Mistério de lua que ‘balança’ intriga cientistas

17out2014---antes-conhecida-por-parecer-com-a-estrela-da-morte-de-guerra-nas-estrelas-mimas-agora-chama-a-atencao-por-poder-conter-um-oceano-subterraneo-1413551720066_615x300

publicado no UOL

O interior de Mimas, uma das 62 luas conhecidas de Saturno, pode conter água, de acordo com um novo estudo.

Famosa por causa do formato parecido com a “Estrela da Morte” do filme Guerra nas Estrelas, o satélite apresenta uma espécie de tremor, um movimento oscilante que, segundo astrônomos, é duas vezes maior que o esperado para uma lua com estrutura regular e sólida.

Para os especialistas há duas explicações para o fenômeno de oscilação de Mimas: ou a lua tem um imenso oceano subterrâneo ou tem um núcleo rochoso em formato de bola de rúgbi.

O estudo sobre Mimas foi publicado por um grupo de astrônomos dos Estados Unidos, França e Bélgica na revista Science Magazine.

A existência de água é tida por astrônomos como um dos principais requisitos para a existência de vida em outros planetas.

Interior exótico

A lua de Saturno tem cerca de 400km de diâmetro e é quatro vezes menor que a terrestre.

Os astrônomos basearam seus cálculos em fotos de alta resolução de Mimas enviadas pela sonda espacial Cassini.

A sonda foi enviada ao planeta dos anéis em 1997 e uma de suas principais descobertas foi justamente que Saturno tinha muito mais luas que se supunha – no ano de seu lançamento, astrônomos acreditavam que apenas 18 satélites orbitavam o segundo maior planeta do sistema solar.

Além de construir um modelo em 3-D de Mimas com o auxílio de centenas de imagens de diversos ângulos, os astrônomos mapearam diversos pontos da superfície da lua.

“Depois de examinar a superfície de Mimas, encontramos diversos tremores nos polos”, explicou um dos autores do estudo, Radwan Tajeddine, da Universidade de Cornell (EUA).

Tremores não são incomuns em luas: a Lua terrestre, por exemplo, também passa por pequeno balanços que a fazem mostrar diferentes ângulos de sua superfície com o passar do tempo.

Mas Tajeddine e seus colegas descobriram que o vaivém pendular de Mimas é de 6 km, o dobro do que se pode esperar de uma lua com o tamanho e a órbita de Mimas.

A descoberta surpreendeu os astrônomos, para quem Mimas era apenas uma rocha congelada.

Leia Mais

Eclipse total deixará Lua avermelhada na madrugada de quarta

eclipse-lunar-podera-visto-todo-brasil-madrugada-amanha
publicado no Planeta Sustentável

Um eclipse total da Lua acontece na madrugada desta quarta-feira (8). Segundo a NASA, o fenômeno será mais bem observado no oceano Pacífico e em seu entorno. Mas também será visível em diversos estados brasileiros.

No Brasil, quanto mais a oeste estiver o observador, melhor ele poderá ver o eclipse. No Acre e no extremo oeste do Amazonas, o fenômeno deve começar por volta das 5h30, permitindo boa visualização.

Nessa área, quem acordar de madrugada e olhar em direção à Lua, a oeste, verá o satélite natural escurecido e tingido por um tom avermelhado.

Na faixa que inclui Roraima, a maior parte do Amazonas, Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, o eclipse começa em torno de 6h30. Mesmo com o dia claro, deve ser possível notar a mudança na coloração da Lua nessas áreas.

No restante das regiões Norte e Centro-Oeste, e também no Sul e no Sudeste, o eclipse vai começar às 7h30, já de dia, o que vai dificultar sua visualização. No Litoral do Nordeste, o fenômeno não será visível.

A zona ideal para observar esse eclipse inclui a costa oeste dos Estados Unidos, o norte do Japão, o leste da Austrália, a Nova Zelândia, o Havaí e a Polinésia.

Quem estiver lá vai poder apreciar plenamente os tons turquesa e cor de cobre que devem colorir a Lua enquanto a Terra bloqueia os raios solares que a iluminam.

Especialistas da NASA explicam que essas cores são resultado da filtragem da luz solar nas várias camadas da atmosfera terrestre. Raios luminosos que atravessam as camadas inferiores ficam avermelhados. Já aqueles que cortam a camada de ozônio na estratosfera ficam azulados.

Ao passar pela atmosfera terrestre, a luz solar sofre refração e difração. Uma pequena parte dela chega até a Lua, o que faz com que o satélite natural não fique totalmente escuro durante o eclipse.

Leia Mais

Água é encontrada em atmosfera de exoplaneta

hattt

publicado na Galileu

Publicado na revista Nature, um estudo realizado por cientistas americanos detectou pela primeira vez vapor de água na atmosfera de um “pequeno” exoplaneta. Do tamanho de Netuno, a descoberta no HAT-P-11b é capaz de avançar as pesquisas sobre planetas similares à Terra fora do nosso Sistema Solar.

A pesquisa foi pioneira por conseguir analisar a composição atmosférica de um exoplaneta com raio apenas quatro vezes maior que o do nosso mundo. Antes os estudos só eram capazes de compreender a atmosfera de grandes planetas, como Júpiter. Isso aconteceu por que os cientistas da Universidade de Maryland utilizaram uma técnica de transmissão chamada espectrometria.

A uma distância de 122 anos-luz, o HAT-P-11b é o menor e mais frio exoplaneta em que já se descobriu sinais de água da história, até então. As imagens foram obtidas pelos telescópios Hubble e Spitzer. Fato que só aconteceu pelo baixo número de nuvens químicas, normalmente o principal problema para a análise de planetas desse porte.

Nessa pesquisa também foram descobertos a presença de hidrogênio e traços de átomos pesados. “Água é a molécula mais cosmicamente abundante em exoplanetas. Nós esperamos que isso também prevaleça para atmosferas mais altas, em planetas com essa temperatura”, afirma o autor Jonathan Fraine em entrevista ao Space.com.

Leia Mais

Uma pessoa no mundo comete suicídio a cada 40 segundos, diz relatório inédito da OMS

Brasil é o 8º país com maior número de casos, mas taxa por 100 mil habitantes está abaixo da média mundial

sociedade-suicidios-1

Publicado em O Globo

A cada 40 segundos, uma pessoa comete suicídio em alguma parte do planeta. Cerca de 804 mil se mataram em 2012. Trata-se de uma proporção de 11,4 mortes por 100 mil pessoas (15 entre homens e 8 entre mulheres). O problema é muito mais grave nos países pobres e representa a segunda maior causa de morte entre pessoas de 15 a 29 anos. As informações constam de um relatório inédito sobre suicídio divulgado nesta quinta-feira pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

O relatório “Prevenindo suicídios – um imperativo global” faz parte de uma campanha mundial da OMS para frear o problema. A entidade pretende reduzir as taxas de suicídio em 10% até 2020. Nos países ricos, três vezes mais homens se matam do que mulheres. Nos mais pobres, a proporção cai bastante. Uma mulher morre para cada 1,5 homem. Suicídios são 50% das mortes violentas de homens e 71% entre as mulheres.

75% DAS MORTES EM PAÍSES POBRES

O Brasil é o oitavo país com maior número de casos em números absolutos. Na taxa por 100 mil habitantes, o país é o 113º no ranking com uma taxa de 5,8 por 100 mil habitantes – menos da metade da média mundial, de 11,4. Em 2012, foram registradas 11.821 mortes no país, sendo 9.198 homens e 2.623 mulheres. Entre 2000 e 2012, houve um aumento de 10,4% na quantidade de mortes – alta de 17,8% entre mulheres e 8,2% entre os homens. O país com mais mortes é a Índia (258 mil óbitos), seguido de China (120,7 mil), EUA (43 mil), Rússia (31 mil), Japão (29 mil), Coreia do Sul (17 mil) e Paquistão (13 mil).

A agência de saúde da ONU afirma que 75% dos suicídios acontecem nos países mais pobres ou de renda média, e pede que sejam tomadas providências para reduzir o acesso aos meios mais comuns. Envenenamento por pesticidas, enforcamento e armas de fogo estão entre as principais formas de suicídio, e evidências de Austrália, Canadá, Japão, Nova Zelândia, EUA e Europa mostram que restringir o acesso a estes meios pode ajudar a impedir os suicídios.

O documento constata que os suicídios acontecem no mundo inteiro e em todas as idades. Globalmente, os índices de suicídio são maiores entre pessoas de 70 anos ou mais, mas em alguns países, este índice é maior entre os mais novos. No grupo de 15 a 29 anos, o suicídio é a segunda causa de morte do mundo.

DESCONSTRUÇÃO DE UM TABU

A diretora geral da OMS, Margaret Chan, disse que o relatório foi “um pedido de ação para um grande problema de saúde pública que tem sido encarado com tabu por muito tempo”.

Os governos deveriam fazer planos preventivos, aponta o relatório, que observa que esta medida já foi tomada por 28 países. Em geral, homens se matam mais que mulheres. Em países ricos, numa razão de três para um, com homens de mais de 50 anos sendo os mais vulneráveis.

Em países pobres e de renda média, pessoas jovens e mulheres mais velhas são os mais afetados. E mulheres de mais de 70 anos são mais de duas vezes mais vulneráveis a cometer suicídio que mulheres entre 15 e 29 anos.

Leia Mais

Quantos escravos você tem?

Se você acha que a resposta é “nenhum”, talvez você deva conhecer esta ferramenta online…

slaves1Ana Freitas, na Galileu

Conheça a Slavery Footprint, uma ferramenta que informa a quantidade de trabalho escravo usado para produzir os bens de consumo que você usa.

O app faz parte de uma ação  da ONG Made In A Free World, que tem como objetivo erradicar o trabalho escravo no mundo. De acordo com a entidade, são mais de 29 milhões de pessoas, incluindo crianças, sendo escravizadas no planeta em 2014. E e o pior: elas trabalham, frequentemente, na cadeia de produção de muitos dos bens de consumo que a gente tem em casa, do seu celular e suas roupas até na extração de matéria prima para produtos de beleza e de limpeza, construção civil e mineração.

Para saber quantos escravos trabalham para você, é preciso responder a um questionário interativo que investiga todo o seu perfil: onde você mora, sua idade, o que você come, o que você tem no gabinete no banheiro, no guarda-roupa, na mesa do escritório e na garagem. No final, você pode ver o número de pessoas que seus hábitos de consumo podem estar ajudando a manter em condições desumanas de trabalho e dá meios de ajudar a combater isso, informando os pontos mais sensíveis dos seus hábitos de consumo e os meios para contatar as empresas para que elas fiscalizem melhor suas linhas de produção.

Leia Mais