Arquivo da tag: redes sociais

Gente pelada não é crime

Ivan Martins, na Época Online

Não sei quando isso começou, mas eu soube esta semana que o Facebook está bloqueando as contas de quem tenha fotos de gente pelada, sejam elas artísticas, familiares ou de qualquer outra natureza.

As vítimas dessa ação de censura recebem um comunicado informando que o Facebook tem “uma política rígida contra o compartilhamento de conteúdo pornográfico e impõe limitações à exibição de nudez”. Fica a impressão, pela frase, que Mark Zuckerberg e seus funcionários acham que nudez e pornografia são coisas parecidas. Alguém tem de explicar a eles que não são.

Na verdade, é uma desgraça que ainda tenhamos que discutir esse tipo de assunto. A esta altura do século 21, deveríamos estar livres da ideia de que o corpo humano é uma coisa pecaminosa ou ofensiva, cuja visão deve ser proibida. Esse é um tabu tão antiquado, tão desprovido de utilidade ética, que custa acreditar que ainda seja defendido e praticado – muito menos imposto a gente adulta como proibição.

Quem cresceu nos anos 1970, como eu, carrega a impressão irremovível de que o avanço civilizatório é medido, entre outras coisas, pela liberdade de exibir o corpo humano. Quanto mais retrógrada a cultura, quanto mais opressivo o regime, quanto mais ignorante o sujeito, maior a preocupação em impedir a visão de peitos, bundas e pintos – ao vivo ou de qualquer outra forma.

Li outro dia o romance de uma escritora colombiana (Heróis Demais, da Laura Restrepo), em que há uma passagem reveladora sobre a sanguinária e carola ditadura argentina. Uma moça caminha pelas ruas de Buenos Aires no verão, com uma saia semitransparente, e é parada aos berros por um sujeito qualquer. Um fascista, claro. Ele a chama de prostituta e diz a ela que vá “receber seus clientes em casa”, em vez de ficar se exibindo. A moça sobe no ônibus chorando.

O contrário disso é a Europa, onde as pessoas lidam com a nudez de forma natural. Na primeira vez que eu estive na Alemanha, acho que foi em 1986, fui passear na beira de um rio em Munique e vi que estava todo mundo pelado, aproveitando o sol de verão. No sul de Portugal e da Espanha, onde os europeus do Norte vão pegar praia, acontece a mesma coisa: eles tiram a roupa com a maior naturalidade. Jovens e velhos. Também são capazes de sentar juntos numa sauna, homens e mulheres, porque não se ofendem com a visão do corpo do outro – e nem a consideram um convite automático para fazer sexo.

No planeta Zuckerberg, acontecem as duas confusões: há pessoas que se ofendem com a nudez dos outros e há os que consideram (talvez sejam os mesmos) que mostrar o corpo é o mesmo que convidar para transar. Por isso a nudez no Facebook vira crime e tem de ser proibida. É um caso clássico em que a pornografia está nos olhos e na mente de quem vê.

Nós sabemos exatamente como é isso no Brasil.

Os trogloditas que ofendem as meninas nos ônibus de São Paulo, por estarem com saias (que eles acham) curtas, também acreditam que mulher com as pernas de fora está querendo sexo. Como eles se excitam e talvez se ofendam com isso, agridem. Não passa pela cabeça desses homens instruídos e inteligentes que a piriguete pode estar apenas querendo se sentir bonita – e que isso é um direito dela.

Nas praias do Rio de Janeiro, quando os garotões atacam as meninas que fazem top less, praticam o mesmo moralismo explícito: se está com o peito de fora, é vagabunda, então eu posso tratar da forma que quiser, inclusive xingando e atirando areia. Eu, francamente, não consigo imaginar como alguém se acha no direito de praticar uma violência dessas. Se o sujeito está tão transtornado pela visão de um par de seios que precisa tomar alguma providência, se atire na água fria ou vista a bermuda e vá embora. Impor ao outro os seus imperativos morais ou o seu desconforto sexual não deveria ser uma opção. Mas é.

Vale o mesmo para o Facebook. A sede da empresa está instalada num país que trata esquizofrenicamente com as liberdades pessoais. Há lugares como Nova York ou Los Angeles onde tudo é permitido. Há outros lugares, dominados por religiosos, onde não se pode nada, nem usar biquíni na piscina. Parece que Zuckerberg resolveu atender prioritariamente ao grande sertão da Idade Média – e censurar todos os demais.

É uma pena que nós, que nada temos a ver com isso, tenhamos que sofrer as consequências das guerras culturais americanas. A política antidrogas converteu-se num banho de sangue sem vencedores em larga medida porque “proibição & repressão” é o modo como os religiosos americanos lidam com a questão desde os anos 1920 – e os Estados Unidos são o pais mais influente do mundo. Agora a sua influência se faz sentir, esquizofrenicamente, na internet.

foto: Nu artístico

Padre vira guru do amor nas redes sociais

Publicado originalmente na Veja

Vídeo ‘Dez conselhos para arrumar alguém’, de Chrystian Shankar, vira febre na rede, com quase meio milhão de visualizações em 45 dias

O time de gurus que ensinam pessoas a alcançar a felicidade no grande amor vem recebendo um reforço religioso no Youtube. Trata-se do vídeo em que o pároco Chrystian Shankar, do Santuário Nossa Senhora Aparecida, em Divinópolis (MG), ensina fiéis a “encontrar alguém”.

Em dez passos, explicados numa linguagem bastante direta, Shankar orienta os “encalhados” a buscar namorados na noite. Há, é claro, restrições: deve-se optar por lugares “construtivos” e evitar “atirar” para todos os lados, além de cuidar do figurino. As dicas são voltadas especialmente para as mulheres. “O jeito como você se veste está dizendo para os homens quem você é e o que você quer”, afirma o religioso, orientando as moças sobre como despertar o desejo de quem busca compromisso sério.

A passagem apoteótica do vídeo ocorre quando o padre diz que as pessoas devem evitar sair com “a turminha das encalhadas”. “Ali, meu filho, homem não chega”, alerta Shankar, arrancando palmas da plateia.

O vídeo foi colocado na internet dia 21 de janeiro e, em pouco mais de um mês, alcançou 500.000 visualizações. Entre os comentários, há até elogios de ateus. Outros vídeos do padre que figuram entre os hits dos sermões são Sete sinais de que o namoro não vai dar certo (300.000 views) e Quatro motivos para um namoro não dar certo (mais de 100.000 views).

Mas engana-se quem pensa que o padre é um candidato desavisado a celebridade da rede. Além de ter um programa de rádio e outro de televisão, Shankar é conectado: tem site pessoal e perfis no Facebook e Twitter.

Twitter recebe mais de 270 mil reclamações de consumidores por ano

Publicado originalmente no Adnews

O "Procon da internet"

Em 2011, 272.181 queixas foram feitas por consumidores via Twitter com a hashtag #fail (em inglês, falha). É o que mostra levantamento realizado pela E.life de 1 de janeiro a 31 de dezembro do ano passado, segundo o qual, houve mudanças nos focos de reclamação.

As categorias que ficaram na frente do ranking negativo foram alimentos (o que inclui restaurantes e marcas de comidas e bebidas); operadoras de telefonia (fixa e móvel); eletro-eletrônicos; bancos, seguradoras e cartões; e provedores de internet.

Os alimentos foram alvo de 119,5 mil reclamações, o que o fez saltar da 5ª posição em 2010 para a 1ª em 2011. Com 56,7 mil, as operadoras caíram do topo para o 2º lugar. Eletro-eletrônicos (com 18,1 mil), foram do 6º lugar ao 3º.

Navegadores; companhias aéreas; instituições de ensino; cosméticos e produtos de higiene; montadoras de automóveis; supermercados; aparelhos celulares; revistas; e produtos de limpeza completam os ítens mais criticados.

Orelhão inaugurado em cidade cearense vira piada nas redes sociais

Elizangela Santos, no Diário Cariri

Virou motivo de gozação, por parte de internautas nas redes sociais, a recente inauguração, em Caririaçu, pelo prefeito Edmilson Leite e autoridades locais, de um orelhão.

Além de ultrapassado, para as pessoas, o orelhão não é um investimento da prefeitura. Além de ter virado piada, os ‘facebokianos’ destacam a falta de infraestrutura onde o telefone público foi implantado, sem ter sequer uma plataforma de cimento para colocar o orelhão e a comunidade beneficiada com o intento.

Em volta do equipamento inaugurado, o colorido das bolas, com direito a retirada da fita e pose para foto.

dica do João Marcos