Arquivo da tag: psdb

Turco Louco lança o Manifesto #AquiJaz

Alberto Hiar, o Turco Louco, e um casal de modelos posam com cruzes do Manifesto #AquiJaz no centro de SP (foto: Raquel Cunha/Folhapress)

Alberto Hiar, o Turco Louco, e um casal de modelos posam com cruzes do Manifesto #AquiJaz no centro de SP (foto: Raquel Cunha/Folhapress)

Publicado por Mônica Bergamo

“Vamos renascer das cinzas”, escreveu o cantor Otto na cruz de madeira do “kit de protesto” que ganhou de Alberto Hiar, o Turco Louco, na noite da segunda-feira passada, em um restaurante japonês da Liberdade, em SP.

*

O músico era um dos 20 convidados do dono da Cavalera para o lançamento informal do Manifesto #AquiJaz, que vai estar também na passarela da SPFW amanhã, quando a marca apresenta a coleção Woodstock em Bali.

O músico Otto foi um dos artistas que aderiram ao manifesto #AquiJaz: "Vamos renascer das cinzas", escreveu em sua cruz

O músico Otto foi um dos artistas que aderiram ao manifesto #AquiJaz: “Vamos renascer das cinzas”, escreveu em sua cruz

Por aqui, o Turco Louco tenta com a iniciativa fazer o máximo de gente acreditar que é tempo de mudanças. “Estas cruzes são uma ferramenta para que as pessoas possam se manifestar e dar sinais das angústias e medos que estão atormentando a todos nós brasileiros”, explicou à repórter Eliane Trindade.

*

Hiar, que teve quatro mandatos —dois de vereador e dois de deputado estadual—, saiu da política partidária há sete anos. “Desisti. Cansei do discurso solitário”, declarou aos parceiros reunidos à mesa, entre eles Paulo Borges, diretor da SPFW, e os cantores Jairzinho e Max de Castro.

O cantor Jairzinho durante o lançamento do manifesto #AquiJaz, na segunda (24)

O cantor Jairzinho durante o lançamento do manifesto #AquiJaz, na segunda (24)

Em vez de faixas e cartazes, os manifestantes do #AquiJaz vão se expressar em cruzes de madeira branca, distribuídas com uma caneta hidrocor. Cada um é convidado a escrever na sua o que deseja enterrar ou ver nascer.

*

“Gosto do simbolismo de morte e renascimento”, diz Otto, que promete “carregar sua cruz” na próxima Virada Cultural. Max de Castro vai enterrar a sua na frente de um banco: “$$$$, Ganância, Revólver, Violência”.

*

É essa a ideia. A inspiração de Hiar foram as cruzes que cruzam o seu caminho rumo à praia de São Sebastião, no litoral norte. “Sempre que passo por uma cruz na estrada fico pensando como a pessoa morreu. Foi a imprudência que tirou aquela vida e tantas outras?”

O músico Max de Castro também aderiu ao movimento

O músico Max de Castro também aderiu ao movimento

Numa de suas cruzes plantadas na praça da Sé na quarta-feira, ele pede o fim da impunidade. “O que mais me incomoda é o cara matar para roubar um celular e saber que nada acontece com ele. Tá todo mundo com medo.” Continue lendo

PSDB propõe tornar Bolsa Família permanente

Partido apresentou projeto no mesmo dia em que programa faz 10 anos.
Para o presidente da legenda, programa deixaria de ser ‘instrumentalizado’.

O presidente do PSDB e senador Aécio Neves (MG) em sessão da CCJ (foto: Geraldo Magela/Senado)

O presidente do PSDB e senador Aécio Neves (MG)
em sessão da CCJ (foto: Geraldo Magela/Senado)

Filipe Matoso, no G1

O PSDB protocolou nesta quarta-feira (30) um projeto no Senado que torna o programa Bolsa Família permanente. A proposta foi oficializada no mesmo dia em que o programa completa dez anos, e após uma cerimônia de comemoração da presidente Dilma Rousseff com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva num evento em Brasília.

Pela proposta, o programa passaria a ser incorporado à Lei Orgânica da Assistência Social (Loas). O partido argumenta que com a inclusão o programa passaria a ter recursos garantidos pelo Fundo Nacional de Assistência Social, sob controle do Conselho Nacional de Assistência Social.

O texto sugere ainda que o pagamento do Bolsa Família seja feito por até seis meses continuados para o beneficiário que ingressar ou retornar ao mercado formal de trabalho. “A medida permite criar maior garantia e estímulo para que o beneficiário ingresse no mercado sem risco de perda imediata do benefício”, argumentou o partido.

O presidente do partido, senador Aécio Neves (MG), afirmou que que o Bolsa Família deixaria de ser “instrumentalizado” pelo governo federal. Ele disse também que se o projeto for aprovado, o programa passará a ser uma “política de Estado, para deixar de ser um programa de governo, com tom eleitoreiro”.

“A partir da aprovação desse projeto, o Bolsa Família deixa de ser um projeto de um partido político e passa a ser uma política de Estado, porque é assim que precisa ser tratada. É preciso tirar esse tormento e a angústia de toda véspera de eleição em que as famílias ficam atemorizadas por irresponsabilidade e leviandade de alguns que acham que os adversários irão interromper o programa”, afirmou o senador.

Aécio Neves (MG) disse também que o Bolsa Família é um programa “importante” para os brasileiros que precisam dos benefícios de programas de transferência de renda.

No projeto, o PSDB argumenta que “a rede de proteção social, que originou o Bolsa Família, já existe há algum tempo no Brasil”. O senador afirmou que programas de transferência de renda já existiam no governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (1995-2002).

“O governo se preocupa em anunciar a ampliação de usuários, mas não se preocupa em saber como estão os beneficiários. Queremos acabar com a utilização eleitoreira e criminosa em alguns momentos do programa”, disse o presidente do PSDB.

Também nesta quarta em Brasília, em cerimônia de comemoração aos 10 anos do Bolsa Família, Lula disse que “incomoda muita gente que os pobres estejam evoluindo”. Ele defendeu os resultados do programa e pediu que a equipe econômica do governo pare de “regatear” dinheiro para os pobres.

Bolsa Família

Lançado em 2003, atualmente o Bolsa Família beneficia diretamente 50 milhões de pessoas, de acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento Social.  Somente em 2013, serão investidos R$ 24 bilhões com o programa, o equivalente a 0,46% do Produto Interno Bruto (PIB).

O benefício médio mensal por família, ainda de acordo com o ministério, é de R$ 152. O valor total das transferências do Bolsa Família teve aumento real de 55% entre 2010 e 2013 e, entre os mais pobres, cresceu 102%.

Como contrapartida, as famílias devem manter crianças e adolescentes com 85% de frequência na escola e garantir o calendário de vacinação de crianças menores de 7 anos. As gestantes devem ainda fazer pré-natal e acompanhamento pós-parto.

dica do Sidnei Carvalho de Souza

Câmara de SP aprova homenagem à Rota com 37 votos a favor

Claques a favor e contra a tropa de elite da PM paulista tomaram a Casa; projeto do vereador coronel Telhada (PSDB) teve 15 votos contrários. Saiba como votou cada parlamentar

Manifestantes durante a votação da homenagem à Rota na Câmara Municipal de SP

Manifestantes durante a votação da homenagem à Rota na Câmara Municipal de SP

Ricardo Rossetto, na CartaCapital

Depois de três tentativas, a Câmara Municipal de São Paulo aprovou nesta terça-feira 3, em uma sessão marcada por muito tumulto, a  ”Salva de Prata” em homenagem às Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota) pelos serviços prestados pela tropa de elite da polícia paulista durante a ditadura.

Os trabalhos tiveram início às 15 horas e, na galeria do plenário, cerca de 100 representantes de 18 movimentos sociais, entre eles os grupos Tortura Nunca Mais, Comitê Contra o Genocídio da Juventude Preta, Pobre e Periférica, União da Juventude Socialista, gritavam “assassino” e “racistas, fascistas, não passarão” aos vereadores Coronel Telhada (PSDB), autor da proposta de homenagem, Roberval Conte Lopes (PTB) e Alvaro Camilo (PSD), ex-comandantes da tropa.

Em carta assinada pelos movimentos sociais e lida em plenário pelo vereador Toninho Vespoli (PSOL), mais críticas: “Há uma necessidade de combater uma polícia que mata, que violenta e que afasta da nossa juventude a perspectiva de vida e de sonhos. Homenageadas deveriam ser as famílias das vítimas de toda essa violência, as mães que perderam seus filhos para um Estado que demonstra diariamente o seu compromisso em manter o racismo e a desigualdade”.

Antes da votação – que terminou com 37 votos favoráveis e 15 contrários ao projeto –, o vereador Orlando Silva (PCdoB) apelou para a consciência dos colegas “porque o voto poderia macular o mandato de cada um”. Em seguida, Juliana Cardoso (PT) afirmou que a bancada de 11 vereadores do partido votaria contra “não por ser desfavorável à corporação, mas por discordar do projeto ideológico de homenagear uma polícia que mata.”

Do outro lado da galeria estavam os apoiadores da Rota, um grupo de 50 pessoas que retrucavam com gritos de “o povo de bem está com a Rota”.

Em discurso, Conte Lopes disse que a Rota é a “melhor polícia do mundo” e que a tropa é a melhor garantia de segurança para a sociedade. Sua fala foi interrompida três vezes por vaias, apesar da ordem que o presidente José Américo (PT) tentava garantir no plenário. Ainda assim o vereador apontou que a corporação não se envolve em política e a população da periferia de São Paulo a adora.

“Não são admissíveis manifestações contrárias à Rota, que trabalha 24 horas por dia para garantir o sossego desses mesmos que agora protestam. Todo mundo quando está com dificuldades liga no 190″, respondeu, enquanto os manifestantes ainda gritavam “assassino” e “mentiroso”.

Depois dele, Telhada, o autor da proposta, assumiu o microfone e afirmou que o livro Rota 66, do jornalista Caco Barcellos [que faz uma radiografia das ações truculentas da tropa] é “uma grande mentira”, e criticou as “meias-verdades” ditas por seus colegas parlamentares. Para ele, o principal problema são as acusações sem conhecimento de causa. “Estou pedindo uma salva de prata por 43 anos de história do batalhão, e não por uma ou outra ação prestada”, afirmou.

O texto do Projeto de Decreto Legislativo 06/2013, aprovado nesta terça, destaca os “relevantes serviços prestados pelo Batalhão à sociedade brasileira, em especial ao povo do estado de São Paulo”. Ali, o coronel Telhada, que comandou a tropa entre 2009 e 2011, lembra o passado “heroico” da corporação, como a campanha do Vale do Rio Ribeira do Iguape, em 1970, que sufocou a Guerrilha Rural instituída por Carlos Lamarca, um dos principais combatentes da ditadura.

Após a aprovação da Salva de Prata, o coronel comemorou e disse que a homenagem mostra ao Brasil que a cidade de São Paulo valoriza a polícia e o crime não tem vez. “A hora que o cinto apertar, é a Rota que vai te defender”, disse Telhada.

De acordo com o regimento interno da Câmara de São Paulo, cada vereador tem direito a conceder até oito honrarias da Salva de Prata por legislatura (mandato de quatro anos). Em toda a história do legislativo paulistano, essa homenagem que envolveu as Rota foi a que demorou mais tempo para ser aprovada – seis meses. Em geral, os Projetos de Decreto Legislativo passam sem questionamentos. Desta vez, entretanto, a questão era “moral e mexia com direitos e liberdades dos cidadãos, principalmente os negros e pobres, principais vítimas da tropa”, conforme esclareceu o vereador Gilberto Natalini (PV).

Expulsos

Durante a sessão que durou mais de duas horas, ao menos quatro jovens de movimentos sociais foram expulsos da galeria por ordens do presidente José Américo. Houve princípio de confusão enquanto os PMs tentavam retirar os manifestantes, que hesitavam em sair do local. Um deles aparentando ser menor de idade e conhecido pelo apelido “HD” afirmou à reportagem que foi agredido pelos policiais enquanto era levado para o elevador atrás da galeria. A PM nega que houve abuso de força. Por questão de ordem, a sessão foi suspensa para que a votação nominal pudesse transcorrer normalmente.

Confira o resultado da votação:

– Vereadores que votaram a favor da homenagem à Rota:

Abou Ani (PV)
Adilson Amadeu (PTB)
Andrea Matarazzo (PSDB)
Atílio Francisco (PRB)
Aurélio Miguel (PR)
Aurélio Nomura (PMDB)
Calvo (PSDB)
Claudinho de Souza (PSDB)
Conte Lopes (PTB)
Coronel Camilo (PSD)
Coronel Telhada (PSDB)
David Soares (PSD)
Edir Sales (PSD)
Eduardo Tuma (PSDB)
Floriano Pesaro (PSDB)
George Hato (PMDB)
Gilson Barreto (PSDB)
Goulart (PSD)
Jean Madeira (PRB)
José Police Neto (PSD)
Laércio Benko (PHS)
Marco Aurélio Cunha (PSD)
Mário Covas Neto (PSDB)
Marquito (PTB)
Marta Costa (PSD)
Nelo Rodolfo (PMDB)
Noemi Nonato (PSB)
Ota (PSB)
Patrícia Bezerra (PSDB)
Paulo Frange (PTB)
Pastor Edemilson Chaves (PP)
Ricardo Nunes (PSDB)
Roberto Tripoli (PV)
Sanda Tadeu (DEM)
Souza Santos (PSD)
Toninho Paiva (PR)
Wadih Mutran (PP)

– Vereador que se absteve:

Ari Friedenbach (PPS)

– Vereadores que votaram contra a homenagem à Rota:

Alessandro Guedes (PT)
Alfredinho (PT)
Arselino Tatto (PT)
Jair Tatto (PT)
José Américo (PT)
Juliana Cardoso (PT)
Nabil Bonduki (PT)
Natalini (PV)
Orlando Silva (PCdoB)
Paulo Fiorilo (PT)
Reis (PT)
Ricardo Young (PPS)
Senival Moura (PT)
Toninho Véspoli (PSOL)
Vavá (PT)

dica do Fabio Martelozzo Mendes

Lula, Marina e Feliciano são os políticos mais curtidos no Facebook

lula5

Teresa Perosa, na Época

Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Marina Silva (Rede Sustentabilidade) e Marco Feliciano (PSC-SP) são os políticos brasileiros que mais têm “curtidas” na rede social Facebook.

O ex-presidente aparece em primeiro lugar, com 332.056 fãs; contra 310.419 de Marina e 193.829 do pastor evangélico. A quarta posição é ocupada pelo deputado federal Anthony Garotinho (PR-RJ), com 145.711 curtidas, seguido do senador Aécio Neves (PSDB-MG), com 131.894 fãs.

Os três prefeitos mais curtidos na rede social são de capitais: Eduardo Paes (PMDB-RJ), com 38.171 fãs, Arthur Virgílio (PSDB-AM), com 34.754, e Roberto Cláudio (PSB-CE), com 20.960 curtidas.

Chama a atenção os poucos governadores na lista dos 50 políticos mais curtidos no Facebook. São apenas quatro: Beto Richa (PSDB-PR), André Puccinelli (PMDB-MS), Sérgio Cabral (PMDB-RJ) e Ricardo Coutinho (PSB-PB).

Os números são da plataforma de monitoramento de redes sociais Socialbakers.

Empresa da Globo promove feira evangélica com pastores polêmicos como atração

O casal Estevam e Sônia Hernandes, fundadores da Igreja Renascer em Cristo, posam para foto. A FIC (Feira Internacional Cristã) reúne empresas ligadas ao mundo dos evangélicos no Expo Center Norte, em São Paulo, até o próximo domingo (foto: Leonardo Soares/UOL)

O casal Estevam e Sônia Hernandes, fundadores da Igreja Renascer em Cristo, posam para foto. A FIC (Feira Internacional Cristã) reúne empresas ligadas ao mundo dos evangélicos no Expo Center Norte, em São Paulo, até o próximo domingo (foto: Leonardo Soares/UOL)

Rodrigo Bertolotto, no UOL

Modelos com roupas comportadas nos estandes, um pôster gigante do pastor Silas Malafaia, e o governador Geraldo Alckmin (PSDB), todo sorrisos, tirando foto ao lado do casal Estevam e Sônia Hernandes, líderes da Igreja Renascer que ficaram detidos nos EUA por evasão de divisas.

Esta é uma feira de negócios em que os vendedores se apresentam com um “Deus te abençoe” e se despedem com um “amém”. A Feira Internacional Cristã acontece até domingo no Expo Center Norte e marca a posição evangélica no “mercado das almas” às vésperas da investida católica com a vinda do papa Francisco para o Rio e Aparecida (SP).

A feira foi inaugurada nesta quarta-feira (17) com a presença do governador paulista. O ponto alto de sua passagem foi ganhar um exemplar autografado do livro “Milagres”, do apóstolo Estevam Hernandes, e posar para foto ao lado de bispa Sônia, sua mulher.

Outros dois líderes religiosos envolvidos em política estão entre as atrações da feira. São eles: Silas Malafaia, que anunciou apoio para o presidenciável tucano José Serra em 2010, e Robson Rodovalho, que liderou os evangélicos do lado da petista Dilma Rousseff. Malafaia ainda é habitué de polêmicas contra avanços dos direitos civis de homossexuais.

Outro detalhe curioso do evento é que a organização é da empresa Geo, que é ligada às Organizações Globo. Não por nada a Som Livre, outra empresa da Globo, tem estande com artistas gospel na feira. A Som Livre também é o selo dos CDs e DVDs oficiais da Jornada Mundial da Juventude, motivo da visita papal da próxima semana. E a Globo é a responsável pela geração e distribuição de imagens do papa Francisco no Brasil. Já a Igreja Universal, dona da TV Record, ficou de fora da feira por motivos óbvios.

Há vários quiosques ocupados por agências de turismo especializadas em viagens para Israel, uma febre entre os neopentecostais mais abonados. Em um deles, os expositores oferecem os tais tours “Caminhos da Fé” vestidos de beduínos.

As ofertas literárias trazem de livros de autoajuda de televangelistas a publicações infantis com orações e Bíblias em braile.

Entre os CDs e DVDs, estão o da cantora Rachel Malafaia (nora do polêmico pastor), o de Carlos Moyses (“A Harpa Cristã”), o do grupo “Os Arrebatados”, e até palestras de aconselhamento matrimonial (o melhor título de capa é “Homem Banana, Mulher Abacaxi”, do autor Claudio Duarte). Mas, no quesito musical, o destaque é mesmo o Pregador Lou, com seu visual de rapper e seus shows “para ministrar a partir de suas músicas”.

Também não faltam as camisetas engraçadinhas, principalmente as que parodiam marcas famosas como “Jesuspod”, “Lifebook – Jesus quer incluir você no seu livro”, “Pecado Zero – Viva o lado santificado da vida” ou “UFC – Único Fiel de Cristo”. Todas por R$ 25.

Para decoração de igrejas e residências, o item mais surpreendente é uma reprodução da Arca da Aliança, onde foram guardadas as tábuas dos Dez Mandamentos e que está desaparecida há milênios. A peça em madeira e metal vale R$ 6.990,00 em seu tamanho natural.

Também no setor de móveis, três fabricantes oferecem cadeiras para templos. Um deles apresenta como diferencial um recheio com espuma automotiva injetada, porque “sua igreja merece o melhor” (como o slogan anuncia).

Tem ainda óleos para unção, joalherias com crucifixos de ouro, pôsteres com citações bíblicas (“A Fé Move Montanhas”), cursos de educação financeira, instrumentos musicais, ímãs de geladeira e quebra-cabeças com imagens de Jesus.

O polêmico pastor Silas Malafaia aparece em totem e banner em estande. A FIC (Feira Internacional Cristã) reúne empresas ligadas ao mundo dos evangélicos no Expo Center Norte, em São Paulo, até o próximo domingo (foto: Leonardo Soares/UOL)

O polêmico pastor Silas Malafaia aparece em totem e banner em estande. A FIC (Feira Internacional Cristã) reúne empresas ligadas ao mundo dos evangélicos no Expo Center Norte, em São Paulo, até o próximo domingo (foto: Leonardo Soares/UOL)