Conteúdo marcado como ricardo gondim

Os vendilhões do templo

Os vendilhões do templo
Ricardo Gondim A pergunta necessária que toda a organização deve fazer: é possível nossa instituição ser eficiente, bem sucedida, e mesmo assim perder o sentido? Na narrativa do evangelho de João, Jesus expulsa vendedores que se tornaram promotores de um camelódromo no espaço sagrado. O lugar onde o peregrino devia ser acolhido, e o adorador encontrar ambiente para o culto, havia se transformado em feira-livre. Jesus, então, vira as mesas […]

A vida em estado puro

A vida em estado puro
Ricardo Gondim Dedicado ao mestre Rubem Alves  Ando inebriado de beleza. De repente me sinto esmagado pelo esplendor. Sem mais nem menos, sou batizado por uma Presença nas águas encantadas da poesia. Tudo me encanta, tudo me seduz. Nesse mergulho, passo a gostar de pequenos gestos. Relembro momentos fugidios que marcaram minha retina com enorme alegria. Ressuscitam em mim olhares, toques e sílabas soltas, responsáveis pelo resgate de mim mesmo. Sei, uma presença estranha […]

A vida sem rédeas

A vida sem rédeas
Ricardo Gondim A vida se parece com um cavalo chucro. Ela não obedece prognósticos, despreza vaticínios e nunca se prende aos trilhos da lógica. Quando puxada à direita, desobedece. Se afrouxamos as rédeas e cogitamos parar, eventos súbitos nos surpreendem. Quem não se dobra à verdade de que a vida é selvagem, desperdiça enormes pedaços da existência. O esforço de encabrestar o potro selvagem chamado vida, exaure. Querer antecipar o […]

Os felizes e os desgraçados

Os felizes e os desgraçados
Ricardo Gondim Bem-aventurados os contentes com a vida. Neles qualquer migalha divina será bênção dividida. E toda alegria, a negação da rotina. Bem-aventurados os que têm fome e sede de beleza. Neles encarna o Filho do Poeta. Seus versos entrarão na sala da realeza E só eles perceberão, no inefável, uma partitura completa. Bem-aventurados os trapezistas. Eles no alto circo balançam. No perigo de viver, destilam nos mortais, pistas que só os riscos […]

O homem resoluto e provisório – um conto

O homem resoluto e provisório – um conto
Ricardo Gondim Não! O homem esbravejou, contundente. Enquanto caminhava, seguiu sem raiva. Viajava com certa impaciência, sim. Por isso, murmurou, insistindo consigo mesmo: Nunca! Negar era seu jeito de procurar manter alguma lucidez. Esperneou para não se ver enredado nas teias pegajosas da estrada imponderável. Soltou um grito primitivo e pueril para fazer a catarse do negativo. Mastigou palavras raras. Contentou-se em repetir seu jamais todo próprio. Logo a estrada […]