Arquivo da tag: português

Tatiele Polyana comete gafe e Faustão se irrita com ex-BBB

Publicado no Terra

Tatiele Polyana participou do Domingão do Faustão, neste domingo (30), e opinou sobre sua eliminação no BBB 14. Ao falar sobre os planos para o futuro, cometeu uma gafe que desagradou Fausto Silva. “Tenho recebido bastante propostas de trabalho. Vou trabalhar bastante. Mas, se nada der certo, viro bailarina”, disse.

“Mas você já está velha para isso. Para ser bailarina, precisa começar desde cedo. Olha, não é assim, não. As bailarinas tem que estudar bastante. Fala aí, Carol Nakamura, conta para ela”, disse. “É. Poxa, Poly! Eu tinha dito que gostava tanto de você. A gente estuda muito, ensaia muito. Para se formar, são nove anos”, disse. “Não, eu sei. Mas eu estudei. Fiz jazz e tal”, tentou consertar a moça.

Assim que Tatiele deixou o palco, ele disse: “ela pode estar nervosa, mas ser bailarina não é mole, não”, afirmou. Depois de apresentar um quadro de merchandasing, Faustão voltou no assunto, ainda inconformado.”Aí a outra vem aqui e fala das bailarinas. Elas dançam 4 horas e ensaiam 5 dias por semana”, completou.

Burrice

Durante sua participação, um rapaz da plateia questionou se Tatiele não se incomodou com a fama de “loira burra” com que ficou, devido aos seus constantes erros de português no reality show.

“Não me considero burra. É só o meu português que não é correto. Sou brincalhona, não tentei disfarçar. Uma hora as máscaras caem. Eu não ia dar uma de intelectual, se não sou. Se quiser me chamar de burra, que chame. Pra mim, indiferente”, disse.

faustaotatieledica do Weuller Rogerio

Detalhes que me fazem amar o Ceará

Lagoa Paraíso, em Jericoacoara (CE)

Lagoa Paraíso, em Jericoacoara (CE)

Ricardo Gondim

As redes cearenses têm o punho grosso. Ornadas com varandas de crochê, viram decoração tanto em choupanas como em mansões. O bom cearense adora dormir, fazer amor, preguiçar e até convalescer de doença grave, numa rede.

As mangas cearenses são carnudas. A casca da manga-rosa parece aquarela; misturam-se nela, amarelo, vermelho e verde. O perfume da manga-rosa é remédio certo contra fastio. Já os abacates são enormes, tão grandes que passariam por melancias se não crescessem no cume do abacateiro. Siriguela, tirada no pé, ganha qualquer concurso de melhor fruta do mundo; uva moscatel não calça o seu chinelo.

A farinha cearense torrada com manteiga, colorau, cebola e alho vira a melhor farofa do universo. Pense numa coisa boa! Só os cabeças chatas sabem cozinhar feijão verde com queijo coalho e arroz branquinho – o famoso baião-de-dois. Acrescentem-se ovo frito – com a gema mole – bife, a legítima farofa e os chefes franceses babam de inveja.

O sotaque cearense é manhoso. Quando quer ganhar, conquistar ou convencer alguém, o matuto entoa um chorinho meloso. O português falado no Ceará é libidinoso; em cada frase, uma verdadeira cantada. Se um grande amor suplica - meu bichim, vem cá – não há cabra macho que resista.

A chuva cearense desce torrencial. São Pedro não se faz de rogado: no inverno caem enxurradas, verdadeiros dilúvios. Os conterrâneos chamam de inverno, mas não é inverno coisa nenhuma – só a estação molhada e carregada de mormaço. No Ceará, as chuvas duram no máximo cinco ou seis horas. O suficiente para vazar telhados e encher bicas. No inverno, a meninada toma banho de chuva. As poças – até pouco, charcos – viram lagoas. Que cena, o sertão verdejando. Bastam milímetros d’água e os garranchos cinzentos da caatinga ressuscitam. Um chuvisco produz um dos mais formidáveis milagres da natureza.

O pôr-do-sol cearense é vexado. Mas sempre espetacular. Não há como descrever um crepúsculo visto de cima de uma duna. Os turistas deveriam pagar algum tributo ao show diário do mar devorando o sol. As praias, do Mucuripe a Jericoacoara, selam o esplendor do lusco fusco com uma brisa calma e refrescante. Até parece que Deus deixa vazar um pouco do ar-condicionado celestial.

Ceará, meu Ceará, amo-te tanto!

Soli Deo Gloria

fonte: site do Ricardo Gondim

Lelekes viram santos segundo tradução do Google

google-tradutor-(2).jpg.png

Publicado originalmente no Extra

Depois que um site postou poesias criadas a partir dos resultados de busca do Google, agora chegou a vez de os Lelekes ganharem seu quinhão no mundo virtual. Explica-se! Quem digitar na ferramenta Google Tradutor o refrão “ah lelek, lek, lek, lek” (exatamente assim e tudo em letras minúsculas), solicitando a tradução do húngaro para o português, vai tomar um susto com o resultado: “Ah Espírito Santo, Santo, Santo”.

Alex, Federado e Allan são da formação original do grupo, mas estão proibidos de fazer shows (Foto: Divulgação)

Alex, Federado e Allan são da formação original do grupo, mas estão proibidos de fazer shows (Foto: Divulgação)

Mas a pergunta que não quer calar é: quem, afinal, teve a brilhante ideia de pedir essa tradução no site?!?!

dica do Antonio Catselidis, Marcos José Júnior e Weuller Rogerio Faria

Idioma português é o que mais cresce no Facebook

Publicado originalmente no Link

O português é o idioma que obteve o maior crescimento no Facebook em dois anos. Segundo dados da SocialBakers, o número de usuários que optaram por visualizar o site em português saltou de 6,1 milhões (maio de 2010) para 58,5 milhões (novembro de 2012), mantendo o idioma atrás do inglês, com quase 360 milhões de usuários, e o espanhol, com 142 milhões.

Veja a lista completa aqui.

O português cresceu praticamente 10 vezes entre 2010 e 2012. Tamanha ascensão não se repetiu com os demais. O inglês teve um aumento de 1,6 vezes e o espanhol, 2,3. Além do Brasil, o mais notável se dá com a língua árabe, o nono idioma mais usado, que chegou a um número de usuários quase seis vezes maior.

Comparando-se os países, o Brasil é o segundo com maior quantidade de perfis na rede social, que já passa dos 1 bilhão de usuários. O Brasil, à frente da Índia e atrás dos EUA, responde por 61,8 milhões dos usuários (a diferença entre este número e de usuários que visualizam a rede em “português” se dá simplesmente pelo fato de muitos usuários falantes da língua optarem por um idioma alternativo ao seu nativo), mas está em 42º no ranking dos países que mais cresceram no Facebook nos últimos seis meses (o primeiro é o Vietnã; veja).

Língua portuguesa atrai jovens nos EUA

Publicado por F5

A língua portuguesa vive o seu momento de maior popularidade nos Estados Unidos. Entre 2006 e 2009, o ingresso de norte-americanos em cursos de português de nível superior cresceu 10,8%, com um total de 11,6 mil alunos matriculados, segundo dados da Modern Language Association (entidade de professores e escolas de língua).

Elizabeth Schulze nasceu no Brasil mas foi ainda bebê para os EUA; ela estudou português na universidade / Kevin Nortz/Folhapress

Neste ano, uma nova pesquisa -com base em estatísticas de 2011, mas que ainda não foi concluída- deve apontar alta nos números do ensino de português, afirma a entidade.

Quem deu essa “mãozinha” para a língua foi a crise internacional, aliada ao modo com que o Brasil passou a ser noticiado fora do país -sede de eventos de importância mundial e um oásis de economia aquecida. Hoje, o norte-americano que se matricula em um curso de português está menos interessado em samba e Carnaval e mais atento ao mercado de trabalho.

‘HABLAS ESPAÑOL?’

A língua é a quinta que mais cresce e a sexta mais falada no mundo. Nos EUA, ocupa o 13º lugar no ranking dos idiomas mais procurados. Por conta do aumento na demanda, os departamentos de línguas de muitas universidades norte-americanas reformularam seus cursos de português.

Foi o caso da Universidade Northwestern, em Chicago, que passou a oferecer as aulas para quem já fala espanhol. Em um ano, diz a professora Raquel Amorim, o programa recebeu o dobro de alunos. “Como são línguas parecidas, com gramática semelhante, fica mais fácil aprender.”

Outra mudança foi a criação de uma especialização secundária para a graduação. Assim, um aluno pode estudar, por exemplo, medicina e língua portuguesa. “Antes, tínhamos alunos das áreas de língua e literatura. Neste ano, dei aula para estudantes de relações internacionais, música e engenharia, mas não tive nenhum de literatura”, diz.

Elizabeth Schulze, 22, que acaba de se graduar em jornalismo, cursou essa especialização atraída pelo mercado de trabalho brasileiro. “Nasci no Brasil porque meu pai trabalhava lá e saí do país com menos de dois anos. Não aprendi o idioma quando criança, mas tenho documentos brasileiros, o que facilitaria minha entrada no mercado de trabalho”, afirma Schulze. Ela diz ter se surpreendido com o quanto gostou do idioma. “É uma língua que pode ajudar na minha carreira.”

Em 11 anos de ensino de português em diferentes universidades dos EUA, Ana Williams, que hoje também leciona na Northwestern, diz ter visto o interesse pelo idioma crescer. “Quando se fala em Brasil, o que vem à cabeça são os biocombustíveis e a economia. A melhor propaganda para a língua portuguesa é a imagem do país”, afirma.

Williams acha que o aumento dessa demanda, entretanto, pode enfrentar barreiras. “Não há muitas opções para quem quer se preparar para ser professor de português nos EUA. Temos um boom de escolas, mas não sabemos quem são esses professores, que preparo tiveram e o que vão ensinar. Outro problema é o material usado. Não há, por exemplo, um bom livro para ensino intermediário.”

Marcelo Jarmendia, que comanda a escola Brazil in Chicago, diz que o número de alunos cresceu 40%, em média, nos últimos anos, mas acredita que o interesse só será mantido se o Brasil continuar a apresentar um cenário econômico favorável. “O aumento se deu pela maior projeção do país. Muitos alunos novos vieram exclusivamente procurando as oportunidades de trabalho e de negócios que o português apresenta.”