Arquivo da tag: Sérgio Pavarini

16 destinos incríveis que todo mochileiro (e aventureiro!) precisa conhecer

publicado no nomades digitais

Os mochileiros de plantão vão adorar essa lista que encontramos no site Jardim do Mundo, com 16 destinos incríveis para fazer trekking, as chamadas trilhas, que só um espírito genuinamente aventureiro pode aguentar dia após dia, dormindo em barracas e sem muito conforto.

Dos mais difíceis caminhos, com longas e íngremes subidas, cheios dos mais diversos desafios, às mais fáceis e acessíveis, esse post reúne algumas rotas com paisagens incríveis em vários países como Estados Unidos, Islândia e até mesmo a Irlanda, destino que tem recebido cada vez mais intercambistas.

Prepare sua mochila e seu corpo, pois a resistência física é fundamental, e confira as mais sensacionais trilhas abaixo:

1. Cruzando Norte Drakensberg, África do Sul

Com 41 milhas (65 km) de comprimento, essa trilha feita na montanha mais alta da África do Sul pode levar de cinco a seis dias e a data ideal para ida é entre março e maio. O nível de dificuldade é extremo, visto que não há rota definida entre os rios, cascatas e escladas.

africa-do-sul

2. Portões do Parque Nacional do Ártico – Alaska, Estados Unidos

Esse enorme parque é o segundo maior do país, com 13.238 milhas quadradas (34.287 quilômetros quadrados). Entre cadeia de montanhas, floresta boreal, rios selvagens e paisagens incríveis, você ainda encontra – entre a extrema dificuldade – ursos pardos, raposas e caribus. O ideal é ir entre junho e agosto.

alaska

3.  A trilha Overland Track, Austrália

Com 50 milhas (82 km) de comprimento, essa trilha é uma das mais famosas da Austrália, levando de cinco a seis dias para ser feita. Entre rios, florestas temperadas e montanhas, o nível de dificuldade está entre o fácil e o moderado, pois há calçadões bem conservados no meio do caminho. Vá entre os meses de outubro e maio.

australia

4. Caminho Jomolhari – Butão

Essa trilha leva até a montanha sagrada do Himalaia, que faz fronteira com Tibete, China e Butão. Com até 66 milhas (106 km) de comprimento, você leva de oito a doze dias para completá-la. A dificuldade extrema pode ser poupada pelos museus, casas yak, mosteiros e fortalezas. Os melhores meses para ir são abril, maio, outubro e novembro.

butao

5. John Muir Trail, Califórnia, Estados Unidos

Entre 21 e 24 dias você pode percorrer as 210 milhas (339 km) dessa trilha que passa por maravilhosos parques nacionais como Yosemite, Kings Canyon, Sequoia e John Muir e as florestas de reservas Nacionais Serra e Inyo. A dificuldade é moderada e o ideal é ir entre julho e outubro. 

calif

6. Tour du Mont Blanc – França, Itália, Suíça

Essa popular caminhada tem 105 milhas (170 quilômetros), a serem percorridas entre 7 e 11 dias. A dificuldade beira entre o moderado e o extremo, pois a trilha é feita em torno do Mont Blanc, passando por subidas complicadas e descidas, planícies rochosas, que dão uma vista incrível para as geleiras. A melhor época para a aventura é entre os meses de julho e setembro.

fra

7. Trilha Inca para Machu Picchu – Peru

Com quatro dias é possível percorrer as 30 milhas (48 km) da trilha inca mais famosa de todas. O caminho por meio de florestas, tundras e paisagens geológicas, tem dificuldade moderada e leva às famosas ruínas de Machu Picchu. O melhor período para fazê-la é entre maio e agosto, somente em grupos com número limitado de pessoas, conforme estabeleceu o governo local.

macchu

8. De Lukla ao Everest Base Camp, Nepal

São 16 dias para percorrer as 70 milhas (113 km) de dificuldade moderada. A incrível vista contempla os quatro dos picos mais altos do mundo (Everest, Lhotse, Makalu e Cho Oyu). Além disso, passa por geleiros, rios, mosteiros budistas e aldeias amigáveis.  Vá entre março-maio ou setembro-dezembro. 

nepal

9. Queen Charlotte Trail – Nova Zelândia

Com 44 milhas (71 km), percorridas em quatro dias, essa é uma das rotas de trekking mais conhecidas da Nova Zelândia. Bem cuidada, a trilha com dificuldade entre fácil e moderado tem acesso a florestas exuberantes e águas cristalinas. A melhor época para ir é simplesmente o ano todo.

nz

10. A rota Dingle Way, Irlanda

São 112 milhas (179 km) e nove dias de caminhada. Praias douradas, aldeia, florestas, ruínas e campos ultra verdes são algumas das atrações que fazem que com que essa trilha seja das mais diversificadas. A dificuldade é moderada e é melhor evitar o período entre novembro e fevereiro, quando há fortes chuvas e granizo. 

irlanda

11. Cinque Terre, Itália

As “cinco terras” italianas são formadas por pequenas aldeias costeiras ao longo de 7,5 milhas (12 km). De um a dois dias é fácil percorrer por Riomaggiore, Manarola, Corniglia, Vernazza e Monterosso, especialmente nos meses de abril-maio e setembro-outubro. 

cinqueterre

12. Kalalau Trail – Havaí, Estados Unidos

O percurso não é longo, mas a dificuldade é vigorosa nessa caminhada de 22 milhas (36 km), que leva de dois a três dias para ser feita. Vales verdejantes e bordas estreitas intensificam seu esforço, que é recompensado com as paisagens impressionantes. Pode ir tranquilamente durante o ano todo. 

kalalau

13. Long Trail, Vermont, Estados Unidos

Estradas, rios, pântanos, florestas alpinas, lagos cristalinos e grandes áreas verdes formam as 273 milhas (438 km) dessa rota, a ser completa entre 26 e 30 dias. A dificuldade varia entre moderado e extremo e o melhor período é entre maio e novembro.  

vermont

14. Trail Laugavegurinn – Islândia

A rota mais popular da Islândia é totalmente envolvida na vida selvagem, passando por vales desertos, geleiras, paisagens vulcânicas e cachoeiras cristalinas, que ao longo de suas 34 milhas (55 km), te rendem quatro dias de caminhada moderadamente difícil. Vá entre junho e setembro.

isl

15. Gunung Rinjani, Indonésia

Esta trilha de 14 milhas (22 km) leva corajosos, que caminha de três a quatro dias, ao Monte Rinjani, um vulcão ativo e segundo pico mais alto do país. Entre grutas, subidas íngremes, águas termais e céus estrelados, vale a pena enfrentar a dificuldade extrema. Planeje sua ida entre maio e outubro.

gunung

16. Torres del Paine – Chile

Como parte da passagem surreal da Patagônia, as “Torres” se estendem por 62 milhas (100 quilômetros), rendendo oito dias de caminhada. Animais como condores e gansos se espalham por geleiras, penhascos, florestas e campos subpolares. A dificuldade está entre moderada e extrema, e os melhores meses para ir são entre novembro e abril. 

10 motivos para ter saudades da década de 1990

publicado no Bombou na web

A semana foi ótima para os saudosistas do meu Facebook. Na última quarta-feira (16), começou no Museu da Imagem e do Som, em São Paulo, uma exposição sobre o Castelo Rá- Tim- Bum. O programa estreou em 1994 e marcou a infância de quem foi criança naquela década. Quem foi à mostra se apressou em comentar nas redes sociais, publicar fotos do evento e até recuperar fotos antigas, da própria infância, quando todo mundo tinha autorização para se fantasiar como os personagens do Castelo. Um portento. De tanto ver criança fofa e fotos do Cássio Scapin pipocando na minha timeline, acabei sentindo saudades daqueles tempos. Foi uma década louca, quando a criançada cantava músicas cheias de duplo sentido sem a menor culpa (chocante, gente) as novelas eram boas e a internet era discada – quando era. Os anos 1990 foram incríveis por que:

1- Para entrar em um certo castelo, as crianças tinham que saber uma senha que mudava todo dia. O porteiro era todo pimpão e o relógio avisava quando o dono da casa estava chegando, para a galera esconder a bagunça.

2- Durante a tarde, tinha uma cara que mandava a gente sentar para ouvir história

Eu, que assistia a tv ​ deitado no sofá, sempre sentava nessa hora. Porque eu era uma criança obediente e não queria irritar o moço.

3 - A criançada tinha medo do cadeirudo

4 - Jogar fliperama não era coisa de balada hipster

5 - A Amy tinha um seriado só dela

E  ela se chamava Blossom, e tinha uma amiga chama Six. O pessoal sabia batizar as crianças.

6 - O André Marques era magro

E o Mocotó era reaça, reparem.

7 - A gente lia os livrinhos da coleção Vagalume

Não é da década de 1990, mas todo mundo lia. Não questionem

8 - E comia chocolate da turma da Mônica

Que a gente comia seguindo o contorno do personagem. Reaparem que, no comercial, a Magali transforma os amigos em chocolate e depois come. Era uma história sádica que ensinava as crianças que a vida não é moleza.

9 - Todo mundo tinha bichinho virtual

10 – A gente esperava até de madrugada para entrar na internet. E ouvir esse barulhinho aqui:

Esse gato perde a beleza drasticamente (e de forma hilária) a cada foto tirada

gato-setsu-beleza

publicado no animais interessantes

Conheça Setsu, um gato japonês que ficou famoso por causa de algo um pouco incomum.

Quando você olhar as fotos de Setsu, vai logo pensar mais ou menos nessa ordem: “nossa, que gato lindo”, “que bonitinho”, “que fofo”, “que… engraçado”, “que estranho”, “isso é mesmo um gato?”

Hahaha, isso porque o japa vai ficando um pouco estranho… Olha só:

Esse é um lindo gato branco de olhos azuis hipnotizantes

gato-setsu-beleza-1

gato-setsu-beleza-2

gato-setsu-beleza-3

Mas quando começa a ficar sonolento, isso muda

gato-setsu-beleza-5

gato-setsu-beleza-6

gato-setsu-beleza-7

gato-setsu-beleza-8

Tá acordando! Olha só que bonito

É, acho que falei cedo demais

gato-setsu-beleza-11

*-*

Pais deixam filha deficiente mental amarrada em árvore há mais de 20 anos

publicado no TecMestre

Zhang Yanrong, uma mulher de 26 anos de idade de Shaanxi, na China, foi amarrada a uma árvore do lado de fora de sua casa há mais de 20 anos.

Seus pais a amarraram quando ela era pequena, para evitar que se ferisse, depois de um acidente na infância que a deixou com deficiência mental.

Deficiente mental e lesionada, ela não podia reconhecer o caminho de casa. Seus pais a levaram para muitos médicos, mas não podiam pagar as despesas. E assim foi decidido que amarrá-la a uma árvore era a única solução.

Zhang Yanrong sofreu um acidente na infância e ficou com deficiência mental, Jovem acabou sendo amarrada por pais em árvore há mais de 20 anos para evitar que se machucasse.

23 desesperos tecnológicos que você vivenciou na década de noventa

publicado no BuzzFeed

1. Esperar o momento exato da música começar na rádio para dar o play e gravar.

2. Calcular quanto tempo tinham as músicas para caber nos 30 minutos de cada lado.

3. A fita enrolar.

4. O discman pular e parar a música na melhor parte.

5. A pilha do discman/walkmen acabar do nada.

6. Tela azul no Windows.

7. ​Abrir um disquete e ver que o arquivo mais importante da sua vida estava corrompido.

8. O disquete embolorar.

9. E​sperar até meia noite para entrar na Internet.

10. ​A bolinha do mouse emperrar.

11. ​Baixar música ​no Kazaa ​e vir pornô.

12. Bug do Milênio​.

13. ​A conversa mais importante do mundo ser interrompida no ICQ porque a internet caiu.

14. E​sperar o retorno do BIPE.

15. ​Levantar o celular para ter sinal.

16. ​Errar a discagem do telefone e ter que começar tudo de novo.

17. ​O pavor de ter seu celular clonado​.

18. Esperar o celular fazer a primeira carga por 24 horas antes de usar.

19. Soprar o cartucho do videogame.

20. Soprar o Videocassete quando a fita travava.

21. Lembrar de rebobinar a fita para não pagar multa.

22. Rebobinar a fita dupla do VHS do Titanic.

23. ​​Alguém gravar algo em cima do seu videoclipe preferido.