Os dez piores nomes em português de filmes estrangeiros

Publicado na Rolling Stone

Isso tem melhorado com o tempo, é verdade, mas ainda hoje, alguns filmes internacionais chegam aqui com um título tão irreconhecível e absurdo que a gente nem consegue associar que se trata da mesma obra. Um caso recente é o de Indomável Sonhadora, que faz pensar mais em um romance desses de banca de jornal do que em uma obra da sétima arte (o nome original é Beasts of The Southern Wild). Algumas traduções já foram tão criticadas ao longo dos anos que se tornaram clássicos do risível, como Noivo Neurótico, Noiva Nervosa (foto), de Woody Allen – Annie Hall no original. Relembre a seguir dez adaptações (difíceis de escolher) de títulos internacionais de levantar as sobrancelhas.

img-1008587-galeria-se-beber-nao-case

Se Beber, Não Case! – Imbuído de muito espírito cívico, o responsável por esse título incutiu na cabeça dos telespectadores sem querer a noção de perigo ao realizar certas atividades depois de consumir grandes quantidade de bebida alcóolica. A impressão que dá para quem nunca viu o longa é que o protagonista se casou acidentalmente em uma noite de bebedeira. E essa é a história de outro(s) filmes(s).O título original, The Hangover (a ressaca), acaba se encaixando bem melhor com a temática, afinal, passar por tudo que os protagonistas passam no dia seguinte àquela noitada é basicamente a pior ressaca do mundo.

Entrando Numa Fria – Assim como no caso anterior, não só deram ao filme um título “tiozão”, que soa pronto para fazer carreira na Sessão da Tarde, como fez toda uma franquia ganhar nomes progressivamente mais bizarros (Entrando Numa Fria Maior Ainda e Entrando Numa Fria Maior Ainda com a Família). Um filme que era sobre conhecer os pais da pessoa amada (Meet The Parents), aqui no Brasil, pode ser sobre um milhão de situações embaraçosas e genéricas diferentes.

img-1008590-galeria-annie-hall-woody-allen

Noivo Neurótico, Noiva Nervosa – Certamente há alguma pesquisa de mercado na qual se baseiam as pessoas que traduzem títulos no Brasil que diz que o brasileiro tem dificuldade de assimilar nomes próprios gringos e que isso fará do filme um fracasso. Só isso explica que Annie Hall, de Woody Allen, tenha se transformado em Noivo Neurótico, Noiva Nervosa (?!). Também entram nessa categoria “nomes de personagens”, por exemplo, Shane, batizado aqui de Os Brutos Também Amam (?!?!) e Calamity Jane – ou Ardida Como Pimenta (?!?!?!).

Amor, Sublime Amor – Outro estudo também deve indicar que títulos com clichê são de fácil assimilação e, portanto, o caminho mais seguro (especialmente se esse clichê envolver a palavra “amor”). Aí, West Side Story (“história do lado oeste”) vira Amor, Sublime Amor e Lost In Translation (“perdidos na tradução”) passa a se chamar Encontros e Desencontros. Esses nomes indicam que os filmes retratam… qualquer coisa!

Um Corpo que Cai – Traduções e adaptações que contam parte da história também são uma categoria interessante. Foi Apenas Um Sonho poderia ser o título de diversos filmes feitos antes de se tornarem o hors-concours dos clichês finais em que o protagonista sonhou a história inteira. Mas foi o nome escolhido para Revolutionary Road. Porém, nesse quesito, nada supera Um Corpo que Cai, originalmente Vertigo. Em um mundo em que spoiler é praticamente um palavrão, títulos que dão pistas sobre a trama são possivelmente uma tendência decadente.

img-1008594-galeria-forrest-gump-o-contador-de-historias

Forrest Gump – O Contador de Histórias – Parece haver uma ressalva na regra de evitar nomes próprios norte-americanos. Eles são permitidos contanto que haja um travessão e um complemento explicativo depois, seja este adendo a respeito do filme ou do protagonista. Que o diga Erin Brockovich, aquela mulher de talento. Ou Patch Adams, ou Larry Crowne.

Amnésia – Ninguém viu o filme antes de dar o nome? O personagem fala claramente que a doença dele não é amnésia. Não precisava manter o original (Memento), mas praticamente qualquer outro título seria mais correto e menos enganoso.

Assim Caminha a Humanidade – Giant (gigante, no original) exemplifica não só casos de títulos nada a ver com o original, mas também uma tendência a nomes muito mais longos em português do que no iriginal. Pode reparar, são poucas as exceções, como Priscilla – A Rainha do Deserto (que suprimiu um “adventures” no começo), por exemplo.

O Garoto do Futuro – Em 1985, talvez ninguém fosse sair de casa para ver um filme sobre um adolescente que vira lobo. Mas a coisa mudaria de figura se esse garoto fosse interpretado por Michael J. Fox. Pegando carona no sucesso de De Volta Para o Futuro, os espertinhos aqui no Brasil chamaram Teen Wolf de O Garoto do Futuro.

Curtindo a Vida Adoidado – Ele pode até não fugir tanto da temática original de Ferris Bueller’s Day Off quanto outros títulos nacionais da lista fizeram, mas nada que tenha “adoidado” no nome pode passar incólume, especialmente considerando o quanto isso deixa ainda mais datada a produção.

Leia Mais

Burro não é quem escreve “errado”. Burro é quem discrimina

laerte12

Publicado por Leonardo Sakamoto

Algumas das pessoas mais sábias que conheci são iletradas. E alguns dos maiores idiotas têm doutorado. Às vezes, mais de um.

Significa que os iletrados são melhores que os doutores? Não.

Então, o contrário? Também não.

O nível de escolaridade e a forma através da qual uma pessoa se expressa muitas vezes é irrelevante frente ao conteúdo que pode agregar a uma discussão.

Se ela conseguiu fazer com que os outros a entendessem, ótimo, fez-se a comunicação.

Muita gente não entendeu isso ainda e desvaloriza a opinião do outro porque este separou sujeito e predicado com vírgula. Mesquinhos, sabe? Isso quando não oprimem quem não sentou em bancos de escola.

Mas o que esperar de uma sociedade em que pipocam pessoas que desconsideram o interlocutor por não saber acertar uma concordância verbal ou conjugar um verbo?

– Meu Deus! Você não sabe flexionar o verbo “funhunhar” no futuro do subjuntivo? É um desqualificado ignorante que merece meu desprezo…

E na qual o domínio da norma culta (que, convenhamos, é um porre) é alçado à condição de passaporte para a participação nas discussões sobre o destino do mundo.

A língua é construída pela boca das pessoas no dia-a-dia e não por meia dúzia de iluminados. É dinâmica, em constante mutação e, para sobreviver, não precisa de formalismos – que são exatamente isso, construções, muitas vezes definidas pelo grupo hegemônico.

Como dizer que uma pessoa que nasceu e cresceu falando português e sempre se fez entender está errada ?

Dizer que um pescador, um vendedor ambulante, a vendedora do tabuleiro de doces, uma quilombola ou ribeirinha ou um operário da construção civil que não usem a norma culta “desconhecem a própria língua” não é uma ação pedagógica e sim um ato político.

Excludente.

Que usa uma justificativa supostamente técnica para manter do lado de fora dos debates sobre o futuro a maior parte da sociedade brasileira.

A quem interessa a manutenção desse comportamento? A quem está no poder e, muitas vezes, usa a língua como instrumento de coerção.

Que faz o restante – que não foi chamado para Grande Rega-Bofe – acreditar que política é coisa de gente culta e estudada. E, portanto, melhor eles ficarem de fora e só entrarem para para encher as taças de vinho ou trazer os canapés.

No sufrágio que se aproxima, não seja niilista: defenestre – de forma paradigmática – quem maquiavelicamente oblitera a democracia por diletantismo ou dolo. Traduzindo: dê uma banana a quem não quer que você entenda nada.

Leia Mais

Jean Wyllys cita ‘covil de ladrões’ para falar de novo templo da Igreja Universal

Reação de evangélicos leva deputado a ironizar erros de português dos internautas

jean_wyllysPublicado em O Dia

Após um comentário crítico sobre a inauguração do Templo de Salomão, a nova sede da Igreja Universal do Reino de Deus, em São Paulo, o deputado federal Jean Wyllys (Psol) travou uma verdadeira batalha religiosa com seus leitores nas redes sociais. O parlamentar, conhecido por legislar em favor de minorias, postou uma mensagem bíblica, em seu Facebook, afirmando que os líderes da igreja evangélica comandada pelo bispo Edir Macedo estão a transformando em um “covil de ladrões”.

“Lendo atentamente esta matéria, só me veio, à mente, as palavras (sic) de Jesus, segundo o Evangelho de Mateus, que ouvi lá nos meus tempos de Pastoral da Juventude do meio popular: Está escrito: ‘A minha casa será chamada casa de oração'; mas vocês estão fazendo dela um ‘covil de ladrões'” (Mateus, 21, 13)”, escreveu ele na tarde de ontem, comentando uma reportagem que tratava da inauguração.

O Templo de Salomão, obra faraônica erguida no Brás, em São Paulo, foi inaugurado ontem em uma solenidade pomposa e repleta de autoridades, como a presidenta Dilma Rousseff e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin.

O comentário provocou uma avalanche de respostas contrárias à manifestação do deputado. A assessoria do deputado se encarregou da tréplica, por vezes ríspida ou irônica . Um dos internautas chamou o deputado de “escroto ipocrita” e “acefalo dos inferno” (sic). Em resposta, a assessoria ironizou os erros de português: “a língua lhe manda lembranças. Está incomodado com as palavras de Jesus? Vai chamar Jesus de ‘acéfalo dos infernos’ – cadê o uso correto dos plurais e dos acentos, meu Deus?”.

Nesta sexta-feira, o senador Marcelo Crivela (PRB), da Igreja Universal, recebeu representantes da comunidade LGBT para se explicar sobre as declarações de que o homossexualismo é pecado.

 

Leia Mais

27 ilustrações de palavras sem tradução para o português

Publicado no BlogBlux

Cada imagem abaixo vale apenas uma palavra – palavras estas que são bastante difíceis de explicar, uma vez que não possuem tradução direta o português.

As criativas ilustrações foram criadas por Anjana Iyer, e baseiam-se em uma variedade de línguas, como grego, coreano e tshiluba (falada na República Democrática do Congo).

Palavra do alemão que significa “sentir saudade de um lugar onde você nunca esteve”.
Palavra do alemão que significa “um rosto precisando muito de um soco”.
Palavra do japonês que significa “uma mulher bonita, desde que seja vista por trás”.
Palavra do ídiche que significa “uma pessoa cronicamente azarada”.

 

Palavra do japonês que significa “o ato de comprar e não ler um livro, tipicamente formando uma pilha junto com outros livros não lidos”.
Palavra do alemão que significa “a sensação de estar sozinho nas florestas”.
Palavra do russo que significa “uma pessoa que faz muitas perguntas”.
Palavra do japonês que significa “o gosto agridoce de um momento rápido e evanescente de beleza transcendente”.

 

Palavra do polonês que significa “telegrafista dos movimentos de resistência do lado soviético da Cortina de Ferro”.

 

Palavra do tcheco que significa “dar apenas um toque em um celular para que a outra pessoa ligue de volta e você não precise gastar créditos”.

 

Palavra do italiano que significa “mulher, geralmente idosa e solitária, que se devota a cuidar de gatos de rua”.

 

Palavra do kwangali (idioma do subgrupo banto das línguas nigero-congolesas) que significa “o ato de andar nas pontas dos pés sobre areia quente”.

 

Palavra do francês que significa “rir quietamente na sua barba enquanto pensa em algo que aconteceu no passado”.

 

Palavra do finlandês que significa “um galho de árvore que afundou até o chão de um lago”.

 

Palavra do maori das Ilhas Cook que significa “ter uma perna menor que a outra”.

 

Palavra do japonês que significa “o tipo de efeito de luz disperso e salpicado que ocorre quando o sol brilha através de árvores”.

 

Palavra do irlandês que é um substantivo coletivo para ovos de Páscoa.
Palavra do pascuense (ou rapanui, língua polinésia) que significa “roubar gradualmente todas as posses do vizinho ao emprestá-las e nunca devolvê-las”.

Palavra do norueguês que significa “sentar em um ambiente exterior em um dia ensolarado para tomar uma cerveja”.

 

Palavra do coreano que significa “a relutância de uma pessoa em desistir de uma ilusão”.

 

Palavra do inuíte (região do Ártico na América do Norte) que significa “a frustração de esperar alguém aparecer em sua vida”.

 

 Palavra do tshiluba que significa “uma pessoa pronta para perdoar qualquer abuso da primeira vez, tolerar uma segunda vez, mas nunca uma terceira”.
Palavra do alemão que significa “o prazer obtido a partir da miséria dos outros”.

 

Palavra do finlandês que significa “um grande rebanho de renas”.

 

 Palavra do grego que significa literalmente “histórias com ursos”, que são eventos narrados de maneira tão selvagem e louca que não podem ser verdade.

 

Palavra do japonês que significa “aceitar o ciclo natural de crescimento e decaimento”.

 

Palavra do yagan (língua do povo indígena Yagan da Terra do Fogo) que significa “um olhar significativo e sem palavras entre duas pessoas que desejam iniciar algo, mas estão ambas relutantes em iniciá-lo”.

Leia Mais

Em campanha fora do Brasil, Coca-Cola brinca com jeito de falar do brasileiro

Coca-cola Portuguesiño

Vinícius Martins, no Plugcitários

O brasileiro é cheio de manias, assim como qualquer outro povo. De norte à sul do país temos uma diversidade riquíssima de gírias e costumes na hora de nos comunicarmos. E uma dessas nossas manias está presente em todo território brasileiro: falar as coisas no diminuitivo. “Meu amorzinho, meu cachorrinho, seu timinho” e por ai vai.

A Coca então, acaba de lançar uma nova campanha em países latino-americanos, intitulada “Portuguesiño”. Nos vídeos, os “gringos” falam palavras em português ou no próprio espanhol no diminuitivo. A brincadeira ficou bem bacana. Em um dos vídeos ainda, ela brinca com os penteados de Neymar e Ronaldo. Confira abaixo:

Leia Mais