BBC: as canções com maior poder de cura da história

Publicado no Whiplash

Em uma pesquisa realizada pela BBC entre 1000 pessoas, a música “Bohemian Rhapsody”, lançada originalmente em 1975 pela banda Queen, foi eleita como a melhor para se ouvir quando alguém está doente ou se sentindo para baixo.

A referida canção foi Nº 1 duas vezes no UK Singles Chart, sendo a primeira no ano de seu lançamento, e a segunda, em 1991, quando o vocalista Freddie Mercury morreu em decorrência de complicações da Aids.

Em segundo lugar na pesquisa ficou “Dancing Queen”, originalmente lançada em 1976 pela banda Abba. Com uma letra simples, a canção fala sobre uma uma jovem de dezessete anos, muito popular entre os homens, que adora dançar e passar noites divertidas. Confira como ficou o resultado final.

Top 10

01 – Queen: Bohemian Rhapsody
02 – ABBA: Dancing Queen
03 – Pharell Williams: Happy
04 – Música Clássica
05 – The Beatles: Let It Be
06 – Bob Marley: Three Little Birds
07 – Robbie Williams: Angels
08 – Michael Jackson: Billie Jean
09 – Elvis Presley: The Wonder Of You
10 – Frank Sinatra: My Way

dica do Rogério Moreira

Leia Mais

Homens com barba possuem vida sexual mais ativa, mostra pesquisa

publicado na QG

No mês do Movember, há mais um motivo para você cultivar os pelos faciais – ou implantá-los, de repente. Segundo uma pesquisa do site americano de encontros Match.com, homens com barba possuem uma vida sexual mais ativa que os com cara lisa.

A página identificou que 80% dos barbudos possuem orgasmos com frequência, contra 77% dos caras limpa. A frequência sexual dos “machos alfa” também é maior, com 73% a 70%. No quesito “amiga para sexo casual”, a diferença entre os estilos aumenta: são 61% contra 54% – apenas mais uma manifestação do poder da barba.

“É tudo sobre testosterona. Ela é encarregada do crescimento dos pelos faciais do homem. O hormônio também está relacionado à habilidade deste indivíduo para ser lógico, inventivo, direto, decisivo e ambicioso”, explicou Helen Fisher, antropóloga biológica e condutora do estudo.

Se a barba passa uma imagem de um homem rústico, as aparências enganam. A pesquisa revelou que 88% dos homens com barba acreditam mais em casamentos duradouros. Mas, neste caso, talvez a falta de parceiros dos usuários do Match.com seja definitivo para o número, já que 86% dos com rosto liso também sonham com a mulher ideal para o resto da vida.

Leia Mais

Tristeza é emoção que demora mais tempo para passar, diz estudo

Por Jairo Bouer, no UOL

Uma pesquisa revela que a tristeza é a emoção que demora mais tempo para passar. A sensação que temos após o rompimento de um namoro ou a perda de um ente querido dura 240 vezes mais do que a vergonha, a surpresa ou o tédio, segundo pesquisadores da Universidade de Leuven, na Bélgica.

Para chegar à conclusão, eles coletaram depoimentos de 233 estudantes universitários sobre episódios recentes que resultaram em emoções. Os resultados foram publicados na revista Motivation and Emotion.

De acordo com o levantamento, que avaliou 27 emoções, a tristeza leva uma média de 120 horas para passar. Já o ódio tem uma duração média de 60 horas e a alegria, de apenas 35 horas. O desespero costuma durar 24 horas e o ciúme, 15 horas.

No fim da lista, as emoções que passam mais rápido são a vergonha e o nojo – que desaparecem, em média, depois de meia hora.

Segundo os pesquisadores Philippe Verduyn e Saskia Layrijsen, o tédio também está entre as emoções mais fugazes – costuma durar duas horas – ainda que as pessoas tenham a sensação de que o tempo passa mais devagar ao ficar entediadas.

O estudo ressalta que emoções mais curtas têm relação com eventos que têm importância menor para as pessoas. No entanto, quando acontece algo de maior impacto na vida de uma pessoa, ela tende a repensar o acontecimento continuamente. Essa mania de “ruminar” faz com que certas pessoas sintam ansiedade e culpa, por exemplo, por longos períodos.

Leia Mais

Cientistas descobrem 6 coisas que tornam as mulheres mais atraentes

Aquelas coisas que chamam mais atenção à primeira vista.

Publicado no Hypescience

Eitcha lelê. Se você chegou a este artigo, provavelmente não encontrou o tal do par perfeito que dizem que existe para todo mundo e está aceitando toda a ajuda do mundo para fisgar um partidão, a tradicional tampa da panela, que toda tia chata insiste em dizer que existe e está em algum lugar por aí esperando por você.

Acertei?

Bom, se sim, eu tenho uma coisa para avisar de antemão: não está fácil para ninguém. E se você acha que não tem jeito para a coisa, apenas pare com isso. Somos todos geneticamente programados para flertar. Afinal, se a gente não flertar, e não se der bem uma vez ou outra, não fazemos sexo e, consequentemente, não reproduzimos – o que não é nada interessante para a manutenção da espécie. Logo, acredite: a natureza deu esse dom a você.

Tudo o que você tem que fazer é descobri-lo em você.

Mas, se no amor e na guerra vale tudo, porque não usar um pouco de conhecimento científico para ganhar alguma vantagem sobre a concorrência – que a gente sabe que é grande e, muitas vezes, desleal?

Depois de muito estudos e pesquisas, os cientistas descobriram 6 coisas que tornam as mulheres fisicamente mais atraentes para os homens. Aquelas coisas que chamam mais atenção à primeira vista. Seriam elas:

1. Cintura fina, quadril largo

De acordo com pesquisadores da Nova Zelândia, os homens preferem uma proporção maior, algo como 7:10, na relação cintura-quadril. Segundo eles, essa preferência se justifica pelo fato de que o tamanho do quadril é uma variável importante para a capacidade de dar a luz. E mesmo que esse pensamento não seja consciente, em algum lugar da cabeça do homem tem uma voz dizendo “essa mulher pode ter um filho meu” quando vê uma mulher dentro desse padrão.

2. Voz alta

Pesquisadores da Universidade de Londres concluíram que os homens preferem as vozes femininas que têm tons mais agudos e “ofegantes”. Mas, para o bem das suas amigas, por favor não entenda isso como um convite para fazer voz de bebê em público. Essa preferência se justifica, de acordo com os pesquisadores, pelo fato de que vozes com essas características geralmente significam juventude e um corpo menor.

3. Cabelão bonito e saudável

Um grupo de cientistas alemães estabeleceu que um cabelo longo, brilhoso e bem cuidado tem um papel importante no grau de atração de uma mulher. Aparentemente, os fios saudáveis refletem uma beleza que vem de dentro, e são um sinal de fertilidade.

Nenhum desses fatores até agora pode ser controlado – pelo menos não naturalmente. Mas, calma. Muita calma nessa hora. Aqui vão algumas características cientificamente comprovadas como atraentes, que você pode controlar e usar a seu favor:

4. Sorria, mesmo sem estar sendo filmada!

Cientistas da Universidade da Colúmbia Britânica descobriram que sorrir é um fator crucial para que uma mulher seja considerada atraente. E quanto mais brancos forem os seus dentes, melhor. De acordo com os cientistas, as mulheres, contudo, tendem a se sentir atraídas por homens que mantém um rosto sério. É, parece que a regra de “os opostos se atraem” é válida para relacionamentos mesmo.

mulheres-atraentes-dicas

5. Use pouca maquiagem

Acredite se quiser se dar bem: homens preferem mulheres que não carregam a mão na hora de se maquiar. O look natural é o preferido. Ou aquela maquiagem que para a gente faz toda a diferença desse planeta, mas para um olhar masculino fica com aquele efeito de “make nada”.

6. Use vermelho

Estudos apontam que o vermelho chama mais atenção do olhar masculino e dão um ar de “femme fatale” para as mulheres que escolhem usar roupas dessa cor.

Nenhuma grande novidade, certo? Investir nesses pontos talvez seja uma boa ideia para se destacar na multidão. Mas o que você tem por dentro é o que vai fazer a pessoa ficar. É como dizem por aí: não basta a forma, tem que ter conteúdo. [businessinsider]

Leia Mais

Tristeza dura mais tempo do que qualquer outra emoção

foto: flickr.com/hansel5569/
foto: flickr.com/hansel5569/

Carol Castro, no Ciência Maluca

Tom Jobim e Vinicius de Moraes estavam certos: tristeza não tem fim, felicidade sim. Essa tal alegria é breve. Dura apenas 35 horas no seu peito. Já a tristeza… ah, a tristeza, amigo. Essa vai te pentelhar por cinco looooongos dias.

A constatação vem de uma pesquisa encabeçada por dois cientistas da Universidade de Leuven, na Bélgica. Eles pediram a 233 pessoas para rememorar episódios recentes que despertaram alguma emoção. Contaram também quanto tempo esses sentimentos duraram.

E tristeza é de longe a mais teimosa. Entre as 27 emoções avaliadas (entre elas, vergonha, tédio, alegria, inveja, alívio, ódio, desespero, esperança, etc, etc), esse sentimento foi o único a se manter vivo por mais de três dias. São necessárias, em média, 120 horas para você esquecer o abatimento de um pé na bunda. O desespero passa (em 24 horas ele já se foi), ódio vai embora (em 60 horas) e você ainda tem mais 2,5 dias a sós com a tristeza.

Segundo o estudo, é essa nossa mania de ficar remoendo os fatos ruins que faz a melancolia durar tanto tempo assim. A gente desencana mais rapidamente das outras situações, como se fosse mais fácil aceitar, algo do tipo “o que foi já foi, deixa pra lá”. Mas com a tristeza não. Insistimos em analisar por que aquilo aconteceu, repassar cada episódio, pensar em como daria para ter revertido a situação. Grande erro.

Já os sentimentos que duram pouco tempo, como tédio ou surpresa, vêm acompanhados de eventos pouco importantes. Dá uma olhada na tabela dos pesquisadores:

(Da direita para a esquerda: tristeza, ódio, alegria, desespero, esperança, ansiedade, desapontamento, contentamento, inveja, alívio, entusiasmo, admiração, gratidão, relaxamento, culpa, estresse, orgulho, se sentir emocionado, raiva, tédio, surpresa, irritação, compaixão, humilhação, medo, vergonha, desgosto)
(Da direita para a esquerda: tristeza, ódio, alegria, desespero, esperança, ansiedade, desapontamento, contentamento, inveja, alívio, entusiasmo, admiração, gratidão, relaxamento, culpa, estresse, orgulho, se sentir emocionado, raiva, tédio, surpresa, irritação, compaixão, humilhação, medo, vergonha, desgosto)

Bem injusta essa vida, não?

Leia Mais