Cão fica 11 dias sem comer deitado na cova do dono na Índia, diz socorrista

Tommy, deitado sobre a cova do dono, Bhaskar Shri, 18, morto em acidente de carro (Reprodução/NY Daily News)
Tommy, deitado sobre a cova do dono, Bhaskar Shri, 18, morto em acidente de carro (Reprodução/NY Daily News)

Publicado no UOL

Um cachorro mostrou sua lealdade em Chennai, no sul da Índia, mesmo após a morte do dono, um adolescente de 18 anos. O cão passou 11 dias junto à cova dele, sem comida ou água, segundo relato de uma mulher que o resgatou.

Bhaskar Shri, 18, morreu no último dia 2 de agosto em um acidente de carro. Shri, funcionário na construção civil, tinha adotado o cachorro, que batizou de Tommy, há dois anos, e o levava diariamente ao trabalho.

Tommy foi salvo por Dawn Williams, que trabalha na Cruz Azul, ONG que resgata animais. “Eu vi o cão marrom deitado em uma cova recente em uma tarde enquanto caminhava, isso na primeira semana de agosto. Naquela época, eu não fiz nada”, conta Dawn.

“Mas em 13 de agosto, estava no local de novo em uma missão de resgate diferente e o vi. Ele estava sentado no mesmo local e na mesma posição. É como se ele não tivesse se mexido durante semanas.”

Dawn encontrou o cão em péssimas condições. “Ele estava faminto e estou certa de que tinha lágrimas nos olhos. Dei a ele água e biscoitos, mas ele nem se mexia. Então, com meus colegas, passei pela vizinhança e perguntei se alguém conhecia o cão. Foi quando me disseram que se chamava Tommy e guardava o túmulo do dono”, lembra.

A funcionária da Cruz Azul encontrou a mãe de Bhaskar. Assim que viu a mulher, Tommy correu em sua direção. Ela contou que o cão havia desaparecido desde a morte do filho e ficou feliz em poder levá-lo para casa. “Ela disse que o cão era um amigo leal e que cuidaria dele para lembrar de seu próprio filho”, disse Dawn. (Com NY Daily News)

Leia Mais

Haitianos em situação análoga à de escravo são resgatados em SP

Vítimas cumpriam jornadas de mais de 15 horas sentadas em cadeiras de plástico inadequadas. (foto: SRTE/SP)
Vítimas cumpriam jornadas de mais de 15 horas sentadas em cadeiras de plástico inadequadas. (foto: SRTE/SP)

Publicado por Leonardo Sakamoto

O governo federal resgatou 14 trabalhadores haitianos que estavam em condições análogas à escravidão em uma oficina de costura na região central do município de São Paulo. A operação é a primeira envolvendo imigrantes dessa nacionalidade no Estado.

O caso é inédito. Apesar de haitianos já terem sido resgatados da escravidão no Brasil (por exemplo, 100, em Minas Gerais e 21, no Mato Grosso), nenhum caso havia sido registrado no Estado de São Paulo, nem no setor têxtil. Segundo depoimentos, os trabalhadores não estavam recebendo salários e passavam fome. A reportagem é Stefano Wrobleski, da Repórter Brasil:

Doze haitianos e dois bolivianos foram resgatados de condições análogas às de escravos em uma oficina têxtil na região central de São Paulo. O resgate ocorreu no início deste mês após fiscalização de auditores do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e uma procuradora do Ministério Público Trabalho (MPT). As vítimas trabalhavam no local há dois meses produzindo peças para a confecção As Marias, mas nunca receberam salários e passavam fome.

Segundo a fiscalização, antes de serem aliciados, os haitianos estavam sendo abrigados pela pastoral Missão Paz, mantida pela paróquia Nossa Senhora da Paz para acolher migrantes de outros países que chegam a São Paulo. Além de alojar os migrantes, a pastoral promove palestras a empresários sobre a cultura e os direitos dos estrangeiros, onde os interessados em contratar os recém-chegados preenchem fichas com informações que são usadas para verificar a situação trabalhista das empresas na Justiça e monitorar as contratações.

A estilista e dona da empresa, Mirian Prado, afirmou à Repórter Brasil que não tinha conhecimento das condições de trabalho na oficina e que só terceirizava o trabalho: “A gente estava na hora errada, no lugar errado e fazendo a coisa errada sem saber”, disse. Depois da autuação, informou que a empresa passou a fiscalizar outros fornecedores e que pretende deixar de terceirizar o serviço em breve para ter melhor controle sobre sua produção.

De acordo com o padre Paolo Parise, que coordena a missão desde 2010, o interesse dos empresários pela Missão Paz diminui quando eles são informados de que os migrantes têm os mesmos direitos dos demais trabalhadores no Brasil. O padre diz que, de janeiro a julho deste ano, 587 empresas contrataram 1710 migrantes através da pastoral. O número de empresas, porém, equivale a apenas um terço do total de interessados que assistem à palestra inicial.

MTE assina protocolo contra escravidão – Em coletiva de imprensa, o superintendente regional de São Paulo do MTE, Luiz Antônio de Medeiros Neto assinou portaria que regulamenta o envio direto de ofício com informações sobre empresas flagradas com trabalho escravo no Estado de São Paulo para a Secretaria da Fazenda do Estado. A medida visa garantir a efetividade da lei nº 14.946/2013, que prevê a cassação do registro do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) de empresas flagradas com trabalho escravo e seu banimento do estado por dez anos.

A dona da oficina onde as 14 vítimas de trabalho escravo foram resgatadas faz parte dos dois terços de empresários desistentes. “Em maio, ela e seu esposo vieram, participaram da palestra e, depois, sumiram sem contratar ninguém”, disse Paolo. Antes de ser aliciado, Daniel*, um dos haitianos, já tinha emprego fixo em um shopping da capital e retornava todas as semanas à pastoral para dar, voluntariamente, aulas de português aos colegas conterrâneos. (mais…)

Leia Mais

Elefante que viveu acorrentado por 50 anos chora no momento em que ganha liberdade

Instituição de caridade efetuou resgate durante a meia-noite.

publicado no TechMestre

Um elefante que foi acorrentado durante 50 anos chorou depois de ganhar a liberdade em uma missão de resgate durante a noite. O caso ocorreu na Índia. 

Raju foi espancado e forçado a comer plástico nas ruas para sobreviver. Mas na última semana, uma instituição de caridade com sede em Londres, entrou em cena para salvar o animal. Eles fizeram uma operação de resgate a meia-noite para evitar que o bicho morresse. 

Raju foi libertado no primeiro minuto do dia 4 de julho, Dia da Independência norte-americana. A equipe que o salvou afirmou que o animal foi visto em lágrimas neste momento. 

“Raju passou os últimos 50 anos vivendo em uma existência miserável e preso durante todo o dia, um ato de crueldade intolerável”, afirmou um porta-voz da instituição de caridade Pooja Binepal.

Elefante que viveu acorrentado por 50 anos chora no momento em que ganha liberdade

A equipe ficou surpresa ao ver suas lágrimas: “Era incrivelmente emocionante para todos nós. Sabíamos que ele percebeu que estava sendo libertado”, concluíram.

Leia Mais

Vídeo mostra homem segurando bebê que cai de prédio na China

Criança de pouco mais de um ano se assustou com tempestade e escalou janela

Publicado em O Globo

Um vídeo disponibilizado nesta quinta-feira no YouTube mostra o momento em que um homem agarra um bebê de pouco mais de um ano que cai de uma janela no segundo andar. As imagens do resgate — que aconteceu em Xiaolan, subúrbio de Zhongshan, na província chinesa de Guangdong —rapidamente se espalharam pelas redes sociais.

Assustado com uma tempestade, o bebê escalou uma das janelas de sua casa, possivelmente procurando sua mãe. Um vizinho viu o bebê na janela, e rapidamente saiu, na chuva, e estendeu os braços, preparando-se para aparar sua queda.

As imagens, captadas por uma câmera de segurança, mostram outro vizinho se aproximando para ajudar, além de pessoas que colocam pedaços de papelão e uma almofada no chão, na tentativa de salvar o bebê.

O homem que segurou a criança, identificado apenas como sr. Li, afirmou que não pensou muito durante o resgate:

— Só temia não conseguir segurá-lo. Não foi nada além de puro instinto — afirmou Li.

Leia Mais

Cadela enterrada viva no RS apresenta melhoras e doações chegam a R$ 8.000

Lucas Azevedo, no UOL

A cadela Bela Vitória, resgatada de uma cova no fim de semana, no interior do Rio Grande do Sul, apresenta melhoras. O animal foi encontrado por um casal apenas com a cabeça para fora, em um buraco na terra, num terreno baldio no centro de Vera Cruz (a 168 km de Porto Alegre), no vale do Rio Pardo, região central do Estado. Devido à grande repercussão, doações para a ONG que acompanha o animal já chegam R$ 8.000.

O cão já se alimenta sozinho, mas ainda não levanta. Sua dieta é controlada e balanceada, uma mistura de ração pastosa e sólida para filhotes –estão sendo dados grãos pequenos porque ela ainda tem dificuldade para engolir.

Segundo a veterinária Juliana Saueressig, que atende o animal em uma clínica na cidade, ela praticamente não possui tecido muscular, continua desnutrida e sofre de uma grave infecção. “O seu quadro precisa melhorar, ela tem que ganhar massa muscular. Quando estiver melhor, passará por uma cirurgia para a retirada do olho direito, vazado. Mas para isso ela precisa suportar uma  anestesia.”

Se comparada ao sábado (8), quando foi encontrada, Vitória já está muito melhor. Mantém a cabeça erguida e, nesta quinta-feira (13), tentou se arrastar para fora da gaiola.

O caso ganhou repercussão no início da semana. A cadela sem raça definida foi encontrada na tarde de sábado por um casal, vizinhos do local, o loteamento Belo Horizonte. Eles chamaram o Corpo de Bombeiros, que desenterrou o animal e o levou a uma clínica veterinária. Os soldados gravaram o momento do resgate.

Os veterinários que cuidam do caso acreditam que o animal deve ter ficado de dois a três dias sem comer. Entretanto, para os especialistas, Vitória possuía um dono que a privava de alimento e água. “Do jeito que ela foi encontrada, estava há muito mais tempo sem água e comida. Certamente ela tinha uma pessoa como dono que não oferecia alimento para ela. Até os cães de rua se viram, encontram o que comer. O que não parecia ser o caso dela. Realmente era falta de oferta de alimento”, afirma a veterinária Juliana.

A Polícia Civil está empenhada em identificar o possível dono de Vitória e o responsável por enterrá-la viva. Testemunhas estão sendo ouvidas.

Muito fraca, Bela Vitória ainda não late. Quem quiser ajudar o cão, pode entrar em contato com a clínica veterinária na qual ela se encontra, pelo telefone 51 3718 2848 ou com a Associação Mãos e Patas, no número 51 9995-2033.

Leia Mais