Avanço da Universal tira força de rivais na televisão

Por Ricardo Mendonça, na Folha de S. Paulo

A inauguração de um enorme templo em São Paulo no fim do mês, com a possível presença da presidente Dilma Rousseff e outras autoridades, não é a única marca da atual ofensiva da Igreja Universal do Reino de Deus sobre seus concorrentes.

Duas operações comerciais recentes tratadas com muito mais discrição pela igreja provocam reviravolta na geopolítica das neopentecostais.

Há poucos dias, a Universal alugou 22 horas diárias da grade da TV CNT, rede paranaense controlada pela família Martinez (do ex-deputado José Carlos Martinez, presidente do PTB morto em 2003).

Com isso, tirou da emissora o concorrente Valdemiro Santiago, da Igreja Mundial do Poder de Deus, e o programa “Vitória em Cristo”, veiculado há 32 anos na CNT por Silas Malafaia, de um ramo da Assembleia de Deus.

O arrendamento da CNT foi a segunda manobra do tipo patrocinada pela igreja de Edir Macedo. No fim de 2013, em negociação com a família Saad, da Bandeirantes, a Universal já havia alugado toda a grade disponível do Canal 21 (UHF), que desde 2008 era 100% ocupada pela Mundial.

1419878

No meio evangélico, essas operações chamaram a atenção menos pela ampliação da capacidade de exposição da Universal e mais pelo encolhimento dos concorrentes.

A Universal já aluga fatias diárias da Bandeirantes, da Rede TV! e da Record, esta última de sua propriedade. Com 100% da CNT e do Canal 21, a igreja praticamente monopolizou os quinhões disponíveis para pregação religiosa em rede nacional.

O expurgo de Valdemiro e Malafaia de seus principais púlpitos eletrônicos tem ainda um reflexo político.

Em 2010, quando o tema do aborto ganhou destaque na eleição presidencial, eles foram os dois neopentecostais que apareceram na propaganda do então candidato José Serra (PSDB), principal rival de Dilma.

Neste ano, com o candidato Pastor Everaldo (PSC) concentrando apoios evangélicos, a Universal poderá ficar como a única neopentecostal relevante a apoiar a petista.

Para o sociólogo Ricardo Bitun, o estrangulamento promovido pela Universal é o capítulo recente mais importante da disputa entre igrejas. “A concorrência entre elas é fortíssima, com consultores auxiliando cada uma dessas operações e milhões de reais envolvidos”, diz.

As partes não comentam, mas no mercado circula a informação de que a Mundial teria perdido o Canal 21 após acumular R$ 21 milhões em dívidas com a família Saad.

Valdemiro estaria agora prestes a fazer o arrendamento integral da canal 32 UHF (antiga MTV), que em dezembro foi vendido pela Editora Abril para o Grupo Spring –o dono do grupo não foi encontrado para comentar. Nesta quarta (16), cultos da igreja já eram exibidos no canal.

O troca-troca de emissoras nem sempre é tratado de forma diplomática no meio.

Alguns anos atrás, quando R. R. Soares (Igreja Internacional da Graça) desalojou Valdemiro de um horário na Band, o líder da Mundial o acusou de falsidade e chegou a chamá-lo de racista. Disse que Soares só se referia a ele como “o bispo preto”.

Em 2012, foi a vez de Valdemiro ser mostrado como vilão. Ao perder um horário para a Mundial, Malafaia o acusou de ser dissimulado e desleal.

A Universal evita esse tipo de embate. Por escrito, afirmou que “os meios de comunicação podem e devem ser utilizados como canais evangelísticos, com o intuito de levar uma palavra de vida e fé”. Agora, o único que oferece um pouco de concorrência à Universal em rede nacional é Soares, na Rede TV! e na Band.

14164762

Leia Mais

Igreja Universal faz planos de deixar a Record até 2020

universallogoRicardo Feltrin, no F5

Não, amiguinhos e amiguinhas, vocês não leram nada errado. É isso mesmo. Na surdina, dirigentes da Igreja Universal do Reino de Deus já fazem planos de abandonar as madrugadas da emissora até o final desta década.

Motivo: um elaborado plano autossustentável de doação e amealhamento de mais fiéis graças aos espaços ocupados em outras emissoras, além da Record.

COMO SABEM….

Nos últimos dois anos, a Universal simplesmente se infiltrou em praticamente todas as emissoras abertas —exceto Globo e SBT. Ocupa espaço na Gazeta, Record, RedeTV!, Band, Canal 21, fora uma infinidade de rádios. Por isso, já há otimismo latente de que a igreja possa finalmente sair da Record. Uma das rejeições à Record no mercado é o fato de não poder ser considerada uma emissora laica.

JÁ ERA TEMPO

Na verdade, o prazo de seis anos para a saída pode ser ainda menor, dependendo da “competência” que o Departamento Comercial mostrar. Explico: há 20 anos, quem banca a maior parte dos gastos e das produções da Record —inclusive a compra do megalomaníaco complexo RecNov no Rio— é justamente as dezenas de milhões de reais que a igreja paga mensalmente para ocupar as madrugadas. É um acordo de mão dupla: a Universal se estabelece numa emissora aberta, a segunda do país, e por sua vez a Record perde qualquer chance de faturar ou ter ibope nas madrugadas. Dito isso…

ADORO A EXPRESSÃO: DITO ISSO…

Pois bem, DITO ISSO algumas cabeças da igreja de Edir Macedo acham que já é hora de o Comercial da emissora parar de fazer farol e bancar de fato a infraestrutura e funcionamento da empresa. Sozinho. Sem o dinheiro da Universal, a Record viveria os últimos 20 anos no mais profundo vermelho. Quem fecha as contas, quem paga as contas é a igreja.

DITO ISSO…

Não fica legal mesmo esse dito isso? Tá, tá, vou continuar a coluna. Como a Universal se espalhou por inúmeras emissoras e exibe nelas sua pregação (ou ladainha, para aqueles radicais que detestam essa palavra mesmo sem saber seu significado), ela já vê no médio prazo a possibilidade de manter seu crescimento financeiro e fiel, sem a necessidade da Record. Claro que isso ainda deve demorar, mas uma coisa é certa: quando essa data chegar vai haver muito choro e ranger de dentes, porque haverá demissões em profusão.

POR QUÊ?

Porque hoje o nababesco dinheiro que a igreja injeta da Record lhe permite fazer algumas apostas mais altas, investir em novelas mais caras, dar partida em produções mais elaboradas, contratar gente de primeira linha e coisa e tal. Só que, quando esse dinheirão acabar, muitas cabeças rolarão…

E DITO ISSO…

Tô brincando, não tenho mais nada de dito isso. Só queria fazer uma pirracinha.

Leia Mais

Universal manda artistas da Record apoiarem bispo

formigoniKeila Jimenez, na Folha de S.Paulo

Artistas da Record estão indignados com as imposições da Iurd (Igreja Universal do Reino de Deus) na emissora.

A mais nova iniciativa da entidade religiosa envolve todo o casting de apresentadores da emissora, que foi convocado a gravar depoimentos a favor da “Campanha contra os Vícios”, do bispo Rogério Formigoni (foto), da Universal.

Formigoni é conhecido por promover sessões em que promete curar viciados de crack e outras drogas. Sem ao menos serem consultados, os apresentadores foram recrutados a gravarem vídeos apoiando a campanha do bispo, que serão utilizados em cultos religiosos e em programas da Universal na TV.

Alguns apresentadores chegaram a questionar se era mesmo necessário emprestar a imagem à causa e receberam ordens expressas da Record para gravar os vídeos sem gerar conflitos, seguindo um roteiro de depoimentos já escrito pela igreja.

Os textos traziam mensagens como: “Sou aliado de Formigoni nessa jornada por um Brasil melhor”.

Embora não pertença à Iurd, e sim ao líder religioso da entidade, Edir Macedo, a Record tem em seu alto comando pastores e bispos.

Procurada, a emissora diz que a iniciativa foi apenas um convite aos artistas. A Igreja Universal não se pronunciou sobre o assunto.

Leia Mais

Na televisão, não existem leis ou limites para as igrejas

Flávio Ricco, no UOL

Edir Macedo, líder da Igreja Universal
Edir Macedo, líder da Igreja Universal

Como já ficou atestado, a Igreja Universal não tem limites para o seu plano de expansão nos meios de comunicação, especialmente nas emissoras de rádio e televisão.

Se pegar na letra da lei, isto não poderia e nem deveria acontecer. Mas a lei, ora a lei. A Universal já tem a Record, Record News, vários horários na Bandeirantes e Rede TV!, além de dominar inteiramente as grades da Rede 21 e agora CNT. Todaloteamens com registro de geradoras e não retransmissoras.

Entre as tantas coisas erradas que nos obrigam a conviver, o loteamento das TVs pelas mais diversas religiões, umas mais e outras um pouco menos, é só mais uma distorção, que nos leva a concluir que, para determinadas coisas em nosso país, de nada adianta esbravejar ou reivindicar pelo que é certo.

Nos resta apenas ser solidários aos trabalhadores comuns, que ainda tentam se encaixar neste cada vez mais fechado mercado de trabalho, como também lamentar pelos jovens que frequentam as nossas escolas de Jornalismo ou cursos de Rádio e TV. Olha o que o futuro reserva para eles.

Lembra disso?
Não faz muito tempo, aqui neste mesmo espaço, foi dito que o plano da Universal era o de se tornar a Globo das igrejas.

Ao que parece, isto já é quase uma realidade.

Leia Mais

CNT vende toda a grade para Igreja Universal e demite até 100

Ricardo Feltrin, no UOL

Edir Macedo, líder da Igreja Universal (foto: Reprodução/Instagram)
Edir Macedo, líder da Igreja Universal (foto: Reprodução/Instagram)

Dando sequência a seu processo de expansão indiscriminada a todos os tipos de veículos de comunicação, a Igreja Universal acaba de fechar a compra de toda a grade de programação do CNT, um canal UHF aberto. A Universal, que já ocupava cerca de 11 horas diárias no canal, vai passar a ter 22 horas diárias. Os valores não foram revelados.

A Universal já vinha tentando adquirir todos os espaços da CNT. Com a compra da grade do canal 21 no ano passado, mais os espaços que ocupa atualmente na Record, Gazeta, Band e RedeTV!, além de ser a igreja presente em mais emissoras de TV, a Universal passa a transmitir mais de 1.700 horas por mês de orações, ladainha religiosa e, claro, pedidos de doações aos fiéis.

Não há hoje nenhuma legislação que proíba essa operação, mas a igreja não poderia comprar as 24 horas da CNT. Isso configuraria venda da concessão, já que não é permitido que alguém receba uma concessão pública de uma emissora de rádio ou TV (VHF ou UHF) e revenda integralmente a terceiros.

Uma lei “caduca” dos anos 60 até proíbe que uma emissora tenha mais de 25% de sua grade em publicidade, e também veta a venda de horários a terceiros, mas essa lei é ignorada há décadas.

No ano passado, alguns deputados iniciaram uma campanha para criar uma lei que proibiria a venda de grade seja para outras empresas ou igrejas, mas a bancada evangélica na Câmara –especialmente a da Universal– fez lobby contrário pesado e a ideia murchou.

O clima é de estarrecimento na CNT, e a estimativa sombria de funcionários ouvidos nesta terça-feira pela coluna é de que no mínimo 100 pessoas em todo o país deverão perder seu emprego. Só em São Paulo seriam cerca de 25 pessoas.

A emissora tem estrelas históricas da TV em seus quadros, como Leão Lobo e Adriana de Castro, entre outros.

Leia Mais