‘Facebook para o trabalho’ deve ser lançado em janeiro

imagem
publicado na INFO

A versão do Facebook para ser usada no trabalho está quase pronta e será lançada no começo de janeiro, segundo informa o Wall Street Journal. A novidade, batizada de “Facebook at Work”, é testada por menos de uma dúzia de companhias e ainda está sendo finalizada.

O WSJ informa que o produto inicialmente será gratuito e sem publicidade. E será oferecido apenas a empresas que pedirem para participar.

É a terceira vez que essa iniciativa surge no noticiário. Na semana passada, o Financial Times trouxe a informação de que o produto já estava em testes e, em junho, o TechCrunch tratava pela primeira vez sobre o que então era chamado de “FB@Work”.

Ele teria um formato quase idêntico ao Facebook convencional, com feed de notícias, grupos e chat, mas sem fotos de família, baladas etc. Ao separar a vida pessoal dos usuários da profissional, o Facebook dribla a desconfiança de muitas empresas que bloqueiam o acesso à rede social para evitar distrações e ainda entra no mercado corporativo, hoje dominado por sites como LinkedIn.

Leia Mais

Todo mundo tem algo a doar: participe do #DiaDeDoar!

dia-de-doar-YoungDoo-Moon

Suzana Camargo, no Planeta Sustentável

D-O-A-R. Quatro letras. Palavra pequena, mas com imenso significado. Talvez um dos mais bonitos e complexos termos da língua portuguesa e de tantos outros idiomas. Doar vai muito além de dar. É verbo que compreende mais do que um sujeito. Quem doa, doa a alguém ou a muitos. E para fazê-lo necessita de desprendimento, generosidade e compromisso.

Para celebrar a beleza deste conceito e promover a cultura da doação em nossas sociedades, vários países, organizações e empresas do mundo inteiro realizarão uma grande campanha no dia 2 de dezembro. A proposta é simples: conclamar companhias, indivíduos, famílias, mídia e organizações não-governamentais (ONGs) a doar.

O movimento internacional #GivingTuesday existe desde 2012, nos Estados Unidos, como resultado de uma parceria entre a organização nova-iorquina 92Y e a Fundação das Nações Unidas. É o contraponto a Black Friday e a Cyber Monday, promoções do comércio para aumentar o consumo e as vendas nas lojas virtuais no final do ano, quando se aproxima a comemoração do Natal.

Rapidamente, ganhou forte adesão internacional e, hoje, reúne mais de 10 mil parceiros em países como Nova Zelândia, Canadá, Israel, Austrália, México, Singapura e Reino Unido, onde são promovidas atividades para estimular o ato de doar. A intenção é que o movimento dissemine ações inteligentes, que possam ser replicadas e gerem impacto de grande escala nas populações mais carentes.

No Brasil, o movimento – Dia de Doar – foi organizado pela primeira vez em 2013 pelo Instituto Doar, que faz parte de uma coalização de entidades – entre elas, a Acorde e a Arredondar – e indivíduos que se uniram para promover a solidariedade no país a partir do estímulo à doação, o Movimento por uma Cultura de Doação. Em 2014, terá, pela primeira vez, o apoio do movimento internacional #GivingTuesday.

O Planeta Sustentável já está engajado nesta campanha, começando por este post e também pelo encontro que será realizado na sede da Editora Abril no dia 28 próximo (acompanhe o Facebook e o Twitter para saber mais). E você?

Lembre-se: para doar não é necessário muito. Mas deve envolver sentimento. Tem que ser de coração. Doar é compartilhar com o outro. Pode ser um objeto, um valor. Todavia, pode ser muito mais. Doar tempo, sangue, medula, carinho, conhecimento, trabalho voluntário, atenção… É um ato que tem em seu interior a vontade de mudar a vida do próximo.

Todo mundo tem o que doar. Isso é fato. Que tal começar doando um pouco do seu tempo para divulgar a hashtag #DiaDeDoar nas redes sociais? Você verá que esta ação faz  bem para todos: quem doa e quem recebe. Um universo está aberto para novas mudanças e elas podem começar com apenas quatro letras: D-O-A-R.

Leia Mais

“Oscar saiu arrasado de Caruaru. Foi um pesadelo”, diz esposa do atleta

Oscar está triste com a repercussão do caso nas redes sociais, diz a esposa (foto: reprodução/ Internet)
Oscar está triste com a repercussão do caso nas redes sociais, diz a esposa (foto: reprodução/ Internet)

Publicado no NE 10

Maria Cristina Victorino Schmidt, esposa e secretária do ex-jogador da Seleção Brasileira de Basquete Oscar Schmidt, 56 anos, falou nesta sexta-feira (21) sobre a polêmica envolvendo o ex-atleta durante palestra realizada no último domingo (16) em Caruaru, no Agreste de Pernambuco. Ela afirmou que Oscar ficou esperando por mais de uma hora em um hotel da cidade e que a produção não ofereceu os equipamentos necessários para o evento. “Tudo poderia ter sido diferente se eles fossem pontuais”, ressaltou.

Oscar chegou a ser vaiado durante palestra em Caruaru e xingou a plateia com palavrões. Mais de dois mil alunos de uma faculdade particular do interior pernambucano estiveram presentes no evento realizado em um shopping center da cidade. A palestra malsucedida repercutiu negativamente nas redes sociais e o jogador foi alvo de críticas.

Maria Cristina disse que a palestra estava marcada para as 16h e que a equipe da faculdade iria pegar Oscar às 15h45. “Nós ficamos na frente do hotel conversando com três pessoas. Quando o motorista veio chegar, já eram 17h. A palestra começou mais de 18h. Tinha gente que estava esperando desde 13h30 no local. Não havia telões para quem estava atrás, apenas uma foto do Oscar. Quando começou a  palestra, o equipamento começou a dar problema”, detalhou.

Ela contou também que as pessoas começaram a ficar com raiva e ir embora, culpando o ex-jogador pelo atraso da palestra. “Pergunta se ele atrasou em um outra palestra? Ele fez 720 palestras em um ano, seis somente na semana passada, e em nenhuma ele chegou atrasado ou houve reclamação. Oscar sempre chega 15 minutos antes, conversa com o responsável pelo evento, equipamento e som. Eu juro que ele não xingou ninguém. Os palavrões fazem parte da palestra e do vocabulário dele. Atleta chama palavrão.”

Maria Cristina disse ainda que o atleta está triste com a repercussão do caso nas redes sociais. “As pessoas não têm ideia do dano psicológico que isso causa. Estou traumatizada. Ninguém estava prestando atenção na palestra. Ele ameaçou ir embora. Estava sendo um martírio. Oscar saiu arrasado de Caruaru. Foi um pesadelo”, comentou.

Para a esposa do ex-jogador, faltou sensibilidade do público que estava assistindo à palestra. “O povo que foi embora é sem sentimento. Como o Oscar costuma dizer: Se tivesse cerveja, axé e mulher, todo mundo tinha ficado. Ninguém estava ali para assistir uma palestra séria, parecia uma festa. Encheram o camarim de gente”. Ela contou ainda que se sente arrependida de ter aceitado a palestra em Caruaru. “O sentimento é de tristeza. Me pergunto porque fiz o Oscar passar por isso; sou eu quem agendo os compromissos dele. Ficou um trauma para mim e para ele. Mais que um atleta, o Oscar é um senhor de bem”, finalizou.

A diretora da faculdade particular Pollyana Lima informou, por telefone, que o motorista que iria buscar Oscar no hotel realmente atrasou, mas que este não teria sido o motivo dos problemas na palestra. Segundo ela, “foi uma decisão de faculdade pegar ele mais tarde, para não deixá-lo esperando no auditório, já que o evento todo estava atrasado”. Ainda segundo a diretora, o equipamento de Oscar não era compatível com o do evento.

Além do cachê de R$ 40 mil de Oscar, a direção da faculdade estima gastos de R$ 80 mil com locação de espaço, publicidade e demais despesas com o ex-jogador, como passagens aéreas, alimentação e transporte.

REPERCUSSÃO- De acordo com Marcos Ferreira, aluno de educação física, que esteve na palestra, o ex-jogador foi “grosseiro com o público” e não estaria preparado para realizar palestras. “Nós tivemos que passar por momentos constrangedores. Ele começou a falar vários palavrões desnecessários, foi mal educado com as pessoas. As pessoas que foram para admirar e ouvir a história dele começaram a vaiar. Ninguém estava acreditando naquilo. Mais de 500 pessoas abandonaram a palestra antes da metade”.

Ainda segundo Marcos, Oscar começou a ficar irritado por causa de uma falha no sistema de som do evento. “O microfone sem fio dele estava dando interferência e ficava fazendo um barulho. Ofereceram outro microfone para ele, mas ele disse que não usava aquele tipo porque era microfone de amador. Enfim, eu fui ver um exemplo, esperando levar ensinamentos para minha vida profissional, e saí com uma sensação terrível. Ele disse que sairia com uma má impressão de Caruaru, mas ele que destruiu tudo que nós pensávamos sobre o atleta”.

SOBRE OSCAR – Nascido em 1956, em Natal, no Rio Grande do Norte, Oscar Schmidt é considerado um dos maiores jogadores de basquete de todos os tempos, ganhando apelidos como “mão santa” e “rei do basquete”. Chegou a ser convidado a jogar na liga americana de basquete, a NBA, mas recusou o convite, pois queria se manter na categoria de “amador” e jogadores da liga não podiam participar das seleções nacionais.

Entre os vários prêmios que conquistou, os maiores foram a medalha de bronze nos Jogos Pan-Americanos de San Juan, em 1979, e a medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos de Indianápolis, de 1987, junto a Seleção Brasileira de Basquete. Oscar integra o hall da fama da NBA, mesmo sem nunca ter jogado em times americanos.

Desde 2011, Oscar foi submetido a duas cirurgias no cérebro para combater um câncer. Atualmente, ele ministra palestras motivacionais, que já somam mais de 700 em todo o Brasil.

Leia Mais

Adolescentes postam sem pensar e se arrependem

Pesquisa mostra que quase um terço volta atrás no que publica nas redes sociais

phones

Publicado em O Dia

Em meio ao turbilhão de emoções na vida de um adolescente, o arrependimento tem ganhado lugar de destaque na relação dos jovens com as redes sociais. Pesquisa da empresa de tecnologia AVG revelou que quase um terço (28%) dos adolescentes entre 11 e 16 anos já voltou atrás em relação a publicação em páginas da internet. A sondagem ouviu quatro mil pessoas em nove países, inclusive o Brasil.

Segundo a psicóloga Aline Restano, do Grupo de Estudos sobre Adicção Tecnológica, a principal causa para os níveis de arrependimento é a facilidade de se publicar conteúdo nas redes sociais. “O adolescente, naturalmente, age antes de pensar. E na internet esse comportamento impulsivo é facilitado. Basta um clique para que um jovem puxe uma briga ou faça um desabafo. Depois, quando ele reflete sobre a postagem, surge o arrependimento”, afirma ela.

Psiquiatra infantil, Fabio Barbirato acredita que o sentimento é fruto da falta de acompanhamento feito pelos pais. “Os jovens não são monitorados como deveriam na internet e acabam expondo a si próprios e a família em excesso, além de correrem risco de contato com pessoas mal-intencionadas”, diz ele.

Outro dado da pesquisa aponta que 70% dos pais têm acesso às senhas de seus filhos. Para Barbirato, a medida é insuficiente. “Não é só a senha, é saber o que acontece. Não existe privacidade com menos de 18 anos. O pai tem obrigação de monitorar o que seu filho faz”, garante.

Aline Restano tem visão diferente sobre a questão: os responsáveis não precisam proibir, mas sim sentar com seus filhos para acompanhar seus passos na internet e procurar saber a identidade das pessoas com quem os adolescentes se relacionam. Segundo a pesquisa, apenas 29% de fato conhecem todos os ‘amigos’ no Facebook, por exemplo.“Saber as senhas é para os adolescentes que já passaram por situações de risco no mundo digital, como o contato com pedófilos”, comenta.

Leia Mais

egoístas.com

egoista

Mariliz Pereira Jorge, na Folha de S.Paulo

Eu leio a mensagem, respondo mentalmente e esqueço de responder de verdade, mas no meu coração eu respondi e é isso que importa. Eu poderia ter escrito essa frase, porque ela define exatamente o que eu me tornei. Relapsa, esquecida, autocentrada. E vejo cada vez mais gente parecida comigo.

Sou eterna devedora. Estou sempre em dívida com meus emails, inbox de redes sociais, Whatsapps. Me mandaram um livro de presente, queriam saber se recebi. Estava dirigindo, pensei em responder depois, foi para o buraco negro das mensagens lidas e esquecidas. Fui convidada para um jantar, quando me lembrei de responder já estavam na sobremesa.

Daqui a pouco faço aniversário de novo e não consegui agradecer individualmente cada mensagem bacana que me escreveram no Facebook. Mandei uma coletiva: “meu coração transborda com as felicitações de aniversário, prometo responder cada uma”.

Mentira. Não respondemos nunca. Ficamos sempre na intenção. E de boa intenção, você sabe, Maomé foi parar no inferno e nunca chegou à montanha.

A gente interage nas redes sociais e fica com essa falsa impressão de que cultiva as amizades, enquanto isso as pessoas vão se perdendo. A gente dá um like e ganha um falso crédito para ligar depois, escreve um kkk e acha que somos cúmplices rindo da mesma piada, manda um monte de coraçãozinho virtual e acredita que os laços estão eternizados. Então, nos damos conta que não sabemos quase nada do que acontece com uma pessoa que a gente chama de amigo.

Tenho a sensação de que só estou disponível quando posso e não quando precisam de mim. Estou enrolada, ligo depois, já vejo os emails. Ocupada demais para pegar o celular que vive grudado na minha mão para ligar para uma amiga que tem algo importante para me contar. E eu só me lembro de ligar três semanas depois.

Não vou ao banheiro sem celular. Ele dorme mais grudado em mim do que meu marido. Tomo banho, caminho, faço aula de pilates, almoço, trabalho, vou ao cinema, sem desgrudar desse aparelhinho dos infernos, mas não tive um único minuto para ligar para alguém que precisava de mim. Eu ocupada demais com assuntos desimportantes e ela no hospital com crise de síndrome do pânico.

Mesmo que não fosse grave. Quando foi mesmo que a gente parou de bater papo ao telefone? E nossos jantares semanais? Liga aí, prometo que vou atender. Funciono mais por telefone. Sim, eu sei, estou carente e com sentimento de culpa.

A gente sabe da vida das pessoas pela internet e se contenta com isso. Mas ninguém vai pedir socorro, contar que terminou um casamento, dizer que foi demitido por meio de um post. Quer dizer, alguns. Sem falar das pessoas que só usam as redes para se livrar do sofá velho da sala. Com essas a amizade se esvai. Soube que uma amiga estava grávida quando já sabiam do sexo e o bebê tinha nome. Onde eu estava nesses meses todos?

Eu ainda faço questão de ligar para os mais chegados e desejar feliz aniversário. Não me rendi à facilidade de celebrar a vida de alguém querido por meio de um post, um Twett ou um Whatsapp. Mas tem gente que não se fala mais nem nessas datas.

O valor das redes sociais na aproximação das pessoas, na criação de novas amizades é inestimável, sou defensora, faço passeata se precisar defender, vale muito mais do que 20 centavos. Mas a gente precisa mais do que kkk e de coraçãozinho virtual nessa vida. Estamos cada vez mais egoístas.

Leia Mais