Arquivo da tag: Religião

Gospel ganha rede social com TV e VJs de Cristo

Apresentadora da LouveTV e cantora gospel Maressa no set de fimagem com o diretor David Almiron
x
Paula Reverbel, na Veja Online

Apesar do crescimento vivido pelo mercado de música gospel nos últimos anos, os videoclipes do gênero, até outubro, ainda não tinham um canal para chamar de seu. A veiculação de músicas evangélicas dividia o tempo de transmissão, tanto em canais como o Rede Gênesis quanto em sites como o New Gospel, com os cultos religiosos.

Foi de olho nisso que o publicitário e diretor de vídeo David Almiron resolveu criar a LouveTV, um canal gospel on-line integrado a uma rede social. A iniciativa se molda ao hábito dos jovens, que hoje vão ao Twitter comentar o que veem na TV e usam a internet para compartilhar fotos e ideias, além de responder à já tradicional questão feita pelas mídias sociais, “Em que você está pensando agora?”.

Na programação da LouveTV, estão músicos de diversos ritmos, do rock ao axé, e compositores de canções “com mensagens” – como são chamadas pelos crentes as letras de cunho religioso – de todas as Igrejas evangélicas. Na plateia, predominam jovens de doutrinas evangélicas, mas há também outros credos. Entre os cadastrados que forneceram sua religião, dado não obrigatório para a entrada no site, 79 se disseram católicos, um número pequeno mas suficiente para mostrar que o gospel pode arrebanhar fiéis também em outros templos.

Não que lhe falte potencial para movimentar cifras e audiência. Desde 10 de outubro, quando foi lançado, o canal recebeu mais de 300.000 visitas e quase 13.000 cadastros. O patamar é muito superior à meta que Almiron e seus sócios – o diretor de arte Lêka Coutinho, o fotógrafo Alberto Vilar, o diretor de informática Eduardo Rodrigues e o diretor financeiro Evandro Paiva – tinham para a fase beta do site. Nessa etapa, que é a atual, eles planejavam ter apenas 100 usuários para com eles testar tecnologias e resoluções para a transmissão de vídeos.

Os cinco sócios investiram cerca de 1 milhão de reais de recursos próprios para levar o projeto adiante, e vêm se desdobrando em jornadas duplas para pagar contas particulares enquanto o site não entra no azul. Lucro, só esperam para 2014, mas por ora comemoram outros ganhos. O LouveTV fechou parceria com todas as grandes gravadoras do ramo, como MK Music (sem ligação com Igrejas), Line Records (ligada à Universal do Reino de Deus) e Sony (major secular que este ano criou um selo para o segmento), para exibir videoclipes. E a multinacional convidou Almiron e seus sócios para um projeto que dará publicidade ao site, o Louve Acústico, ainda sem data.

O próximo passo do site, aliás, é esperar o público ganhar corpo para analisar dados de acesso e comportamento dos usuários e procurar anunciantes. A seleção das empresas seguirá os critérios editoriais do projeto: bebidas e cigarros, naturalmente, ficarão fora.

“É preciso criar um sistema de moralidade fora da religião”, propõe criador do Ateísmo 2.0


Publicado originalmente na Folha.com

Em uma apresentação pontuada por provocações, o filósofo Alain de Botton, 41, autor de best sellers como ”A Arquitetura da Felicidade” e ”Como Proust Pode Mudar sua Vida”, arrancou risos e mexeu com os ânimos da plateia que quase lotou a Sala São Paulo para ouvi-lo, dentro do ciclo de conferências Fronteiras do Pensamento.

A palestra marcou o lançamento no Brasil de sua mais recente obra, ”Religião para Ateus”. Botton iniciou sua fala apontando uma divisão básica entre os que creem e os que não creem em Deus.

O filósofo foi logo antecipando que não crê, e propôs a fundação do que chamou de um “ateísmo 2.0″. “Hoje é assim: ou você acredita em um conjunto de doutrinas e ingressa em uma comunidade religiosa, ou, com a ajuda da CNN e do Wal Mart, tenta dar conta de uma vida própria espiritualmente vazia”.

Em seguida, enumerou algumas características do culto religioso que deveriam servir de inspiração para o homem contemporâneo e defendeu sua ideia central, de que a cultura pode substituir a escritura. ”Muitos ateus como eu admiram catedrais, música sacra e se interessam pelos rituais. Os ateus deveriam se apropriar do legado das religiões”.

“De um modo geral o mundo está cada vez menos religioso. Talvez fosse possível ler Montaigne e Shakespeare ao invés do Evangelho”.

Ainda propôs que as universidades passassem a se preocupar não apenas com o conteúdo acadêmico mas também em ensinar como viver melhor, atribuição tradicionalmente associada à Igreja. “As pessoas querem não apenas aulas, mas também sermões, e as universidades deveriam pensar nisso”.

Também mencionou os rituais religiosos associados ao bem estar físico e emocional como os banhos de purificação ou a cerimônia do chá. E acrescentou: “Nossa mente é uma peneira. Hoje você ouve esta palestra e no final de semana já esqueceu. Uma das características da religião é a repetição, que trata de lembrá-lo sempre do que leu e ouviu”. Bottom enalteceu o calendário religioso em contraponto ao tempo desestruturado do homem contemporâneo.

E atacou o conceito da arte pela arte. “Hoje você vai a um museu de arte contemporânea e sai com a sensação de que não entendeu nada”. De acordo com Bottom, a abordagem das religiões é mais objetiva, e mostra que a arte serve para lembrar o que deveríamos amar e o que deveríamos temer.

Por fim, comparou as religiões às empresas multinacionais que prezam pela fixação de suas marcas nas cabeças dos consumidores.

Resumidamente, Bottom apontou a criação de comunidades laicas inspiradas nas instituições religiosas como solução para a doença moderna da solidão.

“Há um perigo real hoje que não é a ausência, e sim o excesso de liberdade. Precisamos abrir mão de parte dela por algo que pode ser bom para nós. É preciso criar um sistema de moralidade fora da religião”.

Criticou o Facebook e redes sociais: “As pessoas se juntam com base no que gostam em comum. Mas o verdadeiro propósito deveria ser o de juntar as pessoas que não se gostam”.

E assim encerrou sua palestra de 40 minutos. A seguir, mencionou que pretende abrir no Brasil, no ano que vem, uma filial de sua Escola da Vida –instituição fundada por ele em Londres, e que já recebeu mais de 40 mil alunos para cursos e palestras. “Assim como aprendemos a dirigir um carro ou fazer a declaração do imposto de renda, é preciso que nos ensinem como viver, e esta é a missão da escola”.

Foto: Eduardo Anizelli

‘Ciclo da vida é nego fracassado na TV virar crente’

.
Vocês tem mandado o link dizendo que a Bruna ex-BBB virou crente e tal (brigado), a gente não postou até agora, por que né? Ciclo da vida é nego fracassado na TV virar crente, mas daí lendo direitinho vi o depoimento dela:

“Uma desilusão como ser humano. Não estava feliz. Vivia da fama, tinha tudo, mas sempre com um vazio muito grande dentro de mim. Foi quando decidi me dedicar à igreja, em 2008, junto com minha amiga Rhanúsia”.

A primeira grande pergunta que fica é: VIVIA DE QUE FAMA?
a segunda, não menos importante: Como uma pessoa chamada Rhanúsia acredita em Deus?

Tempos perdidos.

O começo de uma teocracia no Brasil?

Jean Wyllys, na CartaCapital

Soube que o colega João Campos – fundamentalista cristão e deputado federal pelo PSDB de Goiás – andou coletando assinaturas para apresentar o que eu chamo de “PEC da Teocracia” meses atrás, quando fui abordado por um dos muitos coletores de assinaturas para PECs e frentes parlamentares que se espalham pelos corredores da Câmara dos Deputados (daqui a pouco eu explico por que eu assim “batizo” a PEC).

Como não assino proposição alguma sem, antes, ler seu conteúdo, assim que me dei conta do que pretende a PEC de Campos (e o que ela pretende me dá arrepios de pavor), não só recusei-me a subscrevê-la como passei a alertar os deputados aliados do perigo que a proposta representa.  Apesar de minha iniciativa, o deputado João Campos conseguiu o número de assinaturas necessário para protocolar sua “PEC da Teocracia”, em parte porque a bancada cristã na Câmara é numerosa, em parte porque é grande o número de deputados que, na pressa, assinam qualquer proposição sem ao menos ler seu conteúdo.

A notícia da “PEC da Teocracia” causou alvoroço entre os setores progressistas da sociedade e nas redes sociais da internet. Choveram críticas ao propositor da emenda constitucional e, sobretudo, aos deputados do PT, PV, PC do B e PPS – partidos considerados de esquerda e históricos defensores de um estado laico e democrático de direito – que a subscreveram. Constam lá, por exemplo, as assinaturas dos petistas Domingos Dutra e Nelson Pellegrino, dois parlamentares que, aparentemente, jamais endossariam qualquer proposição legislativa que pusesse em risco a laicidade do Estado e o bem-estar de minorias sociais e religiosas.

Alguns desses parlamentares de “esquerda” argumentaram, em defesa própria, que assinaram a “PEC da Teocracia” apenas para “fomentar o debate”; que não pretendem votar pela sua aprovação… O curioso é que esses mesmos parlamentares não assinaram a PEC do Casamento Civil Igualitário, que não oferece qualquer perigo à laicidade do Estado nem às liberdades individuais, muito pelo contrário. Não assinaram nem mesmo para “fomentar o debate” na sociedade em torno da negação de direitos fundamentais à comunidade homossexual. Haja incoerência…

Mas voltemos à PEC n° 99 de 2011: a “PEC da Teocracia”… Eu assim a batizo porque ela pretende que as “associações religiosas” possam “propor ação de inconstitucionalidade e ação declaratória de constitucionalidade de leis ou atos normativos, perante a Constituição Federal”. O que isso significa? Que, caso essa PEC venha a ser aprovada, as “associações religiosas” passam a fazer parte do seleto rol dos legitimados pela Constituição de 1988 a darem início ao processo de “controle concentrado de constitucionalidade”: (a) o Presidente da República;  (b) a Mesa do Senado Federal; (c) a Mesa da Câmara dos Deputados; (d) o Procurador-Geral da República; (e)o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil; (f) partido político com representação no Congresso Nacional; (g) Mesa de Assembleia Legislativa ou da Câmara Legislativa do Distrito Federal; (h) Governador de Estado ou do Distrito Federal; e (i)  confederação sindical ou entidade de classe de âmbito nacional. Continue lendo

O acalentado conforto da proibição

Paulo Brabo

Só os grandes articuladores da fé, que vivem e pensam em esferas distantes da multidão, é que falam da sua religião em termos profundos e categorias teológicas. Para uma pessoa normal, ou para alguém que observa de fora, uma religião é mais claramente definida pelas suas proibições.

O cidadão comum, muito sensatamente, prefere não ter de sentir-se à vontade entre termos como atonement, parousia, kenosis, koinonia e kairos. O cristão médio vive muito bem sem conhecer as quatro teorias da redenção, sem ter lido a autobiografia de Agostinho, sem pausar diante das agonias de Kierkegaard e sem dobrar-se com as angústias de Bonhoeffer. Ele intui que é possível aproximar-se de Jesus sem saber exatamente o que é graça irresistível, pecado original, amilenismo, soteriologia, hermenêutica, exegese, escatologia realizada, depravação total, arminianismo, imanência, universalismo, teísmo aberto ou monergismo. Muitos cristãos tarimbados sentem-se pouco à vontade para manusear sem proteção até mesmo conceitos que são mencionados pelo nome na Bíblia, coisas como santificação, graça, justificação, eleição e arrependimento. Até mesmo, olha, fé.

Em contraste com isso, os mais despreparados dentre nós sentem-se em geral prontos para elencar as interdições que envolve a nossa fé particular – ou, no mínimo, para zelar nominalmente pela aplicação delas. De longe, “minha religião não permite” é a profissão de fé mais comumente proferida da Terra.

É desse modo, elencando proibições, que na vida real falamos aos outros da nossa religião e inquirimos os outros a respeito da deles. É falando de proibições que orientamos ou corrigimos o caminho dos que se agregam ao círculo da nossa crença.

Há coisa de cinquenta anos as facções evangélicas e protestantes do Brasil cultivavam uma série de interdições em comum, a maioria das quais foram abolidas nesse intervalo, embora continuem a vigorar para um grupo ou outro. Crente não podia não podia beber, não podia ir ao cinema, não podia jogar futebol; não podia ouvir música do mundo, não podia entrar em boate, não podia fumar; não podia jogar, não podia fazer apostas e não podia dizer palavrão; se fosse mulher, não podia usar calça comprida, não podia usar maquiagem, não podia cortar o cabelo.

Corta para 2011: não só caíram todas essas proibições (ou a sua maioria), como a cultura e a tecnologia avançaram rápido demais para que as assembleias pudessem legislar com adequada austeridade proibições novas. Tarde demais para lembrar que crente não pode usar telefone celular, não pode ter conta no twitter e não pode ler o Paulo Brabo.

Isso não quer dizer que os cristãos tenham deixado de construir sua identidade entrincheirando-se atrás de suas mais sagradas proibições. Permanecemos, como sempre, particularmente interessados nas transgressões que dizem respeito ao corpo: da nossa pauta eterna aparentemente nada tem poder para riscar a contracepção, as relações homossexuais e o sexo não apaziguado pelo casamento.

Tanto a teologia quanto as proibições acabam sempre, portanto, encontrando o seu público. Para os teólogos, a essência da fé está nas filigranas e coisas profundas que a massa não tem como entender; para a massa dos fiéis, a essência da fé está nas proibições muito práticas que lhes fornecem por um lado uma identidade e por outro lhes garantem uma recompensa.

Uma das muitas coisas singulares a respeito de Jesus de Nazaré é que ele evitou por completo tanto as armadilhas teologantes dos letrados e eruditos quanto a religiosidade rasa, de proibição e recompensa, das massas.

Jesus não ignorava, naturalmente, que as duas abordagens tem muita coisa em comum. Em grande parte, a lista de proibições adotada pelos crentes é composta ou esboçada pelos religiosos letrados que residem acima deles na pirâmide socioeconômica. “Se não são os sofisticados o bastante para entender as minúcias da teologia em que se fundamentam,” raciocinam os líderes religiosos com relação ao seu rebanho, “que pelo menos não caiam naquelas transgressões mais severas. Façamos uma lista”.

Postando-se muito acima dessas mesquinharias, Jesus recusava-se, por um lado, a gastar um instante que fosse do seu tempo expondo ou discutindo teologia. Era contando histórias que ele desfiava indicações sobre a natureza e os desafios do Reino. Era no calor sem sofisticação de estradas, de refeições, de curas e de abraços – no calor da vida real – que ele mostrava como o Reino se deveria viver.

Por outro lado, ele recusava-se de modo consistente a fornecer ao seu público o conforto almejado das listas de proibições. Jesus não só negava-se a falar da vida abundante em termos de obediência a interdições, como repelia com exuberância as tentativas que as pessoas por vezes faziam de, às custas dele, reduzir a ética a uma resposta “sim ou não” para um problema complexo.

Naquela época não tinha qualquer penetração cultural a noção que todos conhecemos hoje, de que as motivações mais mesquinhas para se agir de determinada forma são o medo da punição e o desejo da recompensa. Jesus, no entanto, agia e ensinava como se fosse coisa muito evidente que uma ética de conduta regida por proibições é limitada e infantilizante. Muito mais ambicioso, o rabi de Nazaré sonhava com um mundo de autonomia individual e de decisões responsáveis: “por que vocês não decidem por si mesmos o que é certo?” (Lucas 12:57).

Ao mesmo tempo, Jesus desafiava constantemente a noção – pelo menos tão enraizada nos seus dias quanto nos nossos – de que simplesmente abster-se de descumprir os mandamentos era coisa capaz de garantir alguma recompensa ou de habilitar o adorador a exigi-la de Deus. Não contente em negar o conforto das listas de regras e proibições, o Filho do Homem insistia que na perspectiva divina nenhuma obediência tem recompensa ou a merece.

Na verdade, Jesus sugeriu mais de uma vez que a sensação de superioridade moral que acompanha uma vida de obediência estrita aos mandamentos é, em si mesma, a única recompensa que um religioso/carola deve esperar receber pela sua conduta.

Quem rege sua postura pela obediência aos mandamentos, insistia Jesus, não faz nada de mais e nada deve esperar em troca. A imitação de Deus requer uma bondade assertiva e uma generosidade vivida, não uma vida de recuos, desvios e melindres. Como ilustração espetacular desse modo de ver as coisas, em seu último discurso no evangelho de Mateus o Filho do Homem ousa condenar ao inferno não os pecadores que rebaixaram-se a fazer o mal, mas os religiosos que deixaram de fazer o bem.

Essa visão outorgava ao homem uma liberdade que tinha tanto de terrível quanto de sublime. O apóstolo Paulo maravilhou-se diante dela mais de uma vez. Por vezes usamos o seu “mas nem todas me convém” a fim de anular por completo o seu “todas as coisas me são lícitas”, porém isso é não fazer justiça à vertigem que ele detectou. Para recapturá-la seria preciso reescrever o seu hino como: “todas as coisas me são lícitas, e terei a hombridade de assumir responsabilidade por todas que eu fizer ou deixar de fazer”.

Um Deus que sonhava para os seres humanos uma vida de plena maturidade, sem recalques mas sem descontos, mostrou-se incrível e exigente demais para ganhar verdadeira popularidade.

Ao sugerir que seu Pai não recompensava a obediência, mas esperava uma gentileza assertiva mais do que uma obediência neurótica a regulamentos, Jesus requereu uma profunda e intransigente ressignificação da imagem que os homens faziam (e ainda tendem a fazer) de Deus. Não é de se admirar que poucas gerações de convertidos depois os cristãos já tivessem revertido à imagem tradicional da divindade, aquele que aceita os bons e rejeita os desobedientes.

Jesus, patrono da maturidade, perguntava a seus discípulos porque eles não discerniam por si mesmos o que era correto, e ensinava que as prostitutas chegam ao céu antes dos religiosos. Hoje em dia as igrejas, patrocinando a imaturidade, explicam que a Bíblia é uma norma inflexível de conduta, e ousam dizer a gente adulta, capaz de ler os evangelhos por si mesma, que criança boazinha é que vai para o céu.

fonte: A Bacia das Almas