUTIVO DA "LOVE IN ACTION" (FOTO: REPRODUÇÃO MSNBC)
JOHN SMID ENQUANTO ERA DIRETOR-EXECUTIVO DA “LOVE IN ACTION” (FOTO: REPRODUÇÃO MSNBC)

Publicado na Marie Claire

Durante 1990 e 2008, o americano Jonh Smid ocupava o cargo de diretor-executivo do grupo “Love in Action” e considerava a homessexualidade “um pecado”, chegou até a incentivar as pessoas a rezarem para que os gays se distanciassem. Mas eis que, recentemente, o seu discurso caiu por terra. John acaba de oficializar a união com seu parceiro Larry McQueen, informou a agência de notícias The Lone Star Q.

“Eu tinha fé de que algo iria acontecer, mas isso nunca aconteceu. Agora, na minha idade, já não tenho muitos anos restantes, não posso viver mais assim pelo resto da minha vida. Então, eu pensei que não, eu não estou disposto a continuar empurrando algo que não vai ocorrer”, contou.

Por isso, anunciou em sua conta de Facebook: “Conheci McQueen gradualmente, até que chegou um momento em que descobrimos que queríamos conhecer melhor um ao outro por meio de uma relação amorosa. Conforme saiamos, compartilhávamos as mesmas expectativas de vida, filosofias pessoais e nossos valores de fé. Encontramos uma compatibilidade que era confortável e emocionante.” Agora, estão oficialmente juntos.

A proposta mais controversa lançada por ele quando ainda representava a empresa foi divulgada em 2005. Na época, John prometeu criar um programa que poderia mudar a opção sexual de uma criança.

JOHN SMID E LARRY MACQUEEN, SEU COMPANHEIRO (FOTO: REPRODUÇÃO FACEBOOK)
JOHN SMID E LARRY MACQUEEN, SEU COMPANHEIRO (FOTO: REPRODUÇÃO FACEBOOK)

Leia Mais