Arquivo da tag: planeta

A pirâmide no meio do nada construída para evitar o fim do mundo

piramide fim mundo (1)

Geoff Manaugh, no GizModo

Uma enorme pirâmide no meio do nada tenta prevenir o fim do mundo usando um radar. Uma forma geométrica abstrata sob o céu, sem uma pessoa à vista. Poderia ser a cena de abertura em um filme apocalíptico de ficção científica, mas na verdade é uma estrutura real do Exército dos EUA.

A Biblioteca do Congresso americano tem um conjunto extraordinário de imagens que documentam o Stanley R. Mickelsen Safeguard Complex – próximo à fronteira dos EUA com o Canadá – mostrando-o em vários estados de construção e conclusão. E as fotos são impressionantes.

Elas foram tiradas pelo fotógrafo Benjamin Halpern, a serviço do governo americano, e mostram a pirâmide central – ou obelisco, monumento, megaestrutura – que servia para monitorar e abater mísseis na área. Como uma mistura de Gizé e o olho de Sauron, ela olha para todas as direções com seus círculos brancos que tudo veem, buscando objetos invisíveis no ar.

piramide fim mundo (2)

A pirâmide fazia parte do sistema antimísseis dos EUA: seu radar ficaria de olho em mísseis vindos da Rússia para derrubá-los no céu. Ela foi construída durante oito anos, porém funcionou por pouquíssimo tempo, até ser desativada. Como explica o Atlas Obscura:

Continue lendo

Cuidar da Mãe Terra e amar todos os seres

”Amar uma pessoa é dizer-lhe: tu não poderás morrer jamais” (G.Marcel)

Publicado por Leonardo Boff

O amor é a força maior existente no universo, nos seres vivos e nos humanos. Porque o amor é uma força de atração, de união e de transformação. Já o antigo mito grego o formulava com elegância: “Eros, o deus do amor, ergueu-se para criar a Terra. Antes, tudo era silêncio, desprovido e imóvel. Agora tudo é vida, alegria, movimento”. O amor é a expressão mais alta da vida que sempre irradia e pede cuidado, porque sem cuidado ela definha, adoece e morre.

Humberto Maturana, chileno, um dos expoentes maiores da biologia contemporânea, mostrou em seus estudos sobre a autopoiesis, vale dizer, sobre a auto-organização da matéria da qual resulta a vida, como o amor surge de dentro do processo evolucionário. Na natureza, afirma Maturana, se verificam dois tipos de conexões (ele chama de acoplamentos) dos seres com o meio e entre si: uma necessária, ligado à própria subsistência e outro espontânea, vinculado a relações gratuitas, por afinidades eletivas e por puro prazer, no fluir do próprio viver.

Quando esta última ocorre, mesmo em estágios primitivos da evolução há bilhões de anos, ai surge a primeira manifestação do amor como fenômeno cósmico e biológico. Na medida em que o universo se inflaciona e se complexifica, essa conexão espontânea e amorosa tende a incrementar-se. No nível humano, ganha força e se torna o móvel principal das ações humanas.

O amor se orienta sempre pelo outro. Significa uma aventura abraâmica, a de deixar a sua própria realidade e ir ao encontro do diferente e estabelecer uma relação de aliança, de amizade e de amor com ele.

O limite mais desastroso do paradigma ocidental tem a ver com o outro, pois o vê antes como obstáculo do que oportunidade de encontro. A estratégia foi e é esta: ou incorporá-lo, ou submete-lo ou eliminá-lo como fez com as culturas da África e da América Latina. Isso se aplica também para com a natureza. A relação não é de mútua pertença e de inclusão mas de exploração e de submetimento. Negando o outro, perde-se a chance da aliança, do diálogo e do mútuo aprendizado. Na cultura ocidental triunfou o paradigma da identidade com exclusão da diferença. Isso gerou arrogância e muita violência.

O outro goza de um privilégio: permite surgir o ethos que ama. Foi vivido pelo Jesus histórico e pelo paleocristianismo antes de se constituir em instituição com doutrinas e ritos. A ética cristã foi mais influenciada pelos mestres gregos do que pelo sermão da montanha e prática de Jesus. O paleocristianismo, ao contrário, dá absoluta centralidade ao amor ao outro que para Jesus, é idêntico ao amor a Deus.

O amor é tão central que quem tem o amor tem tudo. Ele testemunha esta sagrada convicção de que Deus é amor(1 Jo 4,8), o amor vem de Deus (1 Jo 4,7) e o amor não morrerá jamais (1Cor 13,8). E esse amor incondicional e universal inclui também o inimigo (Lc 6,35). O ethos que ama se expressa na lei áurea, presente em todas as tradições da humanidade: “ame o próximo como a ti mesmo”; “não faça ao outro o que não queres que te façam a ti”. O Papa Francisco resgatou o Jesus histórico: para ele é mais importante o amor e a misericórdia do que a doutrina e a disciplina.

Para o cristianismo, Deus mesmo se fez outro pela encarnação. Sem passar pelo outro, sem o outro mais outro que é o faminto, o pobre, o peregrino e o nu, não se pode encontrar Deus nem alcançar a plenitude da vida (Mt 25,31-46). Essa saída de si para o outro a fim de amá-lo nele mesmo, amá-lo sem retorno, de forma incondicional, funda o ethos o mais inclusivo possível, o mais humanizador que se possa imaginar. Esse amor é um movimento só, vai ao outro, a todas as coisas e a Deus.

No Ocidente foi Francisco de Assis quem melhor expressou essa ética amorosa e cordial. Ele unia as duas ecologias, a interior, integrando suas emoções e os desejos, e a exterior, se irmanando com todos os seres. Comenta Eloi Leclerc, um dos melhores pensadores franciscanos de nosso tempo, sobrevivente dos campos de extermínio nazista de Buchenwald:

“Em vez de enrijecer-se e fechar-se num soberbo isolamento, Francisco deixou-se despojar de tudo, fez-se pequenino, colocou-se, com grande humildade, no meio das criaturas. Próximo e irmão das mais humildes dentre elas. Confraternizou-se com a própria Terra, como seu húmus original, com suas raízes obscuras. E eis que a ‘nossa irmã e Mãe-Terra’ abriu diante de seus olhos maravilhados um caminho de uma irmandade sem limites, sem fronteiras. Uma irmandade que abrangia toda a criação. O humilde Francisco tornou-se o irmão do Sol, das estrelas, do vento, das nuvens, da água, do fogo e de tudo o que vive e até da morte”.

Esse é o resultado de um amor essencial que abraça todos os seres, vivos e inertes, com carinho, enternecimento e amor. O ethos que ama funda um novo sentido de viver. Amar o outro, seja o ser humano, seja cada representante da comunidade de vida, é dar-lhe razão de existir. Não há razão para existir. O existir é pura gratuidade. Amar o outro é querer que ele exista porque o amor torna o outro importante.”Amar uma pessoa é dizer-lhe: tu não poderás morrer jamais” (G.Marcel); “tu deves existir, tu não podes ir embora”.

Quando alguém ou alguma coisa se fazem importantes para o outro, nasce um valor que mobiliza todas as energias vitais. É por isso que quando alguém ama, rejuvenesce e tem a sensação de começar a vida de novo. O amor é fonte de suprema alegria.

Somente esse ethos que ama está à altura dos desafios face à Mãe Terra devastada e ameaçada em seu futuro. Esse amor nos poderá salvar a todos, porque abraça-os e faz dos distantes, próximos e dos próximos, irmãos e irmãs.

dica do Ronaldo Dos Santos Junior

Aristóteles é o mais famoso da história, afirma pesquisa

Jesus Cristo vem em terceiro lugararistoteles2

Publicado na Folha de S.Paulo

Aristóteles é a pessoa mais famosa do mundo. E Jesus Cristo vem em terceiro lugar.

Este é o “ranking dos famosos” segundo um projeto criado para “mapear a produção cultural do planeta” pelo laboratório de mídias do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts).

O trabalho listou as pessoas que mais influenciaram a cultura no mundo.

O projeto Pantheon coletou e analisou dados sobre a produção cultural no mundo todo de 4.000 a.C. até 2010.

Devido à diversidade da produção cultural, o projeto estará sempre inacabado, informa seu site. “Essa incompletude, porém, é o combustível que leva nossa equipe a estar continuamente compilando, refinando, analisando e visualizando novos dados”.

O Pantheon foi construído a partir de dados coletados na Wikipedia e na Freebase (base de dados feita de forma colaborativa) e de informações de um livro sobre artistas e cientistas que mais contribuíram para a humanidade de 800 a.C. até 1950. A esses dados são aplicadas fórmulas matemáticas que dão peso às citações.

No site do projeto, as pesquisas podem ser feitas por país, época ou área cultural.

É possível procurar os jogadores mais famosos do Brasil ou as maiores estrelas pornôs do mundo.

BRASIL

Pelé, Paulo Coelho, Garrincha e ex-presidentes estão entre os mais influentes do Brasil.

Na 28ª posição no ranking de países, o Brasil tem 52 pessoas na lista, que também engloba artistas, Santos Dumont e Zilda Arns. Os Estados Unidos lideram, com 1.210 personalidades.

Segundo a equipe do projeto, você é famoso se uma página da Wikipedia em seu nome existe em mais de 25 idiomas.

O trabalho do MIT pode ser consultado neste endereço.

dica do Gerson Caceres Martins

“Foi um momento de profunda emoção”, diz Paulo Coelho sobre Springsteen ter tocado “Sociedade Alternativa”

Autor da letra do sucesso de Raul Seixas, o escritor se diz fã do norte-americano; assista ao vídeo com a execução da música em São Paulo

foto: Roberto Larroude

foto: Roberto Larroude

Publicado na Rolling Stone

A surpresa da plateia do Espaço das Américas, em São Paulo, na última quarta-feira, 18, era clara quando Bruce Springsteen e a E Street Band chegaram ao refrão de “Sociedade Alternativa”, lançada por Raul Seixas em Gita(1974) – cantada em português decorado e com um arranjo de metais.

O momento também surpreendeu o autor da letra da música, o escritor Paulo Coelho. “Foi um momento de profunda emoção”, contou à Rolling Stone Brasil por email. “Uma música que fizemos em 1974, e que é mais atual que nunca.”

Coelho também diz ser admirador não apenas da obra de Springsteen, que se apresenta nesta sábado, 21, no Rock in Rio. “Não apenas gosto, como admiro o ser humano que é, profundamente comprometido com o ser humano e o planeta.”

Assista ao vídeo de “Sociedade Alternativa” executado por Bruce Springsteen em São Paulo, na quarta-feira, 18:

Armas de fogo transformadas em instrumentos musicais que tocam sozinhos

Luciano Ribeiro, no Papo de Homem

Pedro Reyes é um artista plástico mexicano que costuma usar suas obras para chamar atenção a algum problema social.

“Eu acredito que o propósito da arte é vir com formas de transformar os instintos mais negativos em instintos criativos.” –Pedro Reyes

Dessa vez, ele decidiu combinar música, escultura e automação para falar do desarmamento no México. Ele transformou armas apreendidas de grupos criminosos – que seriam destruídas – em instrumentos musicais capazes de tocar sozinhos.

O resultado você pode conferir nesse mini-documentário feito para o The Creators Project (um canal que vale acompanhar, inclusive).

De 27 de março a 15 de maio de 2013, a obra esteve em exposição da Lisson Gallery – galeria de arte contemporânea de Londres.

Aqui você pode ver os instrumentos em ação:

“A tecnologia não é boa ou má, tudo depende do uso que você dá a ela. O trabalho espiritual aqui é como dizer: ‘eu estou pegando este pedaço de metal que representa nosso instinto de matar uns aos outros e estou transformando-o em um instrumento musical, que é a forma mais sofisticada de comunicação no planeta.’” –Pedro Reyes

ins1ins2ins3ins4ins5ins6ins7ins8ins9