Richard Dawkins diz que “é imoral” uma mulher dar à luz um filho com síndrome de Down

20140821-115716

Publicado em O Globo

O biólogo britânico Richard Dawkins, um dos principais cientistas do mundo no estudo da evolução das espécies, tornou-se o centro de um caloroso debate sobre o aborto na internet. Ele utilizou sua conta no Twitter para afirmar que uma mulher, se estivesse grávida de um feto com síndrome de Down, “deveria abortar e tentar novamente. Seria imoral para trazê-lo para o mundo, se você tem a escolha”.

Ateu declarado, Dawkins é autor de diversos livros, como “Gene egoísta” (1976) e “Deus, um delírio” (2006). Nesta quarta-feira, ele publicou no Twitter, para seus mais de 1 milhão de seguidores, o link de um artigo da revista liberal “New Republic” intitulado “A Igreja Católica prefere barbárie medieval ao aborto moderno”. Ao publicar, Dawkins comentou: “a Irlanda é um país civilizado, exceto em uma área”, referindo-se às conservadores leis irlandesas sobre aborto.

Foi o bastante para se iniciar, então, uma discussão sobre o tema. Dawkings recebeu uma saraivada de críticas de internautas. Em uma das respostas, o católico irlandês Aidan McCourt perguntou-lhe: “994 seres humanos com síndrome de Down deliberadamente mortos antes do nascimento na Inglaterra e no País de Gales em 2012. Isso que é civilizado?”.

Dawkins respondeu: “Sim, é muito civilizado. Esses são os fetos, diagnosticados antes que eles tenham sentimentos humanos”. Mais tarde, ele acrescentou: “Aprenda a pensar em formas não-essencialistas. A questão não é ‘é humano’, mas ‘ele pode sofrer?”.

O debate se estendeu por toda a quarta-feira. Momentos depois da primeira declaração de Dawkins, outra internauta comentou afirmando que não saberia o que fazer se fosse informada que estaria grávida de uma criança com síndrome de Down, tachando a questão de um “dilema ético real”. Foi nesta ocasião que o biólogo retrucou em tom frio e seco: “Abortar e tente novamente. Seria imoral para trazê-lo para o mundo, se você tem a escolha”.

PEDIDO DE DESCULPAS

Nesta quinta, no site da sua fundação, o biólogo se posicionou ao pedir desculpas pelo “frenesi” criado no feed da sua conta do Twitter. Após dar uma explicação sobre a síndrome, Dawkins afirma que geralmente os pais que cuidam de filhos com síndrome de Down formam fortes laços de afeto com eles, como fariam com qualquer criança, provavalmente tendo sido o que causou alguns dos tweets de ódio que recebeu.

Adiante no texto, ele afirma que quando a síndrome é detectada, “a maioria dos casais optam por aborto e a maioria dos médicos recomenda isso”.

Em seguida, desenvolve o que teria dito para a mulher se tivesse mais do que 140 caracteres:

“Obviamente, a escolha seria sua. A quem interessar possa, minha escolha seria de abortar o feto com síndrome de Down e, assumindo que você quer ter um bebê, tentaria de novo. Tendo a chance de fazer um aborto cedo ou deliberadamente trazer a criança com Down no mundo, eu acho que a escolha moral e sensata seria abortar. E, de fato, isso é o que a grande maioria das mulheres, nos Estados Unidos e especialmente na Europa, fazem. Eu pessoalmente iria além e diria que, se sua moral é baseada, como a minha é, no desejo de aumentar a soma de felicidade e reduzir o sofrimento, a decisão de deliberadamente dar à luz o bebê com Down, quando você tem a chance de abortar no começo da gravidez, pode realmente ser imoral do ponto de vista do próprio bem estar da criança. Concordo que essa opinião pessoal é controversa e precisa ser mais discutida, possivelmente para ser afastada. Em todo caso, você provavelmente estaria condenando a si mesmo como mãe (ou como um casal) a uma vida de cuidar de um adulto com necessidades de criança. Seu filho vai provavelmente ter uma expectativa de vida curta, mas, se ele viver mais que você, você provavelmente vai ter que se preocupar com quem irá cuidar dele depois que você se for. Não me admira que a maioria das pessoas escolha aborto quando têm essa opção. Dito isso, a escolha seria inteiramente sua e eu nunca sonharia em tentar impor minha visão em você ou em qualquer outra pessoa.”

Leia Mais

Um rio do Éden

É fascinante essa ideia de que trazemos nos genes recursos, impulsos, fobias e encargos dos quais não nos damos conta, como relógios embutidos

Luis Fernando Verissimo, em O Globocover

O meu relógio biológico é um Rolex. Não, brincadeira. Nós todos temos um relógio dentro de nós que sempre “sabe” exatamente que horas são, embora nem todo mundo saiba que ele sabe, ou confie nele. O relógio biológico funciona mais ou menos como uma portaria de hotel, à qual você pede para ser acordado à certa hora. Ou como um despertador, que você marca para acordá-lo. O relógio interior pode falhar — as portarias de hotel e os despertadores também falham —, mas sempre que não acreditei no meu me arrependi. O que aconteceu mais de uma vez foi que o relógio biológico me acordou e fiquei na cama, aflito para saber se a portaria iria se lembrar ou o despertador funcionar, e acabei me atrasando. E minha tese é que quando o relógio biológico não nos acorda é porque, no fundo, não queremos acordar. Algum outro instrumento instintivo que carregamos sem saber prevaleceu e neutralizou o relógio.

É fascinante essa ideia de que trazemos nos genes recursos, impulsos, fobias e encargos dos quais não nos damos conta, como relógios embutidos ligados a alguma fonte inimaginavelmente precisa de tempo certo. Somos portadores de mensagens cifradas que não conhecemos, e não entenderíamos se conhecêssemos. Há uma teoria segundo a qual o pavor universal de cobras vem de um resquício do passado reptiliano que ficou num dos cantos primitivos do nosso cérebro. E a mais nobre e misteriosa missão que nossos genes realizam à nossa revelia é a de trazer nosso DNA desde as origens da espécie humana até agora. Ninguém nos contratou, mas nossa função no mundo é transportar DNA.

O famoso biólogo darwinista Richard Dawkins deu um título poético a um dos seus livros: “River out of Eden”. Tirado de Genese 2:10: “E saía um rio do Éden para regar o jardim, e dali se dividia.” O rio do Éden de Dawkins e de DNA, e passa por todos nós.

dica do Ailsom Heringer

Leia Mais

Ateus encontram refúgio espiritual em “missa ateia” realizada no sul dos EUA

joie
Dave Thier, no The New York Times [via UOL]

Teria sido fácil confundir o que estava acontecendo no salão de baile do hotel local com um ritual religioso. Todas as coisas que costumam estar associadas a um estavam presentes num domingo recente: 80 pessoas atraídas por uma convicção comum. Exortações ao serviço. Cantos e luzes. Um sermão apaixonado.

Só não foi feita nenhuma menção a Deus.

Anunciada como a primeira “missa” ateia da Louisiana e intitulada “Joie de Vivre: sentir prazer em estar vivo”, foi realizada por Jerry DeWitt, um homem pequeno e carismático vestido todo de preto, com um cabelo liso e brilhante.

“Oh, vai ser tão difícil não falar: ‘agora um amém!’”, disse ele com um sorriso, alertando as pessoas de que o serviço seria muito mais parecido com o de uma igreja do que elas poderiam esperar. “Quero que vocês se sintam à vontade para cantar. E quero que vocês se sintam à vontade para bater palmas. Vou pedir para vocês silenciarem os celulares, mas não vou pedir para desligá-los. Porque quero que você publique mensagens.”

Enquanto DeWitt andou para frente e para trás, falando com um sotaque pesado do sul dos EUA, sua voz poderosa às vezes tremia de emoção. O termo pode ser uma contradição, mas é impossível descrevê-lo como outra coisa que não um pregador ateu.

DeWitt age tanto como um clérigo por que já foi um.

Ele foi criado pentecostal em DeRidder, Louisiana, uma pequena cidade perto da fronteira com o Texas. Em 2011, depois de 25 anos como pregador, ele percebeu que tinha perdido toda a conexão com a visão religiosa que havia definido a maior parte de sua vida. Ele deixou a igreja e se viu num verdadeiro ostracismo em sua cidade natal e em sua família. Desde então, DeWitt, 43, tornou-se um proeminente defensor do ateísmo, dando palestras por toda a região e proporcionando um contraponto mais emocional para os expoentes ateus mais acadêmicos como Richard Dawkins e Christopher Hitchens.

Com o serviço de domingo – que marca o início da Capela Missão Comunitária em Lake Charles, que o DeWitt chamou de verdadeira “igreja” ateísta –, ele queria trazer algumas das coisas que ele havia aprendido durante seus anos de líder religioso para os ateus no sul da Louisiana.

Mais ateus

A porcentagem de norte-americanos não afiliados a religião parece estar aumentando. Um estudo do Pew Research Center de 2012 revelou que embora apenas cerca de 6% se identifique como ateus ou agnósticos, eles estavam entre os quase 20% classificados como sem religião. Esse número subiu em relação aos 15% de 2007, um aumento bem maior do que para qualquer crença tradicional.

DeWitt se considera um ateu linha-dura, mas acredita que algo pode se perder quando alguém sai da igreja – e não só as partes que dizem respeito a Deus, mas também um senso de comunidade e uma conexão com a emoção.

“Há muitas pessoas que, apesar de chegarem a essa conclusão, sentem falta da forma como a igreja funciona, de uma maneira que poucas outras comunidades são capazes de imitar”, disse ele em uma entrevista por telefone. “O secular pode aprender que só porque nós valorizamos o pensamento crítico e o método científico, isso não quer dizer que de repente nos desconectamos do corpo e já não podemos mais beneficiar de nossas vidas emocionais.”

Alguns na platéia enfrentaram dificuldades até chegar ao ateísmo. Hammers Joshua, membro de uma organização ateísta em Lake Charles, disse que foi completamente separado de sua comunidade e da vida social quando deixou a igreja pentecostal em que foi criado. Para ele, há algo confortável, uma lembrança da infância, ao ouvir DeWitt pregar.

“Estávamos no Reason na conferência de Bayou, e todo o resto parecia mais uma palestra,” disse Hammers, referindo-se a uma manifestação secular realizada em abril na Universidade Estadual da Louisiana. “Então, Jerry se levantou, e começou a pregar a mensagem. A maioria dos outros líderes ateus são acadêmicos e intelectuais, e Jerry não é assim. Ele fala direto ao seu coração.”

Refúgio

As “missas” estão ganhando força como saídas para o ateísmo organizado em lugares como Londres, Houston, Sacramento e Nova York, assim como em universidades com capelães humanistas. Numa região profundamente conservadora como o sul dos EUA, elas podem servir a um propósito essencial: proporcionar um sentimento de camaradagem num ambiente que muitos consideram hostil para pessoas não-religiosas.

“Aqui, temos um forte senso de comunidade”, disse Russell Rush, ex-pastor de jovens de DeRidder. “Quando você entra numa igreja de verdade, é quase como ter uma reunião de família. Quando você deixa esse estilo de vida, e deixa a vida da igreja para trás, muitas vezes você pode se sentir no ostracismo. Coisas como essa e dizer aos companheiros ateus e agnósticos que eles não estão sozinhos.”

Sr. DeWitt vê serviços como o seu como um esforço para dar uma forma humana a um amplo movimento intelectual que está em sua infância. Ele acredita que ele e os outros na sala estão construindo algo feito para durar.

“Embora este movimento tenha tido arranques e paradas ao longo da história mundial, agora é importante lembrar que somos jovens”, disse ele depois de um coro de uma música da banda Fun. “Algum dia, aquilo que você está fazendo vai se tornar normal. Isso não é um sentimento?”

tradução: Eloise de Vyder

Leia Mais

Richard Dawkins lidera lista com os maiores intelectuais do mundo

Responsável pela invenção do termo ‘meme’, evolucionista é popular na internet
Ranking de revista recebeu mais de 10 mil votos de mais de 100 países

O biólogo Richard Dawkins foi eleito o maior intelectual do mundo no ranking da revista Prospect Divulgação
O biólogo Richard Dawkins foi eleito o maior intelectual do mundo no ranking da revista Prospect Divulgação

Publicado originalmente em O Globo

O biólogo evolucionista Richard Dawkins desbancou ganhadores do Prêmio Nobel e foi considerado o maior intelectual do mundo pelos leitores da revista Prospect. Atrás dele vêm o político afegão Ashraf Ghani, o psicólogo Steven Pinker, o ex-ministro iraquiano Ali Allawi e o economista Paul Krugman. O ranking foi publicado após mais de 10 mil votos de mais de 100 países.

Ateu, Dawkins é autor dos livros “Deus, um delírio” e “O gene egoísta”, que introduziu o termo “meme”, em uma referência à menor unidade do pensamento. Hoje, o conceito é frequentemente usado para definir conteúdos que se espalham pela internet na forma de textos, imagens e vídeos. O biólogo, inclusive, é popular na web: ele tem quase 700 mil seguidores no Twitter, onde costuma falar muito de religião.

Em relação à primeira lista, de 2005, uma novidade entre os mais votados foi o físico inglês Peter Higgs, que contribuiu para o desenvolvimento da teoria do Bósson de Higgs, a chamada “partícula de Deus” descoberta no ano passado que dá massa a outras partículas elementares. O cientista é um dos mais cotados para o Nobel este ano.

Chama a atenção a ausência de mulheres entre os dez primeiros colocados. A mais bem classificada, no 15º lugar, é a escritora e ativista da Índia Arundhati Roy, uma crítica proeminente das injustiças no país.

O ranking foi baseado em 65 nomes escolhidos por especialistas. O critério para fazer parte da seleção era ter exercido “influência nos últimos 12 meses” e uma importância “para as grandes questões do ano” – o que pode explicar a ausência de pensadores renomados, como Noam Chomsky e Stephen Hawking, por exemplo.

Confira a lista completa

Leia Mais