Arquivo da tag: pavarini

Enfiar o dedo no nariz pode fazer bem à saúde

caca1

Carol Castro, no Ciência Maluca

Provavelmente sua mãe tinha um argumento pronto para gritar quando você, ainda pequenininho, insistia em passear com seu dedo por dentro do nariz. E com toda razão, afinal, é um hábito bem desagradável, não? Mas talvez ela e as convenções sociais estejam enganadas. Um bioquímico canadense acredita que tirar muco do nariz e COMÊ-LO (urgh) fortalece o sistema de defesa do corpo.

Para provar, o professor Scott Napper quer convidar estudantes da Universidade de Saskatchewan, no Canadá, para alguns testes. A ideia é dividir os voluntários em dois grupos: uma turma vai passar um tempo tirando meleca do nariz e a outra não. Depois eles vão analisar o sistema imunológico de cada um.

Napper acredita que quando comemos o muco levamos de volta ao corpo alguns germes inofensivos. Aí o sistema de defesa do organismo volta a trabalhar e intensifica a proteção contra alguns tipos de alergias. “Nós evoluímos em condições muito sujas e talvez esse desejo de manter o ambiente e nossos comportamentos bem limpos, esterilizados, não nos favorece muito”, diz Napper.

E aí, curtiu ou achou a ideia nojenta demais?

4 coisas básicas do dia a dia que você provavelmente faz errado

Vinícius Giba, na Mundo Estranho

1. Fazer cocô.

Fazer cocô sentado nas privadas modernas causa problemas que não ocorrem com quem faz agachado.

Além da ~trava consciente~~ que usamos para não fazer cocô a qualquer momento, temos um músculo em torno do reto que ajuda a impedir a saída do bolo fecal. Essa ajuda depende do ângulo entre o nosso tronco e nossas pernas. Quando estamos de pé, ele fecha a saída. Quando sentamos, libera um pouco, mas não o suficiente. Quando agachamos, aí sim!, ele abre a passagem de verdade.

Fazer sentado retém um pouco de cocô lá dentro. Com a idade, isso causa – entre outras doenças – as desconfortáveis hemorróidas!


Sentado x agachado. Crédito da imagem: Reprodução/http://www.relfe.com/toilet_seat_constipation.html

2. Dormir

Dormir 8 horas por dia é uma coisa relativamente nova. Famílias ~pré-lâmpadas~~ tinham o sono dividido em partes durante a noite. Especialistas desconfiam que essa seja a causa do alto nível de insônia dos dias atuais.


Como todos sabem, nosso cérebro regula nosso sono a partir da luz do ambiente.

Sem TV, iluminação, Nintendo 64 ou telefones, a vida noturna antes da eletricidade tendia bastante ao sono. Assim, famílias iam dormir pouco depois de anoitecer, acordavam naturalmente antes da meia-noite e matavam tempo por mais ou menos uma hora. Porém, como o mundo continuava escuro, o sono voltava e eles dormiam de novo. Levantavam na hora do nascer do sol.

Aquela acordada que damos no meio da madrugada tem suas raízes nessa história.

3. Escovar os dentes

Passar fio dental é mais importante que escovar os dentes – não é só um opcional extra.

Explicando melhor: após comer, a acidez da comida deixa os dentes um pouco mais vulneráveis. Escovar os dentes com muita força nesse momento pode ser prejudicial. Dentistas estão passando a aconselhar um certo intervalo entre a refeição e a escovação e fazê-la de forma mais leve, focando nas gengivas. O fio dental cai como uma luva nessa situação: remove a comida+bactérias entre os dentes (lugar bem legal para elas) e não os agride tanto.

4. Sentar

Sentar é pior para a coluna do que ficar de pé ou andar. Mas já que a gente tem que ficar muito tempo sentado, umas dicas: a) O encosto ideal tem 135 graus de inclinação e não os tradicionais 90. b) Bancos sem encosto também ajudam bastante. c) Levante a cada 30 ou 40 minutos. Isso vai te poupar bastante dor no futuro.

Alugue um ‘amigo local’ para conhecer uma nova cidade

Vai viajar e não quer conhecer os pontos turísticos clichês apresentados por guias? Conheça o projeto Rent a local friend

0,,69825638,00

publicado na Galileu

Ao planejar o roteiro de suas férias você já deve ter se deparado com o seguinte problema: todos os sites, agências e amigos que visitaram o destino só têm dicas de pontos turísticos clichê. E você sabe que aquela praça ou aquele museu terá mais turistas do que moradores da cidade. Ao mesmo tempo em que você quer viver a verdadeira cultura do local que vai visitar, não se sente confiante em explorar a cidade sozinho. Como garantir que você não vai parar em uma furada? O serviço Rent a local friend pode ser uma solução.

A ideia é que você ‘alugue’ um habitante da região que vai visitar e que ele te leve para os melhores pontos alternativos de seu destino. Para participar, você se cadastra no site, indicando o seu destino e o período da viagem (por enquanto há ‘amigos’ disponíveis em 45 cidades). O sistema irá mostrar uma lista de ‘guias’ em potencial. Então você pode selecionar um através do idioma e de seus interesses em comum.

O preço varia de acordo com a cidade escolhida. Em São Paulo, por exemplo, o dia com um ‘amigo alugado’ custa 260 reais. Há a opção de marcar um dia inteiro de passeio, com 8 horas, ou meio dia, com 4 horas.

Confira o vídeo que explica o serviço:

Campanha utiliza vermes para mostrar efeitos do crack

A campanha tem por objetivo a prevenção da experimentação e do uso do crack

noticia_76220

publicado no Administradores

Uma iniciativa da “Parceria Contra Drogas”, com criação da agência Talent, o case apresenta dois grandes anúncios da campanha, localizados na Galeria do Rock, ponto de encontro para jovens formadores de opinião e também vizinho de uma região que concentra o tráfico e o consumo de drogas em São Paulo.

Surpreendentemente, os cartazes, que foram impressos em uma massa de trigo, são comidos ao vivo por vermes, impactando os visitantes da galeria. Um trabalho que somente foi possível após meses de estudos por pesquisadores e biólogos. A campanha tem por objetivo a prevenção da experimentação e do uso do crack.

Veja o vídeo:

Herói de Ohio ganha hambúrguer grátis pelo resto da vida

Como estratégia de marketing, rede de restaurantes anuncia prêmio para Charles Ramsey

Sem título

 

publicado no Estadão

O homem que ficou famoso por deixar de lado o Big Mac que estava comendo para salvar três mulheres mantidas em cativeiro por uma década, em Ohio, nos Estados Unidos, nunca mais vai ter de pagar por um hambúrguer em sua cidade natal.

Como estratégia de marketing, uma rede de restaurantes da cidade ofereceu a ele um passe livre para comer quantos sanduíches quiser pelo resto da vida, informou a ABC News.

Charles Ramsey virou celebridade na internet após dar entrevistas a emissoras de TV dizendo como a encontrou Amanda Berry, Gina DeJesus e Michelle Cavaleiro, no dia 6 de Maio.

Depois de explicar a situação, Ramsey declarou que percebeu que algo estava errado quando “uma menina branca foi correndo para os braços de um homem negro”. “Algo está errado aqui”, comentou ele.

Para aproveitar a fama de Ramsey, o restaurante onde ele já trabalhou como lavador de pratos criou um hambúrguer especial em sua honra.