Arquivo da tag: PV

Café sem funcionários espera que consumidores paguem com consciência

Divulgaçãopublicado no Estadão

 Um café instalado em Valley City, uma pequena cidade de menos de 7 mil habitantes no estado da Dakota do Norte, aposta na honestidade de seus clientes para a continuidade do negócio. 

O Vault, instalado em uma antiga agência bancária reformada, é um café como todos os outros, com mesas e cadeiras confortáveis. Não há nenhum funcionário, e tudo é automatizado para que os consumidores se sirvam e paguem sozinhos. A única medida de segurança instalada são câmeras.

Para a surpresa de seu proprietário, os clientes costumam deixar 15% a mais do que os preços estabelecidos no menu. Além do café e das opções de comida, o estabelecimento também oferece livros de segunda mão, que são vendidos a um preço simbólico de US$ 1.

Para pagar viagem, jovem junta R$ 9 mil em 3 meses vendendo brigadeiros

O árbitro de basquete oão Ricci mostra brigadeiro feito por ele (Foto: João Ricci/Arquivo pessoal)

publicado no G1

Com R$ 20 no bolso e o sonho de viajar para a Espanha para assistir a um campeonato mundial de basquete que custaria R$ 15 mil, o árbitro João Ricci, de 26 anos, decidiu apostar em uma ideia inusitada para juntar dinheiro: produzir e vender brigadeiros na rua. Em três meses, trabalhando quatro dias por semana, Ricci conseguiu juntar R$ 9 mil. Ele já comprou as passagens e os ingressos para o Mundial.

“Tinha R$ 20 no bolso e fiz duas panelas de brigadeiro. Pensei: bom, o máximo que pode acontecer é ninguém querer comprar e eu comer tudo sozinho”, disse. “Comecei a vender no terminal do Cruzeiro e passei pelos comércios do Sudoeste e, em 40 minutos, havia vendido os 50 brigadeiros. Voltei para casa com R$ 50.”

Com a renda, o brasiliense comprou mais leite condensado e achocolatado e passou a vender o doce em restaurantes, parques e comércios da área central de Brasília.

Ricci diz que reservou os dias entre quinta e domingo para vender os brigadeiros. Por dia, ele vende, em média, 220 brigadeiros a R$ 1 – o que rende quase R$ 900 por semana. Segundo ele, é possível fazer a massa, enrolar os brigadeiros e vender todos em menos de cinco horas.

“Gasto uma hora para fazer a massa, que faço no dia anterior, para dar tempo de esfriar. Depois, gasto uma hora e meia para enrolar e duas horas para vender”, diz. “Meu objetivo inicial era juntar R$ 1 mil por semana, mas é muito desgastante. O [ato de] vender cansa, mas é satisfatório porque você conversa com um monte de gente, o pessoal gosta, quer saber da história. Mas o que cansa, rotineiramente, é o fazer.”

A Copa do Mundo foi uma grande oportunidade de vendas para o árbitro. Durante a final do campeonato, ele chegou a vender 450 brigadeiros. Os estrangeiros, segundo ele, aproveitaram a oportunidade para conhecer o doce. “Na mesa do bar a pessoa amiga, quando brasileira, sempre falava ‘é chocolate brasileiro, prova’, e apresentava para os gringos, que experimentavam e gostavam, porque é um doce que não existe lá fora”, diz.

Apesar de ter se tornado um “expert” na produção de brigadeiros, Ricci não atribui o sucesso das vendas ao produto em si, mas à história por trás das vendas, que motiva as pessoas a contribuírem com seu projeto. Árbitro de basquete da categoria nacional do país, Ricci acredita que assistir ao campeonato mundial pode aumentar suas chances de conseguir se tornar um árbitro de categoria internacional.

“Meu tipo de serviço não é nem tão sofisticado quanto o de gente que vende doce à noite em Brasília. Tem qualidade, vem bastante dinheiro, mas tenho certeza de uma coisa: o que faz vender é a história em si e o preço. Não é uma coisa vazia. Se chego até a mesa e ofereço o brigadeiro a R$ 1, ninguém quer comprar. Mas quando falo que vendo brigadeiro para juntar dinheiro para pagar minha viagem de intercâmbio, tem outra conotação, tem a identificação de pessoas que já foram ou têm vontade de ir para fora. Isso é unânime, todo mundo tem vontade de viajar.”

Apesar de afirmar ser sempre bem tratado aonde vai, Ricci conta que já chegou a ser expulso de um bar na Asa Sul. “O dono disse que os clientes poderiam passar mal e que seria responsabilidade dele. Ele foi bem grosseiro”, disse.

Ele conta que garçons, gerentes e proprietários de bares são clientes fiéis. “Tem história de gente comprando 30 brigadeiros numa mesa só, tipo aniversário que iam comprar um bolo, mas decidiram não comprar e pediram tudo de brigadeiro”, diz. “Uma senhora que bebe cerveja toda sexta-feira com o marido, toda vez que me encontra pede dez brigadeiros. Os garçons do Beirute também sempre compram dez de uma vez só, cada vez um paga.”

Além da viagem conquistada, o árbitro afirma que vai levar como bagagem da experiência a liberdade de poder viver como ele decidir. “O que consegui perceber desse tempo é que a gente cria paradigmas no estilo de emprego e na forma de ganhar dinheiro que a gente tem que ter em Brasília. Existe uma cultura muito grande de concurso público, de formação acadêmica muito exacerbada, em que a gente tem que ser superformado, mas tem milhares de graduações e não sabe fazer nada”, afirma.

“O que a gente precisa de verdade é sobreviver, é ganhar seu dinheiro para fazer suas coisas, seu projeto. Dizem que você pode ficar velho e que precisa ter um projeto de vida, mas esse projeto pode acontecer sendo funcionário público, tendo um restaurante ou vendendo brigadeiro.”

Tatuagens e biologia: por que a tinta fica pra sempre na pele?

  (Foto: Flickr/CreativeCommons)

publicado na Revista Galileu

Você já sabe que fazer tatuagem não é uma decisão simples – embora haja quem finja que sim – porque, uma vez marcada a pele, não há mais volta. Existem técnicas a laser que ajudam a apagar tatuagens, mas a verdade é que e um procedimento complicado, que tem riscos e que é bem mais complexo do que fazer a tatuagem em si.

Mas afinal, o que é uma tatuagem e por que ela fica na pele? O vídeo aqui embaixo, do TED, explica a biologia por trás do processo de tatuar a pele:

De acordo com o vídeo, a agulha com tinta penetra a epiderme – a parte superficial da pele – e deposita a tinta na derme, a camada embaixo da epiderme, que contém vasos sanguíneos e nervos.

Cada picada da agulha é uma ferida, à qual o corpo reage iniciando um processo inflamatório. Isso significa que o corpo vai enviar células do sistema imune para o local da ferida, e células especiais chamadas macrófagos vão ‘comer’ a tinta pra tentar limpar a inflamação causada por ela. O que sobrar acaba absorvido por células chamadas fibroblastos, que ficam na derme para sempre.

Se você precisar remover a tattoo com um laser, os raios vão romper os fibroblastos em pedaços menores, que então serão reabsorvidos pelo seu corpo, apagando o desenho. Mas o processo fica mais difícil dependendo da cor da tatuagem – tinta preta é a mais fácil de ser removida, por exemplo.