Conteúdo marcado como poesia

Cada instante vale uma eternidade

Cada instante vale uma eternidade
Ricardo Gondim Acordo. Abro a janela. O sol invade o quarto sem pedir licença. Uma torrente de luz expulsa os vestígios da noite. Lavo o rosto, as lágrimas, não percebidas, devem sumir. Perfumo os braços fadigados das lutas inglórias. A vida se adensa. Não antecipo nenhum evento extraordinário. Sou tomado tão somente pela alegria de notar o dia escancarado. A simples satisfação de viver já é um milagre. Repito para mim […]

Sede de viver

Sede de viver
Ricardo Gondim Como meus pais me conceberam por paixão, sou só sentimentos. Desde que seios generosos cessaram de me nutrir, nunca parei de procurar o insólito, de desejar o impossível. Minha sede de viver me dá tédio por lógicas herméticas. Pensamentos altamente organizados me chateiam. Não gosto de moralismo. Bocejo com discurso piegas. Guardo suspeita de que todo conservadorismo procure defender alguma zona de conforto. Morro de medo de que […]

Mesmo quando dói

Mesmo quando dói
Ricardo Gondim Há momentos em que o dia a dia perde sentido. O acesso aos sonhos fica comprometido. Entupimos as frestas por onde pode soprar a brisa do espírito. Nossos olhos, feito janelas cerradas, não deixam entrar colorido na alma. Nesses hiatos, substituímos confiança com decepção. Nossa tristeza apaga o ímpeto de seguir adiante. Nossa infelicidade nos abate. O calor de pelejar nos sucumbe à inação. Não sobra no peito […]

A vida em estado puro

A vida em estado puro
Ricardo Gondim Dedicado ao mestre Rubem Alves  Ando inebriado de beleza. De repente me sinto esmagado pelo esplendor. Sem mais nem menos, sou batizado por uma Presença nas águas encantadas da poesia. Tudo me encanta, tudo me seduz. Nesse mergulho, passo a gostar de pequenos gestos. Relembro momentos fugidios que marcaram minha retina com enorme alegria. Ressuscitam em mim olhares, toques e sílabas soltas, responsáveis pelo resgate de mim mesmo. Sei, uma presença estranha […]

O homem resoluto e provisório – um conto

O homem resoluto e provisório – um conto
Ricardo Gondim Não! O homem esbravejou, contundente. Enquanto caminhava, seguiu sem raiva. Viajava com certa impaciência, sim. Por isso, murmurou, insistindo consigo mesmo: Nunca! Negar era seu jeito de procurar manter alguma lucidez. Esperneou para não se ver enredado nas teias pegajosas da estrada imponderável. Soltou um grito primitivo e pueril para fazer a catarse do negativo. Mastigou palavras raras. Contentou-se em repetir seu jamais todo próprio. Logo a estrada […]