Sete de cada dez eleitores não têm voto para deputado, diz Datafolha

graficodeputadofederalestadual_v2

Publicado no G1

Pesquisa Datafolha divulgada nesta sexta-feira (19) mostra que 72% do eleitorado brasileiro ainda não decidiu em quem votar para deputado federal e 69% ainda não escolheram seu deputado estadual.

Ainda de acordo com a pesquisa, apenas 20% entre os mais jovens já escolheram em quem votar para deputado federal. A média é maior entre os com renda mensal familiar de 5 a 10 salários mínimos (36%) e acima de 10 salários (36%). Para deputado estadual, a média dos que escolheram seu candidato é maior entre os mais escolarizados (41%) e os mais ricos (45%).

Leia Mais

Erro ‘grosseiro’ coloca em perigo a reputação do IBGE

Instituto revisou os cálculos da Pnad após detectar problemas nas projeções de amostragem; com isso, mudaram os indicadores de desigualdade, analfabetismo e o cálculo da renda média dos brasileiros

IBGE: Depois de incidente envolvendo a Pnad Contínua, erro atual risca imagem do instituto (foto: Comstock/VEJA)
IBGE: Depois de incidente envolvendo a Pnad Contínua, erro atual risca imagem do instituto (foto: Comstock/VEJA)

Ana Clara Costa e Luís Lima, na Veja on-line

O erro cometido pela equipe de técnicos que elabora a Pesquisa Nacional por Amostragens de Domicílios (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), coloca em risco a reputação do instituto e a confiança nos dados da própria pesquisa, realizada há 30 anos. O IBGE informou que a Pnad referente ao ano de 2013 foi publicada com erro no cálculo do peso de algumas regiões, o que resultou na divulgação de indicadores incorretos. Um deles é o índice de Gini, que mede a desigualdade, que teve de ser alterado. Fosse o erro uma exceção nos institutos de pesquisa ao longo dos últimos anos, o incidente atual não causaria tanto alarme. Ocorre que a Pnad acaba de ser revisada na sequência de outras confusões que envolvem os órgãos de estatísticas do país. A credibilidade do IBGE está em jogo, assim como a dos dados oficiais que por ele são divulgados, como o de desemprego, inflação e desigualdade.

Economistas ouvidos pelo site de VEJA classificam o erro como “grosseiro” e “primário” quando se trata de um órgão cuja única função é prover dados oficiais sobre o Brasil. Em abril, uma crise institucional foi instaurada no IBGE quando a presidente, Wasmália Bisval, afirmou que a Pnad Contínua, que calcula, entre outros índices, o de desemprego, teria sua metodologia revisada a pedido de senadores petistas. A Pnad acabara de divulgar que a taxa de desemprego de 2013 havia sido maior que a calculada pelo instituto no âmbito da Pesquisa Mensal de Emprego (PME). A possibilidade de revisão fez com que houvesse uma ameaça de debandada de técnicos da Pnad. Na sequência, uma greve teve início e foi capitaneada, justamente, por aqueles que apuravam a Pnad.

No Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), algo similar ocorreu em levantamento divulgado em março deste ano, que mostrava que 65% dos brasileiros concordariam total ou parcialmente com a ideia de que mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas. O dado correto, divulgado posteriormente, era de 26%. Reportagem do site de VEJA aponta que, além de divulgar o número incorreto em abril, o instituto também engavetou um estudo importante que mostra que a concentração de renda aumentou. A tese, curiosamente, contraria o discurso recorrente dos governos petistas. O exemplo do IBGE apenas piora a situação.

Maria Helena Castro, diretora-executiva da Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade), o Portal das Estatísticas de São Paulo, recebeu com estranheza a notícia da revisão da Pnad. “É estranho que um dia depois de divulgarem os dados que mostraram que a desigualdade tinha aumentado, agora mudam. É necessário examinar com cuidado para ver qual foi o erro na metodologia. O IBGE deve convocar uma reunião com os técnicos dos Estados para explicar os problemas encontrar os motivos que levaram a essa revisão”, afirma.

Erro não muda a tendência — O índice de Gini, que é usado mundialmente, leva em conta o número de pessoas em um domicílio e a renda de cada um, e mostra uma variação de zero a um, sendo que quanto mais próximo de um, maior é a desigualdade. Na pesquisa publicada na quinta-feira, o indicador que calcula o rendimento real das famílias com o trabalho ficou em 0,498. Com a correção, fica em 0,495. O novo número mostra leve melhora em relação ao resultado de 2012, que havia sido de 0,496. O novo dado também é o mais baixo já apontado pelo instituto. Contudo, como o avanço foi de apenas 0,001 ponto porcentual, economistas mantêm a avaliação de que a melhora na distribuição de riqueza parou. A diferença é tão pequena que, ao se construir um intervalo de confiança, a alteração estaria dentro dele. “O erro não muda a tendência, que continua sendo de estagnação”, afirma o economista Marcos Lisboa, diretor e vice-presidente do Insper, e também um dos maiores especialistas em desigualdade no país.

O IBGE tem reputação respeitável e muitos de seus técnicos são renomados. Segundo economistas ouvidos pelo site de VEJA, o erro é grave, mas ainda não é o suficiente para que o Brasil seja comparado à Argentina quando se trata do cálculo de indicadores econômicos. Ao longo dos dois governos Kirchner, os órgãos responsáveis pelos principais índices, como o de inflação, não são levados em conta pelo mercado. Enquanto as estatísticas oficiais apontam inflação anual próxima de 10%, por exemplo, o índice medido por consultorias privadas é mais que o dobro. “No caso da Pnad, não acho que tenha havido má-fé. Ficaria muito surpreso se fosse. Mesmo em trabalho acadêmico, erros acontecem. E, no fim das contas, a mudança não é pra ninguém dar saltos de alegria”, afirma o economista e pesquisador da Fundação Getulio Vargas Sérgio Firpo.

Gesner Oliveira, economista e sócio-diretor da GO Associados, não se recorda de ter visto, em algum período, o reconhecimento de tamanho erro. E sugere que se implemente uma melhora nos procedimentos de revisão e checagem. “É preciso máxima transparência para explicar à sociedade o porquê e como aconteceu. Também é preciso refletir sobre eventuais medidas para minimizar a probabilidade de novos erros no futuro”, afirma. “Um sistema de revisão e de checagem mais rigoroso, além do aperfeiçoamento do sistema de divulgação são necessários, pois são estatísticas sensíveis, que têm efeitos sobre a opinião pública e o mercado. Seria desejável que não houvesse dúvidas sobre os números da principal instituição de estatísticas do país”, afirma.

Cortes de verba — As perspectivas orçamentárias para o órgão, contudo, não são animadoras quando se leva em conta a necessidade de investir num modelo mais seguro de análise de dados e checagem. Segundo o texto enviado ao Congresso pelo Ministério do Planejamento, a renda destinada ao IBGE teve um corte de 562 milhões de reais que seriam destinados à contagem da população 2016 e ao censo agropecuário 2015. O valor pedido pelo IBGE para o Projeto de Lei Orçamentária Anual 2015 era de 766 milhões de reais. Ao informar o problema, no início de setembro, a presidente do orgão, Wasmália Bivar, disse que as duas operações censitárias demandam muitos recursos e o instituto não tem como estabelecer parcerias para realizá-las. Com isso, o censo ficou para 2016. O corte também coloca em risco a realização da Pnad do ano que vem.

Leia Mais

Redes sociais deixam você triste e desconfiado

foto: flickr.com/dustinq/
foto: flickr.com/dustinq/

Carol Castro, no Ciência Maluca

Chegou até esse post pelo Twitter ou Facebook? Pode continuar por aqui, mas melhor você abandonar, pelo menos por hoje, as páginas de redes sociais. O conselho vem da ciência.

Pesquisadores italianos entrevistaram cerca de 50 mil pessoas para conhecer a rotina da vida de cada um (uso de internet, tempo em frente à tevê, saídas com os amigos, etc). E pediram para que eles avaliassem, numa escala de 0 a 10, quanto confiavam em outras pessoas e como se sentiam em relação à própria vida.

No final das contas, os pesquisadores perceberam que não há nada melhor na vida do que encontrar fisicamente amigos e parentes. Até notaram que as redes sociais têm um papel positivo: aumentam o bem-estar, mas apenas quando são utilizadas para aproximar os amigos ainda mais na vida real (promovendo encontros reais).

Mas, em geral, as consequências do uso de redes sociais oferecem mais malefícios do que benefícios. Segundo a pesquisa, as mensagens negativas e os discursos de ódio compartilhados nas redes, anulam qualquer efeito positivo. E quanto mais tempo você passa conectado a elas, maiores as chances de duvidar dos outros e se sentir um pouco menos feliz.

E aí, você concorda? Ou acha pura bobagem?

Leia Mais

Mulheres preferem os barrigudos aos sarados, revela pesquisa

Mulheres preferem os barrigudos aos sarados, revela pesquisa (foto: Gustavo Stephan / Agência O Globo)
Mulheres preferem os barrigudos aos sarados, revela pesquisa (foto: Gustavo Stephan / Agência O Globo)

Publicado no Extra

Para os homens que querem fazer sucesso com o sexo oposto, é melhor passar longe da academia e ir direto a um bar. Segundo uma nova pesquisa realizada no Reino Unido, três a cada quatro mulheres preferem os barrigudos aos sarados. O estudo mostrou ainda que 96% da população feminina acham que caras obcecados em malhar são chatos durante encontros.

No entanto, o levantamento — feito para marcar o lançamento do DVD do filme “Vizinhos”, estrelado pelo sarado Zac Efron e pelo gordinho Seth Rogen — não sugere que as mulheres consideram corpos definidos pouco atraentes. Em vez disso, descobriu-se que elas não ligam para a boa forma dos homens para não expor suas próprias inseguranças.

Para as entrevistadas, é muito provável que um homem sarado fique reparando nos defeitos do corpo feminino quando uma mulher fica nua na frente dele. Dessa forma, a pesquisa concluiu que os efeitos da aparência física sobre o desejo sexual são bem maiores para elas do que para eles.

De acordo com o escritor Michael Alvear, autor de “Não esta noite, querido, eu me sinto gorda”, 50% das mulheres admitem que já recusaram uma noite de sexo com seus parceiros por julgarem estar acima do peso, apesar de estarem com vontade de transar. As informações são do site do jornal britânico Metro.

Leia Mais

Amigos importam mais para a longevidade do que família, diz estudo

Estudo durou dez anos e foi realizado pelo Centro de Estudos do Envelhecimento da Universidade Flinders, na Austrália (foto: Getty Images)
Estudo durou dez anos e foi realizado pelo Centro de Estudos do Envelhecimento da Universidade Flinders, na Austrália (foto: Getty Images)

Yannik D´Elboux, no UOL

Não há dúvida que a harmonia familiar ajuda a ter uma vida mais tranquila, com menos problemas. Porém, para a longevidade, os amigos produzem maior impacto positivo do que as relações familiares, segundo um estudo australiano. Isso significa, de acordo com as conclusões dessa pesquisa, que as pessoas com uma boa rede de amigos e confidentes vivem mais tempo.

No levantamento de dez anos de duração com mais de 1,5 mil idosos acima de 70 anos, realizado pelo Centro de Estudos do Envelhecimento da Universidade Flinders, em Adelaide, na Austrália, os pesquisadores descobriram que aqueles que tinham mais amigos e contatos sociais apresentaram uma longevidade 22% maior. Já as relações com filhos e outros familiares, mesmo que próximas, tiveram pouco efeito nas taxas de longevidade.

Para o médico de família Rodrigo Lima, diretor da SBMFC (Sociedade Brasileira de Medicina da Família e Comunidade), boas relações, tanto com a família quanto com os amigos, influenciam a saúde. “Normalmente, pessoas que têm bons relacionamentos interpessoais tendem a adoecer menos. É algo que verificamos na prática”, observa.

Lima acredita que as amizades podem gerar mais efeitos positivos porque são fruto da escolha, das afinidades e não carregam o fator de estresse que muitas vezes envolve a família. “Não se pode fugir da família. Se alguém não se dá bem com a mãe, não há muito o que fazer a não ser tentar resolver o problema. Diferentemente do amigo, que você se afasta”, exemplifica.

A psicóloga e professora da USP (Universidade de São Paulo) Deusivania Falcão, pesquisadora de temas relacionados à psicologia do envelhecimento e família, também concorda que uma relação pautada na escolha traz benefícios à qualidade de vida. “Algumas pesquisas indicaram que as relações sociais eletivas [amizades] têm mais potencial de proteção para o bem-estar subjetivo e a saúde dos idosos”, acrescenta.

Qualidade das relações

Deusivania supõe que o impacto na longevidade aconteça porque os amigos funcionam como sinalizadores da condição de saúde. “Os amigos são fonte de suporte social, fornecem parâmetros sobre como estamos, favorecem autoavaliações e reflexões sobre as escolhas a serem feitas na vida”, explica.

Para a geriatra Carla Perissinotto, professora do Departamento de Medicina da Universidade da Califórnia, em São Francisco, nos Estados Unidos, os amigos ajudam porque são os primeiros a perceber se não estamos bem e a nos encorajar a buscar cuidados médicos. Entretanto, Carla, que também desenvolve estudos acerca dos efeitos da solidão em idosos, diz que ainda não está claro se realmente ter mais amigos influencia na longevidade. “Sentir-se conectado e não solitário é o mais importante”, ressalta.

A médica afirma que a qualidade das relações com os amigos e a família é o que mais conta para a saúde. “Algumas pessoas podem ter muitos amigos reais ou no Facebook, mas ainda assim se sentirem sozinhas”, destaca. (mais…)

Leia Mais