Arquivo da tag: produção

Estudante cria prato comestível para quem não gosta de lavar louça

Publicado no Estadão

Um estudante iraniano inventou um aparelho que pode significar o fim do trabalho de lavar louça após as refeições.

O aparelho transforma massa de pão em pratos e vasilhas comestíveis nos mais diversos formatos, com diâmetro de até 40 centímetros. Os pratos são comestíveis e contém fibras.

O aparelho fabrica pratos e tigelas que podem armazenar vários tipos de alimentos. O projeto é do estudante de design industrial Saeed Rahiminejad, de 26 anos,que mora em Teerã.

O aparelho batizado de Bake.A.Dish (asse a louça) foi premiado pelo laboratório de design da Electrolux.. Os pratos feitos de massa de pão podem ser usados até para alimentos líquidos, como sopas.

bake3

O aparelho transforma farinha em água em pratos comestíveis ricos em fibras (Foto: Divulgação)

O estudante está agora à procura de financiamento para ajudar a colocar o seu conceito em produção.

“O produto ajuda a personalizar a louça, e funciona como uma alternativa mais sustentável para a louça descartável e ainda acrescenta mais fibras à dieta diária”, afirmou o estudante em entrevista ao Dailly Mail.

“O prato comestível é personalizado de acordo com nossas necessidades e adicionam uma quantidade controlada de fibras e carboidratos na alimentação, para que ela se torne mais saudável”, acrescenta ele.

A massa de pão, basicamente farinha e água, é assada com energia coletada por painéis solares. O estudante diz que o processo contém um segredo para impedir que a massa amoleça com o líquido contido nos alimentos.

A máquina pode ser controlada por um aplicativo de telefone móvel, que calcula o tamanho da tigela ou do prato de acordo com a quantidade de calorias que a pessoa deseja consumir.

bake4

Fiéis da Igreja Universal bancam até série bíblica da Record

Cena da estreia de Milagres de Jesus, série de 18 episódios custeados pela Igreja Universal

Cena da estreia de Milagres de Jesus, série de 18 episódios custeados pela Igreja Universal

Daniel Castro, no Notícias da TV

Em dificuldades financeiras, a Record teve de pedir ajuda à Igreja Universal do Reino de Deus para colocar no ar a série bíblica Milagres de Jesus, uma das maiores audiências da emissora. Com orçamento oficial de R$ 16 milhões, a série teve seus 18 episódios custeados pelos fiéis da igreja liderada por Edir Macedo, dono da Record e idealizador do projeto.

Segundo uma alta fonte na emissora, a Igreja Universal teve de aumentar o aporte de dinheiro na Record de R$ 500 milhões para R$ 520 milhões por ano. O acréscimo foi para pagar a produção de Milagres de Jesus, exibida todas as quartas-feiras.

A Record atravessou em 2013 seu pior ano, com a demissão de mais de 2.000 funcionários e cortes na produção de teledramaturgia. No ano passado, a emissora faturou no mercado publicitário R$ 1,280 bilhão. Com o dinheiro da igreja, chegou a R$ 1,8 bilhão. As afiliadas faturaram mais R$ 400 milhões. Ou seja, a igreja é responsável por 24% das receitas de todas as 106 emissoras da rede Record.

A Igreja Universal do Reino de Deus colocava dinheiro na Record de forma legal, comprando a madrugada da emissora. Agora, também financia a produção de programas de seu interesse, como o Escola do Amor, apresentado por Cristiane Cardoso, filha de Edir Macedo, e séries bíblicas.

O financiamento de uma série de dramaturgia compromete o discurso da Record de que a igreja é um cliente “como outro qualquer”. A igreja é mais do que apenas uma compradora de horários. É “sócia” da programação.

O Notícias da TV tentou ouvir a Record desde a última sexta-feira, mas a emissora não se pronunciou.

Aristóteles é o mais famoso da história, afirma pesquisa

Jesus Cristo vem em terceiro lugararistoteles2

Publicado na Folha de S.Paulo

Aristóteles é a pessoa mais famosa do mundo. E Jesus Cristo vem em terceiro lugar.

Este é o “ranking dos famosos” segundo um projeto criado para “mapear a produção cultural do planeta” pelo laboratório de mídias do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts).

O trabalho listou as pessoas que mais influenciaram a cultura no mundo.

O projeto Pantheon coletou e analisou dados sobre a produção cultural no mundo todo de 4.000 a.C. até 2010.

Devido à diversidade da produção cultural, o projeto estará sempre inacabado, informa seu site. “Essa incompletude, porém, é o combustível que leva nossa equipe a estar continuamente compilando, refinando, analisando e visualizando novos dados”.

O Pantheon foi construído a partir de dados coletados na Wikipedia e na Freebase (base de dados feita de forma colaborativa) e de informações de um livro sobre artistas e cientistas que mais contribuíram para a humanidade de 800 a.C. até 1950. A esses dados são aplicadas fórmulas matemáticas que dão peso às citações.

No site do projeto, as pesquisas podem ser feitas por país, época ou área cultural.

É possível procurar os jogadores mais famosos do Brasil ou as maiores estrelas pornôs do mundo.

BRASIL

Pelé, Paulo Coelho, Garrincha e ex-presidentes estão entre os mais influentes do Brasil.

Na 28ª posição no ranking de países, o Brasil tem 52 pessoas na lista, que também engloba artistas, Santos Dumont e Zilda Arns. Os Estados Unidos lideram, com 1.210 personalidades.

Segundo a equipe do projeto, você é famoso se uma página da Wikipedia em seu nome existe em mais de 25 idiomas.

O trabalho do MIT pode ser consultado neste endereço.

dica do Gerson Caceres Martins

‘Podemos estimular a produção do hormônio do amor’, diz neurocientista

Juliana Vines na Folha de S.Paulo

Depois de 12 anos coletando o sangue de voluntários para uma série de experimentos, o economista e neurocientista americano Paul Zak, 51, diz ter descoberto a molécula que funciona como um interruptor da bondade humana: a ocitocina, conhecida como o hormônio do amor.

Apelidado de Dr. Love, Zak, que é professor da Universidade Claremont, na Califórnia, e autor do livro “A Molécula da Moralidade” (Campus, 264 págs., R$ 69,90), participa hoje do ciclo de palestras Fronteiras do Pensamento, em São Paulo.

À Folha, ele explica o que chama de “ciclo virtuoso da ocitocina” –a possibilidade de estimular a produção do hormônio em outras pessoas e, assim, gerar uma sociedade mais generosa. Leia trechos da entrevista.

O neuroeconomista Paul Zak, no hospital da PUC-RS, em Porto Alegre

O neuroeconomista Paul Zak, no hospital da PUC-RS, em Porto Alegre

Ocitocina e confiança
Eu já estudava a confiança interpessoal quando, em 2001, uma colega me falou sobre a ocitocina. Pesquisei e tive uma revelação: talvez a molécula conhecida como hormônio feminino pudesse estimular uma preocupação com o próximo, que se manifesta por meio da confiança.

Era uma ideia doida, então fiz experimentos medindo o nível de ocitocina no sangue de voluntários –durante situações reais, como ao checar os níveis hormonais de noivos antes e depois de um casamento, ou em testes em laboratório– até me certificar e publicar os resultados.

Molécula do amor
Nas pesquisas, encontramos uma relação entre níveis altos de ocitocina e uma postura mais generosa. [Por exemplo: quando pessoas participaram de um teste em que tinham que dividir dinheiro com estranhos para poder ter mais lucro, níveis mais altos do hormônio foram encontrados entre aquelas que receberam um montante --uma resposta à demonstração de confiança dos doadores-- o que também fez com que elas fossem mais generosas.]

A ocitocina é a base biológica do amor, ajuda as pessoas a confiar nos outros, a dar dinheiro para a caridade.

Ativismo pró-hormônio
Podemos nos transformar em ativistas sociais e impulsionar um ciclo virtuoso: a ocitocina gera empatia, que inspira confiança e aumenta os níveis hormonais na outra pessoa, o que a leva a demonstrar mais empatia. Isso pode construir uma sociedade mais conectada e afetiva.

Receita
Há uma “receita” para aumentar os próprios níveis de ocitocina, a minha favorita é dar oito abraços por dia –cheguei nesse número porque penso em um abraço por hora, durante um dia de trabalho.

É como se déssemos de presente a alguém um aumento nos níveis de ocitocina. Também produzimos o hormônio em oração ou meditação e quando damos atenção a outra pessoa.

Spray de ocitocina
Entender o mecanismo biológico da ocitocina e tentar se esforçar para se conectar verdadeiramente com as pessoas funciona melhor do que aspirar um spray com o hormônio. Testamos isso em laboratório e comprovamos: somos criaturas sociais. Nós precisamos do contato. Ser honesto, gentil e ter compaixão exige que sejamos parte da sociedade.

Antagonistas
Altos níveis de estresse e de testosterona podem diminuir a ação da ocitocina. Mas isso não quer dizer que o hormônio só tenha influência em laboratório, em uma realidade controlada. Testamos situações reais, por exemplo, em guerreiros tribais em Papua-Nova Guiné, e vimos que mesmo em situações com estresse moderado a ocitocina desempenha o mesmo papel.

Reducionismo
Não estou reduzindo a moral humana a uma molécula. Mas a ocitocina parece ter um papel de coordenação do mecanismo da moral. Não significa que as teorias da filosofia ou da teologia sobre moral estão erradas. O que tentamos fazer é encontrar os mecanismos biológicos por trás da moralidade humana.

Assim surgiu a brincadeira da Girafa

imagem: Reprodução/DesktopNexus

imagem: Reprodução/DesktopNexus

David Castillo, no Facebook

Diabo: Precisamos pensar em uma nova estratégia para dominar a mente das pessoas.

Sub-Diabo: Hum… deixa eu ver se descubro algo novo no Google.

Diabo: Tá… mas antes deixa eu ver meu face.

Sub Diabo: Isso chefe, o Face!

Diabo: Que tem o Face? Deixei o meu aberto?

Sub Diabo: Não chefe, o que eu quero dizer é que a gente tem q usar o Face pra conquistar a galera.

Diabo: Interessante, fale-me mais sobre isso!

Sub Diabo: Vamos criar uma charadinha com uma mensagem subliminar no meio, aí quem não acertar a gente domina a mente e faz ele fazer coisas imbecis…

Diabo: Ae… curti, pode entrar no meu face pra gente começar.

Sub Diabo: Vou entrar… opa, já tava logado… mas pera aí, esse é o perfil do Rafinha Bastos.

Diabo: Droga, esqueci de sair do meu fake… sai e entra de novo!

Sub Diabo: Beleza chefe, oq a gente faz agora?

Diabo: Antes de mais nada deixa eu cutucar o Feliciano… adorooo.

Sub Diabo: Boa.

Diabo: Bom, escreve ai uma historinha que se passa às 3 da manhã.

Sub Diabo: Mas chefe… assim o senhor está revelando o horário ultra-secreto em que os portais do inferno são abertos para nossos enviados espalhar a impureza sobre as vidas e…

Diabo: Heim?

Sub Diabo: Tá… depois não diga que eu avisei?

Diabo: Escreve aí que às 3 da manhã chega alguém pra tomar café na sua casa…

Sub Diabo: Até parece… a essa hora eu só abro a porta se for meus pais.

Diabo: Boa, escreve aí que quem chega são seus pais!

Sub Diabo: Meus pais?

Diabo: Não sua besta… os pais de quem ta lendo!

Sub Diabo: Ah tá…

Diabo: Diz aí que você tem algumas coisas pra oferecer.

Sub Diabo: Sei como é… charuto, farofa, galinha preta, pinga barata…

Diabo: Nãããoo… assim fica na cara, tem q colocar coisas inocentes tipo mel, geléia, pão, queijo…

Sub Diabo: Vinho?

Diabo: Tá… pode deixar o vinho vai!

Sub Diabo: Legal, e qual vai ser a charada?

Diabo: O que você abre primeiro?

Sub Diabo: O vinho, claro!

Diabo: Ahh… se ferrou trouxa, claro que a resposta certa é o olho!

Sub Diabo: Por que o olho?

Diabo: Porque? São 3 horas da manhã, você ta dormindo palhaço!

Sub Diabo: Tá… se eu tiver dormindo as 3 da manhã quem é que vai abrir o portal místico do inferno?

Diabo: Ah é!

Sub Diabo: Mas beleza, acho que a galera que não cuida do portal do inferno deve ta dormindo a essa hora, então pode ser essa a resposta certa!

Diabo: Legal… quem errar a pergunta vai ter que pagar uma prenda, tem que ser algo bobo, quase infantil, mas que traga uma legalidade nossa sobre a vida espiritual dessa pessoa.

Sub Diabo: E se a pessoa tiver que trocar sua foto de perfil?

Diabo: Pra que?

Sub Diabo: Pra mostrar ao mundo que aquela pessoa é nossa!

Diabo: Tipo marca da besta?

Sub Diabo: É… podia colocar uma foto de um animal bem besta mesmo!

Diabo: Macaco… eu acho macaco muito engraçado.

Sub Diabo: Não, macaco pode gerar piadas racistas, preconceituosas.

Diabo: Pô, meu fake ia curtir!

Sub Diabo: Elefante?

Diabo: Pô, legal… mas vai que a pessoa é gorda, olha o constrangimento que pode gerar.

Sub Diabo: Verdade… precisamos pensar em algo diferente, enxergar mais acima.

Diabo: Enxergar mais acima? Girafa! Esse é o bicho!

Sub Diabo: Boa chefe!

Diabo: Alem disso a girafa é um dos animais símbolos da sexualidade e que mais fazem uso do sexo com um parceiro do mesmo sexo…

Sub Diabo: Pô chefe, vc fica um saco quando assiste Discovery.

Diabo: Beleza… publica aí que ficou bom, publica aí…

Sub Diabo: Tá lá… já to vendo uma galera trocando a foto pra girafa.

Diabo: Finalmente vamos dominar o mundo!

Sub Diabo: Mas chefe, e se alguém descobrir nosso plano?

Diabo: Fácil, é só a gente trocar o avatar pra uma girafinha Tb!